Liturgia Diária 22/MAI/13

LEITURA DIÁRIA DA PALAVRA — 22/MAI/2013 (quarta-feira)

LEITURAS:

Leitura retirada do Livro do Eclesiástico (Eclo 4,12-22).

Leitura do Livro do Eclesiástico.

12 A sabedoria comunica a vida a seus filhos e acolhe os que a procuram. 13 Os que a amam, amam a vida; os que a procuram desde manhã cedo serão repletos de alegria pelo Senhor. 14 Quem a ela se apega herdará a glória; para onde for, Deus o abençoará. 15 Os que a veneram prestam culto ao Santo; pois Deus ama os que a amam. 16 Quem a escutar julgará as nações; quem a ela se dedicar viverá em segurança. 17 Se alguém confiar nela, vai recebê-la em herança; e na sua posse continuarão seus descendentes. 18 No começo, ela o acompanha por caminhos contrários, 19 trazendo-lhe temor e tremor; começa a prová-lo com a sua disciplina, até que ele a tenha em seus pensamentos e nela deponha sua confiança. 20 Então voltará a ele em linha reta, o confirmará e lhe dará alegria, 21 lhe revelará os seus segredos e lhe dará o tesouro da ciência e da compreensão da justiça. 22 Se, porém, se desviar, ela o abandonará e o entregará às mãos de seu inimigo.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.

Salmo retirado do Livro dos Salmos (Sl 118,165. 168. 171. 174. 175 (R. 165a)).

— 165a Os que amam vossa lei, têm grande paz!

165a Os que amam vossa lei, têm grande paz!

— 165 Os que amam vossa lei têm grande paz, / e não há nada que os faça tropeçar.

— 168 Serei fiel à vossa lei, vossa Aliança; / os meus caminhos estão todos ante vós.

— 171 Que prorrompam os meus lábios em canções, / pois me fizestes conhecer vossa vontade!

— 174 Desejo a vossa salvação ardentemente / e encontro em vossa lei minhas delícias!

— 175 Possa eu viver e para sempre vos louvar; / e que me ajudem, ó Senhor, vossos conselhos!

Leitura retirada do Livro do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos (Mc 9,38-40).

Mc 9,38-40 (Mestre, vimos um homem expulsar demônios em teu nome...)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Marcos.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 38 João disse a Jesus: “Mestre, vimos um homem expulsar demônios em teu nome. Mas nós o proibimos, porque ele não nos segue”. 39 Jesus disse: “Não o proibais, pois ninguém faz milagres em meu nome para depois falar mal de mim. 40 Quem não é contra nós é a nosso favor”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

LEITURA ORANTE:

… Oração Inicial… (querer).

A nós, a paz de Deus, nosso Pai, a graça e a alegria de Nosso Senhor Jesus Cristo, no amor e na comunhão do Espírito Santo.

Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo!

Preparo-me para a Leitura, rezando:

Jesus Mestre, que dissestes: “Onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome, eu aí estarei no meio deles”, ficai conosco, aqui reunidos (pela grande rede da internet), para melhor meditar e comungar com a vossa Palavra.

Sois o Mestre e a Verdade: iluminai-nos, para que melhor compreendamos as Sagradas Escrituras.

Sois o Guia e o Caminho: fazei-nos dóceis ao vosso seguimento.

Sois a Vida: transformai nosso coração em terra boa, onde a Palavra de Deus produza frutos abundantes de santidade e missão. (Bv. Alberione)

… Eu sou o CAMINHO… (ler…).

O que diz o texto do dia?

Leio atentamente, na Bíblia, o texto: Mc 9,38-40, e observo o diálogo entre os discípulos e Jesus.

Os discípulos estavam preocupados porque uma pessoa expulsava demônios em nome de Jesus e não era do seu grupo. Para eles isto era um abuso e devia ser proibido. A intolerância dos discípulos revelava o desejo de controlar a missão e evitar qualquer concorrência. Talvez considerassem a missão exclusividade deles e não admitissem a participação de outros. O Mestre expressa uma atitude de profunda tolerância para com o homem exorcista. Era lógico: se o homem expulsou o demônio em nome de Jesus é porque tinha alguma comunhão com ele. Seria impossível que em seguida fosse falar mal do Mestre. Logo, podia livremente fazer o bem em nome de Jesus.

… a VERDADE… (refletir e meditar…).

O que o texto diz para mim, hoje?

Qual palavra mais me toca o coração?

postura de Jesus evitou que a comunidade se fechasse em si mesma, se transformando numa seita intolerante. Jesus fez uma orientação ecumênica. Os bispos também orientam para este diálogo: “Faz mais de quarenta anos que o Concílio Vaticano II reconheceu a ação do Espírito Santo no movimento pela unidade dos cristãos. Desde então, temos colhido muitos frutos. Neste campo, necessitamos de mais agentes de diálogo e melhor qualificados. É bom tornar mais conhecidas as declarações que a própria Igreja Católica tem subscrito no campo do ecumenismo desde o Concílio. Os diálogos bilaterais e multilaterais têm produzido bons frutos. Também é oportuno estudar o Diretório ecumênico e suas indicações em relação a catequese, a liturgia, a formação presbiteral e a pastoral. A mobilidade humana, característica do mundo atual, pode ser ocasião propícia para o diálogo ecumênico da vida.” (DAp 231).

Como me sinto neste movimento e diálogo ecumênico?

meu Projeto de vida é o do Mestre Jesus Cristo?

… e a VIDA… (orar…).

O que o texto me leva a dizer a Deus?

Rezo com o bem-aventurado Alberione: Jesus Mestre, disseste que a vida eterna consiste em conhecer a ti e ao Pai.

Derrama sobre nós, a abundância do Espírito Santo!

Que ele nos ilumine, guie e fortaleça no teu seguimento, porque és o único caminho para o Pai.

Faze-nos crescer no teu amor, para que sejamos, como o apóstolo Paulo testemunhas vivas do teu Evangelho.

Com Maria, Mãe Mestra e Rainha dos Apóstolos, guardaremos tua Palavra, meditando-a no coração.

Jesus Mestre, Caminho, Verdade e Vida, tem piedade de nós.

Qual deve ser a MISSÃO em minha VIDA hoje? (contemplar e agir…).

Qual meu novo olhar a partir da Palavra?

Vou olhar o mundo e a vida com os olhos de Deus. Vou abrir meu coração para o diálogo ecumênico

REFLEXÕES:

(4) – JESUS NÃO É MONOPÓLIO DA COMUNIDADE.

Os versículos precedentes (30-37) já nos permitiram afirmar que, diante da discussão de quem seria o maior dentre eles, os discípulos revelam a sua incompreensão em relação ao mistério de Cristo e da sua condição de
discípulo.

Quem é esse “alguém” que expulsava demônios em nome de Jesus (cf. v. 38), e a que grupo pertencia, nós não o sabemos, uma vez que o texto não nos oferece nenhuma informação a respeito. E isso porque tal informação ou identificação não é importante.

nome de Jesus, sua pessoa, não é monopólio da comunidade. O Senhor não é prisioneiro de nenhum grupo, pessoa ou instituição. A sua ação, que liberta o homem das cadeias do mal, não se circunscreve nos limites de um único grupo, pois “ninguém que faz milagres em meu nome poderá logo depois falar mal de mim” (v. 39). Ademais, ninguém pode fazer o bem se Deus não mover o coração. Deus está na origem do bem; o Senhor está na origem de toda ação que protege e promove a vida do ser humano; é pela autoridade de Cristo (= no nome de) que o mal é vencido.

(Carlos Alberto Contieri).

(6) – SOMOS APENAS CANAIS DA GRAÇA.

A graça se aproveita de quem ela quiser, da forma que ela quiser, para fazer o Reino de Deus realmente acontecer.

“Jesus disse: ‘Não o proibais, pois ninguém faz milagres em meu nome para depois falar mal de mim” (Mc 9,39).

Os discípulos estavam inquietos, porque outros, de fora do grupo de Jesus, estavam expulsando demônios. Os discípulos proibiram aquele homem de praticar tal atitude, porque ele não era do grupo do Senhor.

Jesus, então, lhes diz: “Não os proibais”. Meus irmãos, nós, muitas vezes, achamos que a graça de Deus está só sobre nós, sobre o nosso grupo, sobre a nossa Igreja. Nós pensamos que somos donos do Reino dos Céus, donos do Espírito Santo; e que Este só age se for da nossa forma, à nossa maneira e do nosso jeito.

Não é assim que a Palavra de Deus nos ensina. Ela nos mostra que devemos respeitar os diferentes, aqueles que pensam, fazem, pois, se não for da vontade de Deus, não vai para frente. Agora, aquilo que é de Deus só Ele mesmo conhece, porque o Espírito sopra aonde quer e ninguém sabe onde vai parar.

Que saibamos acolher, respeitar e considerar aqueles que não são das nossas pastorais, das nossas atividades, daquilo que nós fazemos. Que nós saibamos considerar aquilo que é diferente, porque o Espírito vai estar onde Ele quiser. Não podemos nos achar donos do Espírito de Deus, pois somos apenas canais da graça.

graça se aproveita de quem ela quiser, da forma que ela quiser, para fazer o Reino de Deus realmente acontecer.

Que o bom Deus abençoe você com a Sua graça.

(Pe. Roger Araújo).

(7) – A FAVOR DE JESUS.

Os discípulos eram ciosos de sua condição de executadores privilegiados da missão de Jesus. Quiçá, tivessem a tentação de formar um grupinho seleto e fechado para novas adesões. Daí sua irritação quando viram alguém expulsar demônios, no nome de Jesus, sem ser explicitamente do grupo dos doze.

Jesus tenta alagar-lhes os horizontes e fazê-los perceber que existem agentes do Reino, onde menos se espera. Se alguém realmente realiza uma ação taumatúrgica, invocando o nome de Jesus, está proclamando, de maneira patente, sua condição de discípulo, mesmo não fazendo parte do grupo dos doze. O discipulado, portanto, estende-se para além do grupinho inicial, num raio muito mais amplo. O grupo primitivo, de certo modo, devia funcionar como semente de um movimento tendente a crescer e a se tornar, de certa forma, incontrolável. O protesto dos discípulos, em última análise, era motivado pela incapacidade de manter sob controle a propagação dos benefícios do Reino. Jesus não tinha objeções de que a coisa fosse assim. Antes, é assim mesmo que deveria ser.

surgimento de novos discípulos e dispensadores do Reino não podia ser motivo de tristeza e preocupação. Quanto mais se multiplicasse o número de discípulos, melhor. Assim, o Reino poderia chegar a um número sempre maior de pessoas, recuperando lhes a vida.

Oração: Senhor Jesus, possa eu alegrar-me com a multiplicação de seus discípulos, através dos quais o Reino vai espalhando seus frutos na história humana.

(Pe. Jaldemir Vitório).

(10) – BOA NOVA PARA CADA DIA.

… ninguém faz milagres em Meu Nome para depois falar mal de Mim (Mc 9,39).

Marcos 9,38-40 traz um episódio da vida de Jesus em que seus discípulos proibiram alguém de fazer milagres invocando o Nome de Jesus. Jesus os corrigiu dizendo que todos os que invocarem Seu Nome está a seu favor.

Esta passagem é útil para entendermos como no tempo de Jesus o Nome era de tal modo importante que as pessoas acreditavam que o dizendo, quem tinha aquele nome se fazia presente, mesmo estando distante.

Esta crença no Nome é tão importante para a cultura oriental antiga que um dos mandamentos da Lei é: Não tomar Seu Santo Nome em vão.

Quando São Pedro cura um paralítico no templo de Jerusalém, invoca o Nome de Jesus e o poder de Jesus se manifesta naquele lugar e momento (At 3,16).

Tudo isso nos faz repensar com quanto respeito devemos pronunciar o Nome de Deus e com quanta fé devemos pedir a Deus o que precisamos em nome de Jesus.

(Pe. Valdir Marques).

(14) – QUEM NÃO É CONTRA NÓS É A NOSSO FAVOR.

O episódio de hoje retoma os versículos finais da leitura anterior. O apóstolo João diz a Jesus que viu uma pessoa expulsando demônios em seu nome e como tentaram impedi-lo porque não era do grupo. Em nome da comunidade João impede que outros façam obras boas. Por sua condição de discípulo, pensava que tinha mais poder e autoridade que os demais.

Acreditava ter o monopólio sobre Jesus, por isso pretendia proibir que outros usassem o nome de Jesus para fazer o bem. A mentalidade exclusivista da lei antiga entendia que somente o povo de Israel era o povo eleito, razão pela qual se segregavam outros povos e culturas. Não obstante, Jesus lhes diz que não o impeça alegando que quem não é contra nós é a nosso favor.

Quantas vezes, por considerarmos melhores, excluímos os que não acreditam como nós?

Os discípulos atuavam de acordo com a mentalidade, a sua cultura, porém, Jesus ensina que a cultura é uma construção humana, portanto, plausível de mudanças a favor da vida. Jesus é o Mestre, mediante suas atitudes, é uma mostra do Reino, encarnada no amor de Deus e o revela em suas atitudes.

(Claretianos).

(14) – QUEM NÃO É CONTRA NÓS É A NOSSO FAVOR.

Neste Evangelho, Jesus nos pede para termos boa convivência com as pessoas que estão fora da Igreja fundada por ele, faz fazem o bem e não falam mal nem dele nem da sua Igreja.

São pessoas que, além de fazer o bem, não são contra Jesus nem a sua Igreja. Há muitos que estão fora da Igreja de Jesus, mas pertencem a ele. Os motivos por que estão fora são os mais diversos, inclusive a carência de agentes pastorais católicos que vão até eles anunciar o Evangelho autêntico.

Jesus é a Verdade. Quem procura sinceramente a verdade, e a constrói no mundo, está com Jesus.

S. Pedro fez um discurso na casa de Cornélio, no qual disse: “Irmãos, estou compreendendo que Deus não faz discriminação entre as pessoas. Pelo contrário, ele aceita quem o teme e pratica a justiça, qualquer que seja a nação a que pertença” (At 10,14-15). Como vimos, o único limite que Deus coloca para aceitar as pessoas é que elas o temam e pratiquem a justiça.

Jesus não fundou uma seita, mas uma Igreja, que traz o nome de Católica, isto é, universal. Todos os homens e mulheres do mundo são acolhidos por Jesus e pela sua Igreja, contanto que respeitem a Deus e pratiquem a justiça.

Certa vez, um grupo de pedreiros e serventes estavam trabalhando na construção de um prédio. Estavam em um andaime externo, a oito metros de altura.

começaram a discutir sobre religião. De repente, o andaime caiu. Mais que depressa se puseram a ajudar uns aos outros, e nem se lembraram mais das diferenças religiosas.

“Eu vim para que todos tenham vida, e a tenham em abundância” (Jo 10,10). Esta foi a grande missão que Jesus nos confiou. Vamos lutar por ela junto com todas as pessoas, independente da sua crença.

Maria Santíssima é a Mãe que nos acolhe a todos, sem levar em conta as nossas diferenças. Que ela nos ajude a ter um amor universal, independente das crenças de cada um.

Quem não é contra nós é a nosso favor.

(Pe. Queiroz).

(14) – QUEM NÃO É CONTRA NÓS, É A NOSSO FAVOR.

Os discípulos proibiram aquele homem de expulsar demônios em nome de Jesus, somente porque ele não os seguia. Porém Jesus os advertiu.

Será que nós temos o direito de criticar outros pregadores que falam em nome de Jesus somente porque eles não nos seguem?

Precisamos tomar cuidado com nossas atitudes pois podemos nos considerar os únicos detentores da verdade, e condenar todos aqueles que não pertencem à nossa religião.

Somos católicos, seguidores de Jesus Cristo, não pretendemos mudar o nosso caminho, porém não temos o direito de achar que os demais irmãos do planeta que seguem outras religiões não serão salvos. Deus é quem nos julgará na pessoa de Jesus. E nós não temos o direito de julgar ninguém. Mesmo porque eu posso estar seguindo a religião fundada pelo próprio Jesus Cristo e não estar fazendo a vontade do Pai como deveria. E outro irmão que não segue o cristianismo, pode estar vivendo uma vida correta, justa muito mais santa que a minha.

que na verdade devemos nos conscientizar, é que todos nós somos filhos de um único Pai, que nos ama e quer a nossa salvação eterna. Na parábola do filho pródigo, Jesus nos mostrou que o filho desgarrado também mereceu ser perdoado e incluído no Reino de Deus por ter se arrependido do erro que cometeu. Enquanto que o filho que sempre fez tudo certo, se achou no direito de ficar enciumado com a misericórdia do pai para com aquele seu irmão que havia esbanjado os bens materiais e seguido por uns tempos o caminho do pecado.

Vamos mostrar Jesus ao mundo, mas não vamos ter uma atitude de competição, de atrito com os nossos irmãos que não nos seguem, pois a nossa missão é salvadora e não condenatória. Façamos a nossa parte contribuindo pela salvação do mundo, e rezemos para que Jesus faça a sua parte em se tratando da conversão não só dos pecadores, mas pela salvação de todos os nossos irmãos. Amém.

(José Salviano).

(14) – PORQUE EU ESTOU CONTIGO!

“O Senhor garante a nossa missão”.

exemplo dos apóstolos nos dá o direcionamento para que a tenhamos fé na intervenção de Deus quando nos dispusermos a cumprir com a nossa missão. A certeza de que Ele está conosco, e que, ninguém poderá nos fazer mal algum é o que nos motivará a ir em busca do povo numeroso que ainda não O conhece e a quem Ele quer tocar por meio de nós. Jesus quer salvar o povo que o Pai deu a Ele e conta com todos nós que nos propomos a segui-Lo. Todavia, as nossas conveniências, os nossos melindres, os nossos medos nos empurram para longe da vontade do Senhor, mas a Sua voz clama no nosso pensamento: “não desista”, “estou aqui”, “continua, eu te fortaleço, eu te sustento”. “Porque eu estou contigo”! É esta a garantia que o Senhor nos dá para enfrentarmos as dificuldades da nossa vida e da nossa caminhada espiritual. Muitas vezes queremos parar de falar, não queremos mais nos importar com as coisas, queremos desistir, mas o Senhor não nos deixa desanimar: “Ninguém te porá a mão para fazer mal”! E o socorro do Senhor, muitas vezes, vem na hora em que nós nem estamos mais esperando e já nos sentimos derrotados.

– Você também já pensou em desistir diante das dificuldades da missão?

– Você permanece calado (a), quando as pessoas a sua volta zombam das coisas de Deus?

– Os comentários o (a) faz ficar mais fraco (a) ou mais firme na fé?

(Helena Serpa).

(14) – QUARTA FEIRA DO TEMPO COMUM DEPOIS DE PENTECOSTES.

Podemos imaginar a cena, um dos discípulos vem correndo alardear ao Discípulo João que havia um sujeito pregando em nome de Jesus, e o que era pior, realizava milagres expulsando demônios em seu nome.

— Mas ele não é do nosso grupo? – quis logo saber João, todo alvoroçado e já aparentando indignação.

— É nada. Nós não o conhecemos, e olhe que o danado está fazendo sucesso maior que o nosso.

Projetemos a cena para cem anos depois do evento Jesus de Nazaré:

— Olhe irmãos do Conselho, tem uma comunidade aqui perto pregando em nome de Jesus e fazendo até expulsões de Demônios!

— E tem muita gente indo lá?

— Nossa se tem! No Domingo à noite tinha o triplo de pessoas que vieram aqui na nossa celebração.

hoje em dia, nós cristãos olhamos com uma pontinha de inveja para certas instituições ás vezes de caráter religioso que fazem cada trabalho social de se “Tirar o Chapéu”. Na minha cidade um pessoal de uma Loja Maçônica tem um serviço de atendimento a crianças e famílias carentes que é coisa linda de se ver, o mais incrível é o modo como eles fazem seus eventos, muito bem organizados e onde se vê uma dedicação extrema daqueles homens e mulheres.

há também obras sociais de grande alcance nos Meios Espíritas, que contribuem realmente para amenizar os sofrimentos e as dores de muita gente pobre.

Será que o Bem que esses grupos fazem, não é Caridade, porque não tem o carimbo da nossa Igreja?

Claro que é, nem dá para se discutir!

É o que afirma esse evangelho de Marcos ao mostrar que, fora do âmbito de nossas comunidades cristãs tem um monte de gente de outras denominações religiosas ou Instituições, praticando o bem, promovendo as pessoas, demonstrando uma bela solidariedade. Não se pode sentir inveja ou querer monopolizar as obras do Bem, ao contrário, devemos louvar e agradecer ao Bom Deus que através do seu Espírito suscita no coração dessas pessoas esse desejo e altruísmo de trabalhar pelo bem, e quando assim o fazem, colaboram sim, com a edificação do Reino de Deus. Jesus encerra a polêmica afirmando que, todo o Bem é feito em seu nome direta ou indiretamente, e que os que praticam tais obras do Bem, estão a seu favor e não contra ele.

Não permitamos que a questão Doutrinária nos impeça de reconhecer tanto Bem, realizado fora da nossa Igreja, por pessoas que foram tocadas pela Graça Divina indiscutivelmente, não importando a que denominação pertencem.

(Diác. José da Cruz).

(14) – NINGUÉM FAZ MILAGRES EM MEU NOME PARA DEPOIS FALAR MAL DE MIM.

Numa sociedade onde impera o individualismo, a competitividade, o povo vai se distanciando cada vez mais do projeto de Deus, tornando indiferente aos apelos de Jesus.

Fomos criados por amor e para o amor, por tanto, era sonho de Deus que todos nós vivêssemos felizes numa só família, partilhando a vida, amando-nos mutuamente! Mas o mal, encontrou brecha no coração humano e ameaçou destruir o sonho de Deus!

pecado nos desfigurou, quis mudar o rumo da nossa história. Porém, o amor do Pai é maior que tudo, Ele não desiste de sua criação, não esgota as formas de nos trazer de volta ao seu convívio! Deus condena o pecado, mas ama o pecador e numa prova deste amor sem limites, envia seu Filho ao mundo para nos resgatar e nos recolocar no caminho da felicidade plena.

Jesus veio nos ensinar o caminho de volta ao coração misericordioso do Pai! Para isto, Ele quis contar com um pequeno grupo de pessoas, gente simples, pescadores anônimos, que deixaram as suas redes para seguir Jesus.

No evangelho de hoje podemos perceber que mesmo tendo deixado tudo para seguir Jesus, os discípulos ainda não haviam entrado na dinâmica do reino, o seguimento a Jesus, para eles, traduzia em uma realização pessoal, em grandeza. Tomados por esta mentalidade contrária a proposta de Jesus, eles sentiram enciumados ao constatar que havia outras pessoas, fora do seu grupo, realizando milagres em nome de Jesus.

Ao tomar conhecimento de que eles haviam proibido um homem de fazer o bem em seu nome, Jesus os repreende dizendo: “Não o proibais, pois ninguém faz milagre em meu nome para depois falar mal de mim. Quem não é contra nós é a nosso favor”. Essas palavras de Jesus, vem nos ensinar, que nenhum de nós, tem o direito de impedir alguém de fazer o bem!

prática do bem é sinal de amor ao próximo, ou seja, qualquer atitude que venha beneficiar alguém, partindo de quem quer que seja, deve ser acolhida com alegria.

caminhada com Jesus para Jerusalém, foi para os discípulos, uma grande escola de vida! Nesta sua caminhada rumo a cruz, Jesus, pacientemente, ia ensinando-os com o seu testemunho, como eles deveriam conduzir as suas vidas, despertando neles, uma nova mentalidade a respeito os valores do Reino.

Em todos os seus ensinamentos, Jesus sempre deixou claro, que só o amor constrói, só o amor gera vida. Em toda sua trajetória terrena, Ele fazia longas caminhadas ao encontro dos sofredores, testemunho, que deve chegar até a nós, como um convite a fazer o mesmo.

Todas as nossas atitudes devem convergir para o bem maior: o amor! O amor cria e recria vida, abre caminhos, leva-nos ao encontro do outro.

FIQUE NA PAZ DE JESUS!

(Olívia Coutinho).

(15) – REFLEXÃO.

Uma das maiores dificuldades que podemos encontrar para a compreensão da ação divina no mundo encontra-se no fato de querermos submetê-la aos nossos critérios de inteligibilidade, principalmente no que diz respeito à religião institucional. O que acontece é que muitas vezes o agir divino fica vinculado a critérios meramente humanos ou a ritualismos que estão mais para prática de magia, alquimia e bruxaria do que para um relacionamento filial, de confiança e entrega. Outras vezes, esse agir divino é condicionado ao cumprimento de princípios legais que determinam se Deus pode agir ou não. Devemos nos lembrar que o Senhor é Deus e não nós.

(CNBB).

(20) – QUEM NÃO É CONTRA NÓS, É POR NÓS…

Já sabemos que o Espírito sopra onde quer. (Jo 3,8.) O Concílio Vaticano II reconheceu a existência de “sementes da Palavra” (cf. Ad Gentes, 11) em todos os povos e sociedades. Por isso mesmo, ninguém deve espantar-se de que Deus venha a agir por meio de pessoas de boa vontade que não pertencem à nossa Igreja, não professam a nossa fé e nem mesmo tenham sido batizadas.

tentação que nos assalta é a de assumir uma atitude “exclusivista”, apresentando nosso modo de ser como o “único caminho” e, ao mesmo tempo, condenando à exclusão (ou ao inferno!?) todos os diferentes que não têm a carteirinha de nosso clube. Trata-se de uma atitude tipicamente sectária, que não admite nenhum bem fora de seu próprio quintal…

Este triste partidarismo se agrava ao sentirmos ciúmes se Deus age em outros grupos, movimentos ou pessoas. Em lugar de nos alegrarmos com o bem realizado, fazemos críticas, apontamos falhas e defeitos, zombamos acidamente daquilo que não temos possibilidade (ou coragem) de imitar!

Um caso concreto, em nossos dias, diz respeito aos movimentos e comunidades novas, onde o dedo de Deus se faz visível quando eles assumem diaconias, cuidam dos moradores de rua, alimentam os pobres, acolhem menores abandonados, reavivam a adoração ao Santíssimo Sacramento, pregam um Evangelho exigente. Se nosso grupo, paróquia ou Instituto está morno, será ainda maior o risco de apontar um dedo acusador contra estes irmãos que se esforçam por dar uma resposta a Deus que chama a amar…

Jesus não poderia ser mais claro: “Quem não é contra nós, é por nós”. Se temos sensibilidade eclesial, perceberemos que a Igreja se enriquece com a diversidade dos carismas, por mais estranhos que eles tenham sido na História, como os estilistas (que passavam a vida sobre uma coluna), os eremitas do deserto (como Charles de Foucauld em pleno Séc. XX) ou os “loucos de Deus”, andarilhos que palmilhavam continuamente as estradas da estepe russa.

Os contemplativos rezem pelos missionários das aldeias indígenas. Os agentes que animam associações de bairro agradeçam a Deus pelo louvor ruidoso dos irmãos carismáticos. E o Reino de Deus crescerá no meio de nós…

Somo ou divido?

Reconheço o dedo de Deus no meio dos meus irmãos diferentes de mim?

Ou cedo à crítica, à calúnia e à maledicência?

Orai sem cessar: “Oh! Como é bom e agradável irmãos unidos viverem juntos!” (Sl 133).

(Antônio Carlos Santini).

(24) – QUEM NÃO É CONTRA NÓS, ESTÁ A NOSSO FAVOR.

Hoje escutamos uma recriminação ao apóstolo João, que vê a gente fazer o bem no nome de Cristo sem formar parte do grupo de seus discípulos: “Mestre, vimos alguém expulsar demônios em teu nome. Mas nós o proibimos, porque ele não andava conosco” (Mc 9,38). Jesus nos dá a visão adequada que devemos ter diante destas pessoas: acolhê-las e aumentar essa visão, com humildade respeito a nós mesmos, compartilhando sempre um mesmo nexo de comunhão, uma mesma fé, uma mesma orientação, ou seja, caminhar juntos à perfeição do amor a Deus e ao próximo.

Este modo de viver nossa vocação de “Igreja” nos convida a revisar com paz e seriedade a coerência com que vivemos esta abertura de Jesus Cristo. Enquanto houver “outros” que nos “incomodem” porque fazem o mesmo que nós, isto é um claro indício de que o amor de Cristo ainda não nos impregna em toda sua profundidade, e nos pedirá a “humildade” de aceitar que não esgotamos “toda a sabedoria e o amor de Deus”. Definitivamente, aceitar que somos aqueles que Cristo escolhe para anunciar a todos como a humildade é o caminho para aproximar-nos a Deus.

Jesus obrou assim desde sua Encarnação, quando nos aproxima ao máximo a majestade de Deus na insignificância dos pobres. Diz são João Crisóstomo: “Cristo não se contentou em padecer na cruz e com a morte, e quis também fazer-se pobre e peregrino, ir errante e nu, quis ser jogado no cárcere e sofrer as debilidades, para conseguir a tua conversão”. Se Cristo não deixou passar nenhuma oportunidade para que possamos viver o amor com os demais, tampouco deixemos passar a ocasião de aceitar ao que é diferente a nós no modo de viver sua vocação a formar parte da Igreja, porque “Quem não é contra nós, está a nosso favor” (Mc 9,40).

(Rev. D. David CODINA i Pérez (Puigcerdà, Gerona, Espanha)).

CELEBRAÇÃO DE HOJE:

7ª SEMANA COMUM (VERDE – OFÍCIO DO DIA).

MONIÇÕES:

MONIÇÃO AMBIENTAL OU COMENTÁRIO INICIAL:

– 1ª: Periódico Deus Conosco; – 2ª: Periódico Liturgia Diária.

-1ª:

Certamente um dos grandes perigos da Comunidade cristã é fechar-se sobre si mesma. E, assim, tudo o que não está de acordo com suas próprias ideias é negado ou negligenciado. Jesus, porém, nos mostra que quem não está contra Ele está a seu favor. Tudo o que vem favorecer e defender a vida e a dignidade das pessoas não está contra o Reino de Deus. Sejamos, pois, cristãos abertos e que dialoguem com os outros.

MONIÇÃO PARA A(S) LEITURA(S) E O SALMO:

– 1ª: Periódico Deus Conosco; – 2ª: Periódico Liturgia Diária.

-1ª:

Ninguém deve adiar sua conversão. Contanto que, com a graça de Deus, devemos sim buscá-la todos os dias. E não podemos ficar fechados em nós mesmos, em nossas ideias, mas iluminar nossos pensamentos e ações com a Palavra do Senhor, que nos liberta, orienta e salva. Escutemos.

MONIÇÃO PARA O EVANGELHO.

— Aleluia, aleluia, aleluia.

— Aleluia, aleluia, aleluia.

— Sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vem ao Pai, senão por mim. (Jo 14,6).

ANTÍFONAS:

Antífona da entrada.

Na verdade o Senhor tomou sobre si nossas fraquezas, ele próprio suportou as nossas dores. (Is 53,4).

Antífona da comunhão.

Senhor, de coração vos darei graças, as vossas maravilhas narrarei! Em vós exultarei de alegria, cantarei ao vosso nome, Deus altíssimo! (Sl 9,2s).

ORAÇÕES DO DIA:

Oração do dia ou Oração da coleta.

Concedei, ó Deus todo-poderoso, que, procurando conhecer sempre o que é reto, realizemos vossa vontade em nossas palavras e ações. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Oração sobre as oferendas.

Ao celebrar com reverência vossos mistérios, nós vos suplicamos, ó Deus, que os dons oferecidos em vossa honra sejam úteis à nossa salvação. Por Cristo, nosso Senhor.

Oração depois da comunhão.

Ó Deus todo-poderoso, concedei-nos alcançar a salvação eterna, cujo penhor recebemos neste sacramento. Por Cristo, nosso Senhor.

FONTES DE CONSULTAS E PESQUISAS:

Vamos expor a seguir de onde pertencem os textos que nos preenchem todos os dias, nos dando um caminho com mais sabedoria, simplicidade e amor.

FONTE PRINCIPAL DE PESQUISA E INSPIRAÇÃO

bc3adblia1

REFLITA:

O importante não é a pessoa que escreve, mas quem foi que inspirou essa pessoa a escrever.

O importante não é como se lê o que está escrito, mas como se age.

O importante não é sentar-se à direita ou a esquerda do Pai, mas sim, realizar o trabalho que Ele nos pede.

Ter conhecimento não é ter sabedoria, sabedoria é saber compartilhar o conhecimento.

(0) – Blog Liturgia Diária da Palavra de Deus (Reflexões e Comentários);

(1) – Periódico Mensal: Liturgia Diária (Editoras Paulinas e Paulus);

(2) – Periódico Mensal: Deus Conosco (Editora Santuário);

(3) – Portal Editora Santuário;

(4) – Portal Editora Paulinas;

(5) – Portal Editora Paulus;

(6) – Portal e Blog Canção Nova;

(7) – Portal Dom Total;

(8) – Portal Católica Net;

(9) – Portal Católico Orante;

(10) – Portal Edições Loyola Jesuítas;

(11) – Portal de Catequese Católica;

(12) – Portal Evangelho Quotidiano;

(13) – Blog Homilia Dominical;

(14) – Blog Liturgia Diária Comentada;

(15) – Portal CNBB (A Palavra de Deus na Vida);

(16) – Portal Catequisar: Catequese Católica;

(17) – Portal Universo Católico;

(18) – Portal Paróquia São Jorge Mártir;

(19) – Portal Catedral FM 106,7;

(20) – Portal Comunidade Católica Nova Aliança;

(21) – Portal Comunidade Resgate;

(22) – Portal Fraternidade O Caminho;

(23) – Portal Católico na Net;

(24) – Portal Evangeli.net;

(25) – Portal Padre Marcelo Rossi;

(26) – Portal Grupo de Oração Sopro de Vida;

(27) – Portal NPD Brasil.

MINHA MENSAGEM PESSOAL PARA MIM MESMO.

Mais vale o desconforto da VERDADE, do que a comodidade da MENTIRA.

E usando a essência da Oração da Serenidade, devo orar:

Ó meu Deus e Senhor, Pai de misericórdia e Salvação,

que em seu Filho Jesus perdoou os nossos pecados,

e com o seu Santo Espírito, paráclito nesse nosso mundo que caminha conosco,

apenas em Ti posso almejar a vida eterna, socorre-me e ouvi-me:

Se o ERRO está em mim, que DEUS possa me dar a HUMILDADE de aceitar que estou errado.

Que Jesus me dê a SERENIDADE, para aceitar que tem coisas que não posso mudar.

E que o Espírito Santo me dê a CORAGEM, suficiente para mudar aquelas coisas que dependem de mim, mesmo que sejam difíceis.

E para complementar os alicerces de orações da minha vida, faço como o santo Tomás de Aquino:

“Concede-me, Deus misericordioso, que deseje com ardor o que tu aprovas, que o procure com prudência, que o reconheça em verdade, que o cumpra na perfeição, para louvor e glória do teu nome.

Põe ordem na minha vida, ó meu Deus, e permite-me que conheça o que tu queres que eu faça, concede-me que o cumpra como é necessário e como é útil para a minha alma.

Concede-me, Senhor meu Deus, que não me perca no meio da prosperidade nem da adversidade; não deixes que a adversidade me deprima, nem que a prosperidade me exalte.

Que nada me alegre ou me entristeça para além do que conduz a ti.”

Viver CORRETO e falar a VERDADE hoje são tão difíceis quanto na época de Jesus, pois é muito mais fácil aceitar a MENTIRA e fazer o ERRADO.

Viver no CAMINHO, VERDADE E VIDA, que é o próprio Cristo Jesus, tem que ser uma caminhada diária.

O futuro é desejo e pensamento.

O passado é aprendizado e lembrança.

O hoje é realidade, isso quer dizer: CRISTO.

Meus amigos(as) de coração, meus irmãos(ãs) em Cristo Jesus, lembrem-se:

“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”

“Não julgues para não seres julgados.”

“A quem é muito dado, muito será cobrado.”

–>

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s