Liturgia Diária 14/MAI/13

LEITURA DIÁRIA DA PALAVRA — 14/MAI/2013 (terça-feira)

LEITURAS:

Leitura retirada do Livro dos Atos dos Apóstolos (At 1,15-17.20-26).

Leitura dos Atos dos Apóstolos.

15 Naqueles dias, Pedro levantou-se no meio dos irmãos e disse: 16 “Irmãos, era preciso que se cumprisse o que o Espírito Santo, por meio de Davi, anunciou na Escritura sobre Judas, que se tornou o guia daqueles que prenderam Jesus. 17 Judas era um dos nossos e participava do mesmo ministério. 20 De fato, no livro dos Salmos está escrito: ‘Fique deserta a sua morada, nem haja quem nela habite!’ E ainda: ‘Que outro ocupe o seu lugar!’ 21 Há homens que nos acompanharam durante todo o tempo em que o Senhor Jesus vivia no meio de nós, 22 a começar pelo batismo de João até o dia em que foi elevado ao céu. Agora, é preciso que um deles se junte a nós para ser testemunha da sua ressurreição.” 23 Então eles apresentaram dois homens: José, chamado Barsabás, que tinha o apelido de Justo, e Matias. 24 Em seguida, fizeram esta oração: “Senhor, tu conheces os corações de todos. Mostra-nos qual destes dois escolhestes 25 para ocupar, neste ministério e apostolado, o lugar que Judas abandonou para seguir o seu destino!”. 26 Então tiraram a sorte entre os dois. A sorte caiu em Matias, o qual foi juntado ao número dos onze apóstolos.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.

Salmo retirado do Livro dos Salmos (Sl 112(113),1-2.3-4.5-6.7-8 (R. cf.8)).

— O Senhor fez o indigente assentar-se com os nobres.

8 O Senhor fez o indigente assentar-se com os nobres.

— Louvai, louvai, ó servos do Senhor, / louvai, louvai o nome do Senhor! / Bendito seja o nome do Senhor, / agora e por toda a eternidade!

— Do nascer do sol até o seu ocaso, / louvado seja o nome do Senhor! / O Senhor está acima das nações, / sua glória vai além dos altos céus.

— Quem pode comparar-se ao nosso Deus, ao Senhor, que no alto céu tem o seu trono / e se inclina para olhar o céu e a terra?

— Levanta da poeira o indigente / e do lixo ele retira o pobrezinho, / para fazê-lo assentar-se com os nobres, / assentar-se com os nobres do seu povo.

Leitura retirada do Livro do Evangelho de Jesus Cristo segundo João (Jo 15,9-17).

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 9 Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei. Permanecei no meu amor. 10 Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai e permaneço no seu amor. 11 E eu vos disse isto, para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja plena. 12 Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei. 13 Ninguém tem amor maior do que aquele que dá sua vida pelos amigos. 14 Vós sois meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando. 15 Já não vos chamo servos, pois o servo não sabe o que faz o seu senhor. Eu vos chamo amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai. 16 Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi e vos designei para irdes e para que produzais fruto e o vosso fruto permaneça. O que então pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo concederá. 17 Isto é o que vos ordeno: amai-vos uns aos outros.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

LEITURA ORANTE:

… Oração Inicial… (querer).

Que a alegria de vocês seja completa.

Preparando-me para a Leitura Orante, com todos os que fazem este caminho, pela web, “damos graças a Deus que nos deu o dom da palavra, com a qual podemos nos comunicar entre nós” e com Ele por meio de seu Filho, que é sua Palavra (cf. Jo 1,1).

Damos graças a Ele que, por seu grande amor fala a nós como a amigos (cf. Jo 15,14-15). (DAp 26).

Oremos juntos: Santo Espírito, amor do Pai, toca a minha mente, a minha vontade, o meu coração. Abre-me à coragem da verdade. Dá-me coragem para deixar-me converter e renovar-me profundamente por Jesus, Palavra do Pai. Amém.

… Eu sou o CAMINHO… (ler…).

O que diz o texto do dia?

Leio atentamente, na Bíblia, o texto: Jo 15,9-17.

Assim como o meu Pai me ama, eu amo vocês; portanto, continuem unidos comigo por meio do meu amor por vocês. Se obedecerem aos meus mandamentos, eu continuarei amando vocês, assim como eu obedeço aos mandamentos do meu Pai e ele continua a me amar.

– Eu estou dizendo isso para que a minha alegria esteja em vocês, e a alegria de vocês seja completa. O meu mandamento é este: amem uns aos outros como eu amo vocês. Ninguém tem mais amor pelos seus amigos do que aquele que dá a sua vida por eles. Vocês são meus amigos se fazem o que eu mando. Eu não chamo mais vocês de empregados, pois o empregado não sabe o que o seu patrão faz; mas chamo vocês de amigos, pois tenho dito a vocês tudo o que ouvi do meu Pai. Não foram vocês que me escolheram; pelo contrário, fui eu que os escolhi para que vão e deem fruto e que esse fruto não se perca. Isso a fim de que o Pai lhes dê tudo o que pedirem em meu nome. O que eu mando a vocês é isto: amem uns aos outros.

Neste texto, Jesus diz quatro coisas importantíssimas:

1. Faz uma declaração de amor.

2. Faz um convite.

3. Coloca uma condição.

4. Garante algo que o coração de todos nós deseja.

Que belíssima declaração de amor faz Jesus a cada um de nós! E nos convida: fiquem unidos a mim pelo amor. Oferece uma condição: obedecer aos seus mandamentos. Garante-nos a sua alegria. E mais: uma alegria completa.

… a VERDADE… (refletir e meditar…).

O que o texto diz para mim, hoje?

Como discípulo/a devo levar à frente a missão que me dá Jesus Cristo: o amor.

Em que consiste este amor?

Como vivê-lo num mundo em que é muito forte o egoísmo, o individualismo, e que a outra pessoa, muitas vezes é uma ameaça?

Devo orientar minha energias para ir contra a corrente. Os bispos, na Conferência de Aparecida, lembraram quais são os mandamentos de Jesus: “Para ficar parecido verdadeiramente com o Mestre é necessário assumir a centralidade do Mandamento do amor, que Ele quis chamar seu e novo: “Amem-se uns aos outros, como eu os amei” (Jo 15,12). Este amor, com a medida de Jesus, com total dom de si, além de ser o diferencial de cada cristão, não pode deixar de ser a característica de sua Igreja, comunidade discípula de Cristo, cujo testemunho de caridade fraterna será o primeiro e principal anúncio, “todos reconhecerão que sois meus discípulos” (Jo 13,35).” (DAp 138).

… e a VIDA… (orar…).

O que o texto me leva a dizer a Deus?

Em comunhão com toda a Igreja do Brasil, rezo, Senhor Jesus, Tu és o Caminho!

Em meio a sombras e luzes, alegrias e esperanças, tristezas e angústias, Tu nos levas ao Pai.

Não nos deixes caminhar sozinhos.

Fica conosco, Senhor!

Tu és a Verdade!

Desperta nossas mentes e faze arder nossos corações com a tua Palavra.

Que ela ilumine e aqueça os corações sedentos de justiça e santidade.

Ajuda-nos a sentir a beleza de crer em Ti!

Fica conosco, Senhor!

Tu és a Vida!

Abre nossos olhos para te reconhecermos no “partir o Pão”, sublime Sacramento da Eucaristia!

Alimenta-nos com o Pão da Unidade.

Sustenta-nos em nossa fragilidade.

Consola-nos em nossos sofrimentos, Faze-nos solidários com os pobres, os oprimidos e excluídos.

Fica conosco, Senhor!

Jesus Cristo: Caminho, Verdade e Vida, No vigor do Espírito Santo, Faze-nos teus discípulos missionários!

Com a humilde serva do Senhor, nossa Mãe Aparecida, queremos ser:

Alegres no Caminho para a Terra Prometida!

Corajosas testemunhas da Verdade libertadora!

Promotores da Vida em plenitude!

Fica conosco, Senhor! Amém!

Qual deve ser a MISSÃO em minha VIDA hoje? (contemplar e agir…).

Qual meu novo olhar a partir da Palavra?

Meu novo olhar, minha vida, “para ficar parecido verdadeiramente com o Mestre é necessário assumir a centralidade do Mandamento do amor”.

REFLEXÕES:

(4) – A MEDIDA DO AMOR FRATERNO É O AMOR DE JESUS.

“Permanecei no meu amor” (v. 9); este é o imperativo que deve mover a vida de todo discípulo. “Permanecer” é estar arraigado, fundado; é imitar, atualizar o amor de Jesus pela humanidade, cuja origem é o amor do Pai que antecede todas as coisas e o ser humano.

medida do amor fraterno é o amor de Jesus: “… amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei” (v. 12). O amor é um dinamismo de entrega sem reserva: “Ninguém tem amor maior do que aquele que dá a vida por seus amigos” (v. 13). É com esse amor que somos amados, pois o Senhor, “tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo 13,1).

“… fui eu que vos escolhi e vos designei, para dardes fruto e para que o vosso fruto permaneça” (v. 16). O fruto que se espera e que permanece é o amor fraterno: “O que vos mando é que vos ameis uns aos outros” (v. 17).

São Paulo exprime magistralmente a perenidade do amor: “Agora, permanecem a fé, a esperança e o amor. Mas, a maior de todas, é o amor. Buscai o amor” (1Cor 13,13; 14,1).

(Carlos Alberto Contieri).

(7) – UMA FELIZ COMPARAÇÃO.

A situação de uma mulher em trabalho de parto serviu para ilustrar a situação dos discípulos às voltas com o mistério pascal. Esta imagem, simples de ser entendida, devia levá-los a intuir o sentido das palavras enigmáticas de Jesus. Era mister compreender devidamente as exortações do Mestre, para evitar futuras decepções.

Todo o processo do parto transcorre em meio a dores e sofrimentos. Hoje, a medicina procura aliviar, ao máximo, esses sofrimentos, realizando partos indolores. Isto não significa negar que o parto seja, por si, doloroso. O grau de suporte da mãe torna-se quase infinito, quando ela pensa no desfecho do seu sofrimento: a vinda de um ser humano ao mundo. A expectativa do filho, que está para nascer, leva-a a relativizar sua dor.

Os discípulos passariam por uma experiência parecida com essa. O mistério pascal teria seu componente necessário de sofrimento e de tristeza. Não seria possível prescindir deles, nem abrandá-los. Uma dor cruel esperava-os, ao contemplar o próprio Mestre pendendo de uma cruz. Entretanto, algo de sumamente importante aconteceria no final de tudo isto: o Pai haveria de restituir-lhe a vida. Para os discípulos, a esperança da ressurreição não lhes suavizou a dor de ver o amigo crucificado, mas devolveu-lhes a alegria, e uma alegria tal, que dela ninguém jamais poderá privá-los.

Oração: Espírito de felicidade, que a certeza da ressurreição me ajude a suportar as dores e os sofrimentos, sem desfalecer.

(Pe. Jaldemir Vitório).

(10) – BOA NOVA PARA CADA DIA.

Não fostes vós que me escolhestes, mas fui Eu que vos escolhi (Jo 15,16).

João 15,9-17 contém João 15,9-11, que já foi meditado em 2 de maio.

Entretanto, João 15,9-17 inclui os versículos 12-17, porque são estes que se aplicam à festa de S. Matias celebrada hoje, embora ele não fosse um dos doze apóstolos escolhidos pessoalmente por Jesus antes de sua Ressurreição.

preferência de Jesus por Matias se manifestou quando os apóstolos tiraram a sorte para encontrar um substituto para Judas (ver a história em At 1,15-26).

Como é a Liturgia da Igreja que aplica a São Matias o trecho de João 12-17, a Igreja quer que entendamos que ela mesma considera São Matias um legítimo apóstolo como os doze primeiros desde o início.

João 15,9-17 dá os cinco sinais para distinguir quem é apóstolo:

a) O amor que Jesus tem por eles é o mesmo que o Pai tem por Jesus (Jo 15,9).

b) Por isso, os apóstolos devem permanecer unidos a Jesus neste amor do Mestre.

c) É com este amor que os apóstolos devem amar-se uns aos outros (Jo 15,12.17).

d) Como Jesus guardou os mandamentos do Pai, os apóstolos devem fazer o mesmo (Jo 15,10.14).

e) E a partir disso tudo é que cumprirão suas missões como apóstolos: produzirão muitos frutos, sempre seguros de serem atendidos pelo Pai quando lhes pedirem o que for necessário para esta missão (Jo 15,16).

Meditemos, portanto, os sinais que marcam quem é apóstolo legítimo. E vejamos todos eles cumpridos por São Matias, como o faz a Igreja desde sua origem.

(Pe. Valdir Marques).

(12) – A ETERNA JUVENTUDE DA IGREJA.

Hoje pensamos num efeito que é próprio do Pentecostes: a animação sobrenatural produzida pela efusão do Espírito Santo no corpo visível, social e humano dos discípulos de Cristo. Esse efeito é a eterna juventude da Igreja. […] A humanidade que compõe a Igreja está sujeita ao tempo e enterrada na morte; mas isso não suspende nem interrompe o testemunho da Igreja na História no decorrer dos séculos. Jesus anunciou-o e prometeu-o: “Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos” (Mt 28,20). Isto mesmo tinha dado a entender a Simão ao dar-lhe um novo nome: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a Minha Igreja e as portas do Abismo nada poderão contra ela” (Mt 16,18).

Pode-se de imediato fazer a objecção que fazem tantas pessoas nos dias de hoje: talvez a Igreja seja permanente, pois já dura há vinte séculos; mas é precisamente porque dura já há tanto tempo que é velha. […] A Igreja, dizem, é venerável devido à sua antiguidade […], mas não vive desse fôlego atual que é sempre novo: já não é jovem. Esta objecção é forte […], e seria preciso um longo tratado para lhe responder. Mas, para os espíritos abertos à verdade, bastará talvez dizer que essa perenidade da Igreja é sinónimo de juventude. “É uma coisa admirável aos nossos olhos” (Mt 21,42): a Igreja é jovem.

mais espantoso é que o segredo da sua juventude é a sua persistência inalterável no tempo. O tempo não faz envelhecer a Igreja; fá-la crescer e estimula a sua vida e a sua plenitude. […] Claro que todos os seus membros morrem, como mortais que são; mas a Igreja não só tem um princípio invencível de imortalidade, para além da História, como também possui um incalculável poder de renovação.

(Paulo VI (1897-1978), papa de 1963 a 1978 – Audiência geral de 12/6/1974).

(20) – NINGUÉM TEM AMOR MAIOR!

Pobre palavra, o “amor”! Como tem sido traída, adulterada, corrompida! Chama-se de amor a posse, a dominação do outro, o abuso da mulher, a sedução por interesse. Ora, amor é exatamente o contrário: é sair de si, abrir mão de seus interesses e comodidades, visar ao bem do outro e, se necessário, dar a própria vida por ele.

Este é exatamente o exemplo dado por Jesus para retratar o “amor maior”: Dar a vida pelo amigo! E, como sempre, Jesus não se limita a repetir lições verbais: ele vive o que ensina. No Calvário, deu-nos a lição magistral de que é possível amar a esse ponto!

história da Igreja é a relação de notáveis homens e mulheres que seguiram o exemplo do Mestre. No Séc. XX, podemos lembrar duas personagens bem conhecidas: Gianna Beretta Molla e Maximiliano Kolbe, ambos elevados aos altares como exemplo de amor cristão.

Ela é uma mulher italiana, casada, mãe e médica; está grávida mais uma vez e tem o diagnóstico de um câncer no útero. Os médicos acenam com a possibilidade de uma cirurgia urgente, o que significaria interromper a gravidez e levar o feto à morte. Ela prefere dar ao filho a oportunidade de nascer. Com o progresso da doença, ela viria a falecer pouco depois do parto.

Ele foi um frade polonês, missionário no Japão, apóstolo da imprensa católica, fundador da Milícia da Imaculada. Preso pelos nazistas, vê um companheiro de campo de concentração que chorava ao ser sorteado para a execução, lamentando a sorte de sua família. Padre Maximiliano se oferece para morrer em seu lugar, e sua oferta é aceita. No dia de sua canonização, em Roma, um dos presentes era o companheiro que havia sobrevivido.

cristão é capaz desse amor. Para isso é portador do Espírito Santo. Pais que trabalham pesado para sustentar a família. Mães que não fogem da sagrada missão da maternidade. Jovens que se dedicam aos estudos para, mais tarde, servirem aos necessitados. Moças que abrem mão do sonho de ter uma família para se consagrarem aos pobres na vida religiosa. Casais que adotam órfãos. Comunidades que se dedicam aos marginalizados do sistema. Todos estes são caminhos possíveis, a exemplo de Cristo, que sofre por amor.

Vivo como quem ama?

Ou continuo preso aos meus próprios interesses?

Orai sem cessar: “Feliz quem se lembra do necessitado e do pobre!” (Sl 41).

(Antônio Carlos Santini).

(22) – MATIAS.

Matias, o apóstolo “póstumo”. É assim chamado porque surgiu depois da morte do apóstolo Judas Iscariotes, o traidor. Alguns teólogos se referem à ele como o décimo terceiro apóstolo, pois foi eleito para ocupar esse posto, conforme consta dos Atos dos Apóstolos, na Bíblia.

eleição dos onze apóstolos deu-se dias depois da Ascensão de Jesus e da vinda do Espírito Santo e assim foi descrita: “Depois da Ascensão de Jesus, Pedro disse aos demais discípulos: Irmãos, em Judas se cumpriu o que dele se havia anunciado na Sagrada Escritura: Com o preço de sua maldade se comprou um campo”. O salmo 109 ordena “Que outro receba seu cargo”.

“Convém, então, que elejamos um para o lugar de Judas. E o eleito deve ser dos que estiveram entre nós o tempo todo em que o Senhor conviveu entre nós, desde que foi batizado por João Batista até que ressuscitou e subiu aos céus”. (At 1,21-26).

As outras informações existentes sobre Matias fazem parte das tradições e dos escritos da época. Esses registros, entretanto, são apenas fragmentos com algumas citações e frases, que foram recuperadas e, segundo os teólogos, são de sua autoria. De fato, existe uma certa confusão entre os apóstolos Matias e Mateus em alguns escritos antigos.

Segundo a tradição Matias evangelizou na Judéia, Capadócia e, depois, na Etiópia. Ele sofreu perseguições e o martírio, morreu apedrejado e decapitado em Colchis, Jerusalém, testemunhando sua fidelidade a Jesus.

Há registros de que santa Helena, mãe do imperador Constantino, o Grande, mandou trasladar as relíquias de são Matias para Roma, onde uma parte está guardada na igreja de Santa Maria Maior. O restante delas se encontra na antiquíssima igreja de São Matias, em Treves, na Alemanha, cidade que a tradição diz ter sido evangelizada por ele e que o tem como seu padroeiro.

São Matias era comemorado no dia 24 de fevereiro, mas atualmente sua festa ocorre no dia 14 de maio.

(O CAMINHO).

(24) – EU VOS DISSE ISSO, PARA QUE A MINHA ALEGRIA ESTEJA EM VÓS, E A VOSSA ALEGRIA SEJA COMPLETA.

Hoje, a Igreja recorda o dia em que os Apóstolos escolheram o discípulo de Jesus que devia substituir Judas Iscariotes. Como nos diz acertadamente S. João Crisóstomo numa das suas homilias, na hora de eleger pessoas que gozarão de uma certa responsabilidade podem ocorrer rivalidades ou discussões. Por isso, S. Pedro “se desentende das invejas que poderiam ter surgido”, deixa à sorte, à inspiração divina e evita assim essa possibilidade. Na continuação diz este Padre da Igreja: “É que as decisões importantes muitas vezes originam desgostos”.

No Evangelho deste dia, o Senhor fala aos Apóstolos acerca da alegria que devem ter: “para que a minha alegria esteja em vós, e a vossa alegria seja completa” (Jn 15,11). Na verdade, o cristão, tal como Matias, viverá feliz, com uma alegria serena, se assumir os diversos acontecimentos da vida à luz da graça da filiação divina. De outro modo, acabaria por se deixar levar por falsos desgostos, por invejas néscias ou por preconceitos de qualquer tipo. A alegria e a paz são sempre fruto da abundância de entrega apostólica e da luta por alcançar a santidade. É o resultado lógico e sobrenatural do amor a Deus e do espírito de serviço ao próximo.

Romano Guardini escreveu: “A fonte da alegria encontra-se no mais profundo do interior da pessoa (…). Aí reside Deus. Então a alegria dilata-se e faz-nos luminosos. E tudo aquilo que é belo é recebido em todo o seu esplendor”. Quando não estivermos contentes, temos de saber rezar como S. Tomás More: “Meu Deus, concedei-me o sentido de humor para que saboreie a felicidade na vida e consiga transmiti-la aos outros”. Não esqueçamos o que também Sta. Teresa de Jesus pedia: “Meu Deus, livrai-me dos santos de cara triste, pois um santo triste é um triste santo”.

(Rev. D. Josep VALL i Mundó (Barcelona, Espanha)).

CELEBRAÇÃO DE HOJE:

7ª SEMANA DA PÁSCOA (SÃO MATIAS, APÓSTOLO – VERMELHO, GLÓRIA, PREFÁCIO DOS APÓSTOLOS – OFÍCIO DA FESTA).

MONIÇÕES:

MONIÇÃO AMBIENTAL OU COMENTÁRIO INICIAL:

– 1ª: Periódico Deus Conosco; – 2ª: Periódico Liturgia Diária.

– 1ª:

Com fervor, celebramos o apóstolo São Matias, escolhido para completar o número dos Doze apóstolos, no lugar de Judas Iscariotes, o traidor. Sua eleição encontra-se descrita em Atos dos Apóstolos 1,21-26. Sabemos pouco de sua vida. Certo é que assumiu sua missão com ardor, testemunhando sua fé por meio do martírio. Cumpriu a Palavra de Jesus: ide pelo mundo e anunciai o Evangelho da salvação.

MONIÇÃO PARA A(S) LEITURA(S) E O SALMO:

– 1ª: Periódico Deus Conosco; – 2ª: Periódico Liturgia Diária.

– 1ª:

Comunidade reunida pela oração, decide pela escolha de Matias para que o número dos apóstolos fosse completado, conforme a escolha que o Senhor fez. A palavra de Jesus confirma esta decisão: “Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi”. Acolhamos a Palavra de Deus.

MONIÇÃO PARA O EVANGELHO.

— Aleluia, aleluia, aleluia.

— Aleluia, aleluia, aleluia.

— Eu vos designei para que vades e deis frutos e o vosso fruto permaneça. (Jo 15,16).

ANTÍFONAS:

Antífona da entrada.

Não fostes vós que me escolhestes. Fui eu que vos escolhi e vos enviei para produzirdes fruto e o vosso fruto permaneça, aleluia! (Jo 15,16).

Antífona da comunhão.

Este é o meu mandamento, diz o Senhor: amai-vos uns aos outros como eu vos amai, aleluia! (Jo 15,12).

ORAÇÕES DO DIA:

Oração do dia ou Oração da coleta.

Ó Deus, que associastes são Matias ao colégio apostólico, concedei, por sua intercessão, que, fruindo da alegria do vosso amor, mereçamos ser contados entre os eleitos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Oração sobre as oferendas.

Recebei, ó Deus, as oferendas da vossa Igreja que vos apresentamos com devoção na festa de são Matias; e confirmai-nos, por meio delas, com a força da vossa graça. Por Cristo, nosso Senhor.

Oração depois da comunhão.

Ó Deus, cobri de bênção a vossa família para que, pela intercessão de são Matias, possamos participar eternamente da gloriosa sorte dos santos. Por Cristo, nosso Senhor.

FONTES DE CONSULTAS E PESQUISAS:

Vamos expor a seguir de onde pertencem os textos que nos preenchem todos os dias, nos dando um caminho com mais sabedoria, simplicidade e amor.

FONTE PRINCIPAL DE PESQUISA E INSPIRAÇÃO

bc3adblia1

REFLITA:

O importante não é a pessoa que escreve, mas quem foi que inspirou essa pessoa a escrever.

O importante não é como se lê o que está escrito, mas como se age.

O importante não é sentar-se à direita ou a esquerda do Pai, mas sim, realizar o trabalho que Ele nos pede.

Ter conhecimento não é ter sabedoria, sabedoria é saber compartilhar o conhecimento.

(0) – Blog Liturgia Diária da Palavra de Deus (Reflexões e Comentários);

(1) – Periódico Mensal: Liturgia Diária (Editoras Paulinas e Paulus);

(2) – Periódico Mensal: Deus Conosco (Editora Santuário);

(3) – Portal Editora Santuário;

(4) – Portal Editora Paulinas;

(5) – Portal Editora Paulus;

(6) – Portal e Blog Canção Nova;

(7) – Portal Dom Total;

(8) – Portal Católica Net;

(9) – Portal Católico Orante;

(10) – Portal Edições Loyola Jesuítas;

(11) – Portal de Catequese Católica;

(12) – Portal Evangelho Quotidiano;

(13) – Blog Homilia Dominical;

(14) – Blog Liturgia Diária Comentada;

(15) – Portal CNBB (A Palavra de Deus na Vida);

(16) – Portal Catequisar: Catequese Católica;

(17) – Portal Universo Católico;

(18) – Portal Paróquia São Jorge Mártir;

(19) – Portal Catedral FM 106,7;

(20) – Portal Comunidade Católica Nova Aliança;

(21) – Portal Comunidade Resgate;

(22) – Portal Fraternidade O Caminho;

(23) – Portal Católico na Net;

(24) – Portal Evangeli.net;

(25) – Portal Padre Marcelo Rossi;

(26) – Portal Grupo de Oração Sopro de Vida;

(27) – Portal NPD Brasil.

MINHA MENSAGEM PESSOAL PARA MIM MESMO.

Mais vale o desconforto da VERDADE, do que a comodidade da MENTIRA.

E usando a essência da Oração da Serenidade, devo orar:

Ó meu Deus e Senhor, Pai de misericórdia e Salvação,

que em seu Filho Jesus perdoou os nossos pecados,

e com o seu Santo Espírito, paráclito nesse nosso mundo que caminha conosco,

apenas em Ti posso almejar a vida eterna, socorre-me e ouvi-me:

Se o ERRO está em mim, que DEUS possa me dar a HUMILDADE de aceitar que estou errado.

Que Jesus me dê a SERENIDADE, para aceitar que tem coisas que não posso mudar.

E que o Espírito Santo me dê a CORAGEM, suficiente para mudar aquelas coisas que dependem de mim, mesmo que sejam difíceis.

E para complementar os alicerces de orações da minha vida, faço como o santo Tomás de Aquino:

“Concede-me, Deus misericordioso, que deseje com ardor o que tu aprovas, que o procure com prudência, que o reconheça em verdade, que o cumpra na perfeição, para louvor e glória do teu nome.

Põe ordem na minha vida, ó meu Deus, e permite-me que conheça o que tu queres que eu faça, concede-me que o cumpra como é necessário e como é útil para a minha alma.

Concede-me, Senhor meu Deus, que não me perca no meio da prosperidade nem da adversidade; não deixes que a adversidade me deprima, nem que a prosperidade me exalte.

Que nada me alegre ou me entristeça para além do que conduz a ti.”

Viver CORRETO e falar a VERDADE hoje são tão difíceis quanto na época de Jesus, pois é muito mais fácil aceitar a MENTIRA e fazer o ERRADO.

Viver no CAMINHO, VERDADE E VIDA, que é o próprio Cristo Jesus, tem que ser uma caminhada diária.

O futuro é desejo e pensamento.

O passado é aprendizado e lembrança.

O hoje é realidade, isso quer dizer: CRISTO.

Meus amigos(as) de coração, meus irmãos(ãs) em Cristo Jesus, lembrem-se:

“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”

“Não julgues para não seres julgados.”

“A quem é muito dado, muito será cobrado.”

–>

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s