Liturgia Diária 10/JUN/13

LEITURA DIÁRIA DA PALAVRA — 10/JUN/2013 (segunda-feira)

LEITURAS:

Leitura retirada do Livro da Segunda Carta de são Paulo aos Coríntios (2Cor 1,1-7).

Início da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios.

1 Paulo, apóstolo de Jesus Cristo por vontade de Deus e o irmão Timóteo, à Igreja de Deus que está em Corinto e a todos os santos que se encontram em toda a Acaia: para vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e Deus de toda consolação. 4 Ele nos consola em todas as nossas aflições, para que, com a consolação que nós mesmos recebemos de Deus, possamos consolar os que se acham em toda e qualquer aflição. Pois, à medida que os sofrimentos de Cristo crescem para nós, cresce também a nossa consolação por Cristo. 6 Se estamos em aflições, é para a vossa consolação e salvação; se somos consolados, é para a vossa consolação. E essa consolação sustenta a vossa paciência em meio aos mesmos sofrimentos que nós também padecemos. 7 E a nossa esperança a vosso respeito é firme, pois sabemos que, assim como participais dos nossos sofrimentos, participais também da nossa consolação.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.

Salmo retirado do Livro dos Salmos (Sl 33 (34),2-3.4-5.6-7.8-9 (R. 9a)).

— 9a Provai e vede quão suave é o Senhor!

9a Provai e vede quão suave é o Senhor!

— Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo, / seu louvor estará sempre em minha boca. / Minha alma se gloria no Senhor; / que ouçam os humildes e se alegrem!

— Comigo engrandecei ao Senhor Deus, / exaltemos todos juntos o seu nome! / Todas as vezes que o busquei, ele me ouviu, / e de todos os temores me livrou.

— Contemplai a sua face e alegrai-vos, / e vosso rosto não se cubra de vergonha! / Este infeliz gritou a Deus, e foi ouvido, / e o Senhor o libertou de toda angústia.

— O anjo do Senhor vem acampar / ao redor dos que o temem, e os salva. / Provai e vede quão suave é o Senhor! / Feliz o homem que tem nele o seu refúgio!

Leitura retirada do Livro do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus (Mt 5,1-12).

Mt 5,1-12 (o sermão da montanha)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo: Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e sentou-se. Os discípulos aproximaram-se, 2 e Jesus começou a ensiná-los: “Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o Reino dos Céus. Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados. 5 Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra. 6 Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. 7 Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. 8 Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. 9 Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. 10 Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus. 11 Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e, mentindo, disserem todo tipo de mal contra vós, por causa de mim. 12 Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus. Do mesmo modo perseguiram os profetas que vieram antes de vós.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

LEITURA ORANTE:

… Oração Inicial… (querer).

Preparo-me para a Leitura Orante, fazendo uma rede de comunicação e comunhão em torno da Palavra com todas as pessoas que se encontram neste ambiente virtual, lembramo-nos do que disse São Jerônimo:

“Sede praticantes da Palavra, e não, meros ouvintes. O sol, quando desponta de manhã, te encontre com a Bíblia aberta sobre os joelhos. E quando se puser, a tua face cansada repouse sobre uma página santa da Escritura.”

Graça e Paz a todos os que se reúnem aqui, na web, em torno da Palavra.

Juntos, rezamos ou cantamos o Salmo 94:

(Se, em grupo, pode ser rezado em dois coros ou um solista e os demais repetem)

– Venham, ó nações, ao Senhor cantar (bis)

– Ao Deus do universo, venham festejar (bis)

– Seu amor por nós, firme para sempre (bis)

– Sua fidelidade dura eternamente (bis)

– Toda a terra aclame, cante ao Senhor (bis)

– Sirva com alegria, venha com fervor (bis)

– Nossas mãos orantes para o céu subindo (bis)

– Cheguem como oferenda ao som deste hino (bis)

– Glória ao Pai, ao Filho e ao Santo Espírito (bis)

– Glória à Trindade Santa, glória ao Deus bendito (bis)

Ó Jesus Mestre, Verdade-Caminho-Vida, tem piedade de nós.

… Eu sou o CAMINHO… (ler…).

O que diz o texto do dia?

Leio atentamente, na Bíblia, o texto: Mt 5,1-12a, e observo o estilo de Jesus Mestre.

O “Sermão da Montanha” é como a Constituição do povo de Deus, o manifesto do Mestre Jesus Cristo.

Jesus viu as multidões e sentado – atitude de que ensina – falou a elas. Este discurso é exigente, um convite a uma constante superação de si mesmo, uma denúncia às mesquinhezas e infidelidades e, ainda, oferece a misericórdia de Deus. Através daquela comunidade, Jesus Mestre se dirige a todas as comunidades de todos os tempos. Viver as bem-aventuranças é ser fermento de uma nova sociedade.

… a VERDADE… (refletir e meditar…).

O que o texto diz para mim, hoje?

Releio o texto. Reflito e me examino para ver se me enquadro entre estes felizes de que fala Jesus.

Posso me questionar: sou espiritualmente pobre?

Humilde?

Procuro fazer a vontade de Deus?

Tenho o coração puro?

Trabalho pela paz?

Os bispos, em Aparecida, nos ajudaram a refletir sobre isto: “No seguimento de Jesus Cristo, aprendemos e praticamos as bem-aventuranças do Reino, o estilo de vida do próprio Jesus: seu amor e obediência filial ao Pai, sua compaixão entranhável frente à dor humana, sua proximidade aos pobres e aos pequenos, sua fidelidade à missão encomendada, seu amor serviçal até a doação de sua vida. Hoje, contemplamos a Jesus Cristo tal como os Evangelhos nos transmitiram para conhecer o que Ele fez e para discernir o que nós devemos fazer nas atuais circunstâncias.” (DAp 139).

… e a VIDA… (orar…).

O que o texto diz para mim?

O que o texto me leva a dizer a Deus?

Rezo a Oração do Amor:

(clique aqui para ouvir a música)

Onde há dúvida, que eu leve a fé

Onde há ódio, que eu leve o amor

Onde há ofensa, que eu leve o perdão

Onde há discórdia, que eu leve a união

Onde há erro, que eu leve a verdade.

Onde há desespero, que eu leve a esperança

Onde há trevas, que eu leve a luz

Onde há tristeza, que eu leve a alegria

Senhor, fazei de mim um instrumento de Vossa paz

Ó mestre,

Que eu não busque tanto

Ser consolado, mas consolar

Ser compreendido, mas compreender

Ser amado, mas amar

Porque é dando que se recebe

Esquecendo que se encontra

Perdoando que se encontra o perdão

Morrendo que se ressuscita para a Vida Eterna

Senhor, fazei de mim um instrumento de Vossa paz!

Qual deve ser a MISSÃO em minha VIDA hoje? (contemplar e agir…).

Qual meu novo olhar a partir da Palavra?

Vou olhar o mundo buscando a felicidade. Vou cultivar no meu modo de pensar e agir só o que vem de Deus, e é conforme o Projeto de Jesus Mestre e a sua Constituição, as bem-aventuranças.

REFLEXÕES:

(4) – AS BEM-AVENTURANÇAS SÃO UM APELO A VIVER NA CONFIANÇA EM DEUS.

As bem-aventuranças fazem parte do longo discurso denominado sermão da montanha (Mt 5–7). As bem-aventuranças fazem parte de um gênero literário bastante atestado no Antigo Testamento.

A primeira bem-aventurança é o fundamento de todas as demais: “Felizes os pobres no espírito, porque deles é o Reino dos Céus” (v. 3). Há um espírito dentro do ser humano; ele o recebeu de Deus, que o chamou à existência (cf. Gn 2,7). A pobreza de espírito é uma pobreza em relação a Deus: diante de Deus, o ser humano se encontra “desnudo”. Viver esta realidade de maneira concreta é assumi-la com um coração puro, experimentá-la no mais profundo do ser, lá onde aflora a presença de Deus. Nesse sentido, as bem-aventuranças são um apelo ao discípulo a viver a vida referida a Deus e na confiança nele. O que cada uma das bem-aventuranças promete é que a realidade escatológica constitui o fundamento da vida moral, do modo de agir do cristão.

(Carlos Alberto Contieri).

(6) – REFLEXÃO.

.

(7) – É POSSÍVEL SER SANTO.

A santidade é uma meta a ser atingida por todos os cristãos. Ninguém é excluído deste apelo nem pode eximir-se de dar sua resposta. Mas importa nutrir um ideal sadio de santidade, sem se deixar levar por falsas concepções.

Ser santo é ser capaz de colocar-se totalmente nas mãos do Pai, contar com ele, sabendo-se dependente dele. Por outro lado, é colocar-se a serviço dos semelhantes, fazendo-lhes o bem, como resposta aos benefícios recebidos do Pai. O enraizamento em Deus desabrocha em forma de misericórdia para com o próximo.

A santidade constrói-se no ritmo da entrega da própria vida nas mãos do Pai, explicitada no serviço gratuito e desinteressado aos demais, deixando de lado os interesses pessoais e tudo quanto seja incompatível com o projeto de Deus.

Este ideal não é inatingível. E se constrói nas situações mais simples nas quais a pessoa é chamada a ser bondosa, a não agir com dolo ou fingimento, a criar canais de comunicação entre os desavindos, a superar o ódio e a violência, a cultivar o hábito da partilha fraterna, a ser defensor da justiça.

Qualquer cristão, no seu dia-a-dia, tem a chance de fazer experiências deste gênero. Se o fizer, com a graça de Deus, estará dando passos decisivos no caminho da bem-aventurança.

Oração: Espírito bem-aventurado, coloca-me no caminho da santidade, a ser construída na entrega confiante de minha vida nas mãos do Pai, e na misericórdia para com meu próximo.

(Pe. Jaldemir Vitório).

(10) – REFLEXÃO.

.

(12) – DELES É O REINO DO CÉU.

“Felizes os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus.” Enquanto tudo corre à medida dos seus desejos, não se consegue saber quanta paciência e humildade tem um servo de Deus. Venham porém os tempos em que aqueles que lhe deviam respeitar a vontade a contrariam; a paciência será a que efetivamente tiver, e nada mais.

“Felizes os pobres em espírito, porque deles é o Reino do Céu.” Há muitos que se entregam a longas orações e ofícios, e infligem ao corpo frequentes mortificações e abstinências. Mas por palavra que lhes pareça afronta ou injustiça, ou por coisa mais insignificante que lhes seja tirada, logo se indignam e perdem a paz da alma. Estes não são os verdadeiros pobres em espírito; o verdadeiro pobre em espírito é o que renuncia a si mesmo e não quer mal a quem lhe bate no rosto (Mc 8,34; Mt 5,39).

“Felizes os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus.” Verdadeiros pacificadores são os que, apesar de todo o sofrimento por que hão-de passar por amor a nosso Senhor Jesus Cristo, conservam a alma e o corpo em paz.

“Felizes os puros de coração, porque verão a Deus.” Têm verdadeiramente o coração puro os que desprezam os bens da Terra, os que procuram os do Céu e, purificados assim de quaisquer amarras da alma e do coração, adoram e contemplam incessante e unicamente o Senhor Deus, vivo e verdadeiro.

(São Francisco de Assis (1182-1226), fundador da Ordem dos Frades Menores – Admonições, §§13-17).

(14) – BEM-AVENTURADOS VÓS, POBRES. MAS, AI DE VÓS, RICOS.

Neste Evangelho, Jesus proclama as bem-aventuranças, na versão de Lucas. Primeiro ele “levantando os olhos para os seus discípulos”. Sinal que as bem-aventuranças acontecem especialmente com os discípulos.

As bem-aventuranças são Evangelho, alegre notícia dirigida aos pobres de Deus. Elas vêm confirmar a transformação social anunciada no magnificat.

De fato, os pobres são os preferidos de Deus em toda a revelação bíblica, e são os primeiros destinatários da Boa Nova trazida por Jesus (cf. Lc 4,18-19).

Mt 5,1-12 traz oito bem-aventuranças. Lucas traz apenas quatro, mas acrescenta quatro ameaças: “Ai de vós…” Essas ameaças esclarecem o sentido das bem-aventuranças, tanto de Mateus como de Lucas. Porque muitos, ao explicar esta passagem bíblica, dizem que a palavra “pobre”, para Jesus, significa “desapegado”; e “rico” significa “ganancioso”. Na prática, isso é torcer a Bíblia para que ela não me questione. Pobre aqui é pobre mesmo, e rico e rico mesmo.

A felicidade messiânica dos pobres, dos famintos, dos que choram e dos perseguidos por causa da fé cristã comprometida, contrapõe-se à situação perigosa dos ricos, dos que têm fartura, dos que riem e dos que são aplaudidos por todos.

As Bem-aventuranças são um caminho de felicidade diametralmente oposto ao apresentado pelo mundo pecador. Os cristãos são felizes exatamente naquelas situações que, segundo o mundo, trazem a infelicidade. Veja o contraste: para o cristão, felizes os pobres; para o mundo, felizes os ricos. Para o cristão, felizes os que agora choram; para o mundo, felizes os que agora riem… Por aí vemos que dois milênios se passaram e a humanidade ainda não entendeu nem vive o Evangelho de Jesus.

As Bem-aventuranças estão baseadas em duas grandes verdades: 1) A vida cristã autêntica, devido à oposição do mundo pecador, leva à pobreza, à aflição etc. 2) Deus assiste os seus filhos e filhas queridos, a ponto de inverter a situação, transformando em felicidade o que seria infelicidade, em alegria o que seria tristeza. Portanto, a felicidade dos cristãos não está nesses tropeços (pobreza, perseguição…), mas na intervenção de Deus em favor dos seus filhos queridos.

“Vede que grande presente de amor o Pai nos deu: sermos chamados filhos de Deus! E nós o somos. Se o mundo não nos conhece, é porque não conheceu o Pai” (1Jo 3,1-3).

(Irmãos), os que tiram proveito deste mundo, (vivam) como se não aproveitassem. Pois a figura deste mundo passa” (1Cor 7,31).

Ao contrário dos dez mandamentos, as bem-aventuranças não são leis, nem mandamentos, nem sequer conselhos. São simplesmente a constatação e a descrição de um fato que acontece todos os dias em nossas Comunidades e em nossas famílias. A vida cristã no meio do mundo pecador gera tristezas, que Deus, em seu poder, transforma em alegrias.

Jesus não está também dizendo que ser pobre e ser odiado é bom. Nem que esses tropeços da nossa vida são valores. Também não quis dizer que a felicidade está em ser pobre, ser insultado etc. A felicidade está em ser filho de Deus.

Portanto, não devemos procurar esses infortúnios (pobreza, ser odiado, insultado…). O que devemos é ter paz em meio a todos esses contra tempos, vendo neles um sinal de predileção de Deus e um sinal de que estamos no caminho certo, no seguimento do Evangelho.

As Bem-aventuranças são uma realidade que vemos todos os dias estampada no rosto das Comunidades cristãs. Os cristãos enfrentam as maiores dificuldades, até o martírio e, em meio a tudo isso, trazem no rosto um sorriso que ninguém consegue imitar, e que é identificado até numa fotografia.

S. Francisco de Assis, no final de sua vida, vivia angustiado com a seguinte pergunta: “Será que Deus está contente comigo, com o que eu fiz?” Em suas orações ele pedia todos os dias a Deus: “Senhor, dê-me um sinal, mostrando se tudo o que eu fiz foi ou não do seu agrado!” De fato, o único desejo de Francisco era agradar a Deus.

Numa noite, quando ele acordou, percebeu que estava com as chagas. Parou a angústia, porque ele viu nas chagas um sinal de amor de Deus por ele, unindo-o com o seu Filho amado, Jesus Cristo. E daí para frente Francisco ria até às orelhas.

E foram cinco feridas dolorosas: uma em cada mão, uma em cada pé, e uma no peito. Elas deram trabalho para Francisco. Ele tinha de fazer curativos e um longo tratamento. Inclusive, elas limitaram um pouco as suas atividades.

Que paradoxo, não?

Ver como presente de Deus e como sinal do seu amor, cinco dolorosas feridas! Encontrar a felicidade em chagas! E isso que Deus fez com Francisco, faz também conosco. Nós não procuramos a cruz, mas, quando ela vem, justamente pelo fato de estarmos seguindo a Jesus, nós a vemos como um presente de Deus. A festa de S. Francisco das Chagas é dia dezessete de setembro. “Bem-aventurados vós que agora chorais, porque havereis de rir!”

Existe uma Bem-aventurança que não está, nem neste texto de Lucas nem no capítulo quinto de Mateus. Ela está em Lc 1,45, foi dita por Isabel e se refere à Mãe de Jesus: “Bem-aventurada aquela que acreditou, pois o que lhe foi dito da parte do Senhor será cumprido”. Que Maria nos ensine a amar e viver as Bem-aventuranças.

Bem-aventurados vós, pobres. Mas, ai de vós, ricos.

(Pe. Queiroz).

(14) – O SERMÃO DA MONTANHA.

Cada passo da vida de Jesus, e toda palavra saída de sua boca nos levam a buscar a Deus com mais amor, a vencer as tentações e a agir bem. Assim sendo, todo o Evangelho é um convite para que possamos viver as virtudes e os dons que o Espírito Santo nos deu no nosso Batismo. A nossa vivência terrena nas virtudes e nos dons já é, para a nossa alma, o começo da vida eterna, do Paraíso. A vida eterna é também chamada de Beatitude, que significa felicidade.

Os que vivem no céu são os beatos, ou bem-aventurados. Por isso, Nosso Senhor, no sermão da montanha, chama de bem-aventurados, ou seja, felizes, aqueles que viverem as bem-aventuranças que ele descreve. Elas são atos de grande perfeição que podemos realizar e que já nos faz participar da felicidade do céu.

As três primeiras bem-aventuranças: os pobres de espírito, os mansos, os que choram descrevem a recompensa da alma que ama corretamente a si mesmo e se converte para Deus vencendo o apego às riquezas e às honras do mundo (os pobres de espírito); aprendendo a se controlar, a dominar a raiva, as impaciências (os mansos); vencendo a tendência ao conforto, à preguiça, aprendendo a sofrer um pouco no corpo por amor a Deus (os que choram). Em seguida vêm duas bem-aventuranças que descrevem a recompensa da alma que ama o seu próximo praticando a justiça, ou seja, dando a cada um o que lhe é devido – (são os que têm fome e sede de justiça); praticando a bondade, dando ao próximo, por amor de Deus, o que pode agradá-lo (os misericordiosos).

por fim, as duas últimas bem-aventuranças descrevem a recompensa da alma que ama a Deus acima de tudo e que na vida de oração procura encontrá-Lo, principalmente levada pelos dons do Espírito Santo: os que vivem da virtude e amam agir sempre no bem são os puros de coração; os que esperam receber o prêmio pela ajuda que deram ao próximo são os pacíficos; E Jesus termina resumindo tudo numa só frase: “Bem-aventurados os que sofrem perseguição por amor da justiça, porque deles é o Reino dos Céus” À cada bem-aventurança corresponde, por conseguinte, uma recompensa: aos que se desapegam das riquezas da terra e são pobres de espírito, lhes é dado um tesouro no céu: deles é o Reino dos Céus.

– aos que conseguiram dominar sua agitação, vivendo pacificamente com todos são os mansos, por isso lhes é dado possuir a terra.

– os que aceitam sofrer no seu corpo por amor a Deus, os que choram: serão consolados.

– os que procuram dar a cada um o que lhe é devido, com fome e sede de justiça: serão saciados.

– os que são generosos para com o próximo, os misericordiosos: alcançarão misericórdia.

– os que vivem sempre com reta intenção em tudo

– o que fazem, os puros de coração: verão a Deus.

– os que imitam a Deus procurando a paz entre os homens, os pacíficos: serão chamados filhos de Deus.

– Perceba em qual Bem-aventurança você está mais fraco (a) e peça a ajuda do Espírito Santo.

(Helena Serpa).

(14) – BEM AVENTURADOS, OU SANTOS…

Prezados leitores, as leituras deste domingo nos fazem um convite à santidade. Ela é possível, pela graça e bondade de Deus. E para quem acha que é uma porcaria no Reino do Céus, Paulo em sua carta aos Coríntios (1,26-31) nos afirma que somos chamados por Deus. E que Deus escolheu o que o mundo considera como estúpido, para assim confundir os sábios; Deus escolheu o que o mundo considera como fraco, para assim confundir o que é forte. Veja que às vezes na nossa ingenuidade, na nossa maneira de humilde de ser, quantas vezes diante de pessoas que se acham poderosas sejam pelo poder do dinheiro, pela força física, ou pela sua posição social, tais pessoas nos olham de cima para baixo, com um ligeiro sorriso de desprezo mal disfarçado, como se nós diante deles fôssemos uns “fora da realidade”, por acreditar e publicar os ensinamentos de Jesus Cristo. E até tecem pequenos comentários quando nos distanciamos, como por exemplo: “Será que o padre é mesmo casto?”

Deus escolheu o que para o mundo é sem importância e desprezado. Aquele que renunciou à riqueza para se dedicar ao Reino de Deus.

Aquela humilde professora ou catequista que trabalha no Colégio Católico que não sendo rica em bens materiais, mais rica em sabedoria e virtudes ministra aulas e faz encontros catequéticos com os “filhinhos de papai” do bairro nobre, ela, que por vezes é considerada uma simples pessoa do ponto de vista social, acaba por ser respeitada por aqueles que no fundo são tementes a Deus.

Prezados catequistas. Hoje Jesus Cristo nos Jesus nos chama de “bem-aventurados” porque somos pobres, porque passamos algumas necessidades, porque defendemos a justiça e por isso somos às vezes desprezados pelos nossos vizinhos onde moramos, porque usamos de misericórdia para com os mendigos, porque depois dos nossos atritos com as pessoas por causa do seu egoísmo que as levam a cometerem abusos e injustiças, nós as perdoamos e procuramos a reconciliação e trabalhamos pela paz entre as pessoas. E por isso somos criticados por aqueles que defendem a vingança para qualquer ato violento de que quem quer seja. Da mesma forma somos também criticado por vezes pelo fato de sermos constantes na Igreja. É o papa hóstia, o carola, a beata, o amigo ou amiga do padre, etc. Não liguemos para isso! Pelo contrário, rezemos por tais pessoas. Repetindo as palavras de Jesus na cruz: Pai, perdoai-lhes o que fazem!

palavra de Deus que foi proferida por seu Filho no sermão da montanha e chega hoje aos nossos ouvidos, nos acalma e nos conforta, e nos alegra por nos dizer que estamos no caminho certo. O caminho da Casa do Pai. Este é o caminho da penitência, da oração, da meditação, da caridade, da dedicação pelas coisas de Deus, do nosso trabalho pela evangelização ou a serviços das pastorais.

A palavra de Deus hoje nos convida a fazer parte do grupo dos santos da Igreja.

Ser santo é confiar plenamente na proteção de Deus. É ter a certeza de poder contar com o seu infinito poder, pois somos totalmente dependentes d’Ele.

Ser santo é escutar Deus a todo instante, em tudo que acontece nas mínimas coisas do dia a dia.

Ser santo é ver Deus no sorriso de uma criança, na chuva que cai no barulho das ondas, no vento que balança a folha da palmeira, no canto dos pássaros, no pôr do sol…

Ser santo é não se esquecer do irmão, e ajudá-lo em suas necessidades. O Santo sabe que recebemos tudo de Deus, a voz, a saúde, a beleza, a energia, e todos os talentos ou qualidades especiais que possuímos. Então porque cobramos do irmão quando vamos usar alguns destes talentos par dar-lhe uma força, uma ajuda?

Ser santo é viver nesta vida apesar dos percalços, dos desastres, da violência, como se já estivesse vivendo na vida eterna. Estamos falando do antegozo da vida Eterna.

Ser Santo é trabalhar diariamente para construir um mundo melhor, mais fraterno, menos violento, mais justo, cheio de misericórdia, compreensão, tolerância, amor, perdão.

Ser Santo é levar ou tentar levar Deus aos irmãos, seja pela catequese, seja pelo exemplo.

Ser santo é reconhecer suas limitações, e procurar diariamente o perdão e a força de Deus, para conseguir a cada instante viver na presença desse Deus que é Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

(José Salviano).

(14) – AS BEM AVENTURANÇAS SÃO CAMINHOS DE SANTIDADE!

Jesus nos convida a ser Santo nos propondo algo de concreto: dar um sentido novo a nossa existência, uma única e fundamental direção: a santidade, como meta para chegarmos à vida eterna! Para trilhar o caminho da santidade, precisamos sair do nosso eu, deixar de projetar a nossa vida tendo nós mesmo como referência, para nos envolver no projeto de Deus, que tem como referência unicamente Jesus!

Fomos criados e orientados por Deus a direcionar a nossa existência como uma flecha que busca o seu alvo e o nosso alvo, é o próprio Deus, Ele é o nosso objetivo primeiro, àquele que dá o verdadeiro sentido a nossa vida.

É sonho de Deus, que todos nós sejamos felizes, e ser feliz, é também o que mais almejamos na vida, pena que buscamos a felicidade fora de nós, com isso enveredamos por caminhos incertos que não nos levam ao encontro da felicidade tão sonhada. Ainda nos falta compreender, que a felicidade não é algo comprável, não está nas coisas matérias e não significa ausência de dificuldade.

Quando compreendermos que a felicidade é uma eterna construção, que a vida não nos pertence e que não somos donos de nada, aí sim, estaremos prontos para assumir o grande desafio: ser feliz até mesmo nas dificuldades.

Ao esvaziarmos de nós mesmos, tornamos pobres, totalmente dependentes de Deus e tudo que mais queremos é fazer a sua vontade, as dificuldades, as perseguições, ao invés de nos aborrecer, nos alegram, pois sabemos que toda situação que nos leva ao sofrimento, Deus transforma num bem para nós.

Ninguém busca o sofrimento, mas ele é inevitável em nossas vidas, saber aproveitá-lo como trampolim para a nossa ascensão, é estar no caminho da Santidade!

No evangelho de hoje Jesus faz uma consolação a todos que hoje estão totalmente desprovidos das benéficas do mundo!

As bens aventuranças, não são mandamentos, podemos dizer que são caminhos de santidade, um abandonar-se em Deus, um não estar preso as coisas do mundo!

O conceito de felicidade que o mundo prega, é completamente diferente da felicidade que Deus planejou para todos nós. Jesus nos deixa claro que para sermos felizes, precisamos experimentar a dependência de Deus. E assim, Ele proclama: “Bem aventurados os pobres em espírito, os aflitos, os mansos, os que têm fome e sede de justiça os misericordiosos, os puros de coração os perseguidos e injuriados por causa do reino”! Estes, são felizes, por que se colocam na dependência de Deus, deixando-se conduzir por Ele!

Ser perseguido, odiado, amaldiçoado são situações que não agradam a Deus, porém, para quem vive essas realidades e mesmo assim permanece firme na perspectiva de fazer a vontade de Deus, toda esta situação de sofrimento, Deus reverte para seu bem.

Alegremo-nos por confiar na realização das promessas de Deus! É o próprio Jesus que nos garante: “Alegrai-vos e exultai, pois será grande a vossa recompensa no Céu”.

Assim como foram os Santos, sejamos também fieis ao Evangelho, sem medo de ser de Deus, de dar testemunho de Jesus em qualquer circunstância!

Ser Santo, é o grande desafio de buscar a perfeição em meio às imperfeições do mundo, sem esquecer que o mais Santo de todos os Santos da terra, será sempre um pecador perdoado.

FIQUE NA PAZ DE JESUS!

(Olívia Coutinho).

(15) – REFLEXÃO.

A partir de hoje, a Igreja nos propõe a leitura continuada do Evangelho de São Mateus nos dias de semana do Tempo Comum, omitindo o seu início porque é apresentado no ciclo litúrgico do Natal e o seu final, que nos é proposto para a reflexão no ciclo da Páscoa, de modo que iniciamos com o sermão da montanha (capítulos 5, 6 e 7). O sermão da montanha nos mostra a moral da Nova Aliança e começa com as bem-aventuranças, apresentadas no Evangelho de hoje, e que nos mostram as motivações e as virtudes que nos são necessárias para que assumamos os valores do Reino de Deus e possamos viver de forma madura o que nos é proposto por Jesus.

(CNBB).

 

CELEBRAÇÃO DE HOJE:

10ª SEMANA DO TEMPO COMUM (VERDE – OFÍCIO DO DIA).

MONIÇÕES:

MONIÇÃO AMBIENTAL OU COMENTÁRIO INICIAL:

– 1ª: Periódico Deus Conosco; – 2ª: Periódico Liturgia Diária.

– 1ª:

As bem-aventuranças são o caminho para a felicidade. Jesus as apresenta com toda a força de sua Palavra, porque nelas está o programa de cada discípulo dele. Elas nos ensinam também a viver em plena harmonia na sociedade, respeitando e promovendo o direito de cada ser humano: justiça, misericórdia, paz, partilha, dignidade. Portanto, viver as bem-aventuranças é viver o caminho da felicidade verdadeira.

– 2ª:

As bem-aventuranças, germe do evangelho, põem em questão nossas ideias a respeito da felicidade. Elas são um anúncio de alegria que nos convida ao engajamento no serviço comprometido com o bem dos irmãos.

MONIÇÃO PARA A(S) LEITURA(S) E O SALMO:

– 1ª: Periódico Deus Conosco; – 2ª: Periódico Liturgia Diária.

– 1ª:

Deus nos consola em sua misericórdia para que possamos consolar àqueles que se encontram em situações difíceis de aflição e incertezas. E Jesus, nas bem-aventuranças, nos ensina e nos indica o jeito autêntico de ser cristão verdadeiro, voltando o coração para a verdade do Reino. Escutemos.

– 2ª:

Deus nos consola em todas as nossas aflições para que possamos dar nosso consolo e solidariedade aos que também têm direito à felicidade.

MONIÇÃO PARA O EVANGELHO.

— Aleluia, aleluia, aleluia.

— Aleluia, aleluia, aleluia.

— Alegrai-vos, vós todos, porque grande há de ser a recompensa nos céus, que um dia, tereis! (Mt 5,12a).

ANTÍFONAS:

Antífona da entrada.

O Senhor é minha luz e minha salvação, a quem poderia eu temer? O Senhor é o baluarte de minha vida, perante quem tremerei? Meus opressores e inimigos, são eles que vacilam e sucumbem (Sl 26,1s).

Antífona da comunhão.

Sois minha rocha, meu refúgio e salvador! Ó meu Deus, sois o rochedo que me abriga! (Sl 17,3).

ORAÇÕES DO DIA:

Oração do dia ou Oração da coleta.

Ó Deus, fonte de todo bem, atendei ao nosso apelo e fazei-nos, por vossa inspiração, pensar o que é certo e realizá-lo com vossa ajuda. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Preces da Assembleia ou Oração da Assembleia:

– 1ª: Periódico Deus Conosco; – 2ª: Periódico Liturgia Diária.

– 1ª:

Ó Deus, vós nos corrigis com suavidade e vosso amor nos contagia. Confiantes, nós vos suplicamos:

— Deus de misericórdia, atendei-nos.

1. BEM-AVENTURADOS os pobres porque são amados por Deus! Para que a partilha e a fraternidade marquem profundamente nossas atitudes cristãs, roguemos a Senhor.

2. BEM-AVENTURADOS os misericordiosos! Para que usemos de misericórdia para com os irmãos e irmãs, porque o Senhor é misericordioso para conosco, roguemos ao Senhor.

3. BEM-AVENTURADOS os que praticam a bondade! Por todos os que trabalham com os sofredores, com os abandonados no mundo, com os rejeitados da sociedade, roguemos ao Senhor.

4. BEM-AVENTURADOS os que buscam a Deus! Por todos os que procuram sinceramente encontrar-se e sejam felizes, roguemos ao Senhor.

(Intenções próprias da Comunidade)

Deus pleno de amor e de misericórdia, não nos abandonais nesta vida, pois sem vós nada podemos fazer. Vós, que viveis e reinais para sempre.

– 2ª:

— Lembrai-vos, Senhor.

1. Dos pobres e dos aflitos.

2. Dos que têm fomo e sede de justiça.

3. Dos misericordiosos e puros de coração.

4. Dos que promovem a paz e a concórdia.

5. Dos perseguidos por causa da justiça.

(Intenções próprias da Comunidade)

Oração sobre as oferendas.

Senhor nosso Deus, vede nossa disposição em vos servir e acolhei nossa oferenda, para que este sacrifício vos seja agradável e nos faça crescer na caridade. Por Cristo, nosso Senhor.

Oração depois da comunhão.

Ó Deus, que curais nossos males, agir em nós por esta eucaristia, libertando-nos das más inclinações e orientando para o bem a nossa vida. Por Cristo, nosso Senhor.

FONTES DE CONSULTAS E PESQUISAS:

Vamos expor a seguir de onde pertencem os textos que nos preenchem todos os dias, nos dando um caminho com mais sabedoria, simplicidade e amor.

FONTE PRINCIPAL DE PESQUISA E INSPIRAÇÃO

bc3adblia1

REFLITA:

O importante não é a pessoa que escreve, mas quem foi que inspirou essa pessoa a escrever.

O importante não é como se lê o que está escrito, mas como se age.

O importante não é sentar-se à direita ou a esquerda do Pai, mas sim, realizar o trabalho que Ele nos pede.

Ter conhecimento não é ter sabedoria, sabedoria é saber compartilhar o conhecimento.

(0) – Blog Liturgia Diária da Palavra de Deus (Reflexões e Comentários);

(1) – Periódico Mensal: Liturgia Diária (Editoras Paulinas e Paulus);

(2) – Periódico Mensal: Deus Conosco (Editora Santuário);

(3) – Portal Editora Santuário;

(4) – Portal Editora Paulinas;

(5) – Portal Editora Paulus;

(6) – Portal e Blog Canção Nova;

(7) – Portal Dom Total;

(8) – Portal Católica Net;

(9) – Portal Católico Orante;

(10) – Portal Edições Loyola Jesuítas;

(11) – Portal de Catequese Católica;

(12) – Portal Evangelho Quotidiano;

(13) – Blog Homilia Dominical;

(14) – Blog Liturgia Diária Comentada;

(15) – Portal CNBB (A Palavra de Deus na Vida);

(16) – Portal Catequisar: Catequese Católica;

(17) – Portal Universo Católico;

(18) – Portal Paróquia São Jorge Mártir;

(19) – Portal Catedral FM 106,7;

(20) – Portal Comunidade Católica Nova Aliança;

(21) – Portal Comunidade Resgate;

(22) – Portal Fraternidade O Caminho;

(23) – Portal Católico na Net;

(24) – Portal Evangeli.net;

(25) – Portal Padre Marcelo Rossi;

(26) – Portal Grupo de Oração Sopro de Vida;

(27) – Portal NPD Brasil.

MINHA MENSAGEM PESSOAL PARA MIM MESMO.

Mais vale o desconforto da VERDADE, do que a comodidade da MENTIRA.

E usando a essência da Oração da Serenidade, devo orar:

Ó meu Deus e Senhor, Pai de misericórdia e Salvação,

que em seu Filho Jesus perdoou os nossos pecados,

e com o seu Santo Espírito, paráclito nesse nosso mundo que caminha conosco,

apenas em Ti posso almejar a vida eterna, socorre-me e ouvi-me:

Se o ERRO está em mim, que DEUS possa me dar a HUMILDADE de aceitar que estou errado.

Que Jesus me dê a SERENIDADE, para aceitar que tem coisas que não posso mudar.

E que o Espírito Santo me dê a CORAGEM, suficiente para mudar aquelas coisas que dependem de mim, mesmo que sejam difíceis.

E para complementar os alicerces de orações da minha vida, faço como o santo Tomás de Aquino:

“Concede-me, Deus misericordioso, que deseje com ardor o que tu aprovas, que o procure com prudência, que o reconheça em verdade, que o cumpra na perfeição, para louvor e glória do teu nome.

Põe ordem na minha vida, ó meu Deus, e permite-me que conheça o que tu queres que eu faça, concede-me que o cumpra como é necessário e como é útil para a minha alma.

Concede-me, Senhor meu Deus, que não me perca no meio da prosperidade nem da adversidade; não deixes que a adversidade me deprima, nem que a prosperidade me exalte.

Que nada me alegre ou me entristeça para além do que conduz a ti.”

Viver CORRETO e falar a VERDADE hoje são tão difíceis quanto na época de Jesus, pois é muito mais fácil aceitar a MENTIRA e fazer o ERRADO.

Viver no CAMINHO, VERDADE E VIDA, que é o próprio Cristo Jesus, tem que ser uma caminhada diária.

O futuro é desejo e pensamento.

O passado é aprendizado e lembrança.

O hoje é realidade, isso quer dizer: CRISTO.

Meus amigos(as) de coração, meus irmãos(ãs) em Cristo Jesus, lembrem-se:

“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”

“Não julgues para não seres julgados.”

“A quem é muito dado, muito será cobrado.”

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s