LDP: 18/MAR/12

LEITURA DIÁRIA DA PALAVRA

18/Mar/2012 (domingo)

LEITURAS

2 Crônicas 36,14-16.19-23 (Livro do velho ou 1º testamento / Livros Históricos)

Naqueles dias, 14todos os chefes dos sacerdotes e o povo multiplicaram suas infidelidades, imitando as práticas abomináveis das nações pagãs, e profanaram o templo que o Senhor tinha santificado em Jerusalém. 15Ora, o Senhor Deus de seus pais dirigia-lhes frequentemente a palavra por meio de seus mensageiros, admoestando-os com solicitude todos os dias, porque tinha compaixão do seu povo e da sua própria casa. 16Mas eles zombavam dos enviados de Deus, desprezavam as suas palavras, até que o furor do Senhor se levantou contra o seu povo e não houve mais remédio. 19Os inimigos incendiaram a casa de Deus e deitaram abaixo os muros de Jerusalém, atearam fogo a todas as construções fortificadas e destruíram tudo o que havia de precioso. 20Nabucodonosor levou cativos para a Babilônia, todos os que escaparam à espada, e eles tornaram-se escravos do rei e de seus filhos, até que o império passou para o rei dos persas. 21Assim se cumpriu a palavra do Senhor pronunciada pela boca de Jeremias: “Até que a terra tenha desfrutado de seus sábados, ela repousará durante todos os dias da desolação, até que se completem setenta anos”. 22No primeiro ano do reinado de Ciro, rei da Pérsia, para que se cumprisse a palavra do Senhor pronunciada pela boca de Jeremias, o Senhor moveu o espírito de Ciro, rei da Pérsia, que mandou publicar em todo o seu reino, de viva voz e por escrito, a seguinte proclamação: 23“Assim fala Ciro, rei da Pérsia: O Senhor, Deus do céu, deu-me todos os reinos da terra, e encarregou-me de lhe construir um templo em Jerusalém, que está no país de Judá. Quem dentre vós todos pertence ao seu povo? Que o Senhor, seu Deus, esteja com ele, e que se ponha a caminho”.

Salmo 136,1-2.3.4-5.6 (R. 6a) (Livro do Antigo ou 1º testamento / Livros Poéticos e de Sabedoria ou Sapienciais)

6aQue se prenda a minha língua ao céu da boca, se de ti Jerusalém, eu me esquecer!
— 1Junto aos rios da Babilônia nos sentávamos chorando, com saudades de Sião. 2Nos salgueiros por ali penduramos nossas harpas.
— 3Pois foi lá que os opressores nos pediram nossos cânticos; nossos guardas exigiam alegria na tristeza: ‘Cantai hoje para nós algum canto de Sião!’
— 4Como havemos de cantar os cantares do Senhor numa terra estrangeira? 5Se de ti, Jerusalém, algum dia eu me esquecer, que resseque a minha mão!
— 6Que se cole a minha língua e se prenda ao céu da boca, se de ti não me lembrar! Se não for Jerusalém minha grande alegria!

Efésios 2,4-10 (Livro do Novo ou 2º testamento / Livros Didáticos)

Irmãos: 4Deus é rico em misericórdia. Por causa do grande amor com que nos amou, 5quando estávamos mortos por causa das nossas faltas, ele nos deu a vida com Cristo. É por graça que vós sois salvos! 6Deus nos ressuscitou com Cristo e nos fez sentar nos céus, em virtude de nossa união com Jesus Cristo. 7Assim, pela bondade que nos demonstrou em Jesus Cristo, Deus quis mostrar, através dos séculos futuros, a incomparável riqueza de sua graça. 8Com efeito, é pela graça que sois salvos, mediante a fé. E isso não vem de vós; é dom de Deus! 9Não vem das obras, para que ninguém se orgulhe. 10Pois é ele quem nos fez; nós fomos criados em Jesus Cristo para as obras boas, que Deus preparou de antemão, para que nós as praticássemos.

Evangelho Jesus Cristo segundo as palavras de são João 3,14-21 (Livro do Novo ou 2º Testamento / Livros Históricos)

Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos: 14“Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado, 15para que todos os que nele crerem tenham a vida
eterna. 16Pois Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna. 17De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele. 18Quem nele crê, não é condenado, mas, quem não crê, já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho unigênito. 19Ora, o julgamento é este: a luz veio ao mundo, mas os homens preferiram as trevas à luz, porque suas ações eram más. 20Quem pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, para que suas ações não sejam denunciadas. 21Mas, quem age conforme a verdade, aproxima-se da luz, para que se manifeste que suas ações são realizadas em Deus.

COMENTÁRIOS

… Eu sou o CAMINHO …

Tenho diante de mim a liberdade de escolha. Jesus diz que quem pratica o mal está distante da luz.
Escolho durante o meu dia, as trevas ou a luz?
Já nos disseram: “Jesus, o Bom Pastor, quer nos comunicar a sua vida e se colocar a serviço da vida. Vemos como ele se aproxima do cego no caminho (cf. Mc 10,46-52), quando dignifica a samaritana (cf. Jo 4,7-26), quando cura os enfermos (cf. Mt 11,2-6), quando alimenta o povo faminto (cf. Mc 6,30-44), quando liberta os endemoninhados (cf. Mc 5,1-20). Em seu Reino de vida Jesus inclui a todos: come e bebe com os pecadores (cf. Mc 2,16), sem se importar que o tratem como comilão e bêbado (cf. Mt 11,19); toca leprosos (cf. Lc 5,13), deixa que uma prostituta unja seus pés (cf. Lc 7,36-50) e, de noite, recebe Nicodemos para convida-lo a nascer de novo (cf. Jo 3,1-15). Igualmente, convida a seus discípulos à reconciliação (cf. Mt 5,24), ao amor pelos inimigos (cf. Mt 5,44) e a optarem pelos mais pobres (cf. Lc 14,15-24).” (DAp 353)

… a VERDADE …

Nicodemos era do partido fariseu, uma autoridade entre os judeus. Neste texto, Jesus conversa com ele. Nicodemos é um discípulo secreto de Jesus. Por isso, vai visitá-lo à noite. Jesus lhe diz que “os que vivem de acordo com a verdade procuram a luz”. Mas, se referia à luz da verdade, à fé no Filho de Deus. Os fariseus observavam estritamente a Lei. Tinham tendência a desprezar os que não observavam ou não conseguiam observar as complicadas leis. A estes consideravam pecadores. Jesus frequentemente discutia com os fariseus e condenava sua hipocrisia e legalismo. O diálogo entre eles é um convite à conversão. Nicodemos e cada um de nós precisa optar e decidir: crer ou não. A escolha não pode ser pela metade. Jesus fala de “julgamento”. Na verdade, ele não julga ninguém, nem condena. Cada pessoa é que se julga, a partir de suas escolhas: a favor ou contra a vida.

… e a VIDA …

Senhor Jesus, livra-me do poder das trevas e da morte, e faze-me voltar sempre mais para ti, que és penhor de vida e salvação.

Qual deve ser a MISSÃO em minha VIDA hoje?

Quero olhar o mundo hoje, com o olhar de Jesus: viver e propor a todos a verdadeira vida.

REFLEXÕES:

1 – O OBJETO DO AMOR DE DEUS É O MUNDO

Estas palavras de Jesus fazem parte da sua fala no diálogo com Nicodemos, na primeira visita de Jesus a Jerusalém, no evangelho de João. Temos aqui o anúncio fundamental que pervaga o evangelho de João. Deus, no seu grande amor, enviou seu Filho ao mundo, no qual a humanidade é elevada em dignidade e a vida eterna é comunicada a todos que nele crerem.
O termo “mundo” (kósmos, no grego) é um conceito da cultura helênica, não tendo correspondente na cultura semita. No Novo Testamento tem sentidos diversos. Pode indicar toda a criação, ou a Terra apenas, mas com a centralidade na humanidade. Na criação, Deus viu que tudo era bom. Agora, com imenso amor doa seu Filho, portador da vida eterna, ao mundo. Está em questão a condenação ou a salvação. A salvação, na tradição de Israel, diz respeito ao resgate do castigo e da condenação dos infiéis pecadores (primeira leitura). Com Jesus esta ideia de salvação vai sendo didaticamente substituída pelo anúncio da libertação e do dom da vida eterna. O estar condenado ou não estar condenado é substituído pelas atitudes de não crer ou crer em Jesus, Filho único de Deus. Quem crer em Jesus recebe o dom da vida eterna. Quem não crer, exclui-se deste dom.
O Pai que “entrega” seu Filho ao mundo para que o mundo seja salvo, foi entendido dentro das categorias do judaísmo como oferta sacrifical. Jesus seria sacrificado na cruz nos moldes dos cordeiros no altar do Templo de Jerusalém, ou como Isaac que é levado ao sacrifício por seu pai Abraão. Terrível compreensão! Deus é amor! Seu Filho Jesus não vem para condenar, mas, com seu amor divino, vem, no Espírito Santo, para comunicar a vida aos homens e mulheres. É um renascer para a eternidade, é a ressurreição.
Ao dom de Deus ao mundo seguem-se o crer e o não crer. No evangelho de João o mundo está submisso ao príncipe das trevas. Não é necessário pensar em entidades demoníacas. Trata-se do poder da morte. São os poderosos deste mundo que semeiam a morte em vista de garantir e consolidar suas riquezas, seu poder econômico, militar e ideológico, apelando para contra valores seculares ou religiosos. Os discípulos eram do mundo, mas foram libertados de seu poder e de sua ideologia pela adesão ao projeto de Jesus. Eles são a semente da libertação do mundo. Na solidariedade e na fraternidade promovem a vida, que é dom gratuito de Deus em seu imenso amor (segunda leitura). O crer é a porta para a vida eterna. Crer no nome do Filho é seguir Jesus. É ser portador da misericórdia e da vida ao mundo. Viver o amor no convívio familiar, comunitário e social, desvelando a presença de Deus no mundo.

2 – NICODEMOS CONVERSA COM DEUS

Neste texto do Evangelho de hoje, temos a conclusão do diálogo de Jesus com Nicodemos. O evangelista João recorre ao simbolismo da serpente de bronze (cf. Nm 21,9) – a qual, pela fé, libertava das mordidas mortais das serpentes do deserto para aplicá-lo à fé em Jesus, pelo qual se tem a vida eterna. Este diálogo com Nicodemos é um convite à conversão. Coloca em confronto as duas opções: aquele que crê e aquele que não crê, aquele que pratica o mal e ama as trevas e aquele que pratica a verdade e se aproxima da luz. Cabe ao leitor fazer sua opção. Na primeira leitura temos a teologia do castigo e do arrependimento, com a retomada da aliança. Os habitantes de Judá, exilados na Babilônia por Nabucodonosor, após o sofrimento do exílio, encontram a benevolência de Ciro, da Pérsia, o qual os contempla com a reconstrução do templo de Jerusalém. O tema predominante no Evangelho de João é o dom da vida eterna por Jesus. Neste tempo de quaresma, somos convidados à conversão, a nascer do Espírito, a nascer para a liberdade e para o amor, pois para isto fomos feitos (segunda leitura). Pelas obras praticadas em Deus, unimo-nos com Jesus e vivemos com ele na eternidade, na unidade do Pai e do Espírito.

3 – JESUS CRISTO É A ÚNICA SOLUÇÃO DE DEUS PARA O HOMEM

Estamos diante da conclusão do diálogo de Jesus com Nicodemos. O evangelista João – citando a passagem do Antigo Testamento em Números 21,9 – recorre ao simbolismo da serpente de bronze, a qual, pela fé, libertava das mordidas mortais das serpentes do deserto, para aplicá-lo à fé em Jesus pelo qual se tem a vida eterna.
Jesus é a “nova serpente de bronze” que, ao invés de morder e matar, nos traz a cura. Sua “mordida” elimina, de uma vez por todas, as mordidas da serpente que conquistou Adão e Eva, acarretando a morte para toda a humanidade.
Jesus é Aquele que nos atingiu com compaixão, ternura, perdão, misericórdia e o amor de Deus, Seu Pai. O Seu plano é que o pecador se arrependa e possa viver.
Portanto, diria que no Evangelho de hoje – de um diálogo com Nicodemos – Deus quer tocar no mais fundo do nosso ser, do nosso coração. Trata-se aqui de um diálogo que se traduz num convite à conversão. Este diálogo coloca em confronto duas opções: aquele que crê e aquele que não crê. Aquele que pratica o mal e ama as trevas e aquele que pratica a verdade e se aproxima da luz. Cabe a você fazer sua opção.
Neste tempo da Quaresma somos convidados à conversão, a nascer do Espírito, a nascer para a liberdade e para o amor, pois para isto fomos feitos. Pelas obras praticadas em Deus, unimo-nos com Jesus e vivemos com Ele na eternidade, na unidade do Pai e do Espírito. Talvez você já procurou ajuda em vários lugares, e ainda continua precisando de ajuda. Deus é a única solução para os nossos problemas. Por isso, preste muita atenção ao que lhe digo: Deus tem um plano para você. Deixe-se atingir pelo amor de Deus.
“Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que creem no seu nome, os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus” (Jo 1,12-13). Deus o ama e tem um plano maravilhoso para sua vida: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3,16).
O homem é pecador e está separado de Deus: “Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Rm 3,23).
Jesus Cristo é a única solução de Deus para o homem: “E o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado” (1Jo 1,7). Precisamos receber a Jesus Cristo como Senhor e Salvador, por meio de um convite pessoal à conversão: “Eis que estou à porta, e bato: se alguém ouvir minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa” (Ap 3,20). Por isso, não resista! Abra a sua porta e receba a Jesus como o seu Senhor.
A nossa natureza original é a santidade. No entanto, muitas vezes não cuidamos da nossa vida espiritual e, devido à falta de atenção nesta área, somos atacados por uma série de problemas em nossa vida. Saiba que a única solução para os problemas desta vida está em Cristo. Precisamos nascer de novo, nascer de Deus! Para que isto aconteça você precisa receber a Jesus Cristo. Não deixe para depois. O momento é agora!
Declare em voz alta: “Senhor Jesus, eu preciso de Ti. Abro a porta do meu coração e da minha vida. Te recebo como meu Senhor e Salvador. Perdoa meus pecados e escreve meu nome no Livro da Vida. Desejo teu plano na minha vida. Amém”.

4 – ASSIM TAMBÉM É NECESSÁRIO QUE O FILHO DO HOMEM SEJA ERGUIDO AO ALTO, A FIM DE QUE TODO O QUE N’ELE CRÊ TENHA A VIDA ETERNA

“Tende entre vós os mesmos sentimentos que estão em Cristo Jesus: Ele, que é de condição divina, não considerou como uma usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-Se a Si mesmo, tomando a condição de servo. Tornando-Se semelhante aos homens e sendo, ao manifestar-Se, identificado como homem, rebaixou-Se a Si mesmo, tornando-Se obediente até à morte e morte de cruz. Por isso mesmo é que Deus O elevou acima de tudo e Lhe concedeu o nome que está acima de todo o nome” (Fl 2,5-9). […] Este texto, de uma riqueza extraordinária, faz claramente alusão à primeira queda […]. Jesus Cristo trilha os passos de Adão. Contrariamente a Adão, Ele é verdadeiramente “como Deus” (cf. Gn 3,5). Mas ser como Deus, ser igual a Deus, é “ser Filho” e, portanto, relação total: “o Filho, por Si mesmo, não pode fazer nada” (Jo 5,19). Por isso, Aquele que é verdadeiramente igual a Deus não Se agarra à Sua própria autonomia, ao carácter ilimitado do Seu poder e do Seu querer. Porque percorre o caminho inverso, torna-Se o dependente-mor, torna-Se o servo. Porque não segue o caminho do poder, mas o do amor, pode humilhar-Se até à mentira de Adão, até à morte e, então aí, erigir a verdade, dar a vida.
Assim, Cristo torna-Se o novo Adão por Quem a vida toma um novo rumo […] A Cruz, lugar da Sua obediência, torna-se a verdadeira árvore da vida. Cristo torna-Se a imagem oposta à serpente, tal como diz João no seu evangelho. Dessa árvore não vem a palavra da tentação, mas a palavra do amor salvador, a palavra da obediência, pela qual o próprio Deus Se faz obediente e nos oferece assim a Sua obediência como campo da liberdade. A cruz é a árvore da vida que de novo se torna acessível. Na Paixão, Cristo afastou, por assim dizer, a espada flamejante (Gn 3, 24), atravessou o fogo e levantou a cruz como verdadeiro eixo do mundo, sobre o qual o mundo se reergue. Por isso a eucaristia, enquanto presença da cruz, é a árvore da vida que está sempre no meio de nós e nos convida a receber os frutos da vida verdadeira.

5 – VERDADE OU CONSEQUÊNCIA

1. “Verdade ou consequência” é um jogo popular, muito querido aos mais novos! Forma-se uma roda e um dos participantes pergunta a outro: “Verdade ou Consequência?” Se escolher “verdade”, ele terá de responder com sinceridade a uma pergunta do primeiro. Se escolher “consequência”, ele deverá sujeitar-se à imaginação dos outros jogadores, que o sujeitarão a alguma prova mais difícil!
2. Lembrei-me deste jogo, ao escutar a primeira leitura deste domingo! O cronista não se limita a descrever o que se passou, naqueles longos e difíceis anos de exílio, que o Povo hebreu sofreu na Babilónia (587-538) toda a “a verdade” diante dos nossos olhos. O exílio não foi vingança de um Deus, irritado com a infidelidade do seu Povo! O dito “castigo” foi apenas a“consequência” do comportamento rebelde de um povo infiel à aliança: “multiplicaram as suas infidelidades, imitando os costumes abomináveis das nações pagãs, e profanaram o templo”. Não faltaram, porém, e com muita antecedência, os avisos dos “profetas”, como Jeremias, a alertar para os riscos de tais atitudes!
Mas quê?
Eles “escarneciam dos mensageiros de Deus, desprezavam as suas palavras e claras quer a “verdade” quer a “consequência”: quando a Palavra do Senhor é ignorada e a lei de Deus é ridicularizada, desprezada ou achincalhada, quando a aliança com Deus é traída, o resultado só pode ser o mal e a destruição!
3. O remédio, depois de sofrer na pele as consequências, é confessar a verdade, reconhecer os erros e voltar à aliança! Deus não permitirá que o seu povo caia, num poço sem fundo, de olhos vendados à esperança! Porque apesar da nossa indignidade, somos destinatários da misericórdia infinita de Deus.
Deus ama-nos, de um modo “obstinado” e envolve-nos, com a sua ternura inesgotável. Por isso mesmo, é que Deus pôde tirar do mal do exílio um bem maior; a partir daí tocou o coração do seu povo e abriu-lhe, por fim, um caminho de regresso a casa, pelas mãos de Ciro, o rei pagão da Pérsia.
4. Queridos irmãos e irmãs: Aquilo que tantas vezes, nos parece um “castigo de Deus” não é mais do que uma provação, que nos convida a praticar a verdade, a corrigirmo-nos do nosso mau proceder, para alcançarmos o perdão! Paulo: “Deus, rico em misericórdia, pelo amor imenso com que nos amou, precisamente a nós que estávamos mortos pelas nossas faltas, deu-nos a vida com Cristo” (Ef 2, 4-5).
5. Pratiquemos então a verdade, na caridade! Aproximemo-nos da luz! Para isso, durante esta semana, sugerimos aos casais, aos pais e filhos, que dediquem algum tempo a fazer um exercício de correção fraterna, em que cada um corrija os defeitos de outro e se deixe igualmente corrigir pelos outros! Façamo-lo, não como quem condena ou censura, mas como quem, por amor, procura o bem espiritual do outro! Poderíeis fazê-lo, como uma espécie de jogo “verdade ou consequência”. Se o inquirido escolher “verdade”, terá de responder com sinceridade a uma pergunta, sobre um erro ou defeito que menos gosta de ver no outro. Se escolher “consequência”, deverá sujeitar-se à sinceridade de todos os outros, que lhe vão fazer lembrar os efeitos dos seus defeitos. Todos devem passar por este exercício. No final, todos sairão vencedores! E o prémio a partilhar é uma palavra ou um gesto de perdão, um beijo, um abraço, um sorriso! O perdão é afinal o tesouro mais precioso, de que a família precisa, todos os dias, de dar e de receber, para impedir que o veneno da “traça” desfaça o elo mais fraco da aliança!

6 – DEUS AMOU TANTO O MUNDO, QUE DEU O SEU FILHO ÚNICO

Hoje a liturgia oferece-nos um aroma antecipado da alegria pascal. Os ornamentos do celebrante são rosados. É o do “laetare” que nos convida a uma serena alegria. “Festejai a Jerusalém, alegrai-vos todos os que a amais…”, canta a antífona da entrada. Deus quer que estejamos contentes. A psicologia mais elementar diz-nos que uma pessoa que não vive contente acaba enferma de corpo e espírito. Mas, a nossa alegria deve estar bem fundamentada, deve ser a expressão da serenidade de viver uma vida com pleno sentido. De outra forma, a alegria degeneraria em superficialidade, em tolice. Santa Teresa distinguia acertadamente entre “santa alegria” e “louca alegria”. Esta última é apenas exterior, dura pouco e deixa um sabor amargo. Vivemos tempos difíceis para a vida da fé. Mas também são tempos apaixonantes. Experimentamos, de certa forma, o exílio babilônico que canta o salmo. Na verdade, também nós podemos viver uma experiência de exílio “chorando a nostalgia de Sion” (Sal 136,1). As dificuldades exteriores e, sobre tudo o pecado, pode levar-nos perto dos rios da Babilônia. Apesar de tudo, temos motivos de esperança e Deus continua dizendo: “Que se me cole a língua ao paladar se não me lembrar de ti” (Sal 136,6).
Podemos viver sempre contentes porque Deus nos ama loucamente, tanto que nos “deu o seu Filho único” (Jo 3,16). Brevemente acompanharemos este Filho único no seu caminho de morte e ressurreição. Contemplaremos o amor Daquele que tanto ama, que se entregou por nós, por ti e por mim. Ficaremos cheios de amor e olharemos Aquele que trespassaram (Jo 19,37), e crescerá em nós uma alegria que ninguém nos poderá tirar.
A verdadeira alegria que ilumina a nossa vida não provem do nosso esforço. São Paulo recorda-nos: não vem de vós, é um dom de Deus, somos obra sua (Col 1,11). Deixemo-nos amar por Deus e amemo-lo, e a alegria será grande na próxima Páscoa e na vida. E não nos esqueçamos de nos deixarmos acariciar e regenerar por Deus com uma boa confissão antes da Páscoa.

7 – DEUS ELEVADO NA CRUZ…

Talvez se substituirmos a palavra elevar-se pela palavra Subir, a gente possa compreender melhor a profundidade do versículo inicial desse evangelho. Subir significa estar em ascensão, ser referência, mostrar seu poder, ser visto e notado por todos. Entretanto, o modo como Jesus é elevado só serviu para ser escarnecido em uma morte humilhante e vergonhosa. Naquele momento de amargura e derrota, ninguém, nem mesmo os apóstolos pensariam que Jesus estava solidificando a sua Soberania e seu Senhorio sobre todas as coisas, ninguém ousaria dizer que ali, naquele “maldito” pendente da cruz do calvário, estava a Salvação da humanidade, o resgate do Ser humano, a sua remissão e redenção. O que se viu foi um corpo ensanguentado, dilacerado, chagado, entretanto, foi um momento Bendito e glorioso para toda a humanidade. Deus mostrou na cruz toda a Força e o Poder do Amor verdadeiro. Por isso que, após introduzir a reflexão, o evangelista João vai direto ao tema central “Deus amou tanto o mundo que lhe deu seu Filho único, para que todo o que Nele crê não pereça, mas tenha a Vida Eterna.” Crer em Jesus Salvador é Crer no Amor que vivifica, restaura, reconstrói o Homem, eterno objeto do Amor de Deus. Quem Nele não crer já está condenado, justamente porque não crê no Poder libertador do Amor de Deus. E a vida de quem fecha o seu coração para o amor, é amarga, vazia e sem sentido, porque não optar pelo amor significa a solidão total e completa, que é ficar longe de Deus já nesta vida.  Em seguida João desfaz o equívoco dos que trazem no coração e na mente a imagem de um Deus que condena e castiga o pecador. Deus não enviou Jesus ao mundo para vingar-se do pecado cometido por Adão e Eva e que toda a humanidade acabou herdando. Mesmo com a tragédia da cruz, Deus Pai não planejou uma vingança contra os que mataram a Jesus, ao contrário, o próprio Filho pede para que o

Pai os perdoe…
amor é sempre transparente e iluminador isso é, a tudo dá sentido, tudo crê, tudo espera, tudo tolera, é compassivo e fiel, Viver nesse amor é antecipar a Vida Eterna, mas sem o amor, o homem acabará naufragando nas profundezas dos mares do seu próprio egoísmo.
Crer e aceitar Jesus Cristo significa acolhê-lo por inteiro, vestindo a camisa do seu evangelho, aceitando com ele construir o novo Reino. Essa nossa opção por Cristo ou contra ele, reflete nos atos e ações que fazemos. É impossível fazer o Bem e permanecer nas trevas, assim como também é impossível praticar o mal e permanecer na Luz, pois são coisas contrárias que jamais estarão juntas em, um mesmo lugar ou em mesmo coração. Nossas comunidades cristãs vivem essas duas realidades que caracterizam o Reino de Deus, por um lado, apresentam um Cristo elevado na cruz, anunciando assim a sua morte, mas por outro lado, esse Cristo crucificado faz nascer cada vez mais forte no coração de quem crê, a esperança escatológica de quem espera a Ressurreição. O Cálice Bendito elevado pelas mãos do Sacerdote é ao mesmo tempo amargura e doçura, Vida Morte e Ressurreição do Senhor, é a nossa humanidade tão frágil e pequena, mergulhada no mistério da Grandeza de Deus.

8 – O OBJETO DO AMOR DE DEUS É O MUNDO

Estas palavras de Jesus fazem parte da sua fala no diálogo com Nicodemos, na primeira visita de Jesus a Jerusalém, no evangelho de João. Temos aqui o anúncio fundamental que pervaga o evangelho de João. Deus, no seu grande amor, enviou seu Filho ao mundo, no qual a humanidade é elevada em dignidade e a vida eterna é comunicada a todos que nele crerem.
O termo “mundo” (kósmos, no grego) é um conceito da cultura helênica, não tendo correspondente na cultura semita. No Novo Testamento tem sentidos diversos. Pode indicar toda a criação, ou a Terra apenas, mas com a centralidade na humanidade. Na criação, Deus viu que tudo era bom. Agora, com imenso amor doa seu Filho, portador da vida eterna, ao mundo. Está em questão a condenação ou a salvação. A salvação, na tradição de Israel, diz respeito ao resgate do castigo e da condenação dos infiéis pecadores (primeira leitura).
Com Jesus esta ideia de salvação vai sendo didaticamente substituída pelo anúncio da libertação e do dom da vida eterna. O estar condenado ou não estar condenado é substituído pelas atitudes de não crer ou crer em Jesus, Filho único de Deus. Quem crer em Jesus recebe o dom da vida eterna. Quem não crer, exclui-se deste dom.
O Pai que “entrega” seu Filho ao mundo para que o mundo seja salvo, foi entendido dentro das categorias do judaísmo como oferta sacrifical. Jesus seria sacrificado na cruz nos moldes dos cordeiros no altar do Templo de Jerusalém, ou como Isaac que é levado ao sacrifício por seu pai Abraão. Terrível compreensão! Deus é amor! Seu Filho Jesus não vem para condenar, mas, com seu amor divino, vem, no Espírito Santo, para comunicar a vida aos homens e mulheres. É um renascer para a eternidade, é a ressurreição. Ao dom de Deus ao mundo seguem-se o crer e o não crer.
No evangelho de João o mundo está submisso ao príncipe das trevas. Não é necessário pensar em entidades demoníacas. Trata-se do poder da morte. São os poderosos deste mundo que semeiam a morte em vista de garantir e consolidar suas riquezas, seu poder econômico, militar e ideológico, apelando para contra valores seculares ou religiosos. Os discípulos eram do mundo, mas foram libertados de seu poder e de sua ideologia pela adesão ao projeto de Jesus. Eles são a semente da libertação do mundo. Na solidariedade e na fraternidade promovem a vida, que é dom gratuito de Deus em seu imenso amor (segunda leitura).
crer é a porta para a vida eterna. Crer no nome do Filho é seguir Jesus. É ser portador da misericórdia e da vida ao mundo. Viver o amor no convívio familiar, comunitário e social, desvelando a presença de Deus no mundo. Oração: Senhor Jesus, livra-me do poder das trevas e da morte, e faze-me voltar sempre mais para ti, que és penhor de vida e salvação.

9 –

10 –

11 –

12 –

13 –

14 –

15 –

MONIÇÕES

MONIÇÃO AMBIENTAL
OU COMENTÁRIO INICIAL

A presença de Jesus no meio de nós representa o maior gesto de amor de Deus pela humanidade. Fiquemos alegres, pois o Senhor quer continuar dialogando conosco, como fez com Nicodemos, e nos oferece a salvação. Agora ele nos convida a deixar de lado toda tristeza, em atitude de otimismo e confiança.

MONIÇÃO PARA A(S) LEITURA(S) E O SALMO

As leituras nos deixam repletos de confiança, pois mostram que Deus ama com carinho seu povo e não o abandona. Em vez disso, permite que seu Filho seja levantado da terra para ser sinal de salvação da humanidade.

MONIÇÃO PARA O EVANGELHO

Louvor e honra a vós, Senhor Jesus. Tanto Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único; todo aquele que crer nele há de ter a vida eterna (Jo 3,16).

ANTÍFONAS

Antífona da entrada

Alegra-te, Jerusalém! Reuni-vos, vós todos que a amais; vós que estais tristes, exultai de alegria! Saciai-vos com a abundância de suas consolações (Is 66,10s)

Antífona da comunhão

Jerusalém, cidade bem edificada, onde tudo forma uma unidade perfeita; para lá é que sobem as tribos, as tribos do Senhor, para louvar, Senhor, o vosso nome (Sl 121,3s).

ORAÇÕES DO DIA

Oração do dia ou Oração da coleta

Ó Deus, que por vosso Filho realizais de modo admirável a reconciliação do gênero humano, concedei ao povo cristão correr ao encontro das festas que se aproximam cheio de fervor exultando de fé. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Preces da Assembleia ou Oração da Assembleia

Deus nos ama com amor gratuito e misericordioso. Dirijamo-nos a ele com toda a confiança e apresentemos-lhe nossos pedidos, dizendo:
— Pai celeste, iluminai-nos com vossa luz.

— Guiai, Senhor, pelo vosso Espírito, as Igrejas cristãs, para que continuamente se convertam ao evangelho. Nós vos pedimos.
— Iluminai a humanidade, para que acolha os mensageiros de Deus e se deixe conduzir por suas palavras. Nós vos pedimos.
— Concedei que, na Quaresma, nos aproximemos com maior fervor de Cristo, luz da humanidade. Nós vos pedimos.
— Ensinai-nos a amar todas as pessoas, sem procurar interesse ou vantagem. Nós vos pedimos.
— Iluminai os que se preparam para receber o batismo na Vigília Pascal e abençoai seus pais e padrinhos. Nós vos pedimos.

Concluamos as preces com a oração da Campanha da Fraternidade:

Senhor Deus de amor,
Pai de bondade,
nós vos louvamos e agradecemos pelo dom da vida,
pelo amor com que cuidais de toda a criação.
Vosso Filho, Jesus Cristo,
em sua misericórdia,
assumiu a cruz dos enfermos e de todos os sofredores,
sobre eles derramou a esperança
de vida em plenitude.
Enviai-nos, Senhor, o vosso Espírito.
Guiai a vossa Igreja,
para que ela, pela conversão,
se faça sempre mais solidária
às dores e enfermidades do povo e que a saúde se difunda sobre a terra. Amém.

Oração sobre as oferendas

Ó Deus, concedei-nos venerar com fé e oferecer, pela redenção do mundo, os dons que nos salvam e que vos apresentamos com alegria. Por Cristo, nosso Senhor.

Oração depois da comunhão

Ó Deus, luz de todo ser humano que vem a este mundo, iluminai nossos corações com o esplendor da vossa graça, para pensarmos sempre o que vos agrada e amar-vos de todo o coração. Por Cristo, nosso Senhor.

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s