Liturgia Diária 29/OUT/12

LEITURA DIÁRIA DA PALAVRA

29/OUT/2012 (segunda-feira)

LEITURAS

Leitura da carta de são Paulo aos Efésios 4,32 — 5,8 (Livro do novo ou 2º testamento / Livros Didáticos)

Irmãos, 4,32 sede bons uns para com os outros, sede compassivos; perdoai-vos mutuamente, como Deus vos perdoou por meio de Cristo. 5,1 Sede imitadores de Deus, como filhos que ele ama. 2 Vivei no amor, como Cristo nos amou e se entregou a si mesmo a Deus por nós, em oblação e sacrifício de suave odor. 3 A devassidão, ou qualquer espécie de impureza ou cobiça sequer sejam mencionadas entre vós, como convém a santos. 4 Nada de palavras grosseiras, insensatas ou obscenas, que são inconvenientes; dedicai-vos antes à ação de graças. 5 Pois, sabei-o bem, o devasso, o impuro, o avarento — que é um idólatra — são excluídos da herança no reino de Cristo e de Deus. 6 Que ninguém vos engane com palavras vazias. Tudo isso atrai a cólera de Deus sobre os que lhe desobedecem. 7 Não sejais seus cúmplices. 8 Outrora éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor. Vivei como filhos da luz. – Palavra do Senhor. – Graças a Deus.

Proclamação do Salmo 1,1-2.3.4.6 (R. Cf. Ef 5,1)) (Livro do velho ou 1º testamento / Livros Poéticos e de Sabedoria ou Sapienciais)

— Ef 5,1 Sejamos, pois, imitadores do Senhor, como convém aos amados filhos seus.
— 1 Feliz é todo aquele que não anda conforme os conselhos dos perversos; que não entra no caminho dos malvados, nem junto aos zombadores vai sentar-se; 2 mas encontra seu prazer na lei de Deus e a medita, dia e noite, sem cessar.
— 3 Eis que ele é semelhante a uma árvore que à beira da torrente está plantada; ela sempre dá seus frutos seu tempo, + e jamais as suas folhas vão murchar. Eis que tudo o que ele faz vai prosperar.
— 4 Mas bem outra é a sorte dos perversos. + Ao contrário, são iguais à palha seca espalhada e dispersada pelo vento. 6 Pois Deus vigia o caminho dos eleitos, mas a estrada dos malvados leva à morte.

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 13,10-17 (Livro do novo ou 2º Testamento / Livros Históricos)

Naquele tempo, 10 Jesus estava ensinando numa sinagoga, em dia de sábado. 11 Havia aí uma mulher que, fazia dezoito anos, estava com um espírito que a tornava doente. Era encurvada e incapaz de se endireitar. 12 Vendo-a, Jesus chamou-a e lhe disse: “Mulher, estás livre da tua doença”. 13 Jesus pôs as mãos sobre ela, e imediatamente a mulher se endireitou e começou a louvar a Deus. 14 O chefe da sinagoga ficou furioso, porque Jesus tinha feito uma cura em dia de sábado. E, tomando a palavra, começou a dizer à multidão: “Existem seis dias para trabalhar. Vinde, então, nesses dias para serdes curados, não em dia de sábado”. 15 O Senhor lhe respondeu: “Hipócritas! Cada um de vós não solta do curral o boi ou o jumento, para dar-lhe de beber, mesmo que seja dia de sábado? 16 Esta filha de Abraão, que Satanás amarrou durante dezoito anos, não deveria ser libertada dessa prisão, em dia de sábado?” 17 Esta resposta envergonhou todos os inimigos de Jesus. E a multidão inteira se alegrava com as maravilhas que ele fazia.

… Eu sou o CAMINHO …

O que o texto diz para mim, hoje? O que mais me toca o coração? De que lado estou: do lado de Jesus que é sensível ao sofrimento dos mais fracos, do lado da mulher, do chefe da sinagoga? É verdade que algumas vezes somos legalistas não querendo nos deixar incomodar por algo diferente que pode acontecer, por  uma pessoa que não pensa como nós, por um horário que muda, um atraso que acontece, uma criança que chora, uma palavra mais forte dita pelo pregador, um ruído do microfone, ou algo que não ouvimos bem, nem entendemos. Tantos imprevistos nos incomodam. Nos irritamos quando nossa rotina nos desinstala, ainda mais se é para atender alguém que não nos é muito simpático… Ajuda-nos a refletir a palavra dos bispos: “Os desejos de vida, de paz, de fraternidade e de felicidade não encontram resposta em meios aos ídolos do lucro e da eficácia, da insensibilidade diante do sofrimento alheio, dos ataques à vida intrauterina, a mortalidade infantil, a deterioração de alguns hospitais e todas as modalidades de violência contra crianças, jovens, homens e mulheres. Isto sublinha a importância da luta pela vida e pela dignidade e integridade da pessoa humana. A defesa fundamental da dignidade e destes valores começa na família.” (DAp 468).

… a VERDADE …

O que diz o texto do dia? Leio atentamente o texto, na minha Bíblia : Lc 13,10-17, e procuro compreender as palavras de Jesus.

… e a VIDA …

Pai, que eu saiba dar ao amor ao próximo a devida primazia, não submetendo este mandamento a preceitos secundários que me impedem de descobrir a tua verdadeira vontade.

Qual deve ser a MISSÃO em minha VIDA hoje?

Vou olhar o mundo e a vida com os olhos de Deus. Vou eliminar do meu modo de pensar e agir todo legalismo, que não é conforme o Projeto de Jesus Mestre.

REFLEXÕES:

1 – AÇÃO LIBERTADORA DE JESUS

Lucas inicia sua narrativa destacando que Jesus “estava ensinando”. A narrativa exprime como Jesus acompanhava seu ensino libertador com gestos concretos, coerentes e eficazes. A mulher encurvada que não consegue olhar para o alto representa o povo subjugado pela ideologia religiosa da Lei, imposta pelo Templo e pela sinagoga, a qual tinha como uma das principais observâncias o repouso sabático. Libertada da Lei que a oprime, a mulher readquire sua estatura normal e sua dignidade, humanizada pela prática de Jesus, passando a louvar a Deus. O mundo de hoje é o espaço onde os discípulos, revelando o amor vivificante de Deus, são chamados a renovar a ação libertadora de Jesus.

2 – MULHER, VOCÊ ESTÁ CURADA!

Quando o valor material está em jogo em uma determinada situação, ninguém duvida sobre a necessidade de uma ação, pois tudo é permitido para evitar a perda material. Mas quando o valor é a pessoa humana, tudo é muito complicado. Não se pode agir por uma série de motivos como proibições legais, necessidade de uma melhor organização, haverá melhores oportunidades, não é assim que se fazem as coisas e uma série de outros argumentos. Tudo isso nos mostra que nos nossos tempos, os valores não são diferentes dos do tempo de Jesus. Nos mostra também que não vivemos plenamente o Evangelho, pois amamos mais o dinheiro do que os nossos irmãos e irmãs.

3 – LIVRE DA OPRESSÃO

A mulher doente, que Jesus encontrou numa sinagoga, em dia de sábado, era a imagem viva do ser humano oprimido. Ela vivia encurvada, sem poder erguer-se. Toda doença, na mentalidade da época, era entendida como resultado da ação do Demônio sobre o ser humano. Portanto, a doença crônica desta mulher era interpretada como um enorme fardo imposto sobre ela por forças demoníacas. A dupla opressão dessa criatura – mulher e doente – tocou a sensibilidade de Jesus, que tomou a iniciativa de curá-la, ou seja, libertá-la do poder do Demônio. Sem precisar ser solicitado, Jesus a resgatou das garras de Satanás, assumiu suas dores e se pôs a seu lado, na luta contra o inimigo da natureza humana. A reação espontânea da mulher mostrou como tinha entendido perfeitamente o que lhe acontecera. Dando glória a Deus pelo benefício recebido, ela reconheceu que o próprio Deus havia agido nela, por meio de Jesus. Por conseguinte, este era o Messias esperado, portador da salvação prometida. Finalmente, o ser humano via-se livre do poder do Mal. A cura realizada por Jesus irritou o chefe da sinagoga. Esse valorizava tanto o repouso sabático a ponto de imaginar que, quem já sofria, há dezoito anos, de uma doença, podia esperar um pouco mais para ser curada. Bem outro foi o pensamento de Jesus!

4 – CRISTO NOS LIBERTA DO LEGALISMO COM SEU AMOR SALVADOR

A chave de leitura desta narrativa é: Jesus estava ensinando numa sinagoga, num dia de sábado. Havia aí uma mulher que, havia dezoito anos já, estava com um espírito que a tornava doente. Era encurvada e incapaz de ficar bem direita. Vendo-a, Jesus a chamou e lhe disse: “Mulher, estás livre da tua doença”. Ele impôs as mãos sobre ela, e ela se ergueu bem direita e começou a louvar a Deus. A mulher encurvada, que não consegue olhar para o alto, representa o povo sujeito à ideologia do Judaísmo. Jesus é livre para curar no sábado, e diante da fúria do chefe da sinagoga, argumenta que se, no dia do sábado, é permitido desamarrar um animal para que ele beba, com muito mais razão ele podia libertar esta mulher “amarrada” por satanás, curvada sobre a terra, impedida de louvar a Deus. Libertando a todos do legalismo, Jesus manifesta o amor salvador e vivificante. O chefe da sinagoga, porém, furioso porque Jesus tinha feito uma cura em dia de sábado, se pôs a dizer à multidão: “Há seis dias para trabalhar. Vinde, pois, nesses dias para serdes curados, mas não em dia de sábado”. O Senhor respondeu-lhe: “Hipócritas! Não solta cada um de vós seu boi ou o jumento do curral, para dar-lhe de beber, mesmo que seja em dia de sábado? Esta filha de Abraão, que Satanás dominou durante dezoito anos, não devia ser libertada dessa prisão, mesmo em dia de sábado?” Esta resposta envergonhou todos os inimigos de Jesus. E a multidão inteira se alegrava com as maravilhas que Ele fazia.

5 – NÃO DEVIA LIBERTAR-SE DESSE LAÇO A UM SÁBADO?

A semana contém, evidentemente, sete dias: Deus deu-nos seis para trabalhar e deu-nos um para orar, repousar e nos libertarmos dos nossos pecados. Portanto, se tivermos cometido faltas nesses seis dias, podemos repará-las no Domingo e reconciliar-nos com Deus. Vai, pois, de manhã, à igreja de Deus, aproxima-te do Senhor para Lhe confessares os teus pecados, entrega-Lhe a tua oração e o arrependimento de um coração contrito. Assiste a toda a sagrada e divina liturgia, termina as tuas preces, não saias antes do envio da assembleia. Contempla o teu Senhor, enquanto Ele estiver a ser partilhado e distribuído sem ser destruído. E, se a tua consciência estiver pura e sem pecado, avança e comunga do corpo e sangue do Senhor. […] Este dia foi-te oferecido para a oração e para o repouso. «Este é o dia da vitória do Senhor: cantemos e alegremo-nos nele!» (Sl 118,24). Glorifiquemos Aquele que ressuscitou neste dia, bem como o Pai e o Espírito Santo, agora e sempre e pelos séculos dos séculos.

6 – O CHEFE DA SINAGOGA, PORÉM, FURIOSO PORQUE JESUS TINHA FEITO UMA CURA EM DIA DE SÁBADO

Hoje, vemos a Jesus realizar uma ação que proclama seu messianismo. E ante ela o chefe da sinagoga se indigna e repreende as pessoas para que não venham curar-se em dia de sábado: Mas o chefe da sinagoga, indignado de ver que Jesus curava no sábado, disse ao povo: «São seis os dias em que se deve trabalhar; vinde, pois, nestes dias para vos curar, mas não em dia de sábado» (Lc 13,14). Eu gostaria que nos concentrássemos na atitude deste personagem. Sempre me surpreendeu que, diante de um milagre evidente, alguém seja capaz de fechar-se de tal modo que o que Ele viu, não lhe afeta no mais mínimo. É como se não tivesse visto o que acabava de ocorrer e o que isso significa. O motivo está na vivência equivocada das mediações que muitos judeus tinham naquele tempo. Por diferentes motivos – antropológicos, culturais, desígnio divino – é inevitável que entre Deus e o homem haja umas mediações. O problema é que alguns judeus fazem da mediação um absoluto. De maneira que a mediação não lhes põe em comunicação com Deus, e sim, ficam na sua própria mediação. Esquecem que são os últimos e ficam no meio. Dessa maneira não pode comunicar-lhes suas graças, seus dons, seu amor e, portanto sua experiência religiosa não enriquecerá sua vida. Tudo isso lhes conduz a uma vivência rigorosa da religião, a encerrar seu deus em uns meios. Fazem um deus sob medida e não o deixam entrar em suas vidas. Na sua religiosidade acham que tudo está solucionado se cumprem com algumas normas. Compreende-se assim a reação de Jesus: «Hipócritas!, disse-lhes o Senhor. Não desamarra cada um de vós no sábado o seu boi ou o seu jumento da manjedoura, para os levar a beber?» (Lc 13,15). Jesus descobre a falta de sentido dessa equivocada vivência do sabath. Esta palavra de Deus deveria nos ajudar a examinar nossa vivência religiosa e descobrir se realmente as mediações que utilizamos nos põe em comunicação com Deus e com a vida. Somente desde a correta vivência das mediações podemos entender a frase de Santo Agostinho: «Ama e faz o que queiras».

7 – ESTA FILHA DE ABRAÃO, NÃO DEVERIA SER LIBERTADA DESSA PRISÃO, EM DIA DE SÁBADO?

Esta filha de Abraão, não deveria ser libertada dessa prisão, em dia de sábado? O Evangelho de hoje narra a cura da mulher encurvada, num dia de sábado, o protesto de chefe da sinagoga e a explicação de Jesus. A mulher não pediu. A iniciativa foi de Jesus que a viu na sinagoga e sentiu dó dela. A atitude de Jesus, ao contrário de violar a lei do sábado, vem cumpri-la, pois a finalidade é a mesma: glorificar a Deus, mediante a libertação do homem de toda escravidão. O glória de Deus não se realiza à margem do bem do homem, porque a honra e a grandeza de Deus se manifesta precisamente na sua misericórdia e no seu amor aos homens, cuja vida glorifica a Deus. A lei do sábado foi criada justamente para beneficiar o homem, especialmente os pobres escravos e trabalhadores, dando-lhes um dia de descanso semanal. Todas as leis de Deus são celebrações de seu amor aos homens. Por isso que Jesus afirmou: “O sábado foi feito para o homem, e não o homem para o sábado” (Mc 2,27). Jesus era assim. Há muitas outras cenas semelhantes nos Evangelhos: a viúva de Naim, cujo filho ele ressuscitou; a mulher adúltera que estava prestes a ser apedrejada; a multidão com fome e a multiplicação dos pães… Jesus via as pessoas sofrerem, se tocava e procurava resolver o problema. Com isso, o povo se alegrava, é claro. Alegrava-se e o procurava, inclusive fazendo longas caminhadas. Jesus foi assim em toda a sua vida terrena. Ainda antes de morrer, deu o céu para o bom ladrão. Neste Evangelho, quando o chefe da sinagoga ficou furioso, Jesus sentiu dó também dele, e lhe mostrou a sua incoerência, ao ter mais cuidado com os animais, do que com as pessoas. Jesus falou a verdade, e anunciar a verdade é um ato de caridade, pois liberta as pessoas. As palavras de Jesus são dirigidas, não só àquele chefe, mas a todos os chefes religiosos dos judeus. S. Pedro, no discurso que fez na casa de Cornélio, em Cesaréia, disse: “Jesus passou pela vida fazendo o bem” (At 10,38). De fato, lendo os Evangelhos, nós percebemos isso. O próprio Jesus disse: “Eu estou no meio de vós como aquele que serve” (Lc 22,27). “O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar sua vida em resgate por muitos” (Mt 20,27). E ele é o nosso caminho, verdade e vida. Segui-lo é o nosso jeito de ser felizes. S. Tiago, na sua carta, diz: “A religião pura e sem mancha aos olhos de Deus é esta: Cuidar dos órfãos e das viúvas e conservar-se puro da corrupção deste mundo” (Tg 1,27). Muitos cristãos procuram ter uma religião pura e sem mancha, fazendo o bem ao próximo por própria iniciativa. Certa vez, uma semente de flor resolver deixar o seu jardim, todo estercado e regado, e ir nascer no deserto. Algumas colegas lhe disseram: “Você está louca! Lá o clima é quente, não há proteção contra o sol, a terra é fraca e arenosa. E além disso, os animais podem pisar em você”. Ela respondeu: “Vou me defender”. E foi. Ela foi nascer perto de um oásis, conseguiu sobreviver. Tempo depois, aquele deserto virou um jardim, com belas flores que embelezavam a natureza. Mais que falar de flores, ser uma flor no meio do deserto. Jesus viveu em ambientes difíceis e tomou atitudes arriscadas, como esta de curar a mulher encurvada no sábado. Mas conseguiu vencer, transformando o deserto em jardim. E ele nos convida a continuar a sua missão, assegurando que estará sempre conosco. Assim, mais que falar de flores, podemos ser uma flor, uma bela, no meio do deserto. Maria Santíssima sempre se mostrou caridosa em sua vida. Que ela nos ajude a imitar o seu Filho, que “passou pela vida fazendo o bem”. Esta filha de Abraão, não deveria ser libertada dessa prisão, em dia de sábado?

8 – A DOENÇA DO MUNDO É O EGOÍSMO

Dezoito anos, curvado, significa o tempo da nossa vida em que passamos entregues às nossas próprias sugestões, vivendo conforme a vontade da nossa humanidade, olhando para nós mesmos, incapazes de contemplar a Deus e distanciados dos nossos irmãos e irmãs. É um tempo em que passamos entregues ao espírito do mundo, que nos encurva e nos submete às suas mazelas e misérias. Por isso, nos tornamos pessoas infelizes, doentes, incapazes de caminhar livremente, com o olhar voltado somente para baixo, para nós mesmos, para nossos interesses. O espírito do mundo nos torna, doentes e paralisados pelo egoísmo, pela ganância, pela comiseração, pela murmuração e tantas outras coisas que nos impedem de caminhar em busca da plenitude da vida que Jesus veio nos dar. Enquanto nós não somos curados por Jesus o espírito do mal nos escraviza. O tempo em que vivemos assim não conta para Deus se nos deixarmos tocar pela força operadora de Jesus que quer nos salvar mesmo que seja “dia de sábado”. Dia de sábado, hoje, poderá ser aquele momento em que todos acham inconveniente se falar de Deus, mesmo que haja muitas pessoas que precisam ouvir o que o Senhor tem a lhes falar. Ou então, aquela ocasião em que entendemos não ter nada a ver se tocar nas coisas do espírito, quando estamos tratando dos negócios, de trabalho, de estudos, em fim de coisas “importantes” para o desenvolvimento social. Às vezes, em um aniversário ou em uma festa onde todos se divertem, há alguém precisando conhecer Jesus, ser tocado por Ele e nós respeitando as “conveniências”, nos omitimos. Jesus também diz para nós: “Hipócritas!” Sim, somos hipócritas porque não temos coragem de anunciar Jesus por onde andamos, temos respeito humano e não queremos nos expor, por orgulho. Somos homens e mulheres encurvados que precisamos de salvação, cura e libertação. Porém, assim como olhou para aquela mulher encurvada, Jesus também olha para nós que estamos na “sinagoga em dia de sábado”, isto é na missa, na adoração, no grupo de oração, preocupados somente com a nossa deformação, e, com compaixão, Ele também nos diz: “Mulher (homem), estás livre da tua doença” e cura-nos mesmo que para o mundo não seja o momento adequado. Portanto, peçamos a Deus a graça de sermos curados para amar e servir a Deus em qualquer dia, a qualquer hora e em qualquer lugar, mesmo que seja dia de sábado. – A doença do mundo é o egoísmo. – Você tem olhado para cima e para os lados ou só tem pensado nas suas preocupaçõezinhas? – Qual o espírito que pode o estar deixando, encurvado? – Você escolhe hora e lugar adequados para falar de Jesus? – Você se envergonha de falar das coisas de Deus nos ambientes do mundo? – Você também se sente um homem ou uma mulher encurvada que precisa ser tocada por Jesus? – O que tem feito você sentir-se encurvado? A falta de perdão? O desamor? Reflita! Amém! Abraço Carinhoso.

9 – JESUS CURA A MULHER ENCURVADA NO DIA DE SÁBADO

O chefe da sinagoga ficou furioso, porque Jesus tinha feito uma cura em dia de sábado. Os lideres judaicos valorizavam de forma errada, dando exagerado valor ao descanso sabático. As coisas mais importantes da vida, são valores que estão dispostos em uma escala de importância, porém essa importância ou prioridade pode mudar de acordo com o tempo, e o espaço. Por exemplo: O sono é indispensável para a nossa restauração física e mental, para nos recarregar para continuar a luta no dia seguinte. Porém, se de repente alguém da família muito doente exige a nossa presença, os nossos cuidados, um incêndio que acontece, ou outro acidente qualquer, até mesmo uma festa que atravessa a madrugada, o repouso deixa de ser a coisa mais importante a fazer, e vamos ficar alertas até o dia amanhecer se for preciso. Jesus mostra que aquela observância exagerada do sábado inventada pelos judeus, podia ser ignorada caso houvesse algo mais importante a fazer, como salvar uma vida, uma alma, uma pessoa. O nosso modo de valorizar também é parecido com o dos líderes judaicos. Valorizamos coisas materiais, como o dinheiro e tudo o que ele pode nos dar, muito mais que ao próprio Deus. Deus deveria ser a realidade mais importante na nossa vida. Mais a sociedade coloca em seu lugar, o dinheiro, a saúde, enfim, os bens materiais… Desta forma, nos nossos tempos, os valores não são diferentes dos do tempo de Jesus. Esta comparação nos mostra também que não vivemos plenamente o Evangelho, pois amamos mais o dinheiro do que a Deus e os nossos irmãos e irmãs.

10 – ESTA FILHA DE ABRAÃO, NÃO DEVERIA SER LIBERTADA DESSA PRISÃO, EM DIA DE SÁBADO?

Esta filha de Abraão, não deveria ser libertada dessa prisão, em dia de sábado? No tempo de Jesus existia uma antiga técnica de interpretação que consistia em utilizar a lei que obrigava a socorrer animais domésticos. Jesus aplica-a a uma situação semelhante, porém maior que é o ser humano. O problema que o texto expõe é o de trabalhar o bem em todo tempo e lugar, identificando as ações boas com a obra de Deus manifestada na criação. Trabalhar o bem sem levar em conta preceitos religiosos, sociais, culturais, é sinônimo de realizar a vontade de Deus, vivenciado como Pai Misericordioso. Os adversários se opõem a esta maneira de pensar de Jesus. Eles se apegam aos preceitos sabáticos, considerados como expressão máxima da religiosidade. Jesus apela para o cuidado que se tem para com os animais, a fim de reivindicar a legitimidade de sua ação, fazendo prevalecer a obra de Deus acima de considerações religiosas. A comunidade cristã tem hoje o direito de reivindicar essa mesma intencionalidade de Jesus ao por o bem comum e o bem da humanidade em geral acima dos interesses individuais ou das elites do poder. Que ações cotidianas e concretas reflitam nosso compromisso com o bem das pessoas e da sociedade.

11 – …

12 – …

13 – …

14 – …

15 – …

MONIÇÕES

MONIÇÃO AMBIENTAL OU COMENTÁRIO INICIAL

A comunidade cristã é “filha da luz”; por isso, há que estar atenta para não ser enganada nem pelas ideologias vazias nem pelo legalismo religioso, que também pode obscurecer a visão crítica dos seguidores de Cristo.

MONIÇÃO PARA A(S) LEITURA(S) E O SALMO

A palavra de Deus nos motiva a ser imitadores de Jesus, sendo bons uns para com os outros, e nos alerta sobre as convenções religiosas e sociais, que não devem impedir a realização do bem em favor dos necessitados.

MONIÇÃO PARA O EVANGELHO

Aleluia, aleluia, aleluia. Vossa palavra é a verdade; santificai-nos na verdade” (Jo 17,17).

ANTÍFONAS

Antífona da entrada

Exulte o coração que buscam a Deus. Sim, buscai o Senhor e sua força, procurai sem cessar a sua face (Sl 104,3s).

Antífona da comunhão

O Cristo nos amou e por nós se entregou a Deus como oferenda e sacrifício santo (Ef 5,2).

ORAÇÕES DO DIA

Oração do dia ou Oração da coleta

Deus eterno e todo-poderoso, aumentai em nós a fé, a esperança e a caridade e dai-nos amar o que ordenais para conseguirmos o que prometeis. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Preces da Assembleia ou Oração da Assembleia

— Atendei, Senhor, nossa prece.

— Iluminai, Senhor, a Igreja, para que esteja sempre atenta às necessidades da humanidade.
— Fortalecei os veículos de informação que procuram formar pessoas conscientes e críticas.
— Ajudai-nos a vencer todo legalismo religioso que impede o exercício da caridade.
— Ensinai-nos a 
promover a cidadania e a solidariedade entre as pessoas.
Despertai nos governantes maior responsabilidade para com os mais necessitados.

Oração sobre as oferendas

Olhai, ó Deus, com bondade, as oferendas que colocamos diante de vós, e seja para vossa glória a celebração que realizamos. Por Cristo, nosso Senhor.

Oração depois da comunhão

Ó Deus, que os vossos sacramentos produzam em nós o que significam, a fim de que um dia entremos em plena posse do mistério que agora celebramos. Por Cristo, nosso Senhor.

Fontes de Consultas e Pesquisas

Vamos expor a seguir, os nomes dos sites e blogs a que pertencem os textos que nos preenchem todos os dias com palavras inspiradas pelo Espírito Santo, nos dando um caminho com mais sabedoria, simplicidade e amor.

FONTE PRINCIPAL DE PESQUISA E INSPIRAÇÃO — “BÍBLIA SAGRADA”.

O importante não é a pessoa que escreve, mas quem inspira essa pessoa a escrever.

O importante não é como se lê o que está escrito, mas como se age.

O importante não é sentar-se à direita ou a esquerda do Pai, mas sim, realizar o trabalho que ele nos pede.

Ter conhecimento não é ter sabedoria, sabedoria é saber compartilhar o conhecimento.

Encontro de amigos com Cristo

Liturgia Diária

A Palavra de Deus na vida

DomTotal.com

Paulinas

Homilia Diária

Evangelho Quotidiano

Evangeli.net

Liturgia Diária Comentada

RCC São Rafael

NPD Brasil

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s