Liturgia Diária 27/ABR/13

LEITURA DIÁRIA DA PALAVRA — 27/ABR/2013 (sábado)

LEITURAS

Leitura dos Atos dos Apóstolos (At 13,44-52)

44 No sábado seguinte, quase toda a cidade se reuniu para ouvir a palavra de Deus. 45 Ao verem aquela multidão, os judeus ficaram cheios de inveja e, com blasfêmias, opunham-se ao que Paulo dizia. 46 Então, com muita coragem, Paulo e Barnabé declararam: “Era preciso anunciar a palavra de Deus primeiro a vós. Mas, como a rejeitais e vos considerais indignos da vida eterna, sabei que nos vamos dirigir aos pagãos. 47 Porque esta é a ordem que o Senhor nos deu: ‘Eu te coloquei como luz para as nações, para que leves a salvação até os confins da terra’”. 48 Os pagãos ficaram muito contentes, quando ouviram isso, e glorificaram a Palavra do Senhor. Todos os que eram destinados à vida eterna, abraçaram a fé. 49 Desse modo, a palavra do Senhor espalhava-se por toda a região. 50 Mas os judeus instigaram as mulheres ricas e religiosas, assim como os homens influentes da cidade, provocaram uma perseguição contra Paulo e Barnabé e expulsaram-nos do seu território. 51 Então os apóstolos sacudiram contra eles a poeira dos pés, e foram para a cidade de Icônio. 52 Os discípulos, porém, ficaram cheios de alegria e do Espírito Santo.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.

Proclamação do Salmo (Sl 97, 1. 2-3ab. 3cd-4 (R.3cd)).

— Os confins do mundo contemplaram a salvação do nosso Deus.

— Os confins do mundo contemplaram a salvação do nosso Deus.

— 1 Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / porque ele fez prodígios! Sua mão e o seu braço forte e santo alcançaram-lhe a vitória.

— 2 O Senhor fez conhecer a salvação, / e às nações, sua justiça; / 3a recordou o seu amor sempre fiel / 3b pela casa de Israel.

— 3c Os confins do universo contemplaram / 3d a salvação do nosso Deus. 4 Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, alegrai-vos e exultai!

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo João (Jo 14,7-14).

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 7 “Se vós me conhecêsseis, conheceríeis também o meu Pai. E desde agora o conhe­ceis e o vistes”. 8 Disse Filipe: “Senhor, mostra-nos o Pai, isso nos basta!” 9 Jesus respondeu: “Há tanto tempo estou convosco, e não me conheces Filipe? Quem me viu, viu o Pai. Como é que tu dizes: ‘Mostra-nos o Pai”? 10 Não acreditas que eu estou no Pai e o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo, não as digo por mim mesmo, mas é o Pai que, permanecendo em mim, realiza as suas obras. 11 Acreditai-me: eu estou no Pai e o Pai está em mim. Acreditai, ao menos, por causa destas mesmas obras. 12 Em verdade, em verdade vos digoquem acredita em mim fará as obras que eu faço, e fará ainda maiores do que estas. Pois eu vou para o Pai, 13 e o que pedirdes em meu nome, eu o realizarei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho. 14 Se pedirdes algo em meu nome, eu o realizarei.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

LEITURA ORANTE:

… Oração Inicial… (querer).

Preparo-me para a Leitura da Palavra, rezando com todos os internautas:

Espírito de amor, dai-nos o dom do vosso santo temor, que, conscientes de nossas fragilidades, reconheçamos a força de vossa graça.

Vinde, Espírito Santo, E dai-nos um novo coração. Amém!

… Eu sou o CAMINHO… (ler…).

O que diz o texto do dia?

Leio atentamente, na Bíblia, o texto: Jo 14,7-14.

Quantas vezes neste texto Jesus fala do Pai! Muitas. Ele está no Pai e o Pai está nele. Ele fala em nome do Pai. O Pai é que nele realiza as obras…

a VERDADE… (refletir e meditar…).

O que o texto diz para mim, hoje?

É Deus, o Pai que age em mim? Deixo que ele me conduza?

Os bispos, em Aparecida, disseram: “Jesus nos transmitiu as palavras de seu Pai e é o Espírito que recorda à Igreja as palavras de Cristo (cf. Jo 14,26). Desde o princípio, os discípulos haviam sido formados por Jesus no Espírito Santo (cf. At 1,2) que é, na Igreja, o Mestre interior que conduz ao conhecimento da verdade total formando discípulos e missionários. Esta é a razão pela qual os seguidores de Jesus devem se deixar guiar constantemente pelo Espírito (cf. Gl 5,25), e tornar a paixão pelo Pai e pelo Reino sua própria paixão: anunciar a Boa Nova aos pobres, curar os enfermos, consolar os tristes, libertar os cativos e anunciar a todos o ano da graça do Senhor (cf. Lc 4,18-19).” (DAp 152).

e a VIDA… (orar…).

O que o texto me leva a dizer a Deus?

Rezo, espontaneamente, com salmos ou outras orações e concluo: Espírito vivificador, a ti consagro o meu coração: aumenta em mim o amor a Jesus, Vida da minha vida.

Faze-me sentir filho amado do Pai. Amém.

Qual deve ser a MISSÃO em minha VIDA hoje? (contemplar e agir…).

Qual meu novo olhar a partir da Palavra?

Meu novo olhar é de filho/a que, como dizia Alberione, retrata na própria vida o modelo de Jesus Mestre: “vive em Deus e comunica Deus”.

REFLEXÕES:

(4) – EM JESUS DESCORTINA-SE O ROSTO DE DEUS.

A intervenção de Tomé, o gêmeo, permitiu a Jesus declarar: “Eu sou o caminho, a verdade e vida” (v 6). Jesus é o caminho pelo qual se chega à vida verdadeira; é nele que se revela a verdade de Deus. Chegar a Deus, conhecer a Deus somente por ele.

Outra “provocação” de Jesus suscita uma nova intervenção dos discípulos; agora, Filipe: “Senhor, mostra-nos o pai, isso nos basta” (v. 8). Somente conhecendo Jesus, entrando em comunhão com ele, é possível conhecer o Pai. Ante o desejo manifestado por Filipe de ver o Pai, Jesus expressa o seu desapontamento: “Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não me conheces?” (v. 9).

Moisés também fez esse pedido audacioso: “Rogo-te que me mostres a tua glória” (Ex 33,18). Falta fé: “Não acreditas…?” (v. 10). A fé permite reconhecer que, diante de Jesus, estamos na presença de Deus. Em Jesus descortina-se o rosto do Deus invisível. As palavras de Jesus são palavras do Pai; são palavras que revelam o Pai, que mostram o Pai. Suas obras, o que ele faz, dão testemunho de que ele está no Pai e o Pai, nele.

(Carlos Alberto Contieri, sj).

(7) – JESUS E O PAI.

Não se pode de compreender a existência de Jesus, prescindindo de sua íntima comunhão com o Pai. Suas palavras e seus gestos foram sempre referidos ao Pai. A consciência de ser o Filho enviado estava sempre presente em tudo quanto fazia. E mais: tinha consciência de estar chegando a hora de voltar para junto do Pai.

Sendo assim, o Filho divino pode ser considerado como a transparência do Pai. Quem o conhece, conhece o Pai. Quem o vê, vê também o Pai. Ouvi-lo, significa ouvir o Pai. Contemplar seus milagres, corresponde a contemplar o Pai manifestando seu amor pela humanidade. É, pois, inútil pretender ter acesso a Deus, prescindindo de Jesus.

Evidentemente, o Pai não é Jesus. E Jesus não é o Pai. As palavras de Jesus não dão margem para equívocos. Seria falsa qualquer identificação, e não corresponderia ao pensamento de Jesus. A comunhão entre ambos não redunda da fusão de um no outro.

Apesar disto, Jesus não titubeou em fazer esta afirmação ousada: “Quem me vê, vê o Pai”. Da contemplação da vida de Jesus, é possível chegar a compreender quais são as pautas da ação de Deus, ou seja, a maneira como ele se relaciona com os seres humanos, e o que espera deles.

Portanto, não é preciso ir longe para encontrar Deus. Jesus é o caminho pelo qual chegamos até o Pai.

Oração: Espírito de discernimento ilumina minha mente e meu coração para que eu possa reconhecer o Pai na contemplação do Filho Jesus.

(Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE).

(12) – QUEM ME VÊ, VÊ O PAI.

“Felizes os puros de coração, porque verão a Deus” (Mt 5,8). Claro que, tendo em consideração a Sua grandeza e a Sua glória inexprimível, “nenhum homem pode ver Deus e viver” (Ex 33,20), porque o Pai é inatingível. Mas, tendo em consideração o Seu amor, a Sua bondade para com os homens e a Sua omnipotência, Ele vai ao ponto de dar aos que O amam o privilégio de ver a Deus […], pois “o que é impossível aos homens é possível a Deus” (Lc 18,27). Por si próprio, com efeito, o homem não verá Deus; mas Deus, se assim o quiser, será visto pelos homens, por aqueles que Ele quiser, quando quiser e como quiser, pois Deus tudo pode. Foi visto outrora graças ao Espírito, segundo a profecia, depois foi visto graças ao Filho, segundo a adopção, e será visto no Reino dos Céus, segundo a paternidade. Pois o Espírito prepara o homem para o Filho de Deus, o Filho condu-lo ao Pai, e o Pai dá-lhe uma natureza imperecível e a vida eterna que resultam dessa visão de Deus para todo aquele que O vê.

Pois os que vêem a luz estão na luz e participam no seu esplendor; assim, aqueles que vêem a Deus estão em Deus e participam do Seu esplendor. E o esplendor de Deus dá vida: portanto, aqueles que vêem a Deus participam na Sua vida.

(Santo Ireneu de Lyon (c. 130-c. 208), bispo, teólogo, mártir – Contra as heresias 4,20,4-5; SC 100).

(14) – QUANDO CONFIAMOS EM JESUS NÓS SABEMOS QUE TUDO O QUANTO PEDIRMOS AO PAI EM SEU NOME, REALIZAR-SE-Á.

Jesus Cristo veio até nós em missão do Pai, falando as coisas do Pai, realizando as obras que o Pai quer realizar em nós. Há uma unidade perfeita entre Deus Pai e Deus Filho gerando o Espírito Santo que é o Amor entre o Pai e o Filho. Três pessoas e um só Deus. Para nós é mistério, mas se nos aprofundarmos na intimidade com Jesus, nós perceberemos o que o Evangelho nos mostra: através do Filho nós conhecemos o Pai e nos enchemos do Seu Amor com a força do Espírito Santo. Conhecer a Jesus Cristo é conhecer também o Pai.

Ter intimidade com Jesus é conhecer a Sua Palavra, é dialogar com Ele na oração pessoal, é recebê-Lo na Eucaristia com o coração contrito e assim, também, encher-se do Amor Misericordioso de Deus para realizar as obras que Ele destinou a cada um de nós. O próprio Jesus nos assegura: “quem acredita em mim fará as obras que eu faço e fará ainda maiores do que essas.” A nossa fé em Jesus, portanto, é o que nos move para agirmos conforme os planos do Pai. Cada um de nós é uma parte do projeto de Deus para a humanidade. Acreditar em Jesus, na Sua Palavra, é o primeiro passo para vermos o Pai. Quando confiamos em Jesus nós sabemos que tudo o quanto pedirmos ao Pai em Seu Nome, realizar-se-á, pois, Jesus é o Pai, Jesus é o Amor do Pai, Jesus é a Misericórdia do Pai mostrada a nós pela sua vida terrena, pela sua entrega na Cruz para a nossa salvação. Reflita:

– Você acredita que Jesus e o Pai são UM?

– Qual a diferença que há no seu relacionamento com Jesus e o seu relacionamento com o Pai?

– Você acredita que pode fazer as obras que Jesus fez aqui na terra?

– O que você tem pedido em Nome de Jesus?

Amém!

Abraço carinhoso.

(Maria Regina).

(14) – QUEM ME VIU, VIU O PAI.

Este Evangelho narra um pedido do Apóstolo Filipe a Jesus: “Senhor, mostra-nos o Pai, isso nos basta! Jesus respondeu: Há tanto tempo estou convosco, e não me conheces Filipe? Quem me viu, viu o Pai”. “Jesus é a imagem de Deus invisível” (Cl 1,15). Ele é imagem de Deus Pai porque tem as mesmas características e qualidades de Deus Pai: amor, misericórdia, poder, sabedoria, ciência infinita etc. Jesus é o rosto humano de Deus Pai. Aliás, nós sabemos que Jesus é a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, que se encarnou.

“Quem me viu, viu o Pai.” Mas este “ver” não é físico. Os fariseus viam fisicamente a Jesus e no entanto não conheciam a Deus Pai. Contemplavam os milagres que Jesus realizava, a sua conduta transbordante de bem, a sua doutrina espalhando a verdade e no entanto não viam nele a imagem de Deus invisível. Isso porque não é possível “ver” Jesus na sua identidade divina, a não ser com os olhos do coração. Várias vezes Jesus pediu para contemplarmos as suas obras a fim de vermos nelas a sua união com o Pai e assim nos salvarmos: “Acreditai-me: eu estou no Pai e o Pai está em mim. Acreditai, ao menos, por causa destas mesmas obras”.

“Muitas vezes e de muitos modos, Deus falou outrora aos nossos pais, pelos profetas. Nestes dias…, falou-nos por meio do Filho… Ele é o resplendor da glória do Pai, a expressão do seu ser” (Hb 1,1-3).

O evangelista S. João, no início do seu Evangelho, chama Jesus de Palavra de Deus Pai, justamente porque a palavra, que é sensível, expressa a idéia que não é sensível. Jesus é a expressão de Deus Pai para nós.

“Eu estou no Pai e o Pai está em mim… Quem acredita em mim fará as obras que eu faço, e fará ainda maiores do que estas.” Jesus nos faz entender que ele pertence à Família divina, e que esta Família não está longe de nós, e sim conosco, através de Cristo. Nós entramos, de modo misterioso, na vida das Pessoas Divinas.

“O primeiro homem, formado da terra, era terrestre; o segundo homem veio do céu. Qual foi o homem terrestre, tais são os terrestres; e qual é o homem celeste, tais serão os celestes. E como já trouxemos a imagem do terrestre, traremos também a imagem do celeste” (1Cor 15,47-49). Assim como Cristo é a imagem de Deus Pai, nós somos chamados a ser imagens de Cristo. S. Paulo conseguiu realizar plenamente nele essa vocação que é de todos nós: ser uma imagem de Cristo no mundo. “Não sou mais eu que vivo, é Cristo que vive em mim” (Gl 2,20).

Certa vez, um monge e um noviço caminhavam em uma estrada no meio do mato. Quando atravessavam um rio, por uma pinguela, viram um escorpião sendo arrastado pelas águas. O monge correu pela margem do rio, jogou-se na água e estendeu o dedo para o bichinho. Quando o trazia para fora, o escorpião o picou. Devido à dor, o monge sacudiu o dedo e o animalzinho caiu novamente no rio. Ele foi depressa à margem, quebrou um ramo, correu mais embaixo e o salvou.

Continuando a caminhada, o noviço lhe disse: “Por que o senhor quis salvar o bicho novamente, se ele o picou?” O monge respondeu: “Cada um dá o que tem. Ele agiu conforme a sua natureza, e eu agi conforme a minha!

De fato, na primeira vez, o monge não devia ter estendido o seu dedo para o escorpião, e sim ter providenciado uma pequena vara.

nossa natureza não é só humana, mas temos uma “janela aberta ao infinito”, participamos da natureza divina. Só nos realizamos plenamente no amor, na doação, na união com Deus e pertença à Igreja que Jesus fundou.

Peçamos a Maria Santíssima que nos ajude a reproduzir em nós a imagem de Cristo, porque assim seremos realmente participantes da natureza divina.

Quem me viu, viu o Pai.

(Padre Queiroz).

(14) – QUEM ME VIU, VIU O PAI.

O Evangelho de hoje fala de Deus Pai e da criação do mundo, de Jesus o verbo encarnado e presente no meio de nós, e ainda fala também de João Batista aquele que veio prepara a vinda de Jesus Cristo.

Atenção. Feche os olhos.

O que você viu?

Exatamente isso. Nada. Assim era tudo antes de Deus proceder a Criação. Não existia absolutamente nada, somente o Espírito e Deus invisível existia. Então Deus fez a luz, a água, o fogo o ar e tudo que existe. Fez o homem a mulher e os animais.

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus.

O texto da liturgia de hoje se refere à criação do Universo por Deus todo poderoso, e do projeto de Deus que se torna carne e vem até nós. Sabemos e acreditamos que Deus criou tudo que existe, por uma conclusão lógica. Porque nada teria capacidade de se auto-criar. Assim, a existência e um Deus é algo necessário. Pois tudo depende dele. Tudo foi feito por ele, e sem ele nada foi feito.

O texto também faz referência a João e depois a Jesus. Houve um homem, enviado por Deus, que se chamava João. Acrescenta que João Batista veio como testemunha, e para dar testemunho da luz, que é Jesus, e seu trabalho de preparação da vinda de Cristo foi a fim de que todos cressem por meio dele.

E é importante entender que João não era ele a luz, não o Cristo como muita gente pensou. Mas ele, João, veio para dar testemunho da luz de Jesus. Jesus sendo a verdadeira luz, veio ao mundo, para iluminar todos nós.

Na verdade, Ele já estava no mundo, este mundo que foi feito por Ele, só que o mundo não o percebeu. Assim Ele enviou o seu Filho ao mundo, e mesmo assim, muita gente não o reconheceu também, apesar das suas demonstrações de poder.

Felizes daqueles que o reconheceram e o receberam, porque estes, que creram nele, se tornaram filhos de Deus.

Deus invisível, o próprio verbo, se fez carne através de Jesus, e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebeu do seu Pai, que é cheio de graça e de verdade.

João é aquele que dá testemunho de Jesus, e afirma que O que vem depois de mim é maior do que eu, porque existia antes de mim.

Tudo isso trata-se do mistério da Encarnação, que estabeleceu-se uma comunhão entre Deus e o homem através da pessoa de Jesus que a interface que ligou a Terra ao Céu. Jesus é o retrato visível de Deus invisível. Foi a forma encontrada pelo Pai de estar no meio de nós assumindo a nossa natureza, para nos resgatar do pecado.

E através de palavras, da ação e acima de tudo pelo exemplo, Jesus prova que Ele não é somente humano, mais também Deus. Quem me viu, viu o Pai. Jesus nos transmitiu através de gestos poderosos, que a força infinita de Deus Pai estava presente em sua pessoa. A mim foi dado todo poder no céu e na terra.

(José Salviano).

(14) – HÁ TANTO TEMPO ESTOU CONVOSCO E AINDA NÃO ME CONHECEIS.

O problema de Filipe era o mesmo das comunidades cristãs do primeiro século da Igreja. Ainda presos ao passado e a tradição de Israel o Povo da Antiga Aliança, esperavam uma manifestação gloriosa e esplendorosa de Deus Pai, através de Jesus Cristo. No Antigo Testamento as manifestações Teofânicas, com ventos, fogo, fumaça e intempéries da natureza, eram comuns na manifestação Divina.

Para Filipe e essas comunidades ainda não tinha “caído ficha”, Jesus e o Pai são um, Deus Pai e Deus Filho, com o Espírito Santo uma única pessoa e um só Deus.

A queixa de Jesus é antes de mais nada uma bela chamada de atenção “Há tanto tempo estou convosco e ainda não me conheceis, Filipe?” A Fé em Jesus Cristo não é estática mas dinâmica, vamos a cada dia o experimentando e assim o nosso conhecimento vai se aprofundando. Olhamos o Homem Jesus de Nazaré, igual a nós em tudo á exceção do pecado, contemplando e caminhando com ele vamos para o Pai, que Nele já chegou até nós.

A Fé em Deus é confirmada e comprovada nas obras reveladoras do Pai, assim é com Jesus e assim deve ser com cada um de nós. Talvez o leitor fique perplexo diante da afirmativa de Jesus, de que , quem Nele crê fará obras ainda maiores do que aquelas que Ele realizou. Podemos na linha do tempo estar longe do Jesus histórico, mas Jesus age em cada Batizado, formamos o corpo místico da Igreja onde Ele é a cabeça, portanto nossas obras não são isoladas mas na ação da Igreja onde o Senhor é quem age e por isso as obras são ainda maiores do que aquelas que ele realizou há dois mil anos atrás pois se hoje há muitas barreiras e desafios a serem vencidos para um trabalho missionário, há também facilidades, principalmente nos Meios de Comunicação, quando utilizados de maneira responsável e criteriosa á serviço da evangelização.

(Diácono José da Cruz).

(14) – QUEM ME VIU, VIU O PAI.

O Evangelho de hoje fala de Deus Pai e da criação do mundo, de Jesus o verbo encarnado e presente no meio de nós, e ainda fala também de João Batista aquele que veio prepara a vinda de Jesus Cristo.

Atenção. Feche os olhos. O que você viu? Exatamente isso. Nada. Assim era tudo antes de Deus proceder a Criação. Não existia absolutamente nada, somente o Espírito e Deus invisível existia. Então Deus fez a luz, a água, o fogo o ar e tudo que existe. Fez o homem a mulher e os animais.

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus.

O texto da liturgia de hoje se refere à criação do Universo por Deus todo poderoso, e do projeto de Deus que se torna carne e vem até nós. Sabemos e acreditamos que Deus criou tudo que existe, por uma conclusão lógica. Porque nada teria capacidade de se auto-criar. Assim, a existência e um Deus é algo necessário. Pois tudo depende dele. Tudo foi feito por ele, e sem ele nada foi feito.

O texto também faz referência a João e depois a Jesus. Houve um homem, enviado por Deus, que se chamava João. Acrescenta que João Batista veio como testemunha, e para dar testemunho da luz, que é Jesus, e seu trabalho de preparação da vinda de Cristo foi a fim de que todos cressem por meio dele.

E é importante entender que João não era ele a luz, não o Cristo como muita gente pensou. Mas ele, João, veio para dar testemunho da luz de Jesus. Jesus sendo a verdadeira luz, veio ao mundo, para iluminar todos nós.

Na verdade, Ele já estava no mundo, este mundo que foi feito por Ele, só que o mundo não o percebeu. Assim Ele enviou o seu Filho ao mundo, e mesmo assim, muita gente não o reconheceu também, apesar das suas demonstrações de poder.

Felizes daqueles que o reconheceram e o receberam, porque estes, que creram nele, se tornaram filhos de Deus.

Deus invisível, o próprio verbo, se fez carne através de Jesus, e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebeu do seu Pai, que é cheio de graça e de verdade.

João é aquele que dá testemunho de Jesus, e afirma que O que vem depois de mim é maior do que eu, porque existia antes de mim.

Tudo isso trata-se do mistério da Encarnação, que estabeleceu-se uma comunhão entre Deus e o homem através da pessoa de Jesus que a interface que ligou a Terra ao Céu. Jesus é o retrato visível de Deus invisível. Foi a forma encontrada pelo Pai de estar no meio de nós assumindo a nossa natureza, para nos resgatar do pecado.

E através de palavras, da ação e acima de tudo pelo exemplo, Jesus prova que Ele não é somente humano, mais também Deus. Quem me viu, viu o Pai. Jesus nos transmitiu através de gestos poderosos, que a força infinita de Deus Pai estava presente em sua pessoa. A mim foi dado todo poder no céu e na terra.

(José Salviano).

(15) – REFLEXÃO.

Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém pode chegar ao Pai sem Jesus, pois ele é verdadeiramente o único caminho que nos leva ao Pai. Ninguém pode de fato conhecer o Pai se não for através de Jesus, pois ele é a Verdade que nos revela o Pai, ele é o próprio Ícone do Pai, ele vive em perfeita comunhão com o Pai, quem conhece Jesus, conhece o Pai e quem conhece o Pai, conhece Jesus. Nós também participamos dessa comunhão na medida em que nos tornamos ícones de Cristo e, participar dessa comunhão é que nos garante a vida em plenitude, a vida eterna, que é a participação na vida divina.

(CNBB).

CELEBRAÇÃO DE HOJE

4ª SEMANA DA PÁSCOA (BRANCO, OFÍCIO DO DIA).

MONIÇÕES

MONIÇÃO AMBIENTAL OU COMENTÁRIO INICIAL: – 1ª: Deus Conosco; – 2ª: Liturgia Diária.

– 1ª: Jesus convida-nos a caminhar com Ele e a realizar as obras que realizou. Por isso, diz a Filipe: “Quem acredita em mim fará as obras que eu faço, e fará ainda maiores dos que estas”. Somos em nossos dias conquistados por muitas ideias, mas ninguém pode negligenciar a verdade que jamais morrerá: a de Cristo. A verdade de seu mistério de amor. Hoje celebramos o Dia da Empregada Doméstica e exaltamos sua dignidade no respeito a elas e na prática da justiça.

– 2ª: Jesus dá a humanidade condições de realizar seus mais profundos projetos e sonhos mediante a fé em sua pessoa. Imagem perfeita de Deus, ele nos abre, dia a dia, espaços inusitados de esperança e vida fraterna.

MONIÇÃO PARA A(S) LEITURA(S) E O SALMO: – 1ª: Deus Conosco; – 2ª: Liturgia Diária.

– 1ª: Deus mantém-se fiel, mas Israel falhou em sua missão e em sua vocação. E por isso o Evangelho é anunciado entre os pagãos, que o acolhem com fervor. Reconhecem a Jesus que é a plena verdade revelada do Pai. Escutemos.

– 2ª: Não há motivos para desanimar diante daqueles que recusam a palavra de Deus, pois há outros que a acolhem com alegria. Por meio dessa palavra, conheceremos Jesus e o seu Pai.

MONIÇÃO PARA O EVANGELHO.

— Aleluia, aleluia, aleluia.

— Aleluia, aleluia, aleluia.

— Se guardais minha palavra, diz Jesus, realmente vós sereis os meus discípulos. (Jo 8,31b-32).

ANTÍFONAS

Antífona da entrada.

Povo resgatado por Deus, proclamai suas maravilhas: ele vos chamou das trevas à sua luz admirável, aleluia! (1Pd 2,9).

Antífona da comunhão

Pai, aqueles que me deste, quero que estejam comigo onde eu estiver, para que contemplem a glória que me deste, aleluia! (Jo 17,24).

ORAÇÕES DO DIA

Oração do dia ou Oração da coleta

Deus eterno e todo-poderoso, fazei-nos viver sempre mais o mistério pascal para que, renovados pelo santo batismo, possamos, por vossa graça, produzir muitos frutos e chegar às alegrias da vida eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Preces da Assembleia ou Oração da Assembleia: – 1ª: Deus Conosco; – 2ª: Liturgia Diária.

– 2ª: Atendei, Senhor, nossa prece.

1. Protegei, Senhor, os missionários, que enfrentam todo tipo de dificuldades.

2. Ajudai-nos a levar a vossa palavra aos que ainda não a conhecem.

3. Ensina-nos a ser luz para os que vivem nas trevas do erro.

4. Fazei que as pesquisas científicas favoreçam a vida e a dignidade humana.

5. Abençoai as mulheres que se dedicam ao serviço doméstico.

Oração sobre as oferendas

Dignai-vos, ó Deus, santificar estes dons e, aceitando este sacrifício espiritual, fazei de nós mesmos uma oferenda eterna para vós. Por Cristo, nosso Senhor.

Oração depois da comunhão

Tendo participado do sacramento do Corpo e do Sangue do vosso Filho, nós vos suplicamos, ó Deus, que nos faça crescer em caridade a eucaristia que ele nos mandou realizar em sua memória. Por Cristo, nosso Senhor.

Fontes de Consultas e Pesquisas

Vamos expor a seguir de onde pertencem os textos que nos preenchem todos os dias, nos dando um caminho com mais sabedoria, simplicidade e amor.

FONTE PRINCIPAL DE PESQUISA E INSPIRAÇÃO

BÍBLIA SAGRADA

REFLITA:

O importante não é a pessoa que escreve, mas quem foi que inspirou essa pessoa a escrever.

O importante não é como se lê o que está escrito, mas como se age.

O importante não é sentar-se à direita ou a esquerda do Pai, mas sim, realizar o trabalho que Ele nos pede.

Ter conhecimento não é ter sabedoria, sabedoria é saber compartilhar o conhecimento.

(1) – Periódico Mensal: Liturgia Diária (Editoras Paulinas e Paulus);

(2) – Periódico Mensal: Deus Conosco (Editora Santuário);

(3) – Portal Editora Santuário;

(4) – Portal Editora Paulinas;

(5) – Portal Editora Paulus;

(6) – Portal e Blog Canção Nova;

(7) – Portal Dom Total;

(8) – Portal Católica Net;

(9) – Portal Católico Orante;

(10) – Portal Edições Loyola Jesuítas;

(11) – Portal de Catequese Católica;

(12) – Portal Evangelho Quotidiano;

(13) – Blog Homilia Dominical;

(14) – Blog Liturgia Diária Comentada;

(15) – Portal CNBB (A Palavra de Deus na Vida);

(16) – Portal Catequisar: Catequese Católica;

(17) – Portal Universo Católico;

(18) – Portal Paróquia São Jorge Mártir;

(19) – Portal Catedral FM 106,7;

(20) – Portal Comunidade Católica Nova Aliança;

(21) – Portal Comunidade Resgate;

(22) – Portal Fraternidade O Caminho;

(23) – Portal Católico na Net;

(24) – Portal Evangeli.net;

(25) – Portal Padre Marcelo Rossi;

(26) – Portal Grupo de Oração Sopro de Vida;

(27) – Portal NPD Brasil.

MINHA MENSAGEM PESSOAL PARA MIM MESMO E
PARA QUEM QUISER OUVIR.

Mais vale o desconforto da VERDADE, do que a comodidade da MENTIRA.

Se não quer ouvir a VERDADE, não me pergunte sobre a MENTIRA.

Eu acredito e vivo assim, pois Jesus me ensinou, usando os meus pais.

Agora, se o ERRO está em mim, que DEUS possa me dar a HUMILDADE de aceitar que estou errado.

Que Jesus me dê a SERENIDADE, para aceitar que tem coisas que não posso mudar.

E que o Espírito Santo me dê a CORAGEM, suficiente para mudar aquelas coisas que dependem de mim, mesmo que sejam difíceis.

Viver e falar a VERDADE hoje são tão difíceis quanto na época de Jesus, pois é muito mais fácil aceitar a MENTIRA.

POR ISSO, MATAMOS JESUS TODOS OS DIAS, CRUCIFICANDO-O NOVAMENTE, PORQUE NÃO SABEMOS DIZER A VERDADE.

Seguir a Cristo é:

– TER CONHECIMENTO: para ser usado hoje;

– CORRIGIR OS ERROS: para ser usado hoje;

– AMAR AO PRÓXIMO: para ser usado hoje;

– PEDIR PERDÃO: para ser usado hoje;

– SABER PERDOAR: para ser usado hoje;

– VIVER A VERDADE: para ser usado hoje;

– TER SABEDORIA: para ser usado hoje;

– ORAR: para ser usado hoje;

– ACEITAR A OPINIÃO DOS OUTROS: para ser usado hoje;

– SABER OUVIR: para ser usado hoje…

Viver no CAMINHO, VERDADE E VIDA, que é o próprio Cristo Jesus, tem que ser uma caminhada diária.

Não interessa o que você imagina para o futuro;

não importa o que você fez no passado;

o que realmente interessa, é o que você faz no presente, para viver em Cristo.

Isso quer dizer: HOJE, DIA APÓS DIA.

–>

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s