LD – 20/06/11 (2ª Feira)

Vamos então nos preparar para a Leitura, orando juntos: Jesus Mestre, que dissestes: “onde dois ou mais estiverem reunidos em seu amor, eu aí estarei no meio deles”. Amém!

20/Jun/2011 (2ª Feira) — XII Semana Comum
. . .
(verde – ofício da IV semana)

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

LEITURAS

Leitura do livro do Gênesis 12,1-9     
(. . .)  
Naqueles dias, 1o Senhor disse a Abrão: “Sai da tua terra, da tua família e da casa do teu pai, e vai para a terra que eu te vou mostrar. 2Farei de ti um grande povo e te abençoarei: engrandecerei o teu nome, de modo que ele se torne uma bênção. 3Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão abençoadas todas as famílias da terra!” 4E Abrão partiu, como o Senhor lhe havia dito, e Ló foi com ele. Tinha Abrão setenta e cinco anos, quando partiu de Harã. 5Ele levou consigo sua mulher Sarai, seu sobrinho Ló e todos os bens que possuíam, bem como todos os escravos que haviam adquirido em Harã. Partiram rumo à terra de Canaã e ali chegaram. 6Abrão atravessou o país até o santuário de Siquém, até o carvalho de Moré. Os cananeus estavam então naquela terra. 7O Senhor apareceu a Abrão e lhe disse: “Darei esta terra à tua descendência”. Abrão ergueu ali um altar ao Senhor que lhe tinha aparecido. 8De lá, deslocou-se em direção ao monte que estava a oriente de Betel, onde armou sua tenda, com Betel a ocidente e Hai a oriente. Ali construiu também um altar ao Senhor, e invocou o seu nome. 9Depois, de acampamento em acampamento, Abrão foi até o Negueb. — Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial (Sl 32(33))        
— Feliz o povo que o Senhor escolheu por sua herança!          
— Feliz o povo cujo Deus é o Senhor, e a nação que escolheu por sua herança! Dos altos céus o Senhor olha e observa; ele se inclina para olhar todos os homens.       
— Mas o Senhor pousa o olhar sobre os que o temem, e que confiam esperando em seu amor, para da morte libertar as suas vidas e alimentá-los quando é tempo de penúria.       
— No Senhor nós esperamos confiantes, porque ele é nosso auxílio e proteção! Sobre nós venha, Senhor, a vossa graça, da mesma forma que em vós nós esperamos!

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 7,1-5
(. . .)
Naquele tempo disse Jesus aos seus discípulos: 1“Não julgueis e não sereis julgados. 2Pois, vós sereis julgados com o mesmo julgamento com que julgardes; e sereis medidos, com a mesma medida com que medirdes. 3Por que observas o cisco no olho do teu irmão, e não prestas atenção à trave que está no teu próprio olho? 4Ou, como podes dizer a teu irmão: ‘Deixa-me tirar o cisco do teu olho’, quando tu mesmo tens uma trave no teu? 5Hipócrita, tira primeiro a trave do teu próprio olho e então enxergarás bem para tirar o cisco do olho do teu irmão”. — Palavra da Salvação

COMENTÁRIOS

Jesus Cristo nos disse: “Eu sou o CAMINHO…    
Qual o CAMINHO que a Palavra diz para mim? O texto para mim é um apelo de Jesus para viver a alegria da conversão e ajudar outras pessoas neste mesmo caminho. Em Aparecida, na V Conferência, os bispos disseram: “Desejamos que a alegria que recebemos no encontro com Jesus Cristo, a quem reconhecemos como o Filho de Deus encarnado e redentor, chegue a todos os homens e mulheres feridos pelas adversidades; desejamos que a alegria da boa nova do Reino de Deus, de Jesus Cristo vencedor do pecado e da morte, chegue a todos quantos jazem à beira do caminho, pedindo esmola e compaixão (cf. Lc 10,29-37; 18,25-43). A alegria do discípulo é antídoto frente a um mundo atemorizado pelo futuro e agoniado pela violência e pelo ódio. A alegria do discípulo não é um sentimento de bem-estar egoísta, mas uma certeza que brota da fé, que serena o coração e capacita para anunciar a boa nova do amor de Deus. Conhecer a Jesus é o melhor presente que qualquer pessoa pode receber; tê-lo encontrado foi o melhor que ocorreu em nossas vidas, e fazê-lo conhecido com nossa palavra e obras é nossa alegria.” (DAp 29).

… a VERDADE…  
Qual a VERDADE que a Palavra me diz? Com atenção leio o texto do Evangelho de hoje: Mt 7,1-5. A primeira exortação é contra o julgamento arrogante e hipócrita que condena e despreza os demais. Quando Jesus convida a observar a trave que está no próprio olho e não ficar preocupado com o cisco que está no olho do irmão, lembra-nos aquela expressão popular do “telhado de vidro”. Primeiro a pessoa deve tirar a trave do próprio olho para depois enxergar e tirar o cisco do olho do irmão. Ou seja, deve pôr em ordem a própria vida para depois ajudar a outra pessoa a pôr em ordem a sua vida.

… e a VIDA”.          
Qual a VIDA que o texto me leva a dizer a Deus? Pai, livra-me de julgar meus semelhantes de maneira severa e impiedosa. Que eu seja misericordioso com eles, assim como és misericordioso comigo.

Qual deve ser a minha VIDA e MISSÃO hoje?
Qual o meu novo olhar a partir da Palavra? Sinto-me discípulo/a de Jesus. Meu novo olhar é para cuidar a fim de que a vida de Deus e seu Reino tenham espaço de expressão no mundo em que vivo.

REFLEXÕES

SERMÃO DA MONTANHA       
Mateus, no seu evangelho, apresenta o discurso inaugural de Jesus, o Sermão da Montanha, como um conjunto de orientações para o harmonioso e feliz convívio comunitário, no amor e na paz, como realização do Reino de Deus já presente no mundo. Neste texto de hoje, o enfoque é a remoção de juízos condenatórios que geram atritos e exclusões nas comunidades. Quem é dado a condenar os outros está se condenando a si mesmo. Aqui pode ser aplicada a máxima: “não faça aos outros o que não queres que lhe façam”, que pode ser expressa também na forma positiva. O amor ao outro está intimamente associado ao amor a si mesmo. E nestes dois amores se realiza o amor de Deus. Quem rejeita o próximo rejeita a Deus. Trata-se também de remover a crítica sistemática aos outros (o cisco no olho deles), com a omissão da autocrítica (a trave no próprio olho). A qualificação de “hipócrita” leva a pensar que o dito original fosse dirigido aos fariseus, sendo, depois, aplicado à comunidade. Não se pode imitar o espírito fariseu que separa os homens entre justos e pecadores. É no diálogo amoroso e na reconciliação que são superadas as divisões, tecendo-se os laços da unidade.

NÃO SEJA JUIZ DO PRÓXIMO          
O discípulo está terminantemente proibido de julgar. Essa proibição deve ser bem entendida. Julgar diz respeito à decisão sobre a salvação ou a condenação do próximo. Somente a Jesus compete dizer qual será a sorte eterna de uma pessoa. A ninguém mais!   
Quando alguém se arvora em juiz dos outros, comete uma série de equívocos. Ele tende a ser excessivamente severo e rigoroso, a ponto de faltar de misericórdia. A condenação do próximo parece dar-lhe prazer e não sua salvação. Em contrapartida, o juiz alheio prima por minimizar seus próprios pecados e limitações, mesmo sendo graves e dignos de reprovação. A forma minuciosa como a vida alheia é analisada de nada serve para que ele perceba a enormidade de suas faltas.      
É pura hipocrisia preocupar-se com os pequenos defeitos dos outros e conviver tranquilamente com os próprios erros. Antes de querer bisbilhotar a vida do próximo, para condená-lo, o hipócrita deveria por ordem na própria casa, para não ser vítima da condenação querida para o outro.     
O critério de juízo a ser aplicado por Deus corresponderá ao que cada um usou no trato com os irmãos. Rigor impiedoso será usado com os impiedosos. Misericórdia infinita encontrará quem tiver sido misericordioso. O discípulo prudente não pode se enganar.

A OUSADIA DE JULGAR O PRÓXIMO        
Num mundo marcado por falsos juízos, Jesus nos adverte: “Não julgueis, para que não sejais julgados”.           
Esta expressão – que pode tranquilamente se entender por criticar – é das mais conhecidas, mas nem sempre é interpretada corretamente.       
O julgamento que não devemos fazer é aquele em que nos colocamos em lugar de juiz para condenarmos ou falarmos mal a respeito do nosso irmão ou nosso próximo segundo nossa própria avaliação. Isso, porém, não se refere ao discernimento que deve ser exercido pelo cristão – ou pela Igreja – para se proteger contra os que praticam o mal ou ensinam falsidades, ou para manter a disciplina para o bem da Igreja.      
Quem ousa julgar os outros sofrerá a consequência desta usurpação de poder, pois também virá a ser julgado pela mesma medida – e achado em falta!           
Lembremo-nos sempre das nossas próprias imperfeições antes de nos colocarmos no lugar de “juiz” para apontar as faltas dos outros. O Senhor Jesus chama isso de hipocrisia: é preciso primeiro eliminar nossas próprias faltas e imperfeições antes de julgarmos as dos outros. As nossas, sob esta perspectiva, são maiores e se comparam a uma trave em nosso olho quando só podemos ver um argueiro no olho do nosso irmão.
Ao nos depararmos com pessoas tão perversas que tratam as verdades divinas com total desprezo e reagem com violência quando lhes falamos do Evangelho, não temos a obrigação de continuar insistindo com elas. Se o fizermos, apenas estaremos aumentando a condenação que já pesa sobre elas. Nem sempre é fácil perceber quando uma pessoa pode ser classificada nessa categoria, mas, quando em dúvida, temos o recurso de pedir discernimento em oração.  
Por isso, reze: “Pai, livra-me de julgar meus semelhantes de maneira severa e impiedosa. Que eu seja misericordioso com eles, assim como és misericordioso comigo. Amém!”

TIRA PRIMEIRO A TRAVE DO TEU PRÓPRIO OLHO
A maioria das pessoas está mais preocupada com os pecados dos outros do que com os próprios, sempre apresentando o argumento de que os pecados dos outros são mais graves e exigem uma maior preocupação. O trabalho de transformação do mundo deve começar pela transformação e pela conversão pessoal. Se cada pessoa estivesse realmente preocupada com a própria conversão e de fato fizesse tudo o que está ao seu alcance, contando com a graça divina para uma verdadeira mudança de vida, muitos dos problemas que estão presentes na nossa sociedade já estariam superados. Portanto, que cada um olhe para si, se descubra pecador e se converta, para contribuir de fato com a conversão do mundo.

NÃO JULGUEIS, PARA NÃO SERDES JULGADOS         
O amor não é amor se não for partilhado. Ele deve traduzir-se pela ação. Deveis amar sem nada esperardes em troca, agir só por amor e não pelos benefícios que podereis colher. Se esperais qualquer coisa em troca, não amais verdadeiramente, porque o amor verdadeiro ama sem condições nem ponderações.
Se surgir uma nova necessidade, Deus guiar-vos-á, como guiou os que entre nós servem os doentes com sida. Não julgamos esses doentes, cuidamos deles sem nos perguntarmos o que lhes aconteceu, nem como ficaram doentes. Creio que Deus nos transmite uma mensagem insistente a propósito da sida: Ele quer que não vejamos outra coisa a não ser a ocasião de manifestar o nosso amor. Os doentes com sida talvez tenham despertado um amor muito terno em muitos daqueles que os tinham expulsado das suas vidas.

NÃO JULGUE APRESSADAMENTE  
Incomodava-me o fato de ver lá no fundo da Igreja, um amigo meu, que nunca esperava a bênção final e se mandava na hora dos avisos, comecei a julgá-lo mal, achava que  era um intolerante, se a celebração passasse cinco minutos além do horário, ele nem esperava a bênção, em outra ocasião durante um batizado, tocou um celular em meio a celebração e uma mulher saiu para atender. Nos dois casos fiquei muito irritado e um dia, disse ao meu amigo, com certa severidade, que ele pecava quando se negava a receber a bênção final, então ele explicou-me que as oito em ponto o irmão dele, que cuidava do pai enfermo, tinha que sair para o emprego, e as oito em ponto ele tinha de estar em casa porque não tinha quem cuidasse do pai doente, sempre que vinha na celebração das sete, se o horário passava um pouquinho tinha de sair correndo… Minha cara quase caiu ao chão, de tanta vergonha.       
Quanto a mulher do celular, que em uma reunião da pastoral fiz uma crítica pesada, alguém me explicou que o telefonema era do hospital, que inclusive ela chorou muito no pátio da igreja, ao receber o telefonema, pois a sua mãe, internada, teve seu estado de saúde agravado.      
Nos dois casos cometi o pecado que este evangelho fala fazer um julgamento ruim mediante uma atitude do próximo, e ainda por cima comentar com algumas pessoas sobre o fato, denegrindo ainda mais a imagem do irmão ou da irmã.    
Jesus nos pede a prudência e a sensibilidade no trato com as pessoas, mas infelizmente até na comunidade, o que mais se faz é um mau juízo. Às vezes nem conhecemos direito a pessoa mas temos antipatia por ela porque alguém nos disse algo de ruim sobre a mesma.
Por conta disso rompemos relações, perdemos amizades, desprezamos os outros, tudo porque o pecado ou defeito nos impede de ver, que aquela pessoa tem também qualidades, mas o pior ainda é quando queremos que o outro mude de vida e se converta isso é querer tirar a trava que o impede de enxergar.     
O evangelho afirma que todo esse rigorismo e as vezes moralismo, que praticamos em nossa relação com algumas pessoas, se voltará contra nós, porque também Deus nos olhará com rigor e nos negará sua misericórdia se a negarmos aos nossos irmãos e irmãs.           
Todas as pessoas têm defeitos, mas têm também qualidades, que a fazem merecedoras de atenção, carinho e respeito. Deus nos olha sempre por esse lado bom, mas e nós, como é que olhamos para o próximo?

COM O MESMO JULGAMENTO COM QUE JULGARDES OS OUTROS SEREIS JULGADOS; E A MESMA MEDIDA QUE USARDES PARA OS OUTROS SERVIRÁ PARA VÓS        
Hoje, o Evangelho recordou-me as palavras da Mariscala em O cavaleiro da Rosa, de Hug von Hofmansthal: «Como é grande a diferença». Como mudar uma coisa mudará muito o resultado em muitos aspectos da nossa vida, sobretudo, a espiritual.           
Jesus disse: «Não julgueis, e não sereis julgados» (Mt 7,1). Mas, Jesus também tinha dito que temos de corrigir o irmão que está em pecado, e para isso é necessário ter feito antes algum tipo de juízo. O próprio São Paulo nos seus escritos julga a comunidade de Corinto e São Pedro condena Ananias e a sua esposa por falsidade. Por causa disso, São João Crisóstomo justifica: «Jesus não disse que não temos de evitar que um pecador deixe de pecar, temos que o corrigir sim, mas não como um inimigo que busca a vingança, mas como o médico que aplica um remédio». O juízo, pois, parece que deveria fazer-se, sobretudo com ânimo de corrigir, nunca com ânimo de vingança.  
Ainda mais interessante é o que diz Santo Agostinho: «O Senhor previne-nos de julgar rápida e injustamente (…). Pensemos primeiro, se nós não tivemos também algum pecado semelhante; pensemos que somos homens frágeis, e [julguemos] sempre com a intenção de servir a Deus e não a nós». Se quando vemos os pecados dos irmãos pensamos em nós, não nos passará, como diz o Evangelho, que com uma trave no olho queiramos tirar o cisco do olho do nosso irmão (cf Mt 7,3).      
Se estivermos bem formados, veremos as coisas boas e as más dos outros, quase de maneira inconsciente: disso faremos juízo. Mas o fato de ver as faltas dos outros desde os pontos de vista citados nos ajudará na forma como julgamos: ajudará a não julgar por julgar, ou por dizer alguma coisa, ou para cobrir as nossas deficiências ou, simplesmente, porque toda a gente o faz. E, para terminar, sobretudo tenhamos em conta as palavras de Jesus: «a mesma medida que usardes para os outros servirá para vós» (Mt 7,2).

MONIÇÕES

1ª Monição: Monição Ambiental ou Comentário inicial         
Para trilhar o caminho do projeto de Deus, precisamos eliminar em nós o que nos impede de enxergar o caminho e de ver os valores presentes nos outros. Deus nos criou para vivermos o amor e não para sermos juízes de nossos semelhantes.

2ªMonição: Monição para a(s) leitura(s) e o salmo    
Deus concede a bênção a todos os povos por meio da descendência de Abraão. Para fazermos parte da herança bendita, devemos amar as pessoas, e não julgá-las.

3ª Monição: Monição para o Evangelho   
Aleluia, aleluia, aleluia.      
A palavra do Senhor é viva e eficaz: ela julga os pensamentos e as intenções do coração (Hb 4,12)

ANTÍFONAS

1ª Antífona: Antífona da entrada     
O Senhor é a força de seu povo, fortaleza e salvação do seu ungido. Salvai, Senhor, vosso povo, abençoai vossa herança e governai para sempre os vossos servos (Sl 27,8s).

2ª Antífona: Antífona da comunhão
Todos os olhos, ó Senhor, em vós esperam e vós lhes dais no tempo certo o alimento (Sl 144,15).

ORAÇÕES DO DIA

1ª Oração: Oração do dia ou Oração da coleta   
Senhor, nosso Deus, dai-nos por toda a vida a graça de vos amar e temer, pois nunca cessais de conduzir os que firmais no vosso amor. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

2ª Oração: Preces da Assembleia ou Oração da Assembleia  
— Ouvi-nos e atendei-nos Senhor.    
— Senhor, que nos ensinais a perdoar e não julgar, ajudai-nos a amar cada vez mais.        
— Motivai-nos a assumir com fidelidade o vosso chamado, a exemplo de Abraão.   
— Fazei que nossa sociedade seja mais solidária e busque mais a fraternidade.      
— Auxiliai-nos no reconhecimento de nossos pecados e limitações, a fim de vivermos vossa vontade.    
— Dai força a todos os refugiados que se encontram em nova pátria.

3ª Oração: Oração sobre as oferendas       
Acolhei, ó Deus, este sacrifício de reconciliação e louvor e fazei que, purificados por ele, possamos oferecer-vos um coração que vos agrade. Por Cristo, nosso Senhor.

4ª Oração: Oração depois da comunhão   
Renovados pelo Corpo e Sangue do vosso Filho, nós vos pedimos, ó Deus, que possamos receber um dia, resgatados para sempre, a salvação que devotamente estamos celebrando. Por Cristo, nosso Senhor.

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s