Liturgia Diária 23/ABR/13

LEITURA DIÁRIA DA PALAVRA — 23/ABR/2013 (terça-feira)

LEITURAS

Leitura dos Atos dos Apóstolos (At 11,19-26)

Naqueles dias, 19 aqueles que se haviam espalhado por causa da perseguição que se seguiu à morte de Estêvão chegaram à Fenícia, à ilha de Chipre e à cidade de Antioquia, embora não pregassem a Palavra a ninguém que não fosse judeu. 20 Contudo, alguns deles, habitantes de Chipre e da cidade de Cirene, chegaram a Antioquia e começaram a pregar também aos gregos, anunciando-lhes a Boa Nova do Senhor Jesus. 21 E a mão do Senhor estava com eles. Muitas pessoas acreditaram no Evangelho e se converteram ao Senhor. 22 A notícia chegou aos ouvidos da Igreja que estava em Jerusalém. Então enviaram Barnabé até Antioquia. 23 Quando Barnabé chegou e viu a graça que Deus havia concedido, ficou muito alegre e exortou a todos para que permanecessem fiéis ao Senhor, com firmeza de coração. 24 É que ele era um homem bom, cheio de Espírito Santo e de fé. E uma grande multidão aderiu ao Senhor. 25 Então Barnabé partiu para Tarso, à procura de Saulo. 26 Tendo encontrado Saulo, levou-o a Antioquia. Passaram um ano inteiro trabalhando juntos naquela Igreja, e instruíram uma numerosa multidão. Em Antioquia os discípulos foram, pela primeira vez, chamados com o nome de cristãos.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.

Proclamação do Salmo (Sl 86(87), 1-3. 4-5. 6-7 (R. Sl 116, 1a)).

— Cantai louvores ao Senhor, todas as gentes.

— Cantai louvores ao Senhor, todas as gentes.

— 1 O Senhor ama a cidade / que fundou no Monte santo; / 2 ama as portas de Sião / mais que as casas de Jacó. / 3 Dizem coisas gloriosas / da Cidade do Senhor.

— 4 Lembro o Egito e Babilônia / entre os meus veneradores. / Na Filisteia ou em Tiro + ou no país da Etiópia, este ou aquele ali nasceu. / 5 De Sião, porém, se diz: + “Nasceu nela todo homem; / Deus é sua segurança”.

— 6 Deus anota no seu livro, + onde inscreve os povos todos: / “Foi ali que estes nasceram”. / 7 E por isso todos juntos a cantar se alegrarão; / e, dançando, exclamarão: / “Estão em ti as nossas fontes!”

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo João (Jo 10,22-30).

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.

— Glória a vós, Senhor.

22 Celebrava-se, em Jerusalém, a festa da Dedicação do Templo. Era inverno. 23 Jesus passeava pelo Templo, no pórtico de Salomão. 24 Os judeus rodeavam-no e disseram: “Até quando nos deixarás em dúvida? Se tu és o Messias, dize-nos abertamente”. 25 Jesus respondeu: “Já vo-lo disse, mas vós não acreditais. As obras que eu faço em nome do meu Pai dão testemunho de mim; 26 vós, porém, não acreditais, porque não sois das minhas ovelhas. 27 As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem. 28 Eu dou-lhes a vida eterna e elas jamais se perderão. E ninguém vai arrancá-las de minha mão. 29 Meu Pai, que me deu estas ovelhas, é maior que todos, e ninguém pode arrebatá-las da mão do Pai. 30 Eu e o Pai somos um”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

LEITURA ORANTE:

… Oração Inicial … (querer)

Preparo-me para a Leitura Orante, invocando o Espírito Santo:

Espírito Santo, dai-nos o dom do conselho, que ilumina a nossa vida e orienta a nossa ação segundo vossa Divina Providência.

… Eu sou o CAMINHO … (ler…)

O que diz o texto do dia?

Leio atenta e lentamente o texto do dia: Jo 10,22-30.

Observo o local, a ocasião, o fato em si, que pessoas participam e que assunto é tratado.

povo se diz ainda em dúvida. Jesus então deixa claro algumas coisas:

– 1º O seu poder é o poder do Pai.

– 2º Ele conhece quem é do seu rebanho, quem escuta sua voz e o segue.

– 3º Jesus afirma que ele e o Pai são um. Revela a sua verdadeira identidade.

… a VERDADE … (refletir e meditar…)

O que o texto diz para mim, hoje?

É este Jesus do Evangelho que conheço e sigo?

Escuto a sua voz e depois, o sigo?

Ou tenho um Deus que eu imagino, inclusive de acordo com as minhas necessidades?

Deixo-me conhecer por Deus ou vivo longe, mascarando a minha fé com crendices?

Busco o Deus das consolações ou consolações de Deus? (pequena pausa para responder a estas questões).

Ó Jesus Mestre, Verdade, Caminho e Vida, tem piedade de nós.

… e a VIDA … (orar…)

O que o texto me leva a dizer a Deus?

Rezo, com salmos ou outras orações e concluo:

Oração da manhã

Senhor, nós te agradecemos por este dia.

Abrimos nossas portas e janelas para que tu possas

Entrar com tua luz.

Queremos que tu Senhor, definas os contornos de

Nossos caminhos,

As cores de nossas palavras e gestos,

dimensão de nossos projetos,

calor de nossos relacionamentos e o

Rumo de nossa vida.

Podes entrar, Senhor em nossas famílias.

Precisamos do ar puro de tua verdade.

Precisamos de tua mão libertadora para abrir

Compartimentos fechados.

Precisamos de tua beleza para amenizar

Nossa dureza.

Precisamos de tua paz para nossos conflitos.

Precisamos de teu contato para curar feridas.

Precisamos, sobretudo, Senhor, de tua presença

Para aprendermos a partilhar e abençoar!

Qual deve ser a MISSÃO em minha VIDA hoje? (contemplar e agir…)

Qual meu novo olhar a partir da Palavra?

Meu novo olhar revela a minha identidade de filho/a de Deus.

Inspira-se no pensamento de Nolan, no livro “Jesus Hoje”. Diz ele: “Confiar em Deus, como Jesus confiava, não significa viver agarrados a Deus. Significa libertar-nos de tudo, a fim de entregarmos nossas vidas a Deus (…) Não precisamos agarrar-nos a ele, porque seremos agarrados por ele… como uma criança nos braços dos seus pais”.(p. 194)

Ó Jesus Mestre, Verdade, Caminho e Vida, tem piedade de nós.

REFLEXÕES:

1 – REFLEXÃO.

Colaborar na missão salvífica de Jesus através da ação pastoral da Igreja significa levar as pessoas a reconhecerem nele o Deus vivo encarnado para a salvação de todos os que nele crerem. Para que esta ação surta efeito, o anúncio é necessário, mas por si só é insuficiente. Não basta apenas falar de Jesus, é preciso obras, é necessária a vivência dos valores evangélicos, o amor precisa ser concretizado. Mas acima de tudo, é necessária a consciência de que somos participantes da divina missão de salvação dos homens e que quem realiza esta obra não somos nós, mas sim o próprio Deus, é ele quem pastoreia através de nós. Somos na verdade canais de graça para que os homens ouçam a voz de Jesus, sintam-se integrantes do seu rebanho e o sigam rumo à vida eterna.

(CNBB).

2 – VOZ DO SENHOR NO NOSSO CORAÇÃO É A VOZ DO AMOR, É A VOZ DO ESPÍRITO SANTO.

Por que, nós como os discípulos de Jesus, também cultivamos dúvidas?

Por que também pedimos sinais?

Jesus é o maior sinal do Pai. Ele está sempre perto, acompanha os nossos passos e passeia pelo templo do nosso coração. “As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço, elas me seguem”! A voz do Senhor no nosso coração é a voz do Amor, é a voz do Espírito Santo. Há permanentemente dentro de nós, um ressoar da voz do Amor e, por mais que nos afastemos desta verdade e dê ouvidos a outras vozes, Ele continuará nos falando de Amor. Os judeus cobravam de Jesus um sinal claro de que Ele era o Messias, contudo Ele já manifestara de todas as maneiras que era o enviado de Deus através dos prodígios e milagres que realizava e das curas que aconteciam. No entanto, eles não acreditavam porque não eram ovelhas do seu redil e, consequentemente não escutavam a Sua Voz.

Tinham os ouvidos e o coração fechados para percebê-La. Escutar a voz significa identificar-se, ter intimidade, acreditar, ter os mesmos anseios. Aquele que não para pra escutar a voz do Senhor nunca poderá entendê-Lo e ficará sempre na dúvida. Ainda hoje nós encontramos as pessoas descrentes, desconfiadas, que não se rendem nem seguem a Jesus e ficam correndo de uma religião para outra em busca de respostas para os acontecimentos da sua vida Elas buscam um Deus que se adapte às suas carências e não conseguem ter um só pastor. Chegou o tempo em que nós precisamos nos firmar sob a direção do Pastor das ovelhas a quem o Pai as entregou.

Necessitamos, urgentemente, escutar a voz do Pastor por meio da Palavra e na oração quando Ele nos fala na intimidade do coração. Assim fazendo nós também poderemos ficar seguros de que ninguém poderá nos arrebatar da mão do Pai, pois temos um Pastor que nos garante proteção. Não temamos, portanto, o Senhor é o nosso pastor.

Reflita:

– Você se considera ovelha do redil de Jesus?

– Você tem escutado a Sua voz no seu coração, você a tem entendido?

– O que Ele tem lhe sugerido nesses tempos atuais?

– A sua confiança no plano do Pai para a sua vida tem aumentado?

– De quem você tem seguido os conselhos, de Deus ou dos homens?

Amém.

Abraço carinhoso.

(Maria Regina).

3 – AS MINHAS OVELHAS ESCUTAM A MINHA VOZ, EU AS CONHEÇO E ELAS ME SEGUEM.

Fazer a experiência do amor do Pai, é deixar-se conduzir pelo Filho!

Jesus é a fonte de água viva que mata nossa sede! Ele é a Luz que ilumina o nosso caminho, o Pão que sacia a nossa fome, o Pastor que nos conduz!

Como é bom sentir que nunca estamos sozinhos, que temos um protetor, alguém que cuida de nós, que nos conhece pelo nome, que é o nosso refúgio, o nosso ânimo nos desalentos!

Pai, no seu infinito amor, nos entregou aos cuidados do Filho, e Este, por sua vez, nos acolheu com o mesmo amor do Pai, colocando cada um de nós acima de sua própria vida!

evangelho de hoje, fala da insistência dos judeus em querer que Jesus dissesse abertamente se Ele realmente era o Messias! Mas Jesus não cede a esta pressão, afinal, o caminho para quem quisesse enxergar esta verdade, estava claro: bastava prestar atenção nas obras que Ele realizava. As obras que Jesus realizava em nome do Pai, dava testemunho Dele. Na verdade, os judeus simulavam esta dúvida, por não querer enxergar a verdade diante de seus olhos. Eles preferiam viver na mentira, se beneficiando de um sistema que eles mesmos criaram para ser usado em causa própria. O que infelizmente ainda hoje acontece em nossa sociedade.

texto nos fala da intimidade de Jesus com o Pai, da sua fidelidade e disposição em levar em frente a missão que a Ele fora designada e do seu grande amor pelo seu rebanho!

parte final, fala fundo ao nosso coração, quando Jesus nos assegura: “Meu Pai que me deu estas ovelhas, é maior que todos, e ninguém pode arrebatá-las da mão do Pai”.

Do que precisamos temer, se Jesus nos dá esta segurança?

Ao se colocar como o Bom Pastor, Jesus deixa claro que Ele é um Pastor totalmente diferente daqueles que se dizem pastores, mas que exploram as ovelhas, que as deixam se perder. Ao contrário destes falsos pastores, Jesus cuida de nós, Ele não quer que nenhuma de suas ovelhas se perca, e, se por ventura, alguma delas desvia do caminho, seduzida por estes falsos pastores, Ele não desiste de esperar pelo seu retorno, está sempre de braços abertos, pronto para acolhê-la novamente, pois para Jesus, não existe caminho sem volta e nem ponto final para uma historia de amor!

Ao dar a sua vida, pela vida das ovelhas que o Pai lhe confiara, Jesus deu a maior prova de amor que o mundo conheceu! E diante desta tão grande prova de amor, podemos nos perguntar:

Qual tem sido a nossa resposta a este amor tão grande do Bom Pastor?

que temos feito da nossa vida, que custou a vida de Jesus?

Escutar e colocar em prática os ensinamentos de Jesus, é pertencer ao seu rebanho, é ter a certeza de que nenhuma força contrária, irá nos separar das mãos do Pai!

Como ovelhas obedientes ao Bom Pastor, não podemos intimidar em dar testemunho da verdade que liberta neste mundo cheios de falsos pastores que tentam a tudo custo, seduzir as ovelhas que ainda não encontraram a porta de entrada para o coração do verdadeiro Pastor!

todos nós, que confiamos em Jesus, fica o desafio: ser perseverante na fé, para que a voz dos falsos pastores, nunca sobreponha a voz do único e verdadeiro Pastor: JESUS.

FIQUE NA PAZ DE JESUS!

(Olívia Coutinho).

4 – EU E O PAI SOMOS UM.

A fé católica é esta: que veneremos um só Deus na Trindade e a Trindade na unidade, não confundindo as Pessoas, nem dividindo a substância. Porque uma é a Pessoa do Pai, outra a do Filho, e outra a do Espírito Santo; mas uma só é a divindade do Pai e do Filho e do Espírito Santo, igual à Sua glória e coeterna à Sua majestade. Tal como o Pai, assim é o Filho e o Espírito Santo; incriado o Pai, incriado o Filho, incriado o Espírito Santo. […] O Pai é Deus, o Filho é Deus, e o Espírito Santo é Deus; contudo, não são três deuses, mas um só Deus. […]

fé verdadeira consiste em que acreditemos e confessemos que Nosso Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, é Deus e homem. É Deus gerado da substância do Pai antes do início dos tempos; é homem nascido da substância de Sua Mãe no tempo. Perfeito Deus e perfeito homem, que subsiste com alma racional e carne humana, igual ao Pai segundo a divindade, menor que o Pai segundo a humanidade. E embora seja Deus e homem, não há dois cristos, mas um único Cristo; um, não porque a divindade se tenha dissolvido na carne, mas porque a humanidade foi assumida por Deus. Absolutamente uno, não por confusão das substâncias, mas pela unidade da Pessoa. Pois assim como a alma racional e o corpo constituem um só homem, assim também Deus e homem constituem um só Cristo. O Qual padeceu pela nossa salvação, desceu à mansão dos mortos e ao terceiro dia ressuscitou. Subiu aos céus, onde está sentado à direita de Deus Pai omnipotente, de onde há-de vir a julgar os vivos e os mortos.

(Símbolo “Quicumque”, atribuído a Santo Atanásio (entre 430 e 500)).

5 – A DÚVIDA CONTINUAVA NA MENTE DE ALGUNS, SOBRE A
PESSOA DE JESUS.

A dúvida continuava a permanecer nos corações daqueles que esperavam e desejavam ver o Messias, mas, não conseguiam reconhecê-lo, por isso a insistente pergunta destes: “se tu és o Messias, dize-nos abertamente”. Esperavam tanto pelo Messias, talvez desejassem tanto este momento, mas seus olhos estavam cegos diante da incredulidade, porque não conseguiam abrir os ouvidos à palavra de Jesus. Foi o próprio Jesus quem disse: “Já vo-lo disse, mas vós não acreditais. Vós, porém, não acreditais porque não sois das minhas ovelhas”.

Nem as grandes obras realizadas por Jesus em nome do Pai eram testemunho suficiente para aqueles homens sem fé, não escutavam ou não queriam escutar a vós do Pastor, portanto, não o podiam seguir, e consequentemente não poderiam fazer parte deste rebanho.

As ovelhas de Cristo são as pessoas que escutam a sua vós, e Jesus as conhece e elas o seguem. Quem é de Cristo tem intimidade com Ele, o conhece assim como Ele conhece cada um dos seus. Quem está em Cristo tem a proteção do Bom Pastor e não corre o risco de se perder, e ninguém, nada, vai separá-lo do amor de Deus que é maior que todos.

Na leitura dos Atos dos Apóstolos existe a seguinte afirmativa: “Muitas pessoas acreditaram no Evangelho e se converteram ao Senhor”. Barnabé ficou muito alegre por ver a graça que Deus havia concedido na cidade de Antioquia principalmente no meio daqueles que não eram judeus, e exortou a todos para que permanecessem fiéis ao Senhor, com firmeza de coração. E uma grande multidão aderiu ao Senhor. É assim que deve ser a nossa adesão a Cristo, permanecendo fiéis a Ele, com firmeza de coração, porque Ele também é fiel e justo para cumprir a sua promessa. E sua promessa para quem o segue é a ressurreição e a vida eterna!

Amém!

(Newton Hermógenes).

6 – AS OBRAS QUE EU FAÇO DÃO TESTEMUNHO DE MIM.

Após a cura do paralítico, foi inevitável o confronto entre Jesus e seus acusadores, aqueles que conheciam as Escrituras, e que não acreditavam que Ele era o Messias prometido, o Filho de Deus. Tinham seus corações endurecidos e não aceitavam que Jesus fizesse “tais coisas em dia de sábado”, essas “tais coisas”, eram as curas que Jesus fazia, e não aceitavam também quando Jesus dizia que tudo o que Ele realizava era obra do Pai. Duvidavam de Jesus e de sua divindade. Até hoje os judeus não acreditam que Jesus é o Filho de Deus. Jesus para eles foi mais um profeta, ainda esperam o Messias. E muitos ainda hoje que mesmo não sendo judeus, não acreditam em Jesus, que ele é o Filho de Deus, o Messias prometido, como também não acreditam em sua missão.

Jesus nos diz também que suas obras são o testemunho de que Ele é o Messias enviado por Deus, para realizar sua missão de amor, de vida, de libertação, de dignidade para todos. E Jesus ainda disse: “Se eu der testemunho de mim mesmo, meu testemunho não vale.” (v. 31). Jesus cita Moisés e João Batista, que anunciaram sua vinda, dando seus testemunhos. Moisés escreveu a respeito de Jesus anunciando sua vinda. “Vós examinais as Escrituras… as Escrituras dão testemunho de mim, mas não quereis vir a mim para ter a vida eterna!” (v. 38-39) disse Jesus. Mesmo assim os mestres da lei não aceitavam o testemunho das Escrituras, pois era uma ameaça ao poder deles.

como poderiam então acreditar nas palavras de Jesus?

testemunho de João Batista, o profeta que abriu os caminhos do Senhor também foi rejeitado. Eram as obras do Pai realizadas por Jesus o seu maior testemunho. A glória de Jesus vinha do Pai, por isso seus perseguidores não poderiam impedi-lo de cumprir sua missão.

Quando fazemos um pedido a Jesus, e recebemos a sua graça, é o Pai falando conosco pelas ações do Filho. Ouvindo o Pai, acreditamos no seu Filho Jesus, em sua missão a serviço de todos e da vida. E nós hoje somos responsáveis para dar continuidade ao projeto do Pai, nos colocando a serviço do próximo, levando a Palavra de libertação, que promove vida. Irmãos nós estamos na Quaresma, o Tema Campanha da Fraternidade: Economia e Vida, nos alerta para uma economia mais justa, para partilha, por uma vida mais digna para todos.

Um abraço a todos.

Oração:

“Pai, dá-me suficiente inteligência para descobrir, no testemunho de Jesus, sua condição de Filho enviado por ti, para a nossa salvação. Reveste-me com a força do Alto, para que eu possa estar do lado de Jesus, até o fim.”

(Maria Elian).

7 – SE ALGUÉM ME AMA GUARDA A MINHA PALAVRA.

“Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada. Quem não me ama, não guarda a minha palavra.”

Alguém tem uma joia e de muito valor. Ela se encontra guardada dentro do cofre bem fechado por causa dos ladrões. Com a palavra de Deus acontece o contrário. Pois, guardar a palavra de Deus não significa trancá-la dentro de nós, mas sim, assimilá-la, praticá-la, e divulgá-la pelo mundo.

“… e faremos nele a nossa morada”. Que maravilha saber dessa promessa de Cristo!

Mas como Deus pode habitar em nós?

imagem que tivemos de Deus quando éramos crianças, foi de um velho de barba branca. Sabemos que Ele é uno e trino e invisível.

Deus é uma energia poderosíssima que se encontra em todo lugar semelhante ao ar que envolve o planeta Terra, e que o sentimos mais não o vemos.

Deus pode morar em todos os habitantes do Planeta Terra. Porém, nem todos desfrutam desse privilégio. Os maus não são moradas de Deus, pois não guardam a sua palavra.

Deus mora em nós pela sua presença ao nosso lado, em nosso ser, e principalmente pela Eucaristia. Mas atenção: Repito. Isso somente acontece com quem guarda a sua palavra.

Como posso dizer que Deus habita no Assassino, no malfeitor, enfim naqueles que não guarda a palavra de Deus mas sim de satanás?

“E a palavra que escutais não é minha, mas do Pai que me enviou.”

“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo.”

paz de Cristo é verdadeira, é duradoura e somente ela nos satisfaz plenamente.

paz do mundo é falsa, interesseira e tem vida curta.

Aquele grande astro do roque, vivia rodeado de gente, de bajuladores, com muito dinheiro para gastar a vontade, e com toda a fama de uma grande estrela. Ele tinha tudo isso, mas não tinha a paz consigo mesmo. Em pleno palco recebendo todo o carinho das fãs, ele se sentia em plena solidão.

Como se explica uma coisa dessas?

É porque ele não tinha a verdadeira paz. E por isso se embriagava cada dia mais, com álcool e drogas fortes, para buscar desesperadamente a tão sonhada paz. Ele sabia que todos os “amigos” que o rodeavam faziam isso por causa do seu dinheiro.

Certo dia em uma linda manhã de sol, no México, estava ele rodeado de amigos em uma piscina com três lindas e saudáveis garotas, tomando tequila após ter usado muita droga. Retira-se para ir ao banheiro. Momentos depois, ouve-se um tiro. Todos correram! Ele estava caído, sangrando e morto. Mas nem assim, encontrou a paz que tanto buscou na vida. Pois não buscou a Paz de Cristo e sim a “paz” do mundo! Uma pena!

Aquele grande empresário, vivia em “paz” com todos os funcionários da empresa, fazia constantemente festas de confraternização para alimentar a “paz”. Ele vivia uma certa paz com seus funcionários porque estes trabalhavam duro, proporcionando-lhe muito lucro. Por sua vez, os funcionários viviam em harmonia com o patrão, porque recebiam bons salários.

Assim é a paz do mundo, diferente da paz de Cristo. No comércio, todos vivem em “paz” por interesses mútuos de venda e compra.

Do mesmo modo, na vida amorosa dos “relacionamentos”, principalmente naquelas vidas amorosas em que o sexo fala mais alto do que o amor, a paz entre os namorados dura enquanto a juventude em seus corpos os mantém atraentes uns para com os outros.

Um certo garanhão cheio de dinheiro vivia desfrutando a vida e trocava de mulher como se troca de camisa. Uma delas era linda, porém descuidou-se e engordou. Ele a deixou. Outra, era muito saudável, e para manter a sua boa forma e não o perder, como aconteceu com a outra, entrou numa dieta perigosa para emagrecer, e acabou emagrecendo demais e ficou feia aos olhos do garanhão. Ele tentou deixá-la mais ela disse: Nem pense isso! Eu estou esperando um filho seu. Aí começaram s brigas, os problemas, e aquele “relacionamento” virou um verdadeiro inferno! Não querendo aquele herdeiro indesejável, fruto de uma aventura, ele a obrigou a abortar, ela não o quis, conclusão, hoje ela está morta.

Buscamos desesperadamente a paz do mundo, em seguida descobrimos desapontados que essa paz não nos satisfaz. Não nos completa. Somente a verdadeira paz. A paz de Cristo é aquela que nos preenche plenamente. Porque é a paz da intimidade com Aquele que pode nos dar tudo. Aquele que sabe o que realmente nós precisamos para nos completar, para sermos felizes. É a paz de saber que Cristo está habitando em nós. Na nossa pessoa. E isso acontece plenamente quando recebemos a Eucaristia, o corpo e o sangue de Cristo.

Guardar a palavra para receber Cristo e ter a verdadeira paz. Amém!

(José Salviano).

8 – ÉS TU MESMO O MESSIAS?

João Batista queria ter certeza de que era realmente Jesus, O Messias de que o povo estava falando. João estava no cárcere, e como esperava o Messias, eis por que sentiu a necessidade de mandar seus discípulos para interrogarem a Jesus sobre sua identidade.

resposta de Jesus não podia ter sido outra. Foi o mesmo que dizer: Vejam os meus prodígios!

Vejam o que estou fazendo, se eu não fosse o Messias estaria fazendo tantos milagres?

Toda a ação de Jesus era baseada nas profecias messiânicas a sua demonstração de poder comprovava sua identidade. Porém, alguns ficavam em dúvida.

Será que é Ele mesmo?

Jesus foi O Verbo se fez carne para tornar-nos participantes da natureza divina: Pois esta é a razão pela qual o Verbo se fez homem, e o Filho de Deus, Filho do homem: é para que o homem, entrando em comunhão com o Verbo e recebendo, assim, a filiação divina, se torne filho de Deus.

Jesus anunciou em sua pregação o Juízo do último Dia. Então será revelada a conduta de cada um e o segredo dos corações. Será também condenada a incredulidade culpada que fez pouco caso da graça oferecida por Deus. A atitude em relação ao próximo revelará o acolhimento ou a recusa da graça e do amor divino Jesus dirá no último Dia: “Cada vez que o fizestes a um desses meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes” (Mt 25,40).

Jesus Cristo é Senhor da Vida Eterna. O pleno direito de julgar definitivamente as obras e os corações dos homens pertence a Ele enquanto Redentor do mundo. Ele adquiriu este direito ao passar pela morte de Cruz. O Pai entregou “todo o julgamento ao Filho” (Jo 5,22). Ora, o Filho não veio para julgar, mas para salvar e para dar a vida que está nele. É pela recusa da graça nesta vida que cada um já se julga a si mesmo recebe de acordo com suas obras e pode até condenar-se para a eternidade ao recusar o Espírito de amor. Sendo assim, na verdade Jesus não condena. Nós é que nos condenamos.

É por isso que devemos tomar muito cuidado com a nossa atitude diante dos chamados de Deus. Recusar o Seu convite de adesão ao seu Plano de Amor é o mesmo que dizer: Eu não creio em Você! E quem faz isso é porque está sob o domínio daquele que ficou conhecido pelo nome de príncipe das trevas.

Recusar o chamado de Jesus é o mesmo que se candidatar a condenação.

(José Salviano).

9 – A DÚVIDA CRUEL…

Como qualquer Judeu, Jesus vai constantemente ao templo, e lá sempre é assediado pelos Judeus mais conservadores, que o conhecem e ouvem, têm até admiração por ele, mas vivem na dúvida cruel sobre o seu Messianismo. Nesse evangelho eles indagam novamente sobre essa questão crucial “Até quando nos deixarás na incerteza, se és o Cristo dizei-nos claramente”. Hoje, em um mundo marcado pelo ateísmo, certamente muitos aceitam Jesus, mas têm restrições sobre sua Divindade.

As comunidades do primeiro século tiveram que abrirem-se muito á graça de Deus e a sabedoria do Espírito, para compreenderem o ensinamento dos apóstolos sobre as duas naturezas de Jesus.

Talvez o grande problema naquele tempo, era entender como é que podia um Homem ser Deus e este ser um Homem, ao mesmo tempo, com duas naturezas distintas. Justamente por conhecerem á sua origem, a sua história, a sua genealogia e seus familiares mais próximos, os conterrâneos dali da “Terrinha” de Jesus, até que sentiam orgulhosos por terem entre eles alguém de tão grande conceito em Israel, um grande Profeta, que já estava com uma fama maior do que os maiores profetas da história, pois seus ensinamentos causavam admiração, suas obras enchiam os olhos dos Nazarenos… mas daí, começar a pensar que seria ele o grande e esperado Messias, já seria um exagero.

por quê?

Pela sua origem simples, sua vida rotineira igualzinha a vida de qualquer judeu, alimentar-se, ir na catequese, estar submisso ao Pai e Mãe, aprender a profissão do Pai, para sobreviver economicamente. O Messias não precisava de nada dessas coisas, tinha poder e glória, era um enviado de Deus e não estava em nível de um simples ser humano.

Hoje há um pensamento nefasto no cristianismo, que vem contaminando a vida de muitos cristãos, trata-se da Fé da Magia, que crê em um Cristo apenas Divino, que deverá usar seus poderes para socorrer os vis mortais. Um Jesus que está com a gente mais que não é igual a nós, um Jesus que separa Fé e Vida.

Pior do que ficar na dúvida, é inventar um Jesus Cristo mais adequado as nossas necessidades. Esse Cristo descaracterizado, produto de um Espírito Consumista, é hoje em Dia o Deus de muita gente que se rotula cristã…

(Diácono José da Cruz).

10 – EU E O PAI SOMOS UM.

Hoje, vemos Jesus que “andava pelo Templo, no pórtico de Salomão” (Jo 10,23), durante a festa da Dedicação em Jerusalém. Então, os judeus pedem-lhe: “Se tu és o Cristo, diz-nos abertamente”, e Jesus responde-lhes: “Eu já vos disse, mas vós não acreditais” (Jo 10,24.25).

Só a fé dá ao homem a capacidade de reconhecer Jesus Cristo como o Filho de Deus. No ano de 2000, João Paulo II, no encontro com os jovens em Tor Vergata, falava do “laboratório da fé”. Há muitas respostas para a pergunta “Quem dizem as multidões que eu sou?” (Lc 9,18)… Depois, porém, Jesus passa para o plano pessoal: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Para responder corretamente a esta pergunta é necessária a “revelação do Pai”. Para responder como Pedro — “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo” (Mt 16,16) — faz falta a graça de Deus.

Contudo, embora Deus queira que todas as pessoas acreditem e se salvem, só os homens humildes têm a capacidade de acolher este dom. “Entre os humildes está a sabedoria”, lê-se no livro dos Provérbios (11,2). A verdadeira sabedoria do homem consiste em confiar em Deus.

Santo Tomás de Aquino comenta esta passagem do Evangelho dizendo: “Consigo ver graças à luz do sol, mas se fechar os olhos, não vejo; porém a culpa não é do sol, mas minha”.

Jesus diz-lhes que, se não creem, que acreditem, pelo menos, devido às obras que faz, que manifestam o poder de Deus. “As obras que eu faço em nome do meu pai dão testemunho de mim” (Jo 10,25).

Jesus conhece as suas ovelhas e as suas ovelhas escutam a Sua voz. A fé leva à intimidade com Jesus na oração.

que é a oração senão o trato com Jesus Cristo, que sabemos que nos ama e nos conduz ao Pai?

resultado e o prêmio desta intimidade com Jesus nesta vida, é a vida eterna, como lemos no Evangelho.

(Rev. D. Miquel MASATS i Roca (Girona, Espanha)).

11 – SEJAMOS UM COM DEUS.

Jesus é um personagem incômodo ontem, hoje e sempre. A motivação disto é que Ele diz a verdade, a qual é sempre exigente, interessa à vida e incide sobre o comportamento humano: “Eu e o Pai somos um”.

Ele revela que o povo, participante das festas judaicas em torno do Templo, na realidade, fazia parte de suas ovelhas, chamadas a escutar as Suas palavras e segui-Lo. Foi Deus, Seu Pai, quem lhes deu e ninguém as arrancará da mão do Senhor. Assim, Jesus desautoriza os chefes religiosos de Israel, com seu Templo e suas sinagogas, a se considerarem verdadeiros pastores. Eles, ao oprimirem e explorarem o povo, estão rejeitando Jesus e, consequentemente, excluindo-se do dom que o Pai comunica por Jesus.

única verdade que Jesus trouxe, a novidade, é que Jesus é o Filho de Deus. Sua identidade é de origem divina.

Sua filiação divina se torna difícil aceitar para todo aquele que, humana e racionalmente, quer entender e para tal não se abre à transcendência. Por isso, a inquietação e pergunta do chefe do Sinédrio:

“És tu o Messias, o Filho de Deus Bendito?”

Ante esta pergunta, Jesus respondeu: “Eu sou” (Mc 14, 61b-62a), afirmando que o Messias é o Filho de Deus. O mundo religioso daquele tempo, com seus chefes, pareceu acabar por causa de um terremoto tal, que provocou nos detentores o pânico total de perder o poder religioso e político, seu estado social e familiar. A reação foi chata: a morte.

Jesus provoca “terremotos” também hoje nas pessoas e nos povos, enfrentando as ideologias e o pensamento “pós-moderno” na sociedade, com suas denúncias contra o permissivismo e o relativismo, com seus fortes chamamentos a reconhecer a dignidade do homem, feito à imagem e semelhança de Deus e redimido por Jesus Cristo, Salvador e Redentor.

Pela primeira vez, em todos os Evangelhos, Jesus faz uma autoproclamação expressiva de sua união com o Pai. A obra de Jesus é feita em unidade com o Pai. Esta obra, à qual somos chamados, é o dom do amor e da vida eterna. Seja meu irmão, minha irmã, um com Jesus. Converta-se em dádiva, graça no amor pela vida.

(Padre Bantu Mendonça).

12 – O MESTRE É RECONHECIDO.

Os judeus insistiam com Jesus, exigindo que ele afirmasse, abertamente, sua identidade de Messias. Jesus, porém, tinha motivos para não ceder a tal pressão. Existe um caminho muito simples para reconhecê-lo: prestar atenção nas obras que ele realiza!

Só consegue reconhecer Jesus a partir de suas obras, quem se faz discípulo dele. A condição de discípulo coloca o indivíduo na perspectiva justa para observar o agir de Jesus e tirar as conclusões a respeito de sua identidade. Como? Permitindo olhá-lo com benevolência, sem preconceitos, nem má intenção. Colocando-se em sintonia com o Senhor, o discípulo pode discernir quem, de fato, é Jesus. Igualmente, capacita-o para ler, nas entrelinhas da ação de Jesus, sua condição de Messias, realizador das antigas esperanças de Israel, restaurador da vida e da esperança. E mais, sua condição divina, pois, as obras que Jesus realiza são exclusivas de quem é o Filho de Deus.

Quem não se torna discípulo, ou seja, sua ovelha, não está em condições de reconhecê-lo como Messias, por mais prodigiosa que seja a obra realizada por Jesus. Quem não está predisposto a ser discípulo, não abre mão da posição já tomada, nem confessa a messianidade de Jesus. Por isso, não era oportuno perder tempo com tal tipo de gente. Se não quisessem crer nele a partir das obras, paciência!

Oração: Espírito do Messias, coloca-me na perspectiva justa, para reconhecer e confessar a messianidade do Filho Jesus.

(Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE).

13 – QUEM É JESUS?

Os judeus querem uma resposta clara, sem rodeios, à seguinte pergunta: “Até quando nos deixarás em suspenso? Se tu és o Cristo, dize-nos abertamente!” (v. 24). No entanto, nenhuma resposta seria convincente (ver: Lc 22,68). Em nenhum dos evangelhos Jesus diz claramente ser o Messias. Como sói acontecer, Jesus não irá responder com a clareza pretendida por eles. Ao invés de responder diretamente à questão, Jesus passa a falar de suas ovelhas (vv. 27-30). Lembremo-nos de que em todo o Antigo Testamento o povo de Israel se compara a um rebanho, e Deus a um pastor (ver: Sl 23[22]). As ovelhas que escutam a voz é que conhecem o Pastor. A afirmação de Jesus referida às suas ovelhas “eu lhes dou a vida eterna” (v. 28), estarrece os judeus, pois quem pode dar a vida eterna, a não ser Deus? As ovelhas são confiadas a Jesus pelo Pai (v. 29). É nas mãos do Filho e do Pai que as ovelhas estão. Nas mãos de Deus as ovelhas estão em segurança. Nas mãos fortes do Filho as ovelhas jamais se perderão. O autor do Deuteronômio diz: “Todos os santos estão em tua mão” (Dt 33,3). Jesus afirma uma unidade profunda entre ele e o Pai: “Eu e o Pai somos um” (v. 30). Para quem todo dia recitava o Shemá Israel, a afirmação de Jesus soava a blasfêmia e escândalo.

(Carlos Alberto Contieri, sj).

14 – ATÉ QUANDO?

A pergunta que os judeus fazem a Jesus costuma ser um indicativo de impaciência. “Até quando nos manterás em suspenso? Afinal, tu és, ou não, o Messias esperado? Estamos cansados de esperar por uma definição!” Claro que tinham má intenção: como S. Agostinho comenta, seu objetivo não era converter-se ao Messias, mas ter mais um motivo de calúnia e condenação contra o Rabi.

Há outras passagens da Bíblia com a mesma pergunta inquieta e – por que não confessar? – um tanto desesperada. Como no Salmo 13 [12]: “Até quando, Senhor, de todo vos esquecereis de mim?” Esta impaciência sempre vem à tona de nossas almas quando a cruz é pesada e nada indica que logo nos será tirada. É como se sofrêssemos a cota de hoje e, por antecipação, já sofrêssemos também o peso do mesmo madeiro por toda uma sucessão de dias, semanas e anos futuros.

Bem, reconheçamos: estamos mergulhados no tempo. Somos seres históricos, ainda que vocacionados ao eterno. E temos grande dificuldade em trabalhar com tempo, pois nossa pretensão é viver, JÁ, a perfeição celestial. As imperfeições desta estrada provisória – a nossa vida terrena – nos incomodam muito. Tanto as imperfeições que existem em nós quanto aquelas que pululam nos outros. Temos grande dificuldade em esperar pelo tempo de Deus.

“Até quando? Até quando?” Eis o refrão que a mãe repete quando o filho comete (outra vez!) o mesmo impropério. É o suspiro renovado da esposa que recebe (outra vez!) o marido bêbado. É o gemido do enfermo que ouve do médico a frase condenatória: “Vamos ter de iniciar outra série de quimioterapia…” E, no entanto, é no tempo que realizamos nossa história de salvação. É na sucessão, tantas vezes monótona, de dias e de cruzes, que estamos edificando um Reino para Deus. E cada dia que passa é mais um tijolo no muro da Jerusalém Eterna.

Teremos surpresas, sim senhor! A grande novidade será chegar do outro lado, contemplar o Reino edificado e verificar – para espanto e alegria! – que entre as pedras da Cidade de Deus estão plantadas não apenas as boas obras e os sucessos de nossa vida… mas a argamassa, a unir as pedras, será feita de nossos erros e pecados, angústias e insônias, suspiros e lágrimas…

Orai sem cessar: “Esperei, esperei o Senhor: ele se inclinou sobre mim, ouviu o meu grito.” (Sl 40, 2).

(Antônio Carlos Santini).

CELEBRAÇÃO DE HOJE

— 4ª Semana da Páscoa (Cor Branca – Prefácio Pascal).

MONIÇÕES

MONIÇÃO AMBIENTAL OU COMENTÁRIO INICIAL: – 1ª: Deus Conosco; – 2ª: Liturgia Diária.

– 1ª: Jesus não é uma teoria nem uma ciência, mas sim a verdade de Deus. Sua ação e suas atitudes comprovam que Ele veio de Deus. Se nos aproximamos dele unicamente com nossa razão, não seremos capazes de compreender quem Ele é, pois para isto é necessária a fé. E se não há esforço não se estabelecem com Ele relações de comunhão, de diálogo, de encontro sincero.

– 2ª: Para compreender Cristo e aproximar-se de seu mistério, é necessário pertencer ao seu rebanho e ouvir a sua voz. Quem está em sintonia com ele compartilha o seu espírito missionário e se lança também em missão.

MONIÇÃO PARA A(S) LEITURA(S) E O SALMO: – 1ª: Deus Conosco; – 2ª: Liturgia Diária.

– 1ª: É profunda a experiência de fé das primeiras Comunidades cristãs, pois, mesmo perseguidas, não deixam de viver e de anunciar a pessoa de Jesus. E quem não se fecha à verdade encontra-se com Cristo e com a liberdade plena. Escutemos o Senhor.

– 2ª: A Igreja tem um objetivo específico: tornar Cristo conhecido em todos os lugares. Ele é o pastor que forma plena unidade de amor e vida com o Pai.

MONIÇÃO PARA O EVANGELHO.

— Aleluia, aleluia, aleluia.

— Aleluia, aleluia, aleluia.

— Minhas ovelhas escutam minha voz;/ eu as conheço, e elas me seguem. (Jo 10,27).

ANTÍFONAS

Antífona da entrada.

Alegremo-nos, exultemos de demos glória a Deus, porque o Senhor todo-poderoso tomou posse do seu reino, aleluia! (Ap 19,7.6).

Antífona da comunhão.

Era preciso que Cristo padecesse e ressurgisse dos mortos para entrar na sua glória, aleluia! (Lc 24,46.26).

ORAÇÕES DO DIA

Oração do dia ou Oração da coleta.

Concedei, ó Deus todo-poderoso, que, celebrando o mistério da ressurreição do Senhor, possamos acolher com alegria a nossa redenção. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Preces da Assembleia ou Oração da Assembleia: – 1ª: Deus Conosco; – 2ª: Liturgia Diária.

– 2ª: — Senhor, escutai a nossa prece.

1. Pelos pastores da Igreja, para que se assemelhem sempre mais ao Bom Pastor, rezemos.

2. Pelos que se dedicam ao anúncio do evangelho, rezemos.

3. Pelas comunidades e suas pastorais, para que sejam fieis na missão, rezemos.

4. Pelos trabalhadores, para que sejam valorizados em sua jornada diária, rezemos.

5. Pelas famílias, para que vivam como testemunhas autênticas do evangelho, rezemos.

Oração sobre as oferendas.

Concedei, ó Deus, que sempre nos alegremos por estes mistérios pascais, para que nos renovem constantemente e sejam fonte de eterna alegria. Por Cristo, nosso Senhor.

Oração depois da comunhão.

Ouvi, ó Deus, as nossas preces, para que o intercâmbio de dons entre o céu e a terra, trazendo-nos a redenção, seja um auxílio para a vida presente e nos conquiste a alegria eterna. Por Cristo, nosso Senhor.

Fontes de Consultas e Pesquisas.

Vamos expor a seguir, os nomes dos sites e blogs a que pertencem os textos que nos preenchem todos os dias com palavras inspiradas pelo Espírito Santo, nos dando um caminho com mais sabedoria, simplicidade e amor.

FONTE PRINCIPAL DE PESQUISA E INSPIRAÇÃO — “BÍBLIA SAGRADA”.

O importante não é a pessoa que escreve, mas quem inspira essa pessoa a escrever.

O importante não é como se lê o que está escrito, mas como se age.

O importante não é sentar-se à direita ou a esquerda do Pai, mas sim, realizar o trabalho que ele nos pede.

Ter conhecimento não é ter sabedoria, sabedoria é saber compartilhar o conhecimento.

— Periódico Mensal: Liturgia Diária (Editoras Paulinas e Paulus);

— Periódico Mensal: Deus Conosco (Editora Santuário);

— Portal Editora Santuário;

— Portal Editora Paulinas;

— Portal Editora Paulus;

— Portal e Blog Canção Nova;

— Portal Dom Total;

— Portal Católica Net;

— Portal Católico Orante;

— Portal Edições Loyola Jesuítas;

— Portal de Catequese Católica;

— Portal Evangelho Quotidiano;

— Blog Homilia Dominical;

— Blog Liturgia Diária Comentada;

— Portal CNBB (A Palavra de Deus na Vida);

— Portal Catequisar: Catequese Católica;

— Portal Universo Católico;

— Portal Paróquia São Jorge Mártir;

— Portal Catedral FM 106,7;

— Portal Comunidade Católica Nova Aliança;

— Portal Comunidade Resgate;

— Portal Fraternidade O Caminho;

— Portal Católico na Net;

— Portal Evangeli.net;

— Portal Padre Marcelo Rossi;

— Portal Grupo de Oração Sopro de Vida;

— Portal NPD Brasil.

MINHA MENSAGEM PESSOAL PARA MIM MESMO E
PARA QUEM QUISER OUVIR.

Mais vale o desconforto da VERDADE, do que a comodidade da MENTIRA.

Se não quer ouvir a VERDADE, não me pergunte sobre a MENTIRA.

Eu acredito e vivo assim, pois Jesus me ensinou, usando os meus pais.

Agora, se o ERRO está em mim, que DEUS possa me dar a HUMILDADE de aceitar
que estou errado.

Que Jesus me dê a SERENIDADE, para aceitar que tem coisas que não posso
mudar.

E que o Espírito Santo me dê a CORAGEM, suficiente para mudar aquelas coisas
que dependem de mim, mesmo que sejam difíceis.

Viver e falar a VERDADE hoje são tão difíceis quanto na época de Jesus,
pois é muito mais fácil aceitar a MENTIRA.

POR ISSO, MATAMOS JESUS TODOS OS DIAS, CRUCIFICANDO-O NOVAMENTE,

PORQUE NÃO SABEMOS DIZER A VERDADE.

Seguir a Cristo é:

– TER CONHECIMENTO: para ser usado hoje;

– CORRIGIR OS ERROS: para ser usado hoje;

– AMAR AO PRÓXIMO: para ser usado hoje;

– PEDIR PERDÃO: para ser usado hoje;

– SABER PERDOAR: para ser usado hoje;

– VIVER A VERDADE: para ser usado hoje;

– TER SABEDORIA: para ser usado hoje;

– ORAR: para ser usado hoje;

– ACEITAR A OPINIÃO DOS OUTROS: para ser usado hoje;

– SABER OUVIR: para ser usado hoje…

Viver no CAMINHO, VERDADE E VIDA, que é o próprio Cristo Jesus, tem que
ser uma caminhada diária.

Não interessa o que você imagina para o futuro;

não importa o que você fez no passado;

o que realmente interessa, é o que você faz no presente, para viver em
Cristo.

Isso quer dizer: HOJE, DIA APÓS DIA

–>

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s