LDP: 08/FEV/12

LEITURA DIÁRIA DA PALAVRA

08/Fev/2012 (quarta-feira)

LEITURAS

1 Reis 10,1-10 (Livro do antigo ou 1º testamento / Livros Históricos)

1Naqueles dias, a rainha de Sabá, tendo ouvido falar – para a glória do Senhor – da fama de Salomão, veio prová-lo com enigmas. 2Chegou a Jerusalém com numerosa comitiva, com camelos carregados de aromas, e enorme quantidade de ouro e pedras preciosas. Apresentou-se ao rei Salomão e expôs-lhe tudo o que tinha em seu pensamento. 3Salomão soube responder a todas as suas perguntas: para ele nada houve tão obscuro que não pudesse esclarecer. 4Quando a rainha de Sabá viu toda a sabedoria de Salomão, a casa que tinha construído, 5os manjares da sua mesa, os cortesãos sentados em ordem à mesa, as diversas classes dos que o serviam e suas vestes, os copeiros, os holocaustos que ele oferecia no templo do Senhor, ficou pasmada e disse ao rei: 6“Realmente era verdade o que eu ouvi no meu país a respeito de tuas palavras e de tua sabedoria! 7Eu não queria acreditar no que diziam, até que vim e vi com os meus próprios olhos, e reconheci que não me tinham dito nem a metade. Tua sabedoria e tua riqueza são muito maiores do que a fama que chegara aos meus ouvidos. 8Feliz a tua gente, felizes os teus servos que gozam sempre da tua presença e que ouvem a tua sabedoria! 9Bendito seja o Senhor, teu Deus, a quem agradaste, que te colocou sobre o trono de Israel, porque o Senhor amou Israel para sempre, e te constituiu rei para governares com justiça e equidade”. 10Depois, ela deu ao rei cento e vinte talentos de ouro e grande quantidade de aromas e pedras preciosas. Nunca mais foi trazida tanta quantidade de aromas como a que a rainha de Sabá deu ao rei Salomão.

Salmo 37(36),5-6.30-31.39-40 (R.30a) (Livro do Antigo ou 1º testamento / Livros Poéticos e Sapienciais)

— O justo tem nos lábios o que é sábio.
5Deixa aos cuidados do Senhor o teu destino; confia nele, e com certeza ele agirá. 6Fará brilhar tua inocência como a luz, e o teu direito, como o sol do meio-dia.
30O justo tem nos lábios o que é sábio, sua língua tem palavras de justiça; 31traz a Aliança do seu Deus no coração, e seus passos não vacilam no caminho.
39A salvação dos piedosos vem de Deus; ele os protege nos momentos de aflição. 40O Senhor lhes dá ajuda e os liberta, ✞ defende-os e protege-os contra os ímpios, e os guarda porque nele confiaram.

Evangelho Jesus Cristo segundo as palavras de são Marcos 7,14,23 (Livro do Novo ou 2º Testamento / Evangelho Sinótico)

Naquele tempo, 14Jesus chamou a multidão para perto de si e disse: “Escutai todos e compreendei: 15o que torna impuro o homem não é o que entra nele vindo de fora, mas o que sai do seu interior. 16Quem tem ouvidos para ouvir ouça”. 17Quando Jesus entrou em casa, longe da multidão, os discípulos lhe perguntaram sobre essa parábola. 18Jesus lhes disse: “Será que nem vós compreendeis? Não entendeis que nada do que vem de fora e entra numa pessoa pode torná-la impura, 19porque não entra em seu coração, mas em seu estômago e vai para a fossa?” Assim Jesus declarava que todos os alimentos eram puros. 20Ele disse: “O que sai do homem, isso é que o torna impuro. 21Pois é de dentro do coração humano que saem as más intenções, imoralidades, roubos, assassínios, 22adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo. 23Todas estas coisas más saem de dentro e são elas que tornam impuro o homem”.

COMENTÁRIOS

… Eu sou o CAMINHO …

O que a Palavra diz para mim?
Como vivo é a minha pureza?
Evito contato com pessoas doentes, sujas?
Ou me preocupo com o meu interior, o meu coração?
Por acaso tenho maus pensamentos, imoralidade sexual, roubo até em pequenas coisas, cometo adultério, pratico a avareza, as maldades, as mentiras, as imoralidades, a inveja, a calúnia, o orgulho?
Se vivo alguma destas impurezas será urgente uma reconciliação com Deus e o irmão, se me considero amigo de Jesus. Vejamos sobre algumas contradições do mundo de hoje:
“As mudanças culturais modificaram os papéis tradicionais de homens e mulheres, que procuram desenvolver novas atitudes e estilos de suas respectivas identidades, potencializando todas suas dimensões humanas na convivência cotidiana, na família e na sociedade, às vezes por vias equivocadas.
A avidez do mercado descontrola o desejo de crianças, jovens e adultos. A publicidade conduz ilusoriamente a mundos distantes e maravilhosos, onde todo desejo pode ser satisfeito pelos produtos que têm um caráter eficaz, efêmero e até messiânico. Legitima-se que os desejos se tornem felicidade. Como só se necessita do imediato, a felicidade se pretende alcançar através do bem-estar econômico e da satisfação hedonista.” (DAp 49-50).

… a VERDADE …

O que a Palavra diz?
Leio, na Bíblia, o texto do dia: Mc 7,14-23.
O que diz?
Jesus fala aqui de pureza e impureza segundo as tradições judaicas. Havia uma separação do sagrado e do profano.
Se a preocupação dos fariseus e escribas é essa separação, a preocupação de Jesus é outra. Ele se preocupa com a maldade que vem do coração das pessoas: os maus pensamentos, a imoralidade sexual, os roubos, os crimes de morte, os adultérios, a avareza, as maldades, as mentiras, as imoralidades, a inveja, a calúnia, o orgulho e o falar e agir sem pensar nas consequências. Isto é que é impuro para ele.
Rezo com toda a Igreja:
Senhor, Tu és a Verdade! Desperta nossas mentes e faze arder nossos corações com a tua Palavra. Que ela ilumine e aqueça os corações sedentos de justiça e santidade. Ajuda-nos a sentir a beleza de crer em Ti! Fica conosco, Senhor!

… e a VIDA …

Pai, cria no meu coração, a pureza verdadeira que me permite estar na tua presença, seguro de que minha vida te agrada.

Qual deve ser a MISSÃO em minha VIDA hoje?

Qual o meu novo olhar a partir da Palavra?
A partir da prática de Jesus, vou viver hoje com o coração puro. Finalizando, rezo:
Jesus Cristo: Caminho, Verdade e Vida, no vigor do Espírito Santo, faze-nos teus discípulos missionários! Com a humilde serva do Senhor, nossa Mãe Maria, queremos ser: Alegres no Caminho para a Terra Prometida! Corajosas testemunhas da Verdade libertadora! Promotores da Vida em plenitude! Fica conosco, Senhor! Amém.

REFLEXÕES

JESUS, ARRANQUE DE NÓS O CORAÇÃO DE PEDRA

No Evangelho de hoje, Marcos nos mostra que o processo de contaminação pela impureza era uma questão grave, que ultrapassava toda a imaginação dos escribas e fariseus. Eles temiam ficar impuros pelo contato físico com coisas e pessoas. Dessa forma, conduzidos por um pensamento tão equivocado, não percebiam os verdadeiros agentes da contaminação.
Era urgente que Jesus lhes apontasse em que consistiam os elementos contaminadores e onde estes estavam. Segundo nos ensina o Messias, o que contamina o homem não está fora dele, mas sim no mais íntimo de seu coração. Infelizmente, não é fácil se precaver quando não se tem um coração puro. Daí provêm as impurezas que incapacitam o ser humano para um relacionamento adequado com Deus.
É relativamente fácil segregar-se das coisas e pessoas tidas como “transmissoras da impureza”. Por outro lado, é extremamente difícil manter a devida distância do que sai da pessoa e tem o poder de contaminá-la. Vigilância e discernimento são duas atitudes imprescindíveis. Sem elas, a hipocrisia apodera-se da ação humana. Não raro, a pessoa fiel às regras de purificação acaba sendo a mesma que nutre maus pensamentos contra o próximo.
O discípulo do Reino de Deus previne-se contra esta falta de autenticidade. Dele se exige, em primeiro lugar, a purificação das motivações de sua ação. Seu agir deve brotar de um coração puro, sem dolo nem “má fé”; e buscar unicamente o bem do próximo. Essa é a pureza requerida por Deus. A outra se reduz à mera questão de higiene, sem a menor relevância.
Portanto, somente somos verdadeiros discípulos quando trazemos e nutrimos no coração uma experiência inspirada nos sentimentos do coração de Deus. A interioridade é, na verdade, a força sustentadora da autêntica experiência de fé, do culto a Deus e da sinceridade no relacionamento com os outros. Jesus pede dos Seus discípulos esta construção e esta conquista. O “de fora” se sustenta autenticamente a partir do que está no fundo do coração. Manter as aparências e enganar é hipocrisia.
Cristo recorda – em linguagem bem direta – que o que sai do interior é que é impuro: as más intenções, imoralidades, roubos, assassínios, adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo. E conclui: “Todas estas coisas más saem de dentro e são elas que tornam impuro o homem”.
“A mais longa jornada é a jornada interior”, escreveu Dag Hammerskjold. Como isso é verdade! Jesus entendeu as condições do coração humano. O que, em nosso interior, pode realmente nos fazer necessitar de uma “cirurgia espiritual do coração”.
De nossos corações vêm os maus pensamentos, a imoralidade sexual, crimes, violência, cobiça, más intenções, fraudes e muito mais. Corramos em direção ao “maior Cirurgião de todos os tempos” – Jesus Cristo – para que Ele faça um novo transplante do nosso coração. Que o Senhor arranque de nós o coração de pedra e nos dê um coração de carne!
Senhor Jesus, tira-me o coração velho e me revista de um novo coração capaz de amar e perdoar até os meus inimigos e perseguidores. Capaz de compreender, acolher, dialogar e, sobretudo, a não olhar somente o exterior, mas sim o interior, preocupando-me com a sua purificação contínua. JESUS, MANSO E HUMILDE DE CORAÇÃO, FAZEI O MEU CORAÇÃO SEMELHANTE AO VOSSO. FAZEI-ME VIVER O AMOR E A RECONCILIAÇÃO. AMÉM!

A BONDADE FUNDAMENTAL DA CRIAÇÃO

Os escribas e fariseus vindos de Jerusalém haviam entrado em conflito com Jesus porque seus discípulos comiam com mãos impuras, isto é, não praticavam as abluções rituais. Então Jesus dirige-se à multidão e aos discípulos explicando: não é o que está fora que torna a pessoa impura, mas sim o que sai da pessoa. O choque se dá no dualismo “sagrado” e “profano”, criado pelas religiões e muito presente na tradição do judaísmo. O mundo não se divide em duas zonas: uma, sagrada, onde se encontra tudo que goza do favor de Deus; e outra, profana, da qual Deus está ausente. Jesus vem afirmar a bondade fundamental da criação e o amor universal de Deus. Não é o espaço exterior que define a presença de Deus, mas sim nossas ações. Onde há o amor, Deus aí está.

JESUS FALA SOBRE A IMPUREZA

Todos nós somos capazes de ver a influência que a sociedade exerce sobre o comportamento das pessoas e muitas vezes ouvimos pessoas que querem responsabilizar outras pessoas ou a sociedade pelos seus próprios atos. Jesus, no Evangelho de hoje, nos mostra que, na verdade, a responsabilidade do ato compete à própria pessoa, pois a pessoa age de acordo com os valores ou desvios que estão presentes no seu coração. É claro que existe a influência do meio, mas ela só determina a vida da pessoa se encontra eco no seu coração, caso contrário, a pessoa rejeita essa influência.

DE ONDE VEM A IMPUREZA?

Jesus buscou recuperar a interioridade e a profundidade da prática da fé, contrapondo-se à exterioridade e superficialidade dos escribas e fariseus. Exortava seus discípulos a perceberem que a verdadeira contaminação do ser humano não provém do seu exterior, e sim, do coração. Assim, quem pretende apresentar-se puro diante de Deus, deve, antes, purificar o seu íntimo de onde provém todo o mal.
Esta purificação não consiste num gesto exterior, como seria um banho ou uma lavagem de mãos. Ela acontece quando a pessoa, sintonizada com Deus, elimina tudo o que pode perturbar sua relação com o próximo. Quem é puro, pensa bem de seu semelhante; respeita-lhe a vida, o corpo e a propriedade; é misericordioso no trato com ele; não age com dolo ou malícia. Estes são sinais inequívocos de pureza interior.
Se isto não acontece, por mais que o indivíduo se lave com água, estará cheio de impurezas e despreparado para realizar um culto agradável a Deus. As coisas materiais são indiferentes; não têm um poder mágico de contaminação.
Portanto, os discípulos não devem dar atenção às insinuações dos fariseus. Não vale a pena buscar a pureza pelo caminho indicado por eles.

CRIA EM MIM, Ó DEUS, UM CORAÇÃO PURO

“Felizes os puros de coração, porque verão a Deus” (Mt 5,8). Com facilidade acreditamos que um coração purificado nos fará conhecer a alegria suprema. Mas tal purificação de coração parece tão ilusória como a subida aos céus. Que escada de Jacob (Gn 28,12), que carro de fogo semelhante ao que transportou o profeta Elias para o céu (2Rs 2,11) encontraremos nós que nos leve o coração até à beleza celeste e que no-lo liberte de todo o seu peso terreno? […]
Não é sem dificuldade que alcançamos a virtude: quanto suor, quantas provações! Quanto esforço e sofrimento! As Escrituras lembram-nos muitas vezes: “como é estreita a porta e quão apertado é o caminho” que leva ao Reino, ao passo que “larga é a porta e espaçoso o caminho que conduz à perdição”, pelo pecado (Mt 7,13-14). E, no entanto, as mesmas Escrituras asseguram-nos de que podemos alcançar essa existência superior. […]
Como nos tornarmos puros?
O Sermão da montanha ensina-no-lo em quase todos os passos. Lede os mandamentos nele expressos uns após outros, e descobrireis a verdadeira arte da purificação do coração. […]
Ao mesmo tempo que Cristo nos promete a bem-aventurança, instrui-nos e forma-nos para o bom êxito desta promessa. Não é certamente sem dificuldades que se atinge a bem-aventurança. Mas compara bem tais dificuldades com a existência de que elas te afastam, e verás quão mais penoso é o pecado, se não no imediato, pelo menos na vida futura. […] Infelizes aqueles cujo espírito se mantém, com obstinação, na impureza! Apenas verão a face do Adversário. Contrariamente, a existência de um justo ficará marcada pela efígie de Deus. […]. Sabemos que traços reveste, por um lado, uma vida de pecado e, por outro, uma vida de justiça. Face à alternativa, temos a liberdade de escolher. Fujamos portanto do rosto do demônio, arranquemos a sua máscara odiosa e, revestidos da imagem divina, purifiquemos o coração. Possuiremos assim a alegria e a imagem divina brilhará em nós, graças à nossa pureza em Cristo Jesus, Nosso Senhor.

NADA QUE DE FORA ENTRA NA PESSOA A TORNA IMPURA

Hoje Jesus nos ensina que tudo o que Deus tem feito é bom. Pode ser que, nossa intenção não reta seja a que contamine o que fazemos. Por isso, Jesus Cristo diz: “o que vem de fora e entra numa pessoa, não a torna impura; as coisas que saem de dentro da pessoa é que a tornam impura” (Mc 7,15). A experiência da ofensa a Deus é uma realidade. E com facilidade o cristão descobre essa marca profunda do mal e vê um mundo escravizado pelo pecado. A missão que Jesus nos encarrega é limpar – com ajuda de sua graça – todas as contaminações que as más intenções dos homens introduziram neste este mundo.
O Senhor nos pede que toda nossa atividade humana esteja bem realizada: espera que nela ponhamos intensidade, ordem, ciência, competência, preocupação de perfeição, não buscando outro alvo e sim restaurar o plano criador de Deus, que fez o melhor para o bom proveito do homem: “Pureza de intenção. – A terás, se, sempre e em tudo, só buscais agradar a Deus” (São Josemaria).
Só nossa vontade pode estragar o plano divino e, é necessário vigiar para que não seja assim. Muitas vezes se metem a vaidade, o amor próprio, os desânimos por falta de fé, a impaciência por não conseguir os resultados esperados, etc. Por isso, nos advertia São Gregório Magno: “Não nos seduza nenhuma prosperidade aduladora, porque é um viajante teimoso aquele que para no caminho a contemplar as paisagens a menos que ele se esqueça do ponto ao que se dirige”.
É conveniente, portanto, estar atentos no oferecimento de obras, manterem a presença de Deus e considerar frequentemente a filiação divina, de maneira que todo nosso dia – com oração e trabalho – tome sua força e comece no Senhor, e que tudo o que começamos por Ele chegue a seu fim.
Podemos fazer grandes coisas se notamos que cada um de nossos atos humanos é corredentor quando está unido aos atos de Cristo.

O QUE SAI DO INTERIOR É QUE TORNA O HOMEM IMPURO

Depois de ter sido censurado pelos escribas e fariseus, Jesus chama o povo e diz: “O que torna impuro o homem não é o que entra nele, vindo de fora, mas o que sai do seu interior.” Jesus e seus discípulos tinham sido criticados por terem comido sem lavar as mãos. Com essa parábola Jesus deixa claro que as questões sobre o que é pureza ou impureza nada têm a ver com comida ou outras leis e costumes. Tudo que Deus criou é bom e foi feito para servir ao homem. O ser humano foi criado por Deus por amor e para o amor e nada nem ninguém deve aprisioná-lo.
Nossa salvação não está nestas coisas e sim em Jesus Cristo e no amor que dedicamos a Deus e ao próximo. Leis injustas que criam oprimidos e opressores, leis que tiram a dignidade da pessoa humana não servem como base para a vida religiosa de ninguém. Jesus noz diz que o que está e o que saí do nosso coração, do nosso interior e da nossa consciência isso sim nos afasta de Deus e causa sofrimento do irmão.
Quantos projetos de morte saíram de corações e mentes de pessoas que tinham o poder nas mãos, a história mostra quanta maldade uma pessoa pode causar a humanidade, milhões de pessoas inocentes já morreram e milhões ainda irão morrer por causa dos maus sentimentos que nascem no interior daqueles que sonham dominar o mundo pela força.
Também nós que estamos e fazemos parte da igreja de Cristo, quanta coisa ruim pode sair de nosso interior. As fofocas que matam as pessoas, a inveja que diminui o outro, as mentiras e calunias. Nossas palavras que ferem e matam os pequenos e excluídos esquecendo-nos que estes são os preferidos de Deus. Todas essas coisas nascem em nosso interior e se a gente não renuncia a esses pecados isso vai crescendo dentro de nós e todo nosso ser vai se tornando impuro. Não é o espaço exterior que define a presença de Deus, mas sim nossas boas ações. Que do nosso interior possa sair o amor e a misericórdia que são frutos do Espírito Santo em nós.
Em Cristo!

O QUE TORNA IMPURO O HOMEM É O QUE SAI DO SEU INTERIOR

Neste Evangelho, Jesus suprime todas as leis judaicas sobre pureza e impureza, introduzindo outro sentido para essas palavras.
O que vem de fora não torna o homem pecador, e sim o que sai do coração, isto é, da consciência humana, que cria os projetos e dá uma direção aos atos humanos. Jesus anuncia uma nova forma de moralidade, onde os homens podem relacionar-se entre si na liberdade, uma liberdade responsável, que parte da consciência bem formada.
A intenção de Moisés, ao promulgar a lei sobre a pureza e impureza (Lv 11) era proteger a saúde de um povo bárbaro e sem cultura. Mas a interpretação errada dessa lei deu fundamento a uma sociedade injusta, baseada em tabus que criavam e solidificavam diferenças entre as pessoas, gerando privilegiados e marginalizados, opressores e oprimidos.
É bom lembrar que os livros da Bíblia foram escritos em épocas diferentes, durante um período de muitos séculos. E Deus se apresenta como o grande pedagogo do seu povo. Na medida em que o povo assimilava uma lei, ele dava outra mais forte e profunda.
Por exemplo, Abraão podia ter muitas mulheres, e Moisés permitiu dar carta de divórcio à esposa. Já Malaquias, o último profeta do Antigo Testamento, diz: “O Senhor é vigia entre ti e a mulher da tua juventude, a quem traíste. É ela a tua companheira, a esposa com a qual tens compromisso. O Senhor não fez dos dois uma unidade de carne e espírito? E para que essa unidade? Para conseguir uma descendência que seja de Deus” (Ml 2,14-15).
Veja a diferença entre um livro e outro! Por isso que, sem a ajuda da Igreja, não podemos entender a Bíblia de forma correta.
Nada do que Deus criou é impuro. Por isso ele não se ofende de comermos carne de porco ou qualquer outro alimento, ou de tocarmos em doentes ou objetos manchados de sangue. O pecado está no que sai do coração. E ele exemplifica: “Más intenções, imoralidades, roubos, assassínios, adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo”.
Certa vez, um senhor foi conversar com o padre, dizendo que estava com crise de fé. Os dois foram conversar numa sala, cuja janela era de vidros transparentes, mas estes estavam embaçados, devido ao frio que fazia lá fora.
A certa altura, o padre pediu ao homem: “Por favor, vá até a janela e olhe para fora”. Ele. O padre perguntou: “O que você está vendo?” “Estou vendo pessoas passando na rua” – disse ele – “mas vejo mal, nem dá para distinguir direito, porque os vidros estão embaçados”.
Então o padre foi lá, abriu a janela e perguntou: “E agora”. O senhor respondeu: “Agora vejo nitidamente as pessoas, as casas e até as flores no canteiro central”.
Concluindo, o padre: “Uma vida cristã medíocre embaça os olhos e a pessoa começa a ter dúvidas de fé”. Melhore a sua fidelidade a Deus, que as dúvidas de fé desaparecerão. “A lâmpada do corpo é o olho; se teu olho for transparente, ficarás todo cheio de luz. Mas se teu olho for ruim, ficarás todo em trevas” (Mt 6,22-23).
O que torna impuro o homem é o que sai do seu interior.

IMPORTA O QUE ESTÁ DENTRO…

O tema é o mesmo do evangelho refletido ontem, porém envolve a questão da alimentação e o órgão onde inicia-se o processo digestivo: a nossa boca, que pode ser fonte de vida ou de morte!
A Lei de Moisés, dada quando o povo atravessava o deserto, tinha muitas normas de segurança e preservação da saúde, e a questão dos alimentos impuros que poderiam contaminar as pessoas, era uma delas. Preocupação com a contaminação é algo que faz parte do nosso dia a dia, mas que não nos deve tornar excessivamente escrupulosos senão torna-se uma doença. Mas para os Judeus a contaminação tinha um caráter fortemente religioso onde quem é impuro está longe de Deus e da sua Salvação prometida.
Esse modo perverso de se relacionar com Deus, acaba gerando divisões por conta dos preconceitos e Jesus corrige esse modo de pensar colocando as coisas em seu devido lugar, as coisas externas inclusive alimentação que entra pela boca do homem, não o afetam em sua espiritualidade (pode sim transmitir alguma enfermidade) e nesse sentido, o próprio organismo do homem, criado com perfeição por Deus, tem seus mecanismos que após o metabolismo, expele aquilo que é impuro ou danoso ao corpo, este é um processo natural que os próprios órgãos digestivos realizam, e independem da nossa vontade.
Mas quando se fala de algo que possa manchar a dignidade do ser humano, a primeira coisa é a vontade humana, ninguém faz uma calúnia, ou diz uma ofensa moral a outro, de maneira involuntária, ninguém sente inveja, ciúme, cólera ou mágoa, de maneira involuntária. É por decisão e vontade que se peca. É isso que Jesus quer dizer quando fala que são as coisas que saem de dentro do homem que o tornam impuro, e não as que entram nele.
O coração humano, no pensamento bíblico é o centro das decisões e morada permanente de Deus, o cerne da lei que é o amor a Deus é proclamado solenemente… amarás o Senhor teu Deus, de todo o teu coração…”. Portanto a nossa dignidade de Filhos e Filhas de Deus torna-se sempre mais visível quando externamos o Deus manifestado em Jesus, que está dentro de nós. Nossas ações tornam-se todas puras e sagradas em sua essência…

O QUE NOS TORNA IMPUROS É O QUE SAI DO NOSSO INTERIOR

As ofensas, as palavras maliciosas, os maus pensamentos, as palavras que magoam as pessoas, palavrões, xingamentos etc.
Certa vez em uma cidade havia um cobrador de ônibus que procurava seguir sua religião ao pé da letra, cumprimentava todos os passageiros que entravam no coletivo. Uns respondiam de bom grado, mais alguns estranhavam aquela atitude, outros ignoravam e aí ele repetia, o bom dia ou o boa tarde. Mais infelizmente tinha uns passageiros que simplesmente se irritavam com aquilo, e respondiam as mais variadas ofensas ao jovem cobrador, que de boa intenção embora forma fanática, só queria agradar. E como nós sabemos, quem se prontifica a agradar simplesmente por agradar, acaba por se tornar um verdadeiro chato.
Em outra cidade também havia um menino deficiente mental com forte carência afetiva, que tinha a seguinte mania. Ele se aproximava das pessoas, de preferência mulheres, e cumprimentava-as pegando na mão. Muitas pessoas correspondiam ao seu gesto. Porém outras o evitavam, não respondiam, se negavam de dar-lhe a mão. Coisa que o deixava muito magoado. Pois sofria de uma deficiência psicológica inexplicável, pois até então, os psicólogos consultados não apresentaram nenhuma forma de terapia satisfatória para aquele quadro.
Conclusão, para muitos, quando ele se aproximava, era uma aproximação indesejável.
— Lá vem o chato! – Diziam.
Com esses dois exemplos, notamos que por vezes nós, preocupados em não ofender as pessoas, mas sim empenhados em agradá-las sempre mais e mais, acabamos por nos tornar indesejáveis, ou mesmo inconvenientes. Precisamos dosar a nossa aproximação, com relação ao nosso irmão ou irmã, para evita situações desagradáveis.
Porque às vezes queremos agradar os amigos, e na verdade, não passamos de uns chatos.
E tomemos o cuidado de não expelir impurezas por aí: maldades, críticas destrutivas, fofocas, e outras coisas que tornam a nossa alma impura. Por serem pecados.

MONIÇÕES

MONIÇÃO AMBIENTAL OU COMENTÁRIO INICIAL

Jesus sempre atribuiu grande valor às obras de Deus. As “intenções más” brotam do coração das pessoas e destroem o projeto de Deus e o próprio ser humano. Somos chamados a ser semeadores de boas obras e agir com justiça.

MONIÇÃO PARA A(S) LEITURA(S) E O SALMO

A sabedoria de Deus se revela no modo de cada um de nós administrar suas ações: se pratica a justiça, a igualdade, a solidariedade, o amor e a comunhão.

MONIÇÃO PARA O EVANGELHO

Aleluia, aleluia, aleluia. Vossa palavra é a verdade, santificai-nos na verdade! (Jo 17,17).

ANTÍFONAS

Antífona da entrada

Entrai, inclinai-vos e protrai-vos: adoremos o Senhor que nos criou, pois ele é o nosso Deus (Sl 94,6s).

Antífona da comunhão

Demos graças ao Senhor pó sua bondade, por suas maravilhas em favor dos homens; deu de beber aos que tinham sede, alimentou os que tinham fome (Sl 106,8s).

ORAÇÕES DO DIA

Oração do dia ou Oração da coleta

Velai, ó Deus, sobre a vossa família, com incansável amor; e, como só confiamos na vossa graça, guardai-nos sob a vossa proteção. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Preces da Assembleia ou Oração da Assembleia

— Atendei nossa prece, Senhor.

— Para que a Igreja contribua para a solução dos problemas sociais, rezemos.
— Para que as pastorais ajudem os mais necessitados, rezemos.
— Para que apliquemos a sabedoria em benefício dos pequenos da sociedade, rezemos.
— Para que respeitemos a opção de vida das pessoas, rezemos.
— Para que as obras de são Jerônimo em favor dos pobres e abandonados continuem dando fruto, rezemos.

Oração sobre as oferendas

Senhor nosso Deus, que criastes o pão e o vinho para alimento da nossa fraqueza, concedei que se tornem para nós sacramento da vida eterna. Por Cristo, nosso Senhor.

Oração depois da comunhão

Ó Deus, vós quisestes que participássemos do mesmo pão e do mesmo cálice; fazei-nos viver de tal modo unidos em Cristo, que tenhamos a alegria de produzir muitos frutos para a salvação do mundo. Por Cristo, nosso Senhor.

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s