LD – 10/06/11 (6ª Feira)

Vamos então nos preparar para a Leitura, orando juntos: Jesus Mestre, que dissestes: “onde dois ou mais estiverem reunidos em seu amor, eu aí estarei no meio deles”. Amém!

10/Jun/2011 (6ª Feira) – VII Semana da Páscoa
. . .
(branco, prefácio da Ascensão –  ofício do dia)

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

LEITURAS

Leitura dos Atos dos Apóstolos 25,13b-21  
(É pelo testemunho que Paulo será decapitado)
Naqueles dias, 13b o rei Agripa e Berenice chegaram a Cesareia e foram cumprimentar Festo. 14Como ficassem alguns dias aí, Festo expôs ao rei o caso de Paulo, dizendo: “Está aqui um homem que Félix deixou como prisioneiro. 15Quando eu estive em Jerusalém, os sumos sacerdotes e os anciãos dos judeus apresentaram acusações contra ele e pediram-me que o condenasse. 16Mas eu lhes respondi que os romanos não costumam entregar um homem antes que o acusado tenha sido confrontado com os acusadores e possa defender-se da acusação. 17Eles vieram para cá e, no dia seguinte, sem demora, sentei-me no tribunal e mandei trazer o homem. 18Seus acusadores compareceram diante dele, mas não trouxeram nenhuma acusação de crimes de que eu pudesse suspeitar. 19Tinham somente certas questões sobre a sua própria religião e a respeito de um certo Jesus que já morreu, mas que Paulo afirma estar vivo. 20Eu não sabia o que fazer para averiguar o assunto. Perguntei então a Paulo se ele preferia ir a Jerusalém, para ser julgado lá. 21Mas Paulo fez uma apelação para que a sua causa fosse reservada ao juízo do Augusto Imperador. Então ordenei que ficasse preso até que eu pudesse enviá-lo a César”. — Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial (Salmo 102(103))       
— O Senhor pôs o seu trono lá nos céus.    
— Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e todo o meu ser, seu santo nome! Bendize, ó minha alma, ao Senhor, não te esqueças de nenhum de seus favores!     
— Quanto os céus por sobre a terra se elevam, tanto é grande o seu amor aos que o temem; quanto dista o nascente do poente, tanto afasta para longe nossos crimes.     
— O Senhor pôs o seu trono lá nos céus, e abrange o mundo inteiro seu reinado. Bendizei ao Senhor Deus, seus anjos todos, valorosos que cumpris as suas ordens.

Leitura . . . 
(. . .)  
. . . — Palavra do Senhor.

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo João 21,15-19
(Apascenta os meus cordeiros e minhas ovelhas)
Jesus manifestou-se aos seus discípulos 15e, depois de comerem, perguntou a Simão Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes?” Pedro respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus disse: “Apascenta os meus cordeiros”. 16E disse de novo a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro disse: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas”. 17Pela terceira vez, perguntou a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava. Respondeu: “Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo”. Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas. 18Em verdade, em verdade te digo: quando eras jovem, tu te cingias e ias para onde querias. Quando fores velho, estenderás as mãos e outro te cingirá e te levará para onde não queres ir”. 19Jesus disse isso, significando com que morte Pedro iria glorificar a Deus. E acrescentou: “Segue-me”. — Palavra da Salvação

COMENTÁRIOS

Jesus Cristo nos disse: “Eu sou o CAMINHO…    
Qual o CAMINHO que a Palavra diz para mim? Sob a luz da verdade – Jesus está vivo! – e confia a Igreja aos apóstolos na pessoa de Pedro. Em que consiste “tomar conta do rebanho”? Os bispos, em Aparecida, falaram de “tarefas prioritárias” dos discípulos e missionários de Jesus: “O fato de ser discípulos e missionários de Jesus Cristo para que nossos povos, n’Ele, tenham vida leva-nos a assumir evangelicamente e a partir da perspectiva do Reino as tarefas prioritárias que contribuem para a dignificação do ser humano e a trabalhar junto com os demais cidadãos e instituições para o bem do ser humano. O amor de misericórdia para com todos os que veem vulnerada sua vida em qualquer de suas dimensões, como bem nos mostra o Senhor em todos seus gestos de misericórdia, requer que socorramos as necessidades urgentes, ao mesmo tempo que colaboremos com outros organismos ou instituições para organizar estruturas mais justas nos âmbitos nacionais e internacionais. É urgente criar estruturas que consolidem uma ordem social, econômica e política na qual não haja iniquidade e onde haja possibilidade para todos. Igualmente, requerem-se novas estruturas que promovam uma autêntica convivência humana, que impeçam a prepotência de alguns e que facilitem o diálogo construtivo para os necessários consensos sociais.” (DAp 384).

… a VERDADE…  
Qual a VERDADE que a Palavra me diz? Faço a leitura lenta e atenta, na Bíblia, do texto da Palavra do dia: Jo 21,15-19.
Quando eles acabaram de comer, Jesus perguntou a Simão Pedro:
– Simão, filho de João, você me ama mais do que estes outros me amam?
– Sim, o senhor sabe que eu o amo, Senhor! – respondeu ele.
Então Jesus lhe disse:
– Tome conta das minhas ovelhas!
E perguntou pela segunda vez:
– Simão, filho de João, você me ama?
Pedro respondeu:
– Sim, o senhor sabe que eu o amo, Senhor!
E Jesus lhe disse outra vez:
– Tome conta das minhas ovelhas!
E perguntou pela terceira vez:
– Simão, filho de João, você me ama?
Então Pedro ficou triste por Jesus ter perguntado três vezes: “Você me ama?” E respondeu:
– O senhor sabe tudo e sabe que eu o amo, Senhor!
E Jesus ordenou:
– Tome conta das minhas ovelhas. Quando você era moço, você se aprontava e ia para onde queria. Mas afirmo a você que isto é verdade: quando for velho, você estenderá as mãos, alguém vai amarrá-las e o levará para onde você não vai querer ir.
Ao dizer isso, Jesus estava dando a entender de que modo Pedro ia morrer e assim fazer com que Deus fosse louvado.
Então Jesus disse a Pedro:
– Venha comigo!
É a terceira vez que Jesus ressuscitado aparece aos discípulos. O diálogo com Pedro desperta várias reações: de reconciliação, depois que havia negado o Mestre por três vezes; de missão: “Tome conta das minhas ovelhas”. Pedro recebe esta missão especial na comunidade que sempre será o “rebanho” de Jesus.

… e a VIDA”.          
Qual a VIDA que o texto me leva a dizer a Deus? Pai, torna cada vez mais consistente meu amor a teu Filho Jesus, e confirma minha condição de discípulo que deseja dar testemunho autêntico de sua fé.

Qual deve ser a minha VIDA e MISSÃO hoje?      
Qual o meu novo olhar a partir da Palavra? Sinto-me discípulo/a de Jesus. Passarei o dia com o olhar com fé voltado para a Igreja. Perceberei a ação de Jesus Ressuscitado em cada momento de meu dia.

REFLEXÕES

JESUS E PEDRO  
Neste capítulo 21 do evangelho de João temos um registro da retomada da missão dos discípulos na Galileia. Os evangelhos de Marcos e Mateus também registram este retorno à Galileia. É apenas o evangelho de Lucas que menciona a permanência dos discípulos em Jerusalém, em vez deste retorno. Neste diálogo entre Jesus e Pedro, que ocorre após a pesca milagrosa no mar da Galileia, temos o resgate da imagem de Pedro, ao qual se atribuiu uma tríplice negação de seu vínculo com Jesus, por ocasião de sua prisão. Agora Pedro é redimido pela tripla afirmação de seu amor a Jesus. Assim é confirmado como o pastor das ovelhas a ocupar o lugar de Jesus. A alusão à morte de Pedro é um registro feito pelo evangelista, em estilo profético, sobre o fato já acontecido.

TU ME AMAS?
Todo cristão deveria se defrontar com a tríplice pergunta que o Ressuscitado dirigiu a Pedro. Ela é bem precisa: “Tu me amas?”, e não pode ser respondida com evasivas ou sem convicção. É sim ou não, com as respectivas consequências, tanto em termos pessoais – conversão interna -, quanto em termos sociais – testemunho público e seus riscos. 
A melhor maneira de expressar nosso amor a Jesus é amar o próximo. E o ápice deste amor está em não poupar nada de si, quando se trata de servir, como fez Jesus. 
Portanto, a pergunta do Ressuscitado poderia ser respondida assim: “Tu sabes que eu nutro profundo amor pelo meu próximo; podes ver como minha vida é toda vivida como doação; podes, igualmente, verificar como minha existência é tecida de gestos concretos de oblação. Esta é a prova de que, realmente, eu teu amo”.           
O Mestre não pode confiar no discípulo, cujo amor não é entranhado. Por isso, antes de confiar a Pedro a missão de presidir a comunidade dos cristãos, quis se assegurar do seu amor. Este procedimento de Jesus é plenamente acertado. O exercício do ministério, na Igreja, pressupõe o amor que ele exigiu de Pedro, quando lhe confiou a missão de conduzir o seu rebanho. Arrisca-se a descambar para a tirania a liderança de quem se põe à frente da Igreja sem amar, autenticamente, a Jesus.

RESPONDA “SIM” AO SEU CHAMADO
O que mais atrai sobre nós a benevolência do Alto é a nossa solicitude para com o próximo. Assim, é justamente esta a disposição que Cristo exige de Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes? Ele respondeu: Sim, Senhor, tu bem sabes que eu te amo. E Jesus lhe diz: Apascenta as minhas ovelhas”.
Por que, deixando os outros apóstolos de lado, Jesus se dirige a Pedro a respeito deles? É que Pedro era o primeiro entre os apóstolos, o que falava em nome deles, o chefe do seu grupo, tanto que o próprio Paulo vem consultá-lo um dia, e não aos outros. Para demonstrar a Pedro que podia confiar plenamente que sua negação fora anulada, Jesus lhe dá agora a primazia entre os seus irmãos. Não menciona que o negou, nem o envergonha com o seu passado. “Se tu me amas, diz Ele, permanece à frente dos teus irmãos; proves, agora, aquele amor apaixonado que sempre demonstrastes por mim, com tanta alegria! A vida – que dizias estar pronto a dar em meu favor – Eu quero que a dês pelas minhas ovelhas”.
Interrogado uma primeira vez e depois uma segunda, Pedro apela para o testemunho d’Aquele que conhece o segredo dos corações. Interrogado uma terceira vez, ele se perturba, e o temor o domina. Lembra-se de que outrora fizera afirmações solenes, que os acontecimentos haviam desmentido. E é por isso que procura, agora, apoiar-se em Jesus: “Tu conheces tudo”, afirma Pedro. Cristo conhece tanto o presente quanto o futuro. Vede Pedro como tornou-se melhor e mais humilde, como perdeu sua arrogância e seu espírito de contradição! Perturbou-se ao pensamento de que podia ter a impressão de amar, sem amar realmente. “Tanto estava seguro de mim mesmo no passado – pensa ele – como agora me sinto confuso”. Jesus o interroga três vezes, e três vezes lhe dá a mesma ordem: Apascenta as minhas ovelhas. Demonstra assim o apreço que tem pelo cuidado de suas ovelhas, pois faz, de tal cuidado, a maior prova de amor para com Ele.
Depois de ter falado a Pedro deste amor, Jesus prediz o martírio que lhe está destinado. Manifesta desse modo toda a confiança que deposita nele. Para nos dar um exemplo de amor e mostrar a melhor forma de amar, diz Ele: “Quando eras jovem, tu mesmo amarravas teu cinto e andavas por onde querias; quando, porém, fores velho, outros te cingirão e te levarão para onde não queres ir”. Era, aliás, o que Pedro tinha querido e desejado outrora; por isso é que Jesus lhe fala assim. Pedro dissera, com efeito: “Eu darei a minha vida por ti!” E também: “Ainda que eu tenha de morrer contigo, não te negarei!”
Seguir a Jesus significa renunciar ao desejo de poder e comprometer-se com Ele no serviço humilde aos pobres e excluídos. Isto é solicitude para com Jesus na pessoa do próximo. E é isso que Jesus espera de mim e de você. Entregue-se! Como Pedro, responda “sim” ao seu chamado.

TU ME AMAS?
Todo cristão deveria se defrontar com a tríplice pergunta que o Ressuscitado dirigiu a Pedro. Ela é bem precisa: “Tu me amas?”, e não pode ser respondida com evasivas ou sem convicção. É sim ou não, com as respectivas consequências, tanto em termos pessoais – conversão interna -, quanto em termos sociais – testemunho público e seus riscos.
A melhor maneira de expressar nosso amor a Jesus é amar o próximo. E o ápice deste amor está em não poupar nada de si, quando se trata de servir, como fez Jesus.
Portanto, a pergunta do Ressuscitado poderia ser respondida assim: “Tu sabes que eu nutro profundo amor pelo meu próximo; podes ver como minha vida é toda vivida como doação; podes, igualmente, verificar como minha existência é tecida de gestos concretos de oblação. Esta é a prova de que, realmente, eu teu amo”.
O Mestre não pode confiar no discípulo, cujo amor não é entranhado. Por isso, antes de confiar a Pedro a missão de presidir a comunidade dos cristãos, quis se assegurar do seu amor. Este procedimento de Jesus é plenamente acertado. O exercício do ministério, na Igreja, pressupõe o amor que ele exigiu de Pedro, quando lhe confiou a missão de conduzir o seu rebanho. Arrisca-se a descambar para a tirania a liderança de quem se põe à frente da Igreja sem amar, autenticamente, a Jesus.

SIM, SENHOR, TU SABES QUE TE AMO    
O amor a Jesus é a condição fundamental para que possamos participar da missão evangelizadora da Igreja. Qualquer outra motivação é insuficiente para tal e está fadada ao fracasso. Não é a toa que Jesus pergunta três vezes a Pedro se ele o ama. Isso quer dizer que todos os que querem de fato participar da missão evangelizadora da Igreja devem se questionar constantemente sobre o seu amor a Jesus, renovar este amor a cada dia e buscar formas de aprofundar ainda mais este amor, principalmente através da participação na Eucaristia, leitura e meditação da Palavra, cultivo da vida interior e vivência cada vez maior do amor para com os pobres e necessitados.

SIMÃO, FILHO DE JOÃO, TU AMAS-ME?  
Na hora da prova, Pedro renegou o Mestre três vezes. E a voz tremia-lhe quando respondeu: «Sim, Senhor, Tu sabes que Te amo» (Jo 21,15). Contudo, não respondeu «Todavia, Senhor, eu enganei-Te», mas: «Sim, Senhor, Tu sabes que Te amo». Dizendo isto, já sabia que Cristo é a pedra angular sobre a qual, apesar de toda a fraqueza humana, pôde crescer nele, Pedro, esta construção que terá a forma do amor. Através de todas as situações e todas as provas. Até ao fim. Por isso ele escreverá um dia […]: «Vós mesmos, como pedras vivas, entrais na construção de um edifício espiritual, por meio de um sacerdócio santo, cujo fim é oferecer sacrifícios espirituais que serão agradáveis a Deus tão só por Jesus Cristo» (1 Ped 2,5).  
Tudo isto significa tão só responder sempre e constantemente, com tenacidade e de maneira consequente, a esta única pergunta: Amas-Me? Tu amas-Me? Tu amas-Me mais? É com efeito esta resposta, quer dizer, este amor, que faz com que sejamos «raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo adquirido» (1 Ped 2,9). Ela é que faz que proclamemos as obras maravilhosas d’Aquele que nos «chamou das trevas para a Sua luz admirável» (1 Ped 2,9). Tudo isto o soube Pedro na absoluta certeza da sua fé. E sabe tudo isto e continua a confessá-lo também nos seus sucessores.

APASCENTA AS MINHAS OVELHAS
Neste evangelho, um irmão da minha equipe de reflexão, brincou dizendo que Jesus estava com dificuldade de escutar, pois repetiu a mesma pergunta por três vezes, e parece que ele lembrou-se das três negações do apóstolo e parecia querer dizer “olha lá hein Pedro, não vá pisar no tomate de novo!” Claro que isso é uma especulação, mas muita gente associa a interrogação com as negações, o apóstolo que negou três vezes, agora vai ter que confirmar seu amor também por três vezes. Não deixa de ser uma interpretação interessante e que até faz sentido, mas Jesus não estava com problema de surdez e nem queria humilhar o apóstolo Pedro, ao contrário, vai confirmá-lo como primeira coluna da Igreja, porém, quer lembrá-lo de algo que é essencial na vida de todo discípulo Missionário: Cuidar do rebanho por amor a Cristo, que agora, nos irmãos e irmãs, precisa ser amado e aqui está a beleza da reflexão. Como deve ser este amor?        
Simão, tu me amas? (com amor ágape, sem medidas, gratuito e incondicional, até as últimas consequências) Pedro respondeu que SIM, mas com o amor Filia, seu amor pelo mestre não era assim tão extraordinário, afinal o tinha negado…)      
Simão, tu me amas? De novo Pedro responde afirmativamente, porém com essa ressalva, de que não é um amor igual ao do Mestre. Jesus pergunta uma terceira vez, agora, porém, falando exatamente do amor Filia, entre irmãos, que é bonito e belo também, mas que não é tão perfeito.         
E Jesus o confirma como Pastor, o aceita em suas limitações, o seu jeito de amar. Acontece que , quando nos dispomos como Pedro, a servir a Deus nos irmãos, a sua Graça Santificante vai nos transformando, não é assim o amor conjugal entre um homem e uma mulher? No altar o SIM do casal promete amor, mas é o Eros, seria como a água nas Bodas de Cana, daí Jesus abençoa, inunda o coração dos seus discípulos com a sua graça e a Força do Espírito Santo e o milagre acontece: o discípulo começa a amar como Jesus, desapegando-se de tudo, até mesmo da sua vontade, como Pedro, que ao final da sua vida, será conduzido á morte, mas não abrirá mão da Fidelidade a Jesus e seu Reino. Nossas comunidades também são assim… A Graça age em nossas fraquezas e limitações, e vai transformando o nosso amor tão pequeno em um Grandioso amor, exatamente como o de Jesus…

‘SENHOR, TU SABES TUDO; TU SABES QUE TE AMO’. JESUS DISSE-LHE: ‘CUIDA DAS MINHAS OVELHAS’       
Hoje agradecemos a São João que nos deixe constância da íntima conversa entre Jesus e Pedro: «Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes?». Pedro respondeu: «Sim, Senhor, tu sabes que te amo». Jesus lhe disse: «Cuida dos meus cordeiros» (Jo 21,15). —Desde os menores, recém-nascidos à Vida da Graça… Tem que ter cuidado como se fosse Ele mesmo… Quando por segunda vez… «Jesus lhe diz: `Cuida das minhas ovelhas´», Ele está dizendo a Simão Pedro: — A todos os que me sigam, tu vais presidir no meu Amor, deveis procurar que eles tenham a caridade ordenada. Assim, todos saberão que por vos que seguem-Me; que a minha vontade é que passes por diante sempre, administrando os méritos que —para cada um— Eu tenho ganhado.  
«Pedro ficou triste, porque lhe perguntou pela terceira vez se era seu amigo. E respondeu: `Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que te amo´» (Jo 31,17). Faz-lhe retificar sua tripla negação, e só ao lembrar-se dela, o entristece. —Eu te amo totalmente, porém te tenha negado…, já sabes quanto chorei a minha traição, já sabes que encontrei consolo somente estando com tua Mãe e com os irmãos.        
Encontramos consolo ao recordar que o Senhor estabeleceu o poder de apagar o pecado que separa-nos, muito ou pouco, de seu Amor e o amor dos irmãos. —Encontro consolo quando admito a certeza do meu afastamento de teu lado, e ao sentir de teus lábios sacerdotais o «Eu te absolvo» “poder de jurisdição”. 
Encontramos consolo neste poder das chaves que Jesus Cristo dá a todos os seus sacerdotes-ministros, para reabrir as portas de sua amizade. — Senhor, vejo que um ato de desamor ajeita-se com um ato de imenso amor. Tudo isso, leva-nos a valorar a joia imensa do sacramento do perdão para confessar os nossos pecados, que realmente são “desamor”.

. . .     
. . .

MONIÇÕES

1ª Monição: Monição Ambiental ou Comentário inicial         
Assim como foi enviado pelo Pai, Jesus nos convida a fazer parte do seu rebanho e nos envia para darmos testemunho dele. Antes, porém, nos interroga sobre o amor. Só quem ama tem condições de segui-lo fielmente.

2ªMonição: Monição para a(s) leitura(s) e o salmo    
Somente quem tem muito amor consegue ser fiel à missão confiada pelo Pai e se dispõe a dar testemunho de Jesus até o fim.

3ª Monição: Monição para o Evangelho   
Aleluia, aleluia, aleluia.      
O Espírito Santo, o paráclito, haverá de lembrar-vos de tudo o que tenho falado (Jo 14,26).

ANTÍFONAS

1ª Antífona: Antífona da entrada     
Cristo nos amou e nos lavou dos pecados com seu sangue, e fez de nós um reino e sacerdotes para Deus, seu Pai, aleluia! (Ap 1,5s).

2ª Antífona: Antífona da comunhão
Quando vier o Espírito da verdade, ele vos ensinará toda a verdade, diz o Senhor, aleluia! (Jo 16,13).

ORAÇÕES DO DIA

1ª Oração: Oração do dia ou Oração da coleta   
Ó Deus, pela glorificação de Cristo e pela iluminação do Espírito Santo, abristes para nós as portas da vida eterna. Fazei que, participando de tão grandes bens, nos tornemos mais dedicados ao vosso serviço e cresçamos constantemente na fé. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

2ª Oração: Preces da Assembleia ou Oração da Assembleia  
— Atendei, Senhor, nossa oração.     
— A fim de que a solenidade de Pentecostes traga novo vigor à Igreja, rezemos.     
— A fim de que o amor sincero nos comprometa com o projeto de Jesus, rezemos. 
— A fim de que os cristãos sejam cada vez mais unidos e fraternos, rezemos.         
— A fim de que os evangelizadores suportem com fé as provações e dificuldades, rezemos.         
— A fim de que o anúncio da boa-nova contribua para a construção da paz e da justiça, rezemos.

3ª Oração: Oração sobre as oferendas       
Ó Deus, considerai compassivo as oferendas do vosso povo e, para que elas possas agradar-vos, purificai os nossos corações com a vinda do Espírito Santo. Por Cristo, nosso Senhor.

4ª Oração: Oração depois da comunhão   
Ó Deus, que nos purificais e alimentais com os vossos sacramentos, fazei que encontremos a vida eterna na refeição que nos concedestes. Por Cristo, nosso Senhor.

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s