LDP: 22/MAR/12

LEITURA DIÁRIA DA PALAVRA

22/Mar/2012 (5ª Feira)

LEITURAS

Êxodo (Livro do velho ou 1º testamento / Pentateuco ou Os Livros da Lei)

Naqueles dias, 7o Senhor falou a Moisés: “Vai, desce, pois corrompeu-se o teu povo, que tiraste da terra do Egito. 8Bem depressa desviaram-se do caminho que lhes prescrevi. Fizeram para si um bezerro de metal fundido, inclinaram-se em adoração diante dele e ofereceram-lhe sacrifícios, dizendo: ‘Estes são os teus deuses, Israel, que te fizeram sair do Egito!’” 9E o Senhor disse ainda a Moisés: “Vejo que este é um povo de cabeça dura. 10Deixa que minha cólera se inflame contra eles e que eu os extermine. Mas de ti farei uma grande nação”. 11Moisés, porém, suplicava ao Senhor seu Deus, dizendo: “Por que, ó Senhor, se inflama a tua cólera contra o teu povo, que fizeste sair do Egito com grande poder e mão forte? 12Não permitas, te peço, que os egípcios digam: ‘Foi com má intenção que ele os tirou, para fazê-los perecer nas montanhas e exterminá-los da face da terra’. Aplaque-se a tua ira e perdoa a iniquidade do teu povo. 13Lembra-te de teus servos Abraão, Isaac e Israel, com os quais te comprometeste por juramento, dizendo: ‘Tornarei os vossos descendentes tão numerosos quanto as estrelas do céu; e toda esta terra de que vos falei, eu a darei aos vossos descendentes como herança para sempre”’. 14E o Senhor desistiu do mal que havia ameaçado fazer a seu povo.

Salmo 106(105),19-20.21-22.23 (R. 4a) (Livro do Antigo ou 1º testamento / Livros Poéticos e de Sabedoria ou Sapienciais)

— 4aLembrai-vos de nós, ó Senhor, segundo o amor para com vosso povo!
— 19Construíram um bezerro no Horeb e adoraram uma estátua de metal; 20eles trocaram o seu Deus, que é sua glória, pela imagem de um boi que come feno.
— 21Esqueceram-se do Deus que os salvara, que fizera maravilhas no Egito; 22no país de Cam fez tantas obras admiráveis, no Mar Vermelho, tantas coisas assombrosas.
— 23Até pensava em acabar com sua raça, não se tivesse Moisés, o seu eleito, interposto, intercedendo junto a ele, para impedir que sua ira os destruísse.

… (…)

Evangelho Jesus Cristo segundo as palavras de são João 5,31-47 (Livro do Novo ou 2º Testamento / Livros Históricos)

Naquele tempo, disse Jesus aos judeus: 31“Se eu der testemunho de mim mesmo, meu testemunho não vale. 32Mas há um outro que dá testemunho de mim, e eu sei que o testemunho que ele dá de mim é verdadeiro. 33Vós mandastes mensageiros a João, e ele deu testemunho da verdade. 34Eu, porém, não dependo do testemunho de um ser humano. Mas falo assim para a vossa salvação. 35João era uma lâmpada que estava acesa e a brilhar, e vós com prazer vos alegrastes por um tempo com a sua luz. 36Mas eu tenho um testemunho maior que o de João; as obras que o Pai me concedeu realizar. As obras que eu faço dão testemunho de mim, mostrando que o Pai me enviou. 37E também o Pai que me enviou dá testemunho a meu favor. Vós nunca ouvistes sua voz, nem vistes sua face, 38e sua palavra não encontrou morada em vós, pois não acreditais naquele que ele enviou. 39Vós examinais as Escrituras, pensando que nelas possuís a vida eterna. No entanto, as Escrituras dão testemunho de mim, 40mas não quereis vir a mim para ter a vida eterna! 41Eu não recebo a glória que vem dos homens. 42Mas eu sei que não tendes em vós o amor de Deus. 43Eu vim em nome do meu Pai, e vós não me recebeis. Mas, se um outro viesse em seu próprio nome, a este vós o receberíeis. 44Como podereis acreditar, vós que recebeis glória uns dos outros e não buscais a glória que vem do único Deus? 45Não penseis que eu vos acusarei diante do Pai. Há alguém que vos acusa: Moisés, no qual colocais a vossa esperança. 46Se acreditásseis em Moisés, também acreditaríeis em mim, pois foi a respeito de mim que ele escreveu. 47Mas se não acreditais nos seus escritos, como acreditareis então nas minhas palavras?”

COMENTÁRIOS

… Eu sou o CAMINHO …

Como me coloco diante destas testemunhas? Acolho-as ou rejeito porque são exigentes suas propostas e prefiro os privilégios, a vida mais fácil, menos austera? Já nos ajudaram a refletir sobre o tema de hoje: “Os cristãos precisam recomeçar a partir de Cristo, a partir da contemplação de quem nos revelou em seu mistério a plenitude do cumprimento da vocação humana e de seu sentido. Necessitamos nos fazer discípulos dóceis, para aprende d’Ele, em seu seguimento, a dignidade e a plenitude de vida. E necessitamos, ao mesmo tempo, que o zelo missionário nos consuma para levar ao coração da cultura de nosso tempo aquele sentido unitário e completo da vida humana que nem a ciência, nem a política, nem a economia nem os meios de comunicação poderão proporcionar. Em Cristo Palavra, Sabedoria de Deus (cf. 1Cor 1,30), a cultura pode voltar a encontrar seu centro e sua profundidade, a partir de onde é possível olhar a realidade no conjunto de todos seus fatores, discernindo-os à luz do Evangelho e dando a cada um seu lugar e sua dimensão adequada.” (DAp 41).

… a VERDADE …

Neste texto predomina a palavra testemunho. São três testemunhas:
1ª) João Batista deu testemunho da verdade.
2ª) O Pai dá testemunho de Jesus.
3ª) As Sagradas Escrituras que dão testemunho de Jesus.
Essas três testemunhas a favor de Jesus foram recusadas pelas autoridades religiosas que utilizavam a religião e a Bíblia para manter seus privilégios e prestígio.

… e a VIDA …

Pai, dá-me suficiente inteligência para descobrir, no testemunho de Jesus, sua condição de Filho enviado por ti, para a nossa salvação.

Qual deve ser a MISSÃO em minha VIDA hoje?

Quero olhar o mundo, as pessoas, a vida com o olhar de Jesus, o coração de Jesus, seus gestos e palavras. Com minhas atitudes darei testemunho de Jesus.

REFLEXÕES:

1 – A CREDIBILIDADE DO TESTEMUNHO

Aos judeus que o acusavam de infrator da Lei, Jesus apresenta três testemunhas da autenticidade de suas palavras e de sua missão. O evangelho de João narra que João Batista, logo no início de seu ministério, foi interrogado por enviados das autoridades de Jerusalém (Jo 1,19-28), testemunhando-lhes a verdade de Jesus. Reconhecido como o precursor de Jesus, o Batista atraiu-o por sua pregação, a qual Jesus assumiu no Espírito, dando-lhe uma nova dimensão. A própria tradição mosaica, com suas propostas de libertação e resgate da vida, também testemunha a favor de Jesus. Porém, Jesus denuncia os dirigentes judeus de não serem fiéis a esta tradição. Principalmente as próprias ações de Jesus acolhendo as pessoas, reconhecendo sua dignidade e comunicando-lhes vida, testemunham seu amor divino.

2 – TESTEMUNHOS A FAVOR DE JESUS

Ninguém aceita gratuitamente algo como sendo verdadeiro. Só acreditamos que algo é verdadeiro quando temos um fundamento para isso. Assim as pessoas agem em relação a Jesus, exigem uma garantia de verdade a respeito de tudo o que ele fala para que creiam nela. Isso acontece em primeiro lugar porque não acreditam no amor e na ação do próprio Deus na vida das pessoas. Também acontece porque não são capazes de encontrar nas Sagradas Escrituras o testemunho de Jesus e de suas obras. Somente quem se abre a Deus e à sua revelação reconhece a verdade em Jesus.

3 – A GLÓRIA PROVINDA DO PAI

Os adversários de Jesus tentavam deturpar o sentido de suas ações. No parecer deles, as obras de Jesus não tinham relevância, por não existir nenhuma instância que pudesse dar-lhe base de sustentação. Que possuía ele, de especial, para justificar sua intimidade com Deus? Quem podia garantir não ser ele um charlatão como tantos outros, cujas histórias de milagres corriam o mundo? Quais seriam suas reais intenções, ao se colocar numa posição tão elevada, como senhor da vida humana? A argumentação de Jesus, para fundamentar sua ação, não chegou a sensibilizar os seus adversários. Ele apelava para o testemunho dado pelo Pai: para servi-lo é que fora enviado. Sua ação estava na mais estreita sintonia com o Pai. Para entendê-la, era suficiente reportar-se ao Pai. Para Jesus, mesmo as Escrituras falavam a seu favor. Se seus inimigos fossem capazes de lê-las, de maneira conveniente, sem dúvida, haveriam de descobrir que, nas entrelinhas, elas apontam para o Messias-Filho de Deus. A glória de Jesus não provém de nenhum ser humano. É o Pai quem o glorifica. Por isso, ele não teme fazer frente a seus adversários, uma vez que querem impedi-lo de cumprir sua missão. Com a força que lhe vem do Pai, Jesus segue em frente.

4 – EM CRISTO VOCÊ ENCONTRA TUDO PARA SER FELIZ

Assim como hoje, havia pessoas que ouviram os ensinamentos de Jesus em Seu tempo. Elas presenciaram os milagres do Senhor, mas ainda tinham dúvidas sobre Ele, apesar de também serem judias. Ainda hoje, as pessoas não acreditam que Jesus seja, de fato, o Filho de Deus; continuam esperando a primeira vinda do Messias Salvador anunciado pelos profetas do Antigo Testamento. Há também muitos não judeus que não acreditam no Filho de Deus nem em Seu poder. Se você é uma dessas pessoas, Cristo fala diretamente a você no Evangelho de hoje. O Senhor cita dois profetas famosos e conhecidos de todos em Seu tempo: João Batista e Moisés, ambos vieram anunciar a vinda do Messias. Jesus se apresenta como sendo esse Salvador. Quem não acreditar nesses dois profetas também não acreditará em Jesus. O maior testemunho de Jesus é o próprio Pai que Lhe enviou. Mas quem de vocês já ouviu a voz de Deus? Ele não fala como nós, mas o faz por meio dos milagres que Seu Filho realizou – e realiza ainda hoje – para quem Lhe pede. No Evangelho de hoje, Cristo não se dirige aos desentendidos, mas àqueles que “estudam a Bíblia”, embora não acreditem que Ele seja o Filho de Deus. O Senhor afirma categoricamente: “Mas eu sei que não tendes em vós o amor de Deus”, ou seja, quem não consegue enxergar os milagres realizados por Jesus como obras de Deus, é porque tem o coração endurecido, no qual não existe amor. Essa é a pior tristeza que um ser humano pode ter na vida: a falta do amor que vem do Pai. Há uma “sabedoria de Deus, misteriosa e oculta, que, desde antes dos séculos, Deus antecipadamente nos destinou”. Esta sabedoria é Cristo, Ele é o “poder e a sabedoria divina”. No Filho, com efeito, “encontram-se escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento”; oculto no mistério, destinado previamente desde antes dos séculos, Ele é o que foi predestinado e prefigurado na Lei e nos profetas. Por isso, estes tinham o nome de “videntes”, pois viam Aquele que estava escondido e era desconhecido dos outros. Também Abraão “viu o seu dia e rejubilou”. Para Ezequiel, o céu se abriu, enquanto que para o povo pecador permanecia cerrado. “Retirai o véu de cima dos meus olhos, diz Davi, e contemplarei as maravilhas da vossa lei”. Na verdade, a lei é espiritual e, para compreendê-la, é preciso que seja “afastado o véu” e que “a glória de Deus seja contemplada de rosto descoberto”. O Apocalipse nos mostra um livro fechado com sete selos. Quantos homens, hoje – que se dizem instruídos -, têm nas mãos um livro selado! São incapazes de abri-lo, a menos que seja aberto por “Aquele que tem a chave de Davi; se Ele abrir, ninguém o fechará e, se Ele fechar, ninguém o abrirá”. Nos Atos dos Apóstolos, o eunuco lia o profeta Isaías. Contudo, ignorava Aquele que venerava no livro sem O conhecer. Surge Filipe: “mostra-nos o Pai e isto nos basta!”. Jesus Se mostra, então, oculto pela letra: “há tanto tempo que estou convosco e não me conheces? Eu e o Pai somos um”. Compreenda que você não pode se comprometer com as Sagradas Escrituras sem ter um guia que lhe mostre o caminho. E este guia é a Palavra de Deus. Não espere por outros sinais, porque, em Jesus, você tem tudo o que precisa para ser feliz para sempre. Se ainda há dúvidas, eu lhes mostro o caminho. Hoje, Jesus bate à sua porta e lhe diz: “Venha e siga-me, pois Eu e o Pai somos um. Venha que lhe mostro o caminho que o conduz à vida eterna”.

5 – SE ACREDITÁSSEIS EM MOISÉS, TALVEZ ACREDITÁSSEIS EM MIM, PORQUE ELE ESCREVEU A MEU RESPEITO

Moisés disse: «O Senhor, teu Deus, suscitará em teu favor um profeta saído das tuas fileiras, um dos teus irmãos, como eu: é a ele que escutarás» (Dt 18,15). O próprio Moisés explica […] o que acabou de anunciar: «Foi o que pediste ao Senhor teu Deus no monte Horeb, no dia da Assembleia, quando Lhe disseste: ‘Não quero mais ouvir a voz do Senhor, meu Deus, nem tornar a ver mais este fogo intenso, pois tenho medo de morrer’» (v. 16). Moisés afirma veementemente que lhe foi então atribuído um papel de mediador, uma vez que a assembleia dos judeus ainda estava incapaz de contemplar as realidades que aexcediam: uma visão de Deus extraordinária e aterradora para os olhos, sons de trombeta estranhos e intoleráveis para os ouvidos (Ex 19,16). O povo tinha, portanto, a prudência de renunciar ao que excedia as suas forças, e a mediação de Moisés auxiliava a fraqueza dos homens da sua geração: ele estava encarregado de transmitir os mandamentos divinos ao povo reunido. Mas se procurares descobrir sob este símbolo a realidade prefigurada, compreenderás que ela visa Cristo, «Mediador entre Deus e os homens» (1Tim 2,5): é Ele que, com a Sua voz humana, voz recebida quando nasceu para nós de uma mulher, transmite aos corações dóceis a vontade sublime de Deus Pai, que é Ele o único a conhecer enquanto Filho de Deus e Sabedoria de Deus, «perscrutando tudo, mesmo as profundezas de Deus» (1Cor 2,10). Não podíamos atingir com os nossos olhos de carne a glória inexprimível, pura e nua, d’Aquele que está para lá de tudo – «o homem não pode ver o Meu rosto, disse Deus, e ficar vivo» (Ex 33,20). Por isso, o Verbo, o Filho único de Deus, devia amoldar-Se à nossa fraqueza revestindo um corpo humano […] segundo o desígnio redentor, para nos revelar a vontade de Deus Pai, como Ele próprio disse: «tudo o que ouvi de Meu Pai vo-lo dei a conhecer» (Jo 15,15), e ainda: «não falei por Mim mesmo; o Pai, que Me enviou, foi Quem determinou o que devo dizer e anunciar» (Jo 12,49).

6 – SE EU DOU TESTEMUNHO DE MIM MESMO, O MEU TESTEMUNHO NÃO É VERDADEIRO

Hoje, o Evangelho ensina-nos como Jesus enfrenta a seguinte objeção: segundo a lei em Dt 19,15, para que um testemunho tivesse valor, era necessário que fosse corroborado por duas ou três testemunhas. Jesus alega a seu favor o testemunho de São João Batista, o testemunho do Pai — que se manifesta nos milagres operados por Ele — e, finalmente, o testemunho das Escrituras. Jesus Cristo repreende os que O escutam, denunciando três impedimentos ao Seu reconhecimento como o Messias Filho de Deus: a falta de amor a Deus; a ausência de reta intenção — buscam só a gloria humana — e a interpretação interesseira das Escrituras. O Santo Padre João Paulo II escreveu-nos: «À contemplação do rosto de Cristo, só se pode chegar escutando no Espírito a voz do Pai, ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar. (cf. Mt 11,27). Assim, portanto, é necessária a revelação do Altíssimo. Mas, para acolhê-la, é indispensável colocar-se em atitude de escuta». Portanto há que ter em conta que, para confessar Jesus Cristo como verdadeiro Filho de Deus, não bastam as provas externas que nos sejam propostas; é muito importante a retidão da vontade, ou seja, as boas disposições. Neste tempo de Quaresma, intensificando as obras de penitência que facilitam a renovação interior, melhoremos as nossas disposições para contemplar o verdadeiro rosto de Cristo. Por isso, São Josemaria diz-nos: «Esse Cristo, que tu vês, não é Jesus. —Será, contudo, a triste imagem que os teus olhos turvos podem formar…—Purifica-te. Torna claro o teu olhar, com a humildade e com a penitência. Então… não te faltarão as luzes limpas do Amor. E terás uma visão perfeita. A tua imagem será então, realmente, a Sua: Ele!»

7 – UM ALERTA ESPECIAL

Bom dia! Vejo nesse evangelho de hoje um alerta, de forma especial, a todos aqueles que já conhecem a palavra de Deus e de um jeito ou outro, tentam manter-se no caminho. Toda grande empresa que deseja crescer e se manter no mercado, investe em capacitação e avaliações periódicas. Avaliar não nos faz mal, mas há quanto tempo não nos reavaliamos? Após longos anos de caminhada, acabamos nos deparando com palavras e meditações que se “repetem” (lembre-se: a mensagem é sempre nova); algumas passagens bíblicas passam a ser até mesmo gravadas e decoradas em nosso HD; conhecemos “décor” as passagens de alento e também as de exortação mais duras. Aos poucos, infelizmente, caminhamos para transformar nossa bíblia naquele livrinho “minutos de sabedoria”. Quem tem esse livrinho ou pelo menos o conhece, sabe que ele nos revela pensamentos positivos que surgem do acaso, ou seja, abre-se e a mensagem que sair é “para nós”. Quando não nos trás uma mensagem de conforto, geralmente o fechamos e tornamos a abri-lo até que saia a mensagem que nos agrade. Temos feito isso com a bíblia também! Por que nos enganamos assim? (…) Vocês estudam as Escrituras Sagradas porque pensam que vão encontrar nelas a vida eterna. E são elas mesmas que dão testemunho a meu favor. Mas vocês não querem vir para mim a fim de ter vida. Num processo de crescimento e amadurecimento não acontece por completo sem a auto avaliação. Quem prega ou conduz a palavra de Deus, seja ele músico, intercessor, servo, ministro, padre (…) deve de tempos em tempos também ser ouvinte da Palavra. A mensagem DEVE antes me mudar e MEXER comigo e não somente me usar como canal. Um cano de água aos poucos começa a acumular sujeira e cristais de calcário que levarão a diminuição da vazão. Continuará saindo água, mas em menor quantidade. Qual foi a ultima vez que você foi a uma qualificação? Na igreja as pessoas chamam isso de retiros, acampamentos, congressos? Quem não se qualifica ou que não tem a divina humildade de SENTAR e OUVIR, passa aos poucos a ser O PAPAGAIO DO REALEJO, que precisa de corda (incentivo, elogios, tapinhas nas costas) e música para sortear uma palavra. “(…) Que todos prestem serviços uns aos outros com humildade, pois as Escrituras Sagradas dizem: Deus é contra os orgulhosos, mas é bondoso com os humildes! Portanto, sejam humildes debaixo da poderosa mão de Deus para que ele os honre no tempo certo. Entreguem todas as suas preocupações a Deus, pois ele cuida de vocês. Estejam alertas e fiquem vigiando porque o inimigo de vocês, o Diabo, anda por aí como um leão que ruge, procurando alguém para devorar”. (I Pedro 5, 5-8). O papagaio do realejo não tem compromisso com a palavra que sorteia, por isso se torna apenas um personagem ou espectador da graça. Ele não muda; o tempo passa e não o vemos crescer; vive ou “sobrevive” de cargos e não de graças e competência. BUSQUE POR CAPACITAÇÃO PESSOAL! Não estou dizendo apenas TEOLOGIA, FILOSOFIA, (…) essas faculdades não serão nada se por dentro eu não mudar. Quantas pessoas se declaram liturgistas e são as que mais ferem a liturgia chamada AMOR AO PRÓXIMO? “(…) Quando a gente vai fazer uma construção, o arquiteto faz um projeto maravilhoso. E aí nós olhamos e queremos tirar uma pilastra, ter um telhado mais pobrezinho, simplificar o piso. Tem gente que leva a santidade do mesmo jeito. Querendo fazer “meia-água”. Deus quer ‘mansão’ na sua santidade! NÃO ECONOMIZE NO SEU PROCESSO HUMANO! Não é qualquer coisa o que Deus projetou pra você. Seus limites não podem ser impedimento para você chegar ao final dessa construção”. (Padre Fábio de Melo) Um imenso abraço fraterno!

8 – AS TESTEMUNHAS DE JESUS

No Evangelho de hoje converge Jesus no tribunal diante dos julgadores. As testemunhas evidenciam as práticas de Jesus, mas são recusadas pelos acusadores. Não aceitam compreender a necessidade da conversão afim da construção do novo reino. Para as autoridades religiosas o seguimento conquistado já basta, por isso discordam do anunciador da verdade Jesus e enxergam na pessoa do Filho do Homem um aproveitador que não passa de um espertalhão. Por trás da arrogância dos religiosos de Jerusalém está o medo da perca dos privilégios. Para assegurar tal privilegio os sabedores tinham que manipular o povo e tê-lo no colo e não deixar escapar nada das posses. O povo alienado não tinha condições de atentar para seus direitos. O proposto para o povo era o dever obediente, não podendo questionar suas ordens e acatar tudo o que era direcionado. Jesus tinha a missão de levar à consciência do povo manipulado certos discernimentos. O pobre coitado não deveria ser marginalizado a exaustão. Por isso que as palavras de Jesus causavam pavor entre os detentores poderosos da cidade grande. O único jeito de fazer Jesus calar era dar cabo da vida do mestre. Aparentemente no tribunal as testemunhas depõem-se a favor de Jesus. Temos João Batista que foi a luz no deserto, que mostrava para todos a necessidade de se preparar para o encontro com o mestre. Mas fora rejeitado, muitos não ouviram e procuraram silenciá-lo. Este sim falava por Jesus. Não era o Jesus quem estava falando de si. O segundo a depor, mas foi rejeitado, foi o próprio Pai. Jesus nas suas práticas revela o próprio Pai e a si mesmo. O pai quer o bem de todos, caso rejeita o Filho também está rejeitando o Pai: “a palavra dele não permanece em vocês, porque vocês não acreditam naquele que ele enviou” (Jo 5,38). Como acreditar no senhor se não acredita no filho, seu enviado? Por último a depor são as Escrituras, mas os religiosos mais uma vez recusa, pois estão a procura da própria glória. Então Jesus afirma: “como é que vocês poderão acreditar se vivem elogiando uns aos outros, e não buscam a glória que vem do Deus único? (Jo 5,44). Contudo os religiosos recusam o próprio Filho do Altíssimo, mas usam a religião e a Bíblia para manter seus privilégios e o prestígio diante do povo. Esta atitude reveste a perversidade dos religiosos. São altruístas demasiados para apossar de doutrinas que salva a favor de si, mas não revela transformação no âmbito social para o povo. Este permanece isolado do bem-viver, contentando-se com as sobras. Contudo, devemos ser testemunhas de Jesus na missão evangelizadora. Olhar para o horizonte e descortinar vidas igualitárias, justiça e paz. Como os profetas de outrora preconizaram a vinda do Messias embasada na Sagrada Escritura, os profetas de hoje devem relevar a Palavra de Cristo. Porém, serem instrumentos fiéis de Cristo na intenção de levar a libertação para os excluídos. Portanto, somos filhos de Deus que amamos a vida em fraternidade e para tal precisamos da saúde física, mental e espiritual na harmonia com o corpo Assim, saudáveis na missão sempre procuraremos fazer a vontade do Criador na alegria do dever cumprido. Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo, para sempre seja louvado. Amém. Abraços.

9 – MOISÉS, NO QUAL COLOCAIS A VOSSA ESPERANÇA

Há alguém que vos acusa: Moisés, no qual colocais a vossa esperança. Neste Evangelho, Jesus mostra a obcecação e má fé dos judeus, através de vários argumentos contundentes. Eles não seguem nem Moisés (Cf cena do bezerro de ouro na Primeira Leitura), no qual colocam a sua esperança. Assim como Moisés, o próprio Filho de Deus teve de enfrentar a incompreensão e má vontade dos chefes judeus. “João deu testemunho de mim… mas eu tenho um testemunho maior que do João: as obras que eu o Pai me concedeu realizar.” De fato, as nossas obras são o nosso maior testemunho. Elas falam alto a nosso favor ou contra nós. “É pelos frutos que se conhece a árvore”. “Vós examinais as Escrituras… no entanto, elas dão testemunho de mim, mas não quereis vir a mim.” A nossa leitura da Bíblia deve ser cercada de humildade, abertura de coração e muita oração, a fim de não colocarmos nela o que ela não diz, ou não entendermos o que ela fala. A pessoa obcecada facilmente torce as palavras da Bíblia, levando-as a dizer aquilo que a pessoa quer. O certo é que Jesus usou de todos os recursos para evitar que as autoridades fizessem o maior crime da história: matar o Messias, enviado de Deus; mas não adiantou. Jesus resume tudo, dizendo que a razão principal da recusa dos chefes a ele era porque as suas obras eram más. A vida em pecado obscurece a inteligência e torna duro o coração. “Eles preferiram as trevas à luz, porque as suas obras eram más”. Jesus está presente hoje em sua Igreja una, santa, católica e apostólica. No rosto da Igreja está o rosto de Jesus, assim como no rosto de Jesus está o rosto de Deus Pai. Mas só quem acolhe e observa os mandamentos pode chegar a essa verdade (Cf Jo 14,21). Jesus teve de suportar a incredulidade e incompreensão dos seus contemporâneos. Igualmente os seus discípulos de hoje têm de enfrentar a incredulidade e má vontade do povo. De tanto “bater em ferro frio”, muitos líderes sentem a tentação do desânimo e do pessimismo. Mas isso é esquecer a história; todos os tempos foram assim, desde Jesus. Que nessa quaresma pelo menos nós nos convertamos e nos tornemos seguidores mais fiéis do crucificado. Certa vez, um bêbado encheu demais a cara, aprontou umas bagunças e foi preso. Entrando na cadeia, ele viu uma imagem de S. José e começou a zombar. O soldado falou: “Cuidado, respeite. Ele é esposo de Maria e pai de Jesus”. No outro dia ele foi solto. Na semana seguinte, ele encheu de novo a cara e desta vez ficou mal e foi levado para o hospital. Lá, ele viu uma imagem de Nossa Senhora e começou a zombar. A enfermeira falou: “Cuidado, respeite. Ela é esposa de José e mãe de Jesus”. No dia seguinte, ele teve alta. Dias depois, ele estava andando na rua e viu a procissão de Corpus Chisti. Uma enorme multidão cantando e dando vivas a Jesus. No meio, ia o padre segurando o ostensório com a hóstia consagrada. Ele começou a rir e a zombar. Um senhor ouviu e lhe disse: “Cuidado, respeite. Ele é Jesus, filho de Maria e de José”. Então o bêbado disse: “Onde já se viu? O pai na cadeia, a mãe no hospital e ele aqui na rua fazendo festa?” Nós estamos nos preparando para celebrar, não a festa de Jesus, mas a sua injusta condenação, prisão, torturas, morte e ressurreição. Tudo isso fruto da incredulidade do povo de ontem e de hoje. Cuidado! Não vamos deixar passar mais esta graça, esta presença de Deus em nossa vida, pedindo-nos a conversão. Campanha da fraternidade. O povo brasileiro tem um sonho de ser um povo harmonioso, sem preconceitos de raça ou de cor, e de que as pessoas sejam valorizadas pelo que são, não pela nacionalidade. Este sonho não encontra correspondência na realidade, o que é percebido principalmente pelos que sofrem as discriminações. A melhor maneira de não resolver um problema, ou de agravá-lo, é fingir que ele não existe. E essas discriminações geram violência. Maria Santíssima falou pouco, mas a sua vida foi um testemunho tão forte que se tornou a maior colaboradora do seu Filho na redenção. Que ela nos ajude a testemunhar sempre a nossa fé. Há alguém que vos acusa: Moisés, no qual colocais a vossa esperança.

10 – SE A FÉ É UM DOM, COMO PODEREI SER CONDENADO SE NÃO RECEBI O DOM DA FÉ?

QUEM NÃO CRER SERÁ CONDENADO — Alguém disse: Se a fé é um dom de Deus, como posso ser condenado por não crer? por não ter recebido o dom da fé? Humberto Celau responde: Prezado Salviano, que honra podermos compartilhar ideias tão nobres acerca das coisas de Deus. Ainda mais contigo que parece ter tanto a dar. Tentarei merecer seus elogios, mas antes é necessário dizer que hoje vemos como por um espelho e nossa mente limitada só entenderá perfeitamente quando, na eternidade, gozarmos da presença de nosso Deus face a face. Ah, você não sabe o quanto anseio por este dia! Mas, por hora, Ele me deseja por aqui, então vamos lá! Deus deu a todos o dom da fé mais admito que nem a todos foi dada a oportunidade que temos hoje de, através desse DOM, professarmos nossa fé no Cristo, seu Filho enviado para a nossa Salvação. Àqueles que existiram antes de Cristo foi dada a promessa e se viveram na promessa, serão salvos. Os que nem a promessa conheceram serão salvos igualmente pelo julgamento misericordioso de Deus. E àqueles que como nós, tiveram oportunidade de conhecerem o anúncio de Jesus, esses serão julgados conforme sua fé, conforme seu assentimento à pessoa do Cristo, como está escrito “quem crer e for batizado será salvo e quem não crer será condenado” (Marcos 16). A fé como DOM de Deus está infusa na nossa natureza, nos movendo e orientando para Ele. É só estando diante dele e de sua revelação (Palavra, Verbo, Cristo) que poderemos responder SIM ou NÃO. A fé é como o amigo que nos leva até o médico quando estamos doentes, mas caberá exclusivamente a nós querer ser tratados ou não… Nenhum ser humano pode esquivar-se dizendo que não recebeu o dom da fé de Deus porque este dom como outros dons espirituais fazem parte de nossa natureza; são dons com os quais o próprio Criador nos dotou para que pudéssemos conhecê-lo e temos condições de escolhermos relacionar-se com Ele ou virarmos as costas escolhendo nosso próprio caminho. Façamos um exercício mental, tentando desligar-nos do tempo e perceber a realidade divina fora dele. Antes de criar o mundo e o ser humano o Senhor já sabia que o mesmo iria se afastar de si e o quão penoso seria o método para fazê-lo retornar (Jesus esvaziando-se de sua divina condição escolheu se fazer homem e morrer por ele de uma morte vergonhosa destinada a malditos, morte de cruz). Antes da criação, A Trindade já “sentia” os cravos e a dor… e mesmo assim decidiu criar o homem. Consegues vislumbrar o amor maravilhoso deste ser a quem chamamos de Deus? Bem, para que fosse possível esse retorno ao relacionamento original, o Criador infundiu na criatura alguns dons, entre eles o dom da fé. Veja o que nos diz o Catecismo da Igreja Católica: §153 Quando São Pedro confessa que Jesus é o Cristo, Filho do Deus vivo, Jesus lhe declara que esta revelação não lhe veio “da carne e do sangue, mas de meu Pai que está nos céus”. A fé é um dom de Deus, uma virtude sobrenatural infundida por Ele. “Para que se preste esta fé, exigem-se a graça prévia e adjuvante de Deus e os auxílios internos do Espírito Santo, que move o coração e o converte a Deus, abre os olhos da mente e dá a todos suavidade no consentir e crer na verdade.” Outras passagens da Escritura vão no mesmo sentido: “Ninguém pode dizer ‘Jesus é Senhor’ a não ser no Espírito Santo” (1Cor 12,3). “Deus enviou a nossos corações o Espírito de seu Filho que clama: Abbá, Pai!” (Gl 4,6). Este conhecimento de fé só é possível no Espírito Santo. Para estar em contato com Cristo, é preciso primeiro ter sido tocado pelo Espírito Santo. É ele que nos precede e suscita em nós a fé. ENTÃO: O que é fé? A fé é a resposta do homem à iniciativa de Deus, a fé, portanto, é a sua decisão de responder à Palavra de Deus. A fé se inicia com Deus, Ele toma a iniciativa e eu respondo. Citando novamente o nosso atecismo: §150 A fé é uma adesão pessoal do homem a Deus; é, ao mesmo tempo e inseparavelmente, o assentimento livre a toda a verdade que Deus revelou. Este impulso da criatura em buscar no Criador a prova das coisas que não se veem é a definição de fé em Hebreus 11. Ele está infuso em cada homem criado; podemos dizer que faz parte de nossa natureza humana ter fé em algo maior, capaz de preencher nossos vazios existenciais. E Deus quer revelar-se, por isso a fé é possível. Daqui concluímos o primeiro princípio: FÉ É DOM DE DEUS! DEUS A DEU A CADA SER HUMANO e em algum momento de existência particular de cada um, esse dom, esse impulso, esse anseio pelo Infinito irá se manifestar. Assim que isso acontecer, cada ser humano terá uma atitude e por esta atitude será responsabilizado (responsabilidade = capacidade de responder) e dará sua RESPOSTA: SIM, ACREDITO OU NÃO… Aqui temos o segundo princípio: A FÉ É UM DOM DE DEUS E RESPOSTA PESSOAL DE CADA UM! Quando Jesus diz: quem crer e for batizado será salvo e quem não crer será condenado (Marcos 16) e Quem crê será salvo e quem não crê já está condenado (João 3) está falando sobre acreditar na sua pessoa como o Filho enviado de Deus ao mundo para salvar o mundo e reestabelecer a relação original que o homem tinham com Ele no Éden, antes do pecado. Desde esse primeiro pecado, é vontade de Deus que o homem volte à sua convivência como era antes. Por isso o Filho não vem para condenar, mas para salvar. Mas haverão aqueles que não o aceitarão. No fundo não é Deus que condena a nenhum filho seu, é o próprio ser humano que condena-se a si mesmo, tendo chances e não aceitando o grande presente que Deus está a lhe oferecer. O médico tudo fez para curar o doente. Aquele, portanto, que recusa observar as prescrições do médico, mata-se a si mesmo. Querido desculpe se me embrenhei muito no pensamento e lhe confundi ainda mais. Se tiver qualquer dúvida ainda, não deixe de me escrever…

11 – JESUS FALA PARA OS JUDEUS SEM USAR MEIOS TERMOS

Caríssimos irmãos e irmãs: Moisés pede clemência a Deus em favor do seu povo infiel e corrompido. Por causa da intercessão do justo Moisés, Deus desiste de “fazer mal a seu povo”. Jesus fala para os judeus sem usar meios termos; é impressionante como Jesus é franco e direto e objetivo! Lança na “cara de pau” deles verdades cristalinas, que, no entanto, eles resistem a enxergar e crer. Eles se estribam nas Escrituras mosaicas e recusam a Jesus. Mas Jesus lhes afirma que Moisés falou a respeito dele. E porque será que eles não aceitam Jesus? Houve quem dissesse que a gente ama para crer, depois crê para amar! Estribados nas Escrituras antigas foram incapazes de ir até Jesus; mas aqueles que aceitam Jesus acolhem também as Escrituras. Que “mistério” é este? Ora, o próprio Jesus afirmou um dia, (Jo 6,35-40): Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim, de modo algum terá fome, e quem crê em mim jamais terá sede. Mas como já vos disse, vós me tendes visto, e, contudo não credes. Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora. Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. E a vontade do que me enviou é esta: Que eu não perca nenhum de todos aqueles que me deu, mas que eu o ressuscite no último dia. Porquanto esta é a vontade de meu Pai: Que todo aquele que vê o Filho e crê nele, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia. A Igreja afirma que Deus quer salvar a todos: a fé é um dom; pergunto por que uns o recebem e outros não? É como diria alguns que há mais “mistérios” entre o Céu e a terra do que podemos imaginar. Fico pensando naquelas pessoas que giram o Brasil para se encontrarem com o padre M. Rossi, mas, às vezes, são incapazes e não disponíveis para um serviço pastoral e voluntário em suas comunidades… Penso também naqueles padres por demais “carismáticos” que pregam mais a si mesmos do que a Jesus Cristo. Que Ele nos livre de agir assim! E ouço Jesus dizer: João era uma lâmpada que estava acesa e iluminava. Vós quisestes alegrar-vos com a sua luz. Mas eu tenho um testemunho maior que o de João: são as obras que o Pai Me concedeu realizar. As obras que faço dão testemunho de Mim, mostrando que o Pai Me enviou. E o Pai que Me enviou deu testemunho a meu favor. Vós nunca ouvistes a sua voz nem vistes a sua face. Desse modo, a sua palavra não permanece em vós, porque não acreditais n’Aquele que Ele enviou. Viveis a estudar as Escrituras, pensando que encontrareis nelas a vida eterna. No entanto, as Escrituras dão testemunho de Mim. Mas não quereis vir a Mim para terdes a vida eterna. Eu não aceito elogios dos homens. Quanto a vós, conheço-vos muito bem: o amor de Deus não está dentro de vós. Eu vim em nome de meu Pai e não Me recebestes. Mas, se outro vier em seu próprio nome, recebê-lo-eis. Como é que podereis acreditar, se viveis a elogiar-vos uns aos outros e não buscais a glória que vem do Deus único? (João 5,35-44). Que a penitência quaresmal revigore nossa fé, e nos fortaleça para o testemunho de Jesus, o Filho de Deus e nosso Irmão que nos trouxe a salvação e a vida em abundância através do sacrifício da Cruz! Amém! -Louvado seja N. S. Jesus Cristo!

12 – EU VIM EM NOME DO MEU PAI, E VÓS NÃO ME RECEBEIS!

Neste tempo especial, em que encontramo-nos mais compenetrados, maleáveis, buscando um caminho novo, podemos perceber que alguma coisa já mudou dentro de nós! Chegamos a conclusão de que não podemos mais viver de qualquer jeito, que precisamos viver do jeito de Jesus, sem fugirmos das cruzes, sem buscarmos atalhos para encurtar o caminho! Podemos sentir que já não somos mais os mesmos, que aprendemos muito nesta nossa caminhada quaresmal, crescemos mais na fé, e já podemos sentir brilhar dentro de nós, a Luz do Ressuscitado! Depois dessa nossa experiência de caminhar com Jesus, não queremos mais andar sozinhos, pois somente Ele nos conduz a uma vida nova! É Jesus, que nos ensina como permanecer no coração do Pai! O conhecimento mais profundo da palavra de Deus nos inquietou, agora não queremos mais ficar parados como meros expectadores dos acontecimentos. Sabemos que apesar de nossas fragilidades, podemos nos tornar fortes, quando enraizados em Cristo, fazer alguma coisa para mudar a dura realidade em que vivemos! Queremos proclamar com mais intensidade a nossa fé, colocando em prática tudo que aprendemos e nos tornar testemunho desta Luz que é Jesus! A presença de Jesus em nossa vida é como fogo ardente que queima dentro de nós! É como a chuva que cai e faz brotar a semente que gera vida! No evangelho de hoje, Jesus se dirige àqueles que mesmo estudando a Bíblia, não acreditavam que Ele era o Messias, desprezando o testemunho da Sagrada Escritura. E esta fala de Jesus, se estende até hoje, pois muitos não querem enxergar a verdade contida no livro da vida! Quem está fechado em si mesmo, não se abre à luz, por isto nunca vai enxergar as inúmeras ações de Jesus, como sendo obra do Pai. Portanto, quem tem um coração endurecido é incapaz de reconhecê-Lo como o Messias: o Deus encarnado! Muitos, ainda não encontraram o caminho da felicidade, porque são incapazes de amar, de partilhar a vida, de se abrir ao novo! Jesus não deu testemunho de si próprio, e sim do Pai que está no céu! “Eu estou no Pai e o Pai está em mim”!(Jo14,11) O texto de hoje, nos chama a atenção, para a importância do testemunho! Como cristãos comprometidos com a causa de Jesus, nos podemos nos envergonhar de dar testemunho Dele, onde quer que estejamos. Dar testemunho de Jesus, num mundo de tanto desamor, incomoda aqueles que não querem mudanças, mas é aí que está a importância do testemunho: incomodar o outro, num bom sentido é claro, provocar nele, com o nosso testemunho de adesão à Cristo, uma reflexão, que poderá levá-lo a uma mudança de vida, sem ser necessário usar palavras! O mundo carece de testemunho de amor! Criticas, não devem abalar quem está comprometido com Jesus! Há pessoas, que não suportam o brilho da luz do outro, por isto tentam apagá-la, mas não conseguem, pois a luz de quem dá testemunho de Jesus, não se apaga! Foi o que aconteceu, com muitos mártires: deram a vida, por dar testemunho de Jesus! Tiraram-lhe a vida terrena, mas não conseguiram apagar a sua luz! Luz, que continua brilhando aqui na terra, com o testemunho de amor a Cristo que eles deixaram! “A palavra convence e o exemplo que arrasta”! FIQUE NA PAZ DE JESUS!

13 – AS OBRAS QUE EU FAÇO DÃO TESTEMUNHO DE MIM

No Evangelho de hoje, Jesus afirma que o testemunho de pessoas sobre Ele não basta. Pois Ele não depende do testemunho do ser humano. Pois há um outro que dá testemunho verdadeiro sobre Ele. Mais eu tenho um testemunho maior. São as obras que eu faço que dão testemunho de mim. Os milagres realizados por Jesus Cristo pela força do Pai, dão testemunho de sua divindade. Por isso, sabemos que Jesus não é somente o Filho de Deus, mais sim o próprio Deus. Jesus é Deus feito homem, ou seja, É Deus que assumiu a natureza humana. Jesus é o retrato visível de Deus invisível. Jesus nos revelou, nos mostrou, a verdadeira face do Deus Pai. “Quem me viu, viu o Pai”. Jesus não era uma pessoa comum. Ele era o verdadeiro Deus. Mas como nós sabemos que Jesus era Deus? Por causa da sua demonstração de poder, ou seja, os milagres que ele fez. Mas o que é um milagre? É um fato extraordinário impossível para nós, mas possível para Deus. Para os cientistas não existem milagres, mas apenas um fato que a ciência constatou. Um milagre só pode ser reconhecido por aquele que crê. O cientista não acredita. Milagre é o sinal de uma intervenção divina em resposta a uma situação difícil por que passam os seres humanos. Características dos milagres hoje: Trata-se de fatos históricos, real e devidamente atestados. Para ser milagre, tem de ser um fato real e totalmente inexplicável pela ciência. Para isso, o fato tem de ser submetido ao exame de vários cientistas. Como o Santo Sudário que foi examinado por vários cientistas. Um milagre, deve ter ocorrido num contexto, numa situação digna da presença de Deus. Isto é, sem procura de lucro comercial, sem charlatanismo, ou busca de fama ou glória pessoal. Portanto se assistimos na televisão um ilusionista andando sobre as águas, isto não é milagre. O nome já disse, ilusionista, portanto aquilo é no mínimo um truque bem feito, uma ilusão, para a glória pessoal. Jesus é o maior milagre de todos os tempos, assim como a nossa vida é um milagre. Por exemplo: Ninguém explicou ainda por que o nosso coração bate! Os evangelhos nos mostram apenas 51 dos muitos milagres que Jesus realizou. Mas por que jesus fazia milagres? Ora, se Jesus não tivesse feito nenhum milagre, Ele seria apenas um personagem famoso, um herói como Tiradentes, Chico Mendes, etc. Mas Jesus  provou que ele não era um homem qualquer. Fazendo os milagres, ele mostrou que era o próprio Deus. Assim as pessoas acreditaram em tudo que ele disse. Portanto, os milagres nos mostraram que Jesus tinha poderes, mostraram que ele era o próprio Deus, e ainda que o reino de Deus estava se realizando em sua própria pessoa. Para se realizar um milagre a fé é muito importante. Jesus disse: “Você acredita que eu posso fazer isso?” e “…a tua fé te curou…” “se tiveres fé, podereis fazer tudo que eu faço…” A ressurreição de cristo foi o maior milagre. Os milagres provaram o infinito poder de Jesus. Provaram que ele era o próprio Deus: e ele mesmo dizia: “a mim foi dado todo o poder no céu e na terra”. A multidão ficava fascinada com os prodígios de cristo e procurava tocá-lo. E os milagres sempre provocavam reações diferentes nas pessoas: uns acreditavam, outros, não. Jesus desenvolveu seu programa pela palavra, pelo perdão e pelos milagres. Jesus usou os seguintes métodos de cura: 1-Pela palavra: quando ressuscitou Lázaro, disse: “Lázaro vem para fora! 2-Pela imposição das mãos. Tocou no cego e no leproso… 3-Cura a distância = “vai, o teu filho vive…” Perguntas: Por que às vezes não conseguimos o que pedimos a Deus? Respostas: Pode ser que: 1-Não estamos merecendo o que pedimos. 2-Falta de fé 3-O que pedimos não está de acordo com o plano de Deus; 4-Ou pedimos para testar a Deus, como o fez Herodes, quando disse a Jesus: “Faça trovejar que eu quero ver… E Jesus nem se mexeu. Hoje, o maior milagre, é atender o chamado de cristo e segui-lo, sempre tentando ser cristão. É difícil, mas tentamos.

14 – AS TESTEMUNHAS FIÉIS…

As comunidades Joaninas e a comunidade Judaica estavam sempre em conflito por causa de Jesus. A rejeição por Jesus, da parte do Judaísmo era algo definitivo e sem chances de uma abertura ao novo, aquela novidade trazida por Jesus. O evangelho de hoje apresenta três fontes importantes sobre as quais estava fundamentada a Fé cristã por aqueles tempos, o testemunho de João Batista sobre Jesus, o Pai de Jesus que realizou obras e falou Nele á toda humanidade, e a escritura que sempre trouxe em si, mesmo na escritura antiga, elementos cristológicos que não deixavam dúvidas sobre a Filiação Divina de Jesus. O evangelista projeta no passado essa rejeição a Jesus Cristo, lembrando de sua injusta condenação onde as falsas testemunhas tiveram credibilidade diante do Sinédrio, que desprezou essas fontes fidedignas sobre Jesus, preferindo acreditar em uma mentira. Podemos aqui compreender que o Judaísmo tradicional e ultra conservador fazia uma releitura equivocada do Antigo Testamento e não conseguiam ver nenhuma relação entre Jesus e o Deus da Antiga Aliança. Houve até mesmo uma heresia que falava em dois deuses, um do antigo testamento e um do Novo Testamento. Entretanto, muito mais do que essa releitura equivocada das escrituras antigas, na realidade o Judaísmo tradicional não queria mudanças no modo de pensar e nas normas e preceitos antigos, principalmente porque iriam perder alguns privilégios conquistados na estrutura da Religião tradicional. Podemos hoje cometer esse mesmo pecado, quando temos medo de dialogar com o mundo, como determina o Concílio Vaticano II, quando preferimos a prática tradicional de ser Igreja, usando ainda métodos arcaicos de evangelização, que não estão convencendo. Lideranças religiosas e lideranças pastorais que se fecham em uma religião cheirando a mofo, querendo impor ao mundo sua prática religiosa e seu modo de pensar, é bem provável que no fundo estejam defendendo algumas conveniências e interesses articulares e para isso, muitas vezes usam Dogmas e Doutrinas, exatamente como fazia a comunidade judaica primitiva.

15 – A CREDIBILIDADE DO TESTEMUNHO

Ninguém aceita gratuitamente algo como sendo verdadeiro. Só acreditamos que algo é verdadeiro quando temos um fundamento para isso. Assim as pessoas agem em relação a Jesus, xigem uma garantia de verdade a respeito de tudo o que ele fala para que creiam nela. Isso acontece em primeiro lugar porque não acreditam no amor e na ação do próprio Deus na vida das pessoas. Também acontece porque não são capazes de encontrar nas Sagradas Escrituras o testemunho de Jesus e de suas obras. Somente quem se abre a Deus e à sua revelação reconhece a verdade em Jesus.

MONIÇÕES

MONIÇÃO AMBIENTAL OU COMENTÁRIO INICIAL

Moisés, solidário com seu povo, é figura de Cristo, solidário com os pobres e sofredores. Deus sempre marca presença na história da humanidade de vários modos: pelas Escrituras, pelo testemunho dos profetas, pelas obras de Cristo, que continuam na prática de seus seguidores.

MONIÇÃO PARA A(S) LEITURA(S) E O SALMO

Diante de nossas fraquezas e infidelidades, resta-nos invocar, a exemplo do salmista: Lembrai-vos de nós, ó Senhor, segundo o amor para com vosso povo.

MONIÇÃO PARA O EVANGELHO

Jesus Cristo, sois bendito, dois o ungido de Deus Pai! Deus o mundo tanto amou, que lhe deu seu próprio Filho, para que todo o que nele crer encontre vida eterna (Jo 3,16).

ANTÍFONAS

Antífona da entrada

Exulte o coração dos que buscam a Deus. Sim, buscai o Senhor e sua força, procurai sem cessar a sua face (Sl 104,3s).

Antífona da comunhão

Gravarei neles a minha lei, hei de escrevê-la em seus corações. Eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo (Jr 31,33).

ORAÇÕES DO DIA

Oração do dia ou Oração da coleta

Nós vos pedimos, ó Deus de bondade, que, corrigidos pela penitência e renovados pelas boas obras, possamos perseverar nos v ossos mandamentos e chegar purificados às festas pascais. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Preces da Assembleia ou Oração da Assembleia

— Senhor, ouvi-nos

— Fortalecei, Senhor, a Igreja em seu testemunho de Jesus Cristo.
— Sustentai os ministros e agentes de pastoral, para que sejam fiéis na missão.
— Concedei que nossas atitudes sejam sinal de nossa fé em vós.
— Iluminai os governantes, para que colaborem para a melhoria da saúde pública.
— Tornai-nos conscientes da importância da água e de sua preservação.

Concluamos as preces com a oração da Campanha da Fraternidade:

Senhor Deus de amor, / Pai de bondade, / nós vos louvamos e agradecemos pelo dom da vida, / pelo amor com que cuidais de toda a criação. / Vosso Filho, Jesus Cristo, / em sua misericórdia, / assumiu a cruz dos enfermos e de todos os sofredores, / sobre eles derramou a esperança / de vida em plenitude. / Enviai-nos, Senhor, o vosso Espírito. / Guiai a vossa Igreja, / para que ela, pela conversão, / se faça sempre mais solidária / às dores e enfermidades do povo / e que a saúde se difunda sobre a terra. Amém.

Oração sobre as oferendas

Concedei, ó Deus todo-poderoso, que as oferendas deste sacrifício protejam nossa fraqueza, livrando-nos de todo mal. Por Cristo, nosso Senhor.

Oração depois da comunhão

Fazei, ó Deus, que esta comunhão nos purifique e liberte de toda culpa. Se a consciência do pecado nos aflige, o socorro celeste nos alegre. Por Cristo, nosso Senhor.

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s