LDP: 31/JAN/12

LEITURA DIÁRIA DA PALAVRA

31/Jan/2012 (terça-feira)

LEITURAS

2 Samuel 18,9-10.14b.24-25a.30—19,1-3 (Livro do antigo ou 1º testamento / Livros Históricos)

Naqueles dias, 18,9Absalão encontrou-se por acaso na presença dos homens de Davi. Ia montado numa mula e esta meteu-se sob a folhagem espessa de um grande carvalho. A cabeça de Absalão ficou presa nos galhos da árvore, de modo que ele ficou suspenso entre o céu e a terra, enquanto a mula em que ia montado passou adiante. 10Alguém viu isto e informou Joab, dizendo: “Vi Absalão suspenso num carvalho”. 14bJoab tomou então três dardos e cravou-os no peito de Absalão. 24Davi estava sentado entre duas portas da cidade. A sentinela que tinha subido ao terraço da porta, sobre a muralha, levantou os olhos e divisou um homem que vinha correndo, sozinho. 25aPôs-se a gritar e avisou o rei, que disse: “Se ele vem só, traz alguma boa nova”. 30O rei disse-lhe: “Passa e espera aqui”. Tendo ele passado e estando no seu lugar, 31apareceu o etíope e disse: “Trago-te, senhor meu rei, a boa nova: O Senhor te fez justiça contra todos os que se tinham revoltado contra ti”. 32O rei perguntou ao etíope: “Vai tudo bem para o jovem Absalão?” E o etíope disse: “Tenham a sorte deste jovem os inimigos do rei, meu senhor, e todos os que se levantam contra ti para te fazer o mal!” 19,1Então o rei estremeceu, subiu para a sala que está acima da porta e caiu em pranto. Dizia entre soluços: “Meu filho Absalão! Meu filho, meu filho Absalão! Por que não morri eu em teu lugar? Absalão, meu filho, meu filho!” 2Anunciaram a Joab que o rei estava chorando e lamentando-se por causa do filho. 3Assim, a vitória converteu-se em luto, naquele dia, para todo o povo, porque o povo soubera que o rei estava acabrunhado de dor por causa de seu filho.

Salmo 85,1-2.3-4.5-6 (R. 1a) (Livro do Antigo ou 1º testamento / Livros Poéticos e Sapienciais)

— Inclinai vosso ouvido, ó Senhor, e respondei-me!
1Inclinai, ó Senhor, vosso ouvido, escutai, pois sou pobre e infeliz! 2Protegei-me, que sou vosso amigo, ✞ e salvai vosso servo, meu Deus, que espera e confia em vós!
3Piedade de mim, ó Senhor, porque clamo por vós todo o dia! 4Animai e alegrai vosso servo, pois a vós eu elevo a minh’alma.
5Ó Senhor, vós sois bom e clemente, sois perdão para quem vos invoca. 6Escutai, ó Senhor, minha prece, o lamento da minha oração!

Evangelho Jesus Cristo segundo as palavras de são Marcos 5,21-43 (Livro do Novo ou 2º Testamento / Evangelho Sinótico)

Naquele tempo, 21Jesus atravessou de novo, numa barca, para a outra margem. Uma numerosa multidão se reuniu junto dele, e Jesus ficou na praia. 22Aproximou-se, então, um dos chefes da sinagoga, chamado Jairo. Quando viu Jesus, caiu a seus pés, 23e pediu com insistência: “Minha filhinha está nas últimas. Vem e põe as mãos sobre ela, para que ela sare e viva!” 24Jesus então o acompanhou. Numerosa multidão o seguia e comprimia. 25Ora, achava-se ali uma mulher que, há doze anos, estava com hemorragia; 26tinha sofrido nas mãos de muitos médicos, gastou tudo o que possuía, e, em vez de melhorar, piorava cada vez mais. 27Tendo ouvido falar de Jesus, aproximou-se dele por detrás, no meio da multidão, e tocou na sua roupa. 28Ela pensava: “Se eu ao menos tocar na roupa dele, ficarei curada”. 29A hemorragia parou imediatamente, e a mulher sentiu dentro de si que estava curada da doença. 30Jesus logo percebeu que uma força tinha saído dele. E, voltando-se no meio da multidão, perguntou: “Quem tocou na minha roupa?” 31Os discípulos disseram: “Estás vendo a multidão que te comprime e ainda perguntas: ‘Quem me tocou’?” 32Ele, porém, olhava ao redor para ver quem havia feito aquilo. 33A mulher, cheia de medo e tremendo, percebendo o que lhe havia acontecido, veio e caiu aos pés de Jesus, e contou-lhe toda a verdade. 34Ele lhe disse: “Filha, a tua fé te curou. Vai em paz e fica curada dessa doença”. 35Ele estava ainda falando, quando chegaram alguns da casa do chefe da sinagoga, e disseram a Jairo: “Tua filha morreu. Por que ainda incomodar o mestre?” 36Jesus ouviu a notícia e disse ao chefe da sinagoga: “Não tenhas medo. Basta ter fé!” 37E não deixou que ninguém o acompanhasse, a não ser Pedro, Tiago e seu irmão João. 38Quando chegaram à casa do chefe da sinagoga, Jesus viu a confusão e como estavam chorando e gritando. 39Então, ele entrou e disse: “Por que essa confusão e esse choro? A criança não morreu, mas está dormindo”. 40Começaram então a caçoar dele. Mas, ele mandou que todos saíssem, menos o pai e a mãe da menina, e os três discípulos que o acompanhavam. Depois entraram no quarto onde estava a criança. 41Jesus pegou na mão da menina e disse: “Talitá cum” – que quer dizer: “Menina, levanta-te!” 42Ela levantou-se imediatamente e começou a andar, pois tinha doze anos. E todos ficaram admirados. 43Ele recomendou com insistência que ninguém ficasse sabendo daquilo. E mandou dar de comer à menina.

COMENTÁRIOS

… Eu sou o CAMINHO …

O que a Palavra diz para mim?
Será que, às vezes, o meu medo não é maior que a minha fé?
Prefiro ficar como estou e não busco ajuda de Deus que é maior do que tudo!
Será que meus problemas são maiores que a minha fé?
E a batalha da vida, não parece, às vezes, tomar dimensões maiores que a minha fé?
Admito que a minha fé está um tanto anêmica e precisa de um tratamento, um toque na capa de Jesus. Nestes casos, o melhor restaurador é a oração. De preferência, a oração da Palavra, um encontro profundo com Jesus Mestre. Disseram os bispos, em Aparecida: “Conhecer a Jesus Cristo pela fé é nossa alegria; segui-lo é uma graça, e transmitir este tesouro aos demais é uma tarefa que o Senhor, ao nos chamar e nos eleger, nos confiou. Com os olhos iluminados pela luz de Jesus Cristo ressuscitado podemos e queremos contemplar o mundo, a história…” (DAp 18).

… a VERDADE …

O que a Palavra diz?
Preparando-me para a Leitura Orante, invoco o Espírito Santo:
A Vós, Espírito de Verdade, consagro a mente, a fantasia e a memória: iluminai-me.
Fazei-me conhecer Jesus Cristo e compreender o seu Evangelho e a doutrina da Santa Igreja.
Leio o texto do Evangelho de hoje, na minha Bíblia: Mc 5,21-43 e procuro entender melhor o texto:
Jairo era chefe da sinagoga. Devia interpretar a lei, conduzir a oração na sinagoga, ler as Escrituras. Era alguém influente em sua comunidade.
Quando Jesus chegou e a multidão o acolheu, ainda na praia, Jairo, foi também a ele, em busca de socorro para sua filha que estava à morte. A menina, de 12 anos, sofria de algo muito grave. Jesus acompanhava Jairo quando uma mulher que, há doze anos, sofria de uma hemorragia, o tocou e ficou curada. A atenção ao chefe da sinagoga não distraiu Jesus da atenção para com os milhões de pobres e excluídos, representados naquela mulher anônima.
Na casa do chefe da sinagoga, contra toda esperança de vida, Jesus tomou a menina pela mão, ordenou que se levantasse e ela se levantou, e pediu que dessem de comer à menina – sinal de que estava viva!
Duas mulheres, numa cultura em que a mulher não era considerada. Nos dois casos Jesus devolveu a vida e a alegria. E à mulher que sentia medo ao ser flagrada por tocar-lhe a capa, Jesus disse: “Você sarou porque teve fé”. O mesmo disse a Jairo: “Não tenha medo, tenha fé”!

… e a VIDA …

Pai, torna-me solidário com todas as vítimas da exclusão social, especialmente, as mulheres, a exemplo de Jesus que as libertou da opressão em que se encontravam.

Qual deve ser a MISSÃO em minha VIDA hoje?

Qual o meu novo olhar a partir da Palavra?
Meu novo olhar será de fé, na certeza de que Deus vem ao meu encontro sempre.
Um olhar de fé que me permite tocar o Senhor que passa por mim a cada instante no meio das pessoas.
Um olhar de fé me faz levantar mesmo quando as pessoas me veem sem coragem, sem forças, sem vida!

REFLEXÕES

JESUS VEM COMUNICAR A VIDA

Nesta narrativa de Marcos, minuciosa em detalhes, participam Jairo e sua filha e uma mulher anônima. O número doze (doze tribos de Israel) está associado tanto à filha de Jairo, privilegiada, como à mulher na multidão, oprimida. Jairo e sua filha representam a sinagoga e seus fiéis, que estão nas últimas. A mulher anônima representa a multidão dos excluídos pelo sistema religioso elitista, que Jesus vem libertar. Jesus prioriza a mulher anônima, chama-a de “filha” e a liberta da exclusão decorrente de sua impureza legal. Em continuidade, também atende a “menina”, levantando-a.
Jesus vem comunicar a vida a todos que o buscam.

JESUS CURA DUAS MULHERES

A pessoa de fé é aquela que acolhe a revelação divina e responde de forma positiva aos seus apelos. Quando a pessoa acolhe Jesus como sendo o Filho de Deus e procura responder de forma positiva a esta presença de Deus em sua vida, ela é constantemente movida ao encontro de Deus e passa a se beneficiar de suas graças e bênçãos. Mas quem não acolhe a revelação, não reconhece Jesus como o verdadeiro Deus presente no meio de nós, não vai ao seu encontro, não participa da sua vida e do seu projeto de amor e, consequentemente, não se beneficia de tudo aquilo que ele nos concede.

DOIS GESTOS DE MISERICÓRDIA

Jesus não se furtava de mostrar-se misericordioso com quem dele se aproximava. Não havia quem recorresse a ele e não fosse atendido. A única condição que exigia era a fé.
A misericórdia de Jesus manifestava-se, fundamentalmente, em forma de restauração da vida. Por isso, sensibilizou-se com o pedido comovente de um pai, cuja filhinha estava à beira da morte. Jesus foi salvá-la, exigindo do pai apenas a fé. A multidão incrédula ridicularizava Jesus por ter afirmado que a menina não estava morta, mas apenas dormindo. Mas, a fé daquele pai não ficou sem resposta. A misericórdia de Jesus devolveu-lhe a filha sã e salva.
Na mesma circunstância, uma mulher que sofria de uma hemorragia, há muito tempo, também recorreu a Jesus, para ser curada. Diferentemente do chefe da sinagoga, ela agiu às escondidas: pensou em ser agraciada, com o dom da cura, sem que Jesus mesmo percebesse. Entretanto, ele não se deixou pegar de surpresa, pois a mulher, já curada, foi obrigada a sair do anonimato.
Jesus não deixou passar em silêncio aquele gesto de profunda fé. Ele mesmo declarou ter sido a fé quem a levara a obter a cura, conduzindo-a a vida, cuja fonte é o próprio Jesus.

PROSTRE-SE AOS PÉS DE JESUS E SUPLIQUE A AJUDA D’ELE

Jairo era chefe de uma sinagoga. Entre as atribuições dele estavam a presidência da assembleia, a interpretação da Lei, a decisão sobre questões legais, a administração da justiça, abençoar os casamentos e decretar os divórcios, a direção do culto na sinagoga, a seleção daqueles que deveriam liderar a oração, ler as Escrituras e pregar. Geralmente apenas uma pessoa ocupava essa posição em cada sinagoga, tornando-se alguém influente em sua comunidade.
Jairo era um homem respeitado, culto, inteligente, com boa formação acadêmica e religiosa. Mas quando Jesus desceu do barco e a multidão festejava o Seu retorno, o semblante dele [Jairo] não era de alegria. Ele demonstrava um misto de tristeza e esperança: sua filha de doze anos estava à beira da morte.
A multidão está reunida em torno de Jesus (5,21) e não na sinagoga. O próprio chefe da sinagoga, Jairo, vem também a Jesus, em busca de socorro para sua filha que estava prestes a morrer.
Jairo lançou-se aos pés de Jesus Cristo.
Seria esta uma atitude de desespero ou de fé?
De qualquer forma, o homem parece enxergar no Senhor a única possibilidade para salvar sua filha doente. Ele rogava a Jesus “com insistência”. Aqui, sim, aparece um sinal indiscutível de fé e perseverança. Mais tarde essa fé será provada ao extremo.
Perder um filho certamente é uma experiência tenebrosa. É uma situação que foge ao curso natural da vida. A Bíblia não dá detalhes sobre a doença da filha de Jairo, mas é certo que era algo muito grave. Jairo vivia sob a sombra da morte de sua única filha.
É fácil imaginar que ele tenha usado de todos os recursos disponíveis para curá-la. Os melhores médicos, os melhores remédios. Cuidado e carinho não devem ter faltado àquela menina. Mas ainda assim, a morte rondava a vida daquela família e Jairo, o chefe da sinagoga, não podia fazer mais nada.
Acompanhando Jairo, Jesus para e dá atenção a uma mulher excluída, que O toca e fica curada. A dedicação ao chefe da sinagoga não distrai Jesus da atenção para com os pobres excluídos, e até os prioriza. O caso da mulher com hemorragia também traz seus significados: a mulher com este problema naquela época era considerada impura e vivia excluída da sociedade. Mais uma vez Jesus vai realizar um milagre que resultará na inclusão social.
Vemos que, enquanto Jesus cura e dialoga com a mulher com perda de sangue, a situação da menina se agrava ao extremo: ela morre. Alguém (pessimista, sem fé) diz a Jairo para “não incomodar mais o Mestre”, pois tudo já está perdido. Jesus pede a Jairo que mantenha a fé; e este persevera. Para quem crê em Deus sempre há uma esperança; a morte não é o que parece. Surge aqui uma ligação com os ensinamentos escatológicos de Jesus: há vida após a morte; a morte não é o fim de tudo; para quem crê em Cristo há ressurreição!
Na casa de Jairo, parentes e amigos estavam chorando e fazendo grandes lamentações. Para aqueles que não creem em Jesus, a morte é o fim de tudo. O desespero toma conta da casa (família, coração, vida).
É uma situação irreversível?
Jesus mostra que não. Ele entrou na casa, tudo vai ser mudado, como em Zaqueu (cf Lc 19). Na casa do chefe da sinagoga, aqueles que até então choravam agora zombam de Jesus. Tomando a menina pela mão, o Senhor ordena que ela se levante. E ela se levanta. Jesus fala que deem de comer à menina, realçando sua recuperação.
A fé perseverante de Jairo até o fim obtém o resultado. Aquilo que parecia impossível acontece para aqueles que se entregam na fé em Jesus. A tristeza na casa desaparece quando Jesus entra nela.
Você está vivendo uma situação parecida com a de Jairo?
Talvez não com uma filha à beira da morte, mas com alguma situação sobre a qual você já não tem mais o controle?
Você já usou todos os seus recursos, a sua inteligência e a sua influência para solucionar essa questão, mas nada mudou?
Eu quero encorajá-lo a tomar uma atitude que deveria ter sido tomada desde o começo da sua angústia: prostrar-se aos pés de Jesus e suplicar a ajuda d’Ele.
O chefe da sinagoga, sem alternativa para doença da filha, foi procurar Jesus. Mas aqueles que conhecem o Filho de Deus como seu Salvador não precisam esperar. Podem suplicar e clamar por socorro em qualquer tempo.
As coisas andam complicadas?
Parece que nada dá certo?
Parece que na batalha da vida você sempre está perdendo?
Os problemas são maiores que sua capacidade de resolvê-los?
Faça como Jairo, prostre-se aos pés de Jesus e suplique que Ele vá até sua casa! O Senhor Jesus prontamente atendeu ao chamado do chefe da sinagoga e também vai atender ao seu chamado. A tristeza em nossa vida também desaparece quando permitimos a entrada de Cristo.

A MENINA NÃO MORREU, ESTÁ A DORMIR

Queridos jovens, o futuro depende de vós; de vós depende o fim deste milénio e o início do novo. Por conseguinte, não sejais passivos: assumi as vossas responsabilidades em todos os domínios que se vos abrem no nosso mundo. […] Tomai as vossas responsabilidades! “Estai prontos”, animados pela fé no Senhor, “a dar a razão da vossa esperança” (1P 3,15). […]
Qual é o motivo da vossa confiança?
A vossa fé, o reconhecimento e a aceitação do imenso amor que Deus revela continuamente pelos homens. […] Jesus Cristo, “o mesmo, ontem, hoje e pelos séculos” (Hb 13,8), continua a revelar aos jovens o mesmo amor que o Evangelho descreve quando encontra um ou uma jovem.
Assim, podemos contemplar a ressurreição da filha de Jairo, que “tinha doze anos”. […] Jairo expõe a sua dor ao Mestre com sinceridade; com insistência suplica ao Seu coração: “A minha filha está a morrer; vem impor-lhe as mãos para que se cure e viva.” “Jesus foi com ele.” O coração de Cristo, que Se comoveu perante a dor humana deste homem e de sua filha, não fica indiferente aos nossos sofrimentos. Cristo ouve-nos sempre, mas pede-nos que recorramos a Ele com fé. […] Todos os gestos e todas as palavras do Senhor exprimem este amor.
Quereria debruçar-me particularmente sobre as palavras recolhidas dos próprios lábios de Jesus: “A menina não morreu, está a dormir.” Estas palavras profundamente reveladoras incitam-me a pensar na misteriosa presença do Senhor da Vida num mundo que parece ter sucumbido ao impulso descarado do ódio, da violência e da injustiça. Mas não, este mundo, que é vosso, não morreu, está a dormir. No vosso coração, caros jovens, percebe-se o batimento forte da vida, do amor de Deus. A juventude não morre quando está próxima do Mestre. Sim, quando está próxima de Jesus: estais todos próximos de Jesus. Escutai todas as Suas palavras, todas as palavras, todas. Jovem, ama Jesus, procura Jesus. Encontra Jesus.

FILHA, A TUA FÉ TE SALVOU. VAI EM PAZ E FICA LIVRE DA TUA DOENÇA

Hoje o Evangelho apresenta-nos dois milagres de Jesus que nos falam da fé de duas pessoas bem diferentes. Tanto Jairo – um dos chefes da sinagoga – quanto aquela mulher doente mostram uma grande fé: Jairo tem a certeza de que Jesus pode curar a sua filha, enquanto aquela boa mulher confia em que um mínimo de contato com a roupa de Jesus será suficiente para ficar liberada de uma doença grave. E Jesus, porque são pessoas de fé, concede-lhes o favor que buscavam.
A primeira foi a mulher, aquela que pensava não era digna de que Jesus lhe dedicara tempo, aquela que não se atrevia a incomodar o Mestre nem a aqueles judeus tão influentes. Sem fazer barulho, aproxima-se e, tocando a borla do manto de Jesus, “arranca” sua cura e ela em seguida o nota em seu corpo. Mas Jesus, que sabe o que aconteceu, quer lhe dizer umas palavras: “Filha, a tua fé te salvou. Vai em paz e fica livre da tua doença” (Mc 5,34).
A Jairo, Jesus pede-lhe uma fé ainda maior. Como já Deus tinha feito com Abraão no Antigo Testamento, pedirá uma fé contra toda esperança, a fé das coisas impossíveis. Comunicaram-lhe a Jairo a terrível notícia que sua filha acabara de morrer. Podemo-nos imaginar a grande dor que sentia nesse momento, e talvez a tentação da desesperação. E Jesus, que o ouviu, lhe diz: “Não tenhas medo, somente crê” (Mc 5,36). E como aqueles patriarcas antigos, crendo contra toda esperança, viu como Jesus devolvia-lhe a vida a sua amada filha.
Duas grandes lições de fé para nós. Desde as paginas do Evangelho, Jairo e a mulher que sofria hemorragias, juntamente com tantos outros, falam-nos da necessidade de ter uma fé imóvel. Podemos fazer nossa aquela bonita exclamação evangélica: “Eu creio, Senhor, ajuda-me na minha falta de fé” (Mc 9,24).

MENINA, LEVANTA-TE!

Neste Evangelho, nós temos dois belos exemplos de fé: de Jairo, chefe da sinagoga e pai da menina doente, e da mulher que sofria de hemorragia. A mulher estava doente há doze anos e “tinha sofrido nas mãos de muitos médicos, gastou tudo o que possuía, e, em vez de melhorar, piorava cada vez mais”. Mas a sua fé era tão grande, que não perdeu a esperança.
Quando Jesus caminhava para a casa de Jairo, ela “aproximou-se dele por detrás, no meio da multidão, e tocou na sua roupa. Ela pensava: “Se eu ao menos tocar na roupa dele, ficarei curada”. A hemorragia parou imediatamente.” Hoje vivemos, às vezes, pertinho de Jesus, presente na Eucaristia, mas nos falta fé nele! A fé nos leva a ir além das esperanças humanas, pois o poder de Deus é infinito.
Havia o preconceito de que uma mulher, especialmente nas condições dela, não podia tocar em outra pessoa. Mas a fé a levou a superar esse tabu, e tocou em Jesus. A fé nos dá coragem e discernimento.
Jesus estava ainda falando com a mulher, quando “chegaram alguns da casa do chefe da sinagoga e disseram: ‘Tua filha morreu; por que ainda incomodar o mestre?’ Jesus ouviu a notícia e disse ao chefe da sinagoga: Não tenhas medo. Basta ter fé”. A fé elimina o medo e nos dá uma esperança sem limites.
“Quando chegaram à casa do chefe da sinagoga, Jesus viu a confusão e como estavam chorando e gritando.” A morte, para os que não têm fé, é um mal irreversível; é o fim de todas as esperanças.
“A criança não morreu, mas está dormindo. Começaram a caçoar dele”. Para Jesus, a morte não é um fim nem uma fatalidade. Para Deus, ela não passa de um sono maior. Mas quem não tem fé até caçoa dessa afirmação! Mesmo se Jesus não levantasse a menina naquela hora, fá-lo-ia na Ressurreição.
“Começaram a caçoar dele.” As pessoas que não têm fé agridem quem age a partir da fé. Os incrédulos dificultam o caminho dos justos, chamando-os de imprudentes e ingênuos. “Você não está vendo?” dizem eles. O cristão está vendo sim, e muito mais do que eles, que são cegos guiando cegos. O cristão vê realidades que são invisíveis aos olhos da carne, mas que são mais reais do que aquilo que os olhos veem.
A Bíblia toda insiste em nos dar esperança, baseada na fé. Com Deus, tudo é possível, e não há motivo para desilusão, pânico ou medo. Nenhum problema é maior que Deus.
Imagine agora Jesus dizendo diretamente a você, no seu coração: “Fulano (a), levanta-te”!
Havia, em El Salvador, Capital de San Salvador, um bispo muito santo. Seu nome: Dom Oscar Romero. Como havia no País muito desrespeito à vida humana, por parte dos chefes políticos e da polícia, ele sempre pedia ao povo que tivesse mais amor e mais respeito à vida.
Um dia, ele recebeu um telefonema anônimo ameaçando-o. A pessoa disse: “Se o senhor não mudar a linguagem, será morto”. E a pessoa desligou o telefone, sem que ele pudesse dizer uma palavra.
No domingo seguinte, ele foi ainda mais claro na sua homilia, na catedral: “Quero fazer um apelo, de modo especial aos homens do exército, da guarda nacional e da polícia: Irmãos, vocês são parte integrante de um mesmo povo, e matam seus próprios irmãos! Lembrem-se de que diante da ordem dada por um homem, prevalece a Lei de Deus que diz: Não matarás. Nenhum soldado está obrigado a obedecer a uma lei imoral”.
Na manhã seguinte, ele estava celebrando a Missa na capela do hospital e uma bala, vinda da janela, atravessou o seu coração. Era dia 24/03/1980. Dom Romero tinha 63 anos de idade.
Numa carta, ele havia dito: “Aqueles que se entregam aos outros por amor de Cristo, se morrem, morrem só aparentemente. Todo esforço para melhorar a sociedade é abençoado por Deus. Mesmo que passem pela dor, pelo sofrimento e até pela morte, continuam vivos em Deus e presentes no meio de nós. Nós cristãos sabemos que a última palavra não é a da morte, mas a da vida”.
A fé nos dá coragem. Deu coragem à mulher que sofria de hemorragia, deu coragem a Jairo, pai da Talita, deu coragem a Dom Oscar Romero e continua dando a mesma coragem a todos os que creem de verdade.
Vamos pedir a Maria Santíssima que nos ajude a crescer na fé, e abençoe os líderes cristãos que trabalham para que as pessoas tenham mais fé.

A CURA DA HEMORROÍSSA E A RESSURREIÇÃO DA FILHA DE JAIRO

O Evangelho inspira em nós o desejo ardente da fé, pois a garantia de estarmos perto de Deus é a confiança depositada nas suas ações. Conquistar a fé é abraçar as causas do Reino e o projeto de salvação traçado para a humanidade. Fazer prevalecer a Vontade do Pai, desvela em nós o carinho pela criação e o cuidado para a continuação da vida plena.
Assim, no início da vida pública, Jesus quebrou vários dogmas que assolavam a crendice do povo eleito. A cura da hemorragia da mulher e o reviver da filha de Jairo pesava como afronta para os poderosos do lugarejo. Jesus enfrenta com maestria e sem meias voltas e as cura dos males e projeta em seus filhos o convívio fraterno em família. Neste contexto, percebemos a fé daqueles que corriam atrás de Jesus para ser libertos dos incômodos, pois almejavam vida nova para nova empreitada.
Perguntamos para nós mesmos: quais as doenças ou males que impedem de sermos cristãos verdadeiros?
A fé no Deus vivo e transformador é pequena para buscarmos uma saída?
O que fazer para aproximar e tocar neste Deus da misericórdia?
A humanidade precisa absorver este Deus que Cura. Não ter medo de ir ao seu encontro e fazer como Jairo: pediu com insistência: ‘Minha filhinha está nas últimas. Vem e põe as mãos sobre ela, para que ela sare e viva!’ (v. 23); Mesmo sendo o chefe da sinagoga, Jairo não perdeu tempo e insistiu em Jesus para curar sua filha. Peça, mas peça com fé e com convicção, porque Deus atende a todos. Agora se ficar esperando que o milagre aconteça para você reagir, dificilmente acontecerá mudanças na vida. Correr atrás de Jesus é buscar ascender a luz do batismo para clarear os passos. Assim não cairá no abismo profundo dos males do mundo. Acreditar que o Espírito Santo envolva o Ser de pureza e energia para proteger dos maus espíritos. Nosso Pai não despreza o seu filho e não faz de conta que não ouviu seu clamor. A mulher queria tocar em Jesus para ser curada da hemorragia, procurou esconder entre a multidão, mas Jesus sentiu que alguém precisava de sua intervenção. Ele pergunta: ‘Quem tocou na minha roupa?’ (v, 30). A sensibilidade do Criador é notória, pois não negou o auxilio a uma desesperada. Na pergunta de Jesus os discípulos quase irritaram: ‘Estás vendo a multidão que te comprime e ainda perguntas: ‘Quem me tocou’?’ (v. 31) Mas Ele sabia. Quem busca e pede a intervenção do Pai com fé é atendido, jamais nosso Criador deixará a criatura esquecida pelos cantos.
Deus continua a convencer a humanidade da tarefa árdua de renovar a vida em detrimento da fé e do amor para com o outro. Perceber no outrem a imagem do Deus que renova a cada instante o amigo das horas difíceis. Jamais duvidar da presença e da autoridade de Deus. Quando Jesus disse que ‘a criança não morreu, mas está dormindo’ (v. 39) o povo achincalhou de Jesus, mas logo acreditaram que a menina estava realmente dormindo, pois apareceu andando entre os povos.
A ordem de levantar a menina do leito é um convite para nós cristãos. Voltemos para o milagre de Deus e procuremos acolher com justiça e fé o Deus que caminha ao lado do povo sofredor. A libertação esta para quem acredita no ressuscitado e coloca a serviço da Verdade. Almeje a doutrina da confiança e da possibilidade de viver na paz de um Deus que faz justiça para com seu povo. Não esmoreça diante das dificuldades e do leito da preguiça, mas volte para a messe e faz render frutos a sua Palavra.
Portanto, basta ter fé para transformar a realidade que oprime e não permite que faça o Reino acontecer. Cultivem no coração as atitudes de Jesus: não importa quem tu és, mas estou contigo, basta abrir o coração que posso morar e cuidar de você. Amém!
Abraço fraterno.

JESUS CURA A HEMORROÍSSA

A TUA FÉ TE SALVOU!
A palavra de Deus nos orienta nos ensina o caminho da vida!
O Seu amor pela humanidade, revelado nas ações misericordiosas de Jesus nos dá a certeza de que nunca estamos sozinhos!
Em todos os seus ensinamentos, Jesus nos deixa claro, que só o amor constrói! Só o amor gera vida!
Sua sensibilidade diante dos que sofriam, O levava a fazer longas caminhadas ao encontro dos sofredores!
O seu testemunho nos convida a fazer o mesmo! Todas as nossas atitudes, devem ter como foco: o amor! Um amor incondicional, que nos desinstale, que nos leve ao encontro do outro!
Como é bonita a ação de Deus, nos corações daqueles que se abrem aos ensinamentos de Jesus, e que se deixam tocar por Ele!
É a mão de Deus em nossas mãos, que tornam grandes, nossos pequenos gestos de amor!
Quem carrega no peito, os mesmos anseios de Jesus, sente necessidade de partilhar a vida, o amor que transborda no seu coração!
E para que nossos corações se inundem deste amor que liberta, que nos impulsiona, precisamos primeiramente nos abastecer na fé! Pois a fé é o pilar que nos sustenta e solidifica este amor que nos move!
A fé é um Dom de Deus! E esse dom é sinal do seu imenso amor!
Cabe a cada um de nós, abraçar esta fé, reconhecer nossas fragilidades, nos colocando por inteiros nos braços do Pai! Temos a certeza de que Nele, está nossa total segurança, pois o nosso Deus é o Deus da vida!
Confiantes no seu amor misericordioso podemos dizer que: com Deus, nada nos é impossível!
Por maior que seja as nossas dificuldades haverá sempre uma força maior, que nos sustentará!
Mesmo quando tudo nos parecer perdido, que todas as portas se fechem para nós, uma certeza poderemos ter: Jesus nunca nos abandona! Ele é a porta aberta que nunca se fecha!
O evangelho de hoje nos trás duas realidades de fé, que aos olhos humanos pode parecer impossível! Uma, nos mostra claramente a força da fé de uma mulher, acometida por uma enfermidade do corpo, que lhe atingira também a alma!
Movida pela fé, ela, mulher discriminada pela sociedade, enfrentou com coragem e determinação, todos os obstáculos para chegar até Jesus, sua confiança Nele era total! Ela sabia que bastava tocar no Seu manto para ficar curada! E Jesus, o homem Deus, ao sentir que alguém havia lhe tocado, voltou-se e, ao vê-la, disse: “Coragem filha! A tua fé te salvou”!
Em seguida, o evangelho nos mostra também, a sensibilizada de Jesus, diante do sofrimento de um pai, que acabara de ver morrer a sua filha querida! A confiança daquele homem, no poder misericordioso de Jesus, o levou até Ele! E a sua fé, tocou Jesus, levando-O a devolveu a vida a sua filha!
Por maior que seja o nosso sofrimento, nunca devemos perder a fé! É a fé que nos salva, que nos devolve a vida!

A FÉ NÃO É ALGO APARENTE…

A devoção popular é algo até bonito de se ver e que precisa sempre ser respeitada pela Igreja, mas a vida de Fé não pode se resumir a uma devoção, é preciso fazer uma experiência mais profunda pois um ato de Fé não é apenas aquilo que aparenta ser.
Analisemos com cuidado esses dois casos do evangelho de hoje, Jairo é o chefe da sinagoga, um cargo importante na comunidade judaica onde Jesus não era muito bem visto, justamente por inspirar a todos uma nova forma de se relacionar com Deus. Mas Jairo o conhece e sabe quem ele é, embora a estrutura da sua religião o negue, passa por um momento difícil em sua vida, a filhinha muito jovem está nas últimas. Ele se prostra aos pés de Jesus e seu argumento é firme não dando margem para dúvidas, da fé que ele professava em Jesus, Jairo não pediu para Jesus estudar a possibilidade de ir á sua casa visitar a menina, mas falou como quem crê “Vem impõe-lhe as mãos, para que ela se salve e viva”. A Fé não é uma possibilidade mais uma realização concreta.
Ele crê na Vida nova que provém de Jesus, ele sabe no fundo do seu coração, que somente Jesus pode dar essa vida e não tem vergonha de professar publicamente a sua Fé. Aqui parece que Marcos o evangelista, olhou para o outro lado e viu a mulher portadora de uma hemorragia da qual já tinha sido praticamente desenganada pelos médicos. Essa mulher, uma anônima no meio da multidão, nada diz mais apenas pensa em tocar na barra da túnica de Jesus, que já será suficiente para ser curada. Mas Jesus percebe o ocorrido e confirma diante de todos o que acabou de acontecer com ela “Vai em paz e sê curada do seu mal”.
Voltemos a Jairo, onde está ele?
Será que desanimou ao ver que Jesus dera atenção á mulher enferma?
Claro que não mais, no meio do caminho alguns parentes que estavam na sua casa, vieram com a notícia final “Não adianta incomodar a Jesus, a menina morreu”. Na vida de Fé também é assim, há pessoas que desistem fácil, qualquer coisa torna-se pretexto para desistir de tudo e abandonar a Fé em Jesus Cristo. Mas Jairo sabia que a Vida Nova que Jesus dava para as pessoas não tinha limites, nem a morte pode impedi-la de acontecer.
Muitas vezes queremos usar a nossa Fé para resolver coisas terrenas, uma Fé que coloca Jesus a nosso serviço, era assim que as pessoas da casa de Jairo viam Jesus, a parte que lhe cabia era curar doentes, mas em se tratando de morte, não havia mais o que fazer, a não ser cuidar do enterro. Tem muita gente, inclusive cristãos de comunidade, que pensa e age assim, não conseguem vislumbrar nada de novo em Jesus Cristo.
Na casa do chefe da sinagoga Jesus chegou e segurando a mão da menina que havia morrido, ordenou-lhe “Levanta-te!” e ela se levantou e começou a caminhar. O ressuscitado não é um cadáver ambulante que se movimenta mais ele caminha porque á frente ainda há algo a ser alcançado. Temos em nós esta Vida Nova que Deus nos concedeu em nosso Batismo, tocados pelo Senhor é preciso caminhar até que possamos vislumbrar a plenitude dessa Vida. A mulher enferma e o Jairo, chefe da sinagoga, acreditaram nisso…

NÃO TENHA MEDO; APENAS TENHA FÉ!

A fé curou tanto a mulher hemorroíssa quanto a menina, filha de Jairo. Bastou ter fé e acreditou na pessoa do Mestre Jesus que a solicitude apareceu. A fé transcende o imaginário real do homem e volta-se diretamente para os céus, onde Deus concede aos filhos ternura e aconchego.
Mas como ter fé diante de tantas decepções?
Como ter fé após gastar todos os recursos financeiros no tratamento da doença, como aconteceu com a mulher?
Como ter fé diante da moléstia do dia-a-dia, do desamor, da morte?
Como ter fé!
Como agarrar na esperança e objetivar positivamente pensamentos que tudo vai dar certo?
Como vencer a falta de fé?
Como?
Jesus provou para a humanidade que é possível ter fé em tamanho elevado a partir da missão e do comprometimento com a vida e com os irmãos. Quanto mais Jesus era açoitado, quanto mais era colocado em dúvida seus projetos, mais Jesus assumia a fé, trabalhava e discursava mais. Ele colocou a disposição de todos os irmãos com serenidade e não mediu esforços para atender a todos. Às vezes, era assediado demasiadamente, não tinha como atender visualmente, mas a fé era tamanha, tanto naqueles que almejavam alguns serviços como em Jesus, que tudo dava certo.
O evangelista Marcos motiva sua comunidade a partir da fé dos desesperados. Eleva para a comunidade a tonalidade de ir ao encontro daquilo que almeja. Não esperar que tudo aconteça sem dar o primeiro passo. É preciso caminhar retamente nas trilhas do amor e não dar ouvidos para os que não acreditam. Tanto que quando Jairo chegou a sua casa com Jesus, muitas pessoas comunicaram a morte de sua filha, e pede para não incomodar o Mestre, pois tudo estava consumado. O que Jairo fez, não dispensou Jesus e viu o renascer a vida diante de seus olhos. Jairo e sua esposa tiveram fé para reviver a menina. Jesus pediu para alimentar a criança, pois estava abatida.
O alimento que a criança recebeu foi o pão da fé. A morte não pode ser maior do que a vida. A vida deve ser fortalecida na esperança e na Palavra e no pão da Eucaristia. A morte não vence a Eucaristia porque não tem a extensão do Criador. A morte definha a vida aos poucos, como o satanás espera, ele é maldoso e tenta a todo o custo enfraquecer aquele que quer aproximar de Deus. Entretanto, com coragem, força, caminho, luta e fé a morte é vencida. A mulher foi curada da morte que a esperava ao tocar a veste de Jesus. Ela estava impura e não poderia tocar o manto sagrado de Jesus, mas teve coragem e foi avante contra todos os princípios do homem e conseguiu vencer a morte. Não existe maior exemplo de fé e discernimento na pessoa da mulher e do pai desesperado com sua filha enferma.
Portanto, não tenhas medo, tenha fé, foi a mensagem deixada pelo Mestre Jesus. Como filhos de Deus e coirmãos de Jesus, temos a obrigação de acreditar e praticar a Santa Palavra que converge em sinais de cura e libertação. Assumamos a coparticipação divina e fazemos justiça para não sermos vencidos pela morte. Amém!

MONIÇÕES

MONIÇÃO AMBIENTAL OU COMENTÁRIO INICIAL

João Bosco (Itália, 1815-1888), grande educador, mereceu o nome de apóstolo dos jovens, sendo para eles guia seguro. Preocupado com os problemas de sua época, decorrentes da industrialização, fundou a Congregação dos Salesianos e a das Filhas de Maria auxiliadora.

MONIÇÃO PARA A(S) LEITURA(S) E O SALMO

A boa-nova do evangelho não compactua com morte, pois sempre significa a vitória da vida sobre os males que oprimem o ser humano.

MONIÇÃO PARA O EVANGELHO

Aleluia, aleluia, aleluia. O Cristo tomou sobre si nossas dores, carregou em seu corpo as nossas fraquezas (Mt 8,17).

ANTÍFONAS

Antífona da entrada

Deixai vir a mim os pequeninos e não os impeçais, diz o Senhor. O reino do céu pertence aos que se parecem com eles (Mc 10,14).

Antífona da comunhão

Se não vos converterdes e não vos tornardes semelhantes às crianças, diz o Senhor, não entrareis no reino do céu (Mt 18,3).

ORAÇÕES DO DIA

Oração do dia ou Oração da coleta

Ó Deus, que suscitastes são João Bosco para educar e pai dos adolescentes, fazei que, inflamados da mesma caridade, procuremos a salvação de nossos irmãos, colocando-nos inteiramente ao vosso serviço. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Preces da Assembleia ou Oração da Assembleia

— Ouvi, Senhor, nosso pedido.

— Para que a fé e a oração animem todos os missionários e ministros, rezemos.
— Para que os pais que lutam pela cura de seus filhos não percam a esperança, rezemos.
— Para que as pessoas que sofrem encontrem consolo em Deus e nos irmãos, rezemos.
— Para que todos tenham acesso digno a tratamento de saúde, rezemos.
— Para que, com muita fé, revelemos aos outros a bondade de Deus, rezemos.

Oração sobre as oferendas

Recebei, ó Deus, as oferendas desta santa assembleia na comemoração dos vossos santos e concedei que, pela participação na eucaristia, sejamos um sinal da vossa caridade. Por Cristo, nosso Senhor.

Oração depois da comunhão

Deus todo-poderoso, esta santa creia nos sustente para que, a exemplo dos vossos santos, tenhamos no coração e demonstremos em obras o amor pelo próximo e a luz da verdade. Por Cristo, nosso Senhor.

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s