Liturgia Diária 27/JUN/13

LEITURA DIÁRIA DA PALAVRA — 27/JUN/2013 (quinta-feira)

LEITURAS:

Leitura retirada do Livro do Gênesis (Gn 16,6b-12.15-16)

Leitura do Livro do Gênesis.

Naqueles dias, 6b Sarai maltratou tanto Agar que ela fugiu. 7 Um anjo do Senhor, encontrando-a junto à fonte do deserto, no caminho de Sur, disse-lhe: 8 “Agar, escrava de Sarai, de onde vens e para onde vais?” Ela respondeu: “Estou fugindo de Sarai, minha senhora”. E o anjo do Senhor lhe disse: “Volta para a tua senhora e sê submissa a ela”. 10 E acrescentou: “Multiplicarei a tua descendência de tal forma, que não se poderá contar”. 11 Disse, ainda, o anjo do Senhor: “Olha, estás grávida, e darás à luz um filho e o chamarás Ismael, porque o Senhor te ouviu na tua aflição. 12 Ele será indomável como um jumento selvagem, sua mão se levantará contra todos, e a mão de todos contra ele. E ele viverá separado de todos os seus irmãos”. 15 Agar deu à luz o filho de Abrão; e ele pôs o nome de Ismael ao filho que Agar lhe deu. 16 Abrão tinha oitenta e seis anos, quando Agar deu à luz Ismael.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.

Salmo retirado do Livro dos Salmos (Sl 105, 1-2. 3-4a. 4b-5 (R. 1a))

— 1a Dai graças ao Senhor, porque ele é bom.

1a Dai graças ao Senhor, porque ele é bom.

— 1 Dai graças ao Senhor, porque ele é bom, / porque eterna é a sua misericórdia! / 2 Quem contará os grandes feitos do Senhor? / Quem cantará todo o louvor que ele merece?

— 3 Felizes os que guardam seus preceitos / e praticam a justiça em todo o tempo! / 4a Lembrai-vos, ó Senhor, de mim, lembrai-vos, / pelo amor que demonstrais a vosso povo!

— 4b Visitai-me com a vossa salvação, / 5 para que eu veja o bem-estar do vosso povo, / e exulte na alegria dos eleitos, / e me glorie com os que são vossa herança.

Leitura retirada do Livro do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus (Mt 7,21-29)

Mt 7,21-29 (Os verdadeiros discípulos)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 21 “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos Céus, mas o que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus. 22 Naquele dia, muitos vão me dizer: ‘Senhor, Senhor, não foi em teu nome que profetizamos? Não foi em teu nome que expulsamos demônios? E não foi em teu nome que fizemos muitos milagres? 23 Então eu lhes direi publicamente: Jamais vos conheci. Afastai-vos de mim, vós que praticais o mal. 24 Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática, é como um homem prudente, que construiu sua casa sobre a rocha. 25 Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos deram contra a casa, mas a casa não caiu, porque estava construída sobre a rocha. 26 Por outro lado, quem ouve estas minhas palavras e não as põe em prática, é como um homem sem juízo, que construiu sua casa sobre a areia. 27 Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos sopraram e deram contra a casa, e a casa caiu, e sua ruína foi completa!” 28 Quando Jesus acabou de dizer estas palavras, as multidões ficaram admiradas com seu ensinamento. 29 De fato, ele as ensinava como quem tem autoridade e não como os mestres da lei.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

LEITURA ORANTE:

… Oração Inicial… (querer)

Preparo-me para a Leitura Orante, rezando com todos os que se encontram neste espaço virtual de oração:

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Creio, Senhor Jesus, que sou parte de seu Corpo.

Trindade Santíssima – Pai, Filho, Espírito Santo – presente e agindo na Igreja e na profundidade do meu ser.

Eu vos adoro, amo e agradeço.

… Eu sou o CAMINHO… (ler…)

Leio atentamente, na Bíblia, o texto Mt 7,21-29.

Construir a casa significa ouvir a Palavra de Deus. Nos dois casos, as pessoas “ouviram a Palavra”. A diferença está em que um “vive de acordo com os ensinamentos” e outro, não. Os símbolos rocha e areia correspondem à prática ou não da Palavra. A chuva, as enchentes e o vento forte representam as dificuldades da vida, que querem nos derrubar e destruir o Projeto de Deus. Já a casa construída sobre a rocha, vende todos os obstáculos.

… a VERDADE… (refletir e meditar…)

O que o texto diz para mim, hoje?

Verifico se ouço a Palavra e a pratico, ou se, simplesmente, a ouço.

Construo sobre a rocha ou sobre a areia?

Os bispos, em Aparecida, disseram: “Ser discípulo é dom destinado a crescer. A iniciação cristã dá a possibilidade de uma aprendizagem gradual no conhecimento, no amor e no seguimento de Cristo. Dessa forma, ela forja a identidade cristã com as convicções fundamentais e acompanha a busca do sentido da vida. É necessário assumir a dinâmica catequética da iniciação cristã. Uma comunidade que assume a iniciação cristã renova sua vida comunitária e desperta seu caráter missionário. Isso requer novas atitudes pastorais por parte dos bispos, presbíteros, diáconos, pessoas consagradas e agentes de pastoral. Como características do discípulo, indicadas pela iniciação cristã, destacamos: que ele tenha como centro a pessoa de Jesus Cristo, nosso Salvador e plenitude de nossa humanidade, fonte de toda maturidade humana e cristã; que tenha espírito de oração, seja amante da Palavra, pratique a confissão frequente e participe da Eucaristia; que se insira cordialmente na comunidade eclesial e social, seja solidário no amor e fervoroso missionário.” (DAp 291, 292).

… e a VIDA… (orar…)

O que o texto me leva a dizer a Deus?

Rezo, espontaneamente, com salmos ou outras orações e concluo com:

ORAÇÃO DO SÉCULO XXI

Senhor, faz de mim um meio da tua comunicação,

– Onde tantos lançam bombas de destruição, que eu leve a palavra de união.

– Onde tantos procuram ser servidos, que eu leve a alegria de servir.

– Onde tantos fecham a mão para atacar, que eu abra o coração para acolher.

– Onde tantos adoram a máquina, que eu saiba humanizar a pessoa.

– Onde tantos endeusam a técnica, que eu leve o sentido de viver.

– Onde tantos me pedem um peixe, que eu saiba ensinar a pescar.

– Onde tantos me pedem pão, que eu saiba ensinar a plantar.

– Onde tantos estão sempre distantes, que eu seja alguém sempre presente.

– Onde tantos só vivem a matéria que passa, que eu viva o espírito que fica.

– Onde tantos sofrem a solidão na multidão, que eu leve o encontro com alguém.

– Onde tantos olham só para a terra, que eu saiba olhar para o céu.

– Onde tantos se prendem a pequenas coisas, que eu saiba apontar coisas maiores.

Qual deve ser a MISSÃO em minha VIDA hoje? (contemplar e agir…)

Qual meu novo olhar a partir da Palavra?

Meu novo olhar é atento aos ensinamentos de Jesus e para vivê-los no dia-a-dia.

REFLEXÕES:

(4) – OUVIR E PRATICAR A PALAVRA DO SENHOR

Nossa perícope é a conclusão do discurso denominado ‘Sermão da Montanha’ (Mt 5–7). Não são as muitas palavras ou o louvor estéril que caracteriza o discípulo, mas o seu engajamento afetivo e efetivo em realizar a vontade de Deus: “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor! Senhor!’, entrará no Reino dos Céus, mas só aquele que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus” (v. 21). Trata-se de ouvir e pôr em prática a palavra do Senhor, pois, de alguma maneira, nesta palavra de vida está a vontade de Deus para cada um. É esse dinamismo de escuta e prática da palavra do Senhor que dá solidez à Igreja, comunidade dos discípulos, casa “construída sobre a rocha” (v. 24) da fé.

(Carlos Alberto Contieri).

(6) – O EVANGELHO EXIGE DE NÓS UMA COERÊNCIA DE VIDA

O Evangelho tem uma exigência muito séria para a nossa vida, ele exige de nós uma coerência de vida, quer que levemos uma vida de acordo com a vontade de Deus.

“Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos Céus, mas o que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus” (7,21).

Não basta clamar pelo nome do Senhor, não basta anunciar o nome d’Ele, não basta dizer que lê, reza, prega, faz isso ou faz aquilo, em nome do Senhor, se não leva uma vida de acordo com a vontade d’Ele.

Evangelho tem uma exigência muito séria para a nossa vida, ele exige de nós uma coerência de vida, quer que levemos uma vida de acordo com a vontade de Deus. Tem muita gente por aí, em todo e qualquer lugar, falando em nome do Senhor, pregando em nome d’Ele, levando e levantando placas em nome de Jesus, usando roupas, camisetas, cruzes pequenas, cruzes enormes… Mas o Senhor não se deixa enganar pela aparência, Ele não se deixa levar por gritos, por discursos inflamados. Até lágrimas muitas vezes são derramadas, choros.

importante, no entanto, não são essas coisas externas. O que caracteriza um cristão é saber colocar em prática a vontade d’Ele. Por isso mais importante ainda do que pregar, do que anunciar a Palavra de Jesus, do que sair dizendo o nome d’Ele para este ou para aquele, é importante olhar para a nossa vida e, a cada dia, procurar moldá-la para que ela esteja de acordo com a vontade do Senhor.

Que Deus nos ensine o caminho da coerência evangélica, que Ele nos ajude a moldar nossa vida para que ela esteja de acordo com a vontade d’Ele.

Deus abençoe você!

(Pe. Roger Araújo).

(7) – PRUDÊNCIA E TOLICE

Engana-se quem pensa ter optado por uma adesão perfeita a Jesus só porque, da boca para fora, invoca seu nome, julgando estar dando mostras de fé. Certas circunstâncias da vida põem à prova a solidez desta adesão. Só, então, será possível saber se se trata de uma opção bem alicerçada ou não.

opção por Jesus concretiza-se na prática de suas palavras. Quem as ouve e se esforça por pautar por elas a sua vida, está no bom caminho. Nenhuma tempestade, por mais violenta que seja, será suficientemente forte para demovê-lo de sua confiança no Senhor e no seu Reino. A tempestade se vai, sem ter abalado sua fé. A prudência levou-o a construir sua vida sobre alicerces sólidos.

Bem outro é o destino de quem fica satisfeito com uma piedade aparente, em que o comodismo e o amor próprio permanecem intocados. Ao ser provado, não estará em condições de resistir diante dos múltiplos assédios do tentador. Seu cristianismo de fachada será desmascarado, ficando claro que ele estava longe de ser um discípulo de Jesus. Por ser tolo, não edificou sua vida cristã sobre as bases indicadas pelo Mestre, vindo a sofrer as consequências de sua falta de discernimento.

Cada discípulo é chamado a fazer uma séria revisão de sua vida, para certificar-se se está agindo com a prudência necessária, ou se está sendo levado pela insensatez.

Oração: Espírito de prudência, que eu saiba edificar minha vida cristã sobre os alicerces das palavras de Jesus, de modo a superar as provações da vida.

(Pe. Jaldemir Vitório).

(10) – BOA NOVA PARA CADA DIA

Senhor, Senhor, não foi em teu nome que profetizamos, … expulsamos demônios… fizemos milagres? (Mt 7,22).

Jesus está ensinando em Mateus 7,21-29 como seus discípulos devem ser sinceros. No entanto, Ele sabe que mais tarde alguns o trairão. E haverá discípulos que se tornarão maus, dando maus frutos, mesmo depois de terem feito profecias em Seu nome, exorcismos e milagres. Jesus previa que haveria heresias mesmo depois que tivesse mandado o Espírito Santo em Pentecostes. E isso aconteceu na Igreja naqueles inícios e acontece ainda hoje.

Nos meios de comunicação, de modo especial na TV, vemos todos os dias falsos profetas, falsos exorcistas, falsos fazedores de milagres. Jesus estava certo. No entanto, Ele preveniu seus discípulos de tudo isso e nos previne para não entrarmos nessas armadilhas.

Apesar de Jesus nos ter advertido, muitos se corrompem e se tornam falsos discípulos de Jesus. O que desejam é riqueza. Devoram as ovelhas do rebanho de Cristo.

Contudo, no dia da colheita os maus profetas, exorcistas, fazedores de falsos milagres, enfim, o joio, serão colhidos e queimados, disse Jesus em Mateus 13,30. E aqui em Mateus 7,23 Jesus lhes dirá:

Apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade. Esta frase está no Salmo 6,8.

Este Salmo todo é uma oração sincera que Jesus terá ouvido em seu tempo rezada por pessoas hipócritas, como os fariseus. Por coincidência, neste Salmo 6 a invocação “Senhor, Senhor” aparece oito vezes. Ouvi-la em lábios falsos dos fariseus deve ter incomodado muito a Jesus, que se serviu deste mau exemplo para prevenir seus discípulos.

Perguntemos a nós mesmos: quando nos dirigimos a Deus temos esta sinceridade do Salmo 6 ou somos falsos como os hipócritas que Jesus denunciou?

(Pe. Valdir Marques).

(12) – TENDES DE A PÔR EM PRÁTICA E NÃO APENAS OUVI-LA, ENGANANDO-VOS A VÓS MESMOS

Não tenhais ilusões, irmãos, se viestes com zelo ouvir a palavra sem intenção de pordes em prática o que ouvis. Pensai bem nisto: se é bom ouvir a palavra, melhor ainda é pô-la em prática. Se não a ouvires, se não fizeres o que ouviste, nada edificas. Se a ouves e não a pões em prática, o que edificas é uma ruína […]. “Todo aquele que ouve estas minhas palavras e as põe em prática é como o homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha” […]: ouvir e pôr em prática é edificar sobre a rocha […].

“Porém, continua o Senhor, todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as põe em prática poderá comparar-se ao insensato que edificou a sua casa sobre a areia.”

Também ele a levanta, mas o que edifica?

Edifica a sua casa mas, porque não põe em prática o que ouve, apesar de ter ouvido, edifica sobre a areia. Portanto, ouvir sem praticar é edificar sobre a areia; ouvir e pôr em prática é edificar sobre a rocha; recusar-se a ouvir é não edificar nem sobre a rocha, nem sobre a areia […].

Haverá quem diga: “Para quê ouvir, então? […] Pois se ouvir sem pôr em prática edificarei uma ruína, não será melhor não ouvir?”

chuva, os ventos, as torrentes são constantes neste mundo.

É pois com medo de que eles surjam e te derrubem que não edificas? […]

Se te obstinares a nada ouvir, nenhum abrigo terás: virá a chuva, as torrentes precipitar-se-ão – e tu, estarás em segurança? […]

Portanto, reflete bem: é mau não ouvires, e é mau ouvires sem agir, pois há que ouvir e pôr em prática. Sede pessoas que põem em prática a Palavra, não vos contenteis em ouvi-la; isso será enganardes-vos.

(Santo Agostinho (354-430), bispo de Hipona (Norte de África), doutor da Igreja – Sermão 179, 8-9; PL 38, 970).

(14) – CONSTRUIR UMA CASA SEGURA É PAUTAR A VIDA NO EXEMPLO DE JESUS!

A palavra de Deus é alimento para o nosso dia a dia, devemos buscá-la sempre, nos orientar por ela, colocá-la em prática e nunca guardá-la só para nós! 

Ouvir os ensinamentos de Jesus, não corresponde apenas na nossa audição física, sem entrar no nosso coração, tudo o que foi dito por Ele, cairá no vazio, não nos levará a uma mudança de vida, portanto, sem uma conversão, não tem como aderirmos ao projeto de Deus apresentado por Jesus!

Para que a palavra de Deus frutifique no mundo através de nós, precisamos primeiramente degustá-la, deixá-la fecundar o nosso coração, criar raízes, e uma vez, transformados por esta palavra, tornaremos sinal da presença de Deus no mundo!

Não é olhando para o céu, que vamos encontrar Deus, afinal, não se relaciona com um Deus lá nas alturas, pois à distância, não ouvimos os seus apelos, por tanto, não haverá da nossa parte, um comprometimento com a construção do seu Reino e, por mais belas que sejam as palavras que dirigimos a Deus, elas jamais chegarão a Ele, pois serão facilmente levadas pelo vento! O que verdadeiramente chega a Deus, são as suas palavras que transformamos em vida, com os nossos pés “fincados” aqui, neste chão!

Não podemos ser um cristão apática, distante dos acontecimentos do mundo, insensível à necessidade do outro, um cristão que fica da janela como um mero espectador, vendo as coisas acontecerem lá fora e nada fazer! Como verdadeiros cristãos, precisamos abrir as portas do nosso coração, dar passos, ir mais além, esvaziarmos de nós mesmos para ir ao encontro outro, nos colocando no mundo, como instrumento disponível a ser usado por Deus, como e onde se fizer necessário.

Mais do que ser Cristão, devemos ser discípulo, entrar em intimidade com Jesus, aprender com Ele, pautar a nossa vida no seu exemplo de obediência ao Pai, nos colocando à serviço do outro, prioritariamente dos esquecidos por esta sociedade excludente.

É a partir da nossa confiança num Deus que é Pai e que se revelou plenamente no seu Filho Jesus, que descobriremos o verdadeiro sentido da vida!

O evangelho de hoje, é um convite a construirmos a nossa vida sobre o alicerce firme dos valores do Reino, valores que o mundo tenta camuflar, induzindo o povo, com os seus contra valores!

Jesus nos alerta sobre a importância de colocarmos em prática os seus ensinamentos. “Nem todo aquele que me diz ‘Senhor, Senhor’ entrará no reino dos céus, mas o que põe em pratica a vontade de meu Pai que estás nos céus”.

Construir uma casa segura é firmar os nossos passos nos valores irrenunciáveis do amor e da justiça. É alicerçados nestes valores, que devemos assentar a nossa vida e aí, nenhuma tempestade destruirá o que foi construído sob o olhar atento do construtor maior: Jesus!

FIQUE NA PAZ DE JESUS!

(Olívia Coutinho).

(14) – QUEM ENTRARÁ NO REINO DOS CÉUS?

Gênesis 16.1-12.15-16 – “precipitação”

Deus havia prometido a Abrão uma posteridade, no entanto, a sua mulher Sarai não acreditando nas promessas do Senhor tomou a iniciativa, e, à sua maneira, providenciou um filho para Abrão. As consequências vieram logo depois: Agar a escrava despreza a sua senhora Sarai, e esta a maltrata. Por isso, Agar foge para o deserto onde encontra o anjo do Senhor que lhe faz também a promessa de uma grande descendência. Assim é que o povo de Deus ainda hoje sofre os efeitos da precipitação de Sarai. Há uma guerra perene entre judeus e mulçumanos, os descendentes de Ismael. Assim também acontece na nossa vida: abusamos da liberdade e tomamos iniciativas, independentemente da vontade de Deus, por isso, sofremos as sequelas. Não queremos esperar pelo projeto de Deus e não admitimos sofrer as suas demoras. Mesmo assim, como fez com Agar, o Senhor vem em nosso auxílio e nos ajuda a viver dentro da situação que nós mesmos construímos. Ele nos vê e nos ouve e está presente como herói e salvador, entretanto, ficam as implicações pelos nossos atos impensados. Todos nós temos uma história que parte da raiz das nossas ações que são nossos projetos, pensamentos, desejos e aspirações. É de dentro do nosso coração que partem as maquinações.

– Você tem tomado iniciativas impensadas, que são contrárias à vontade de Deus?

– Você tem percebido as consequências das suas precipitações?

– Ou você tem tido paciência para esperar as demoras de Deus?

Salmo 105 – “Daí graças ao Senhor, porque ele é bom”

Deus é bom e a sua misericórdia é eterna, por isso, nunca podemos duvidar da sua providência na nossa vida, mas cantar a todos o louvor que Ele merece. O Senhor nos visita a todo o momento e está atento às todas as nossas necessidades. Somos sua descendência e o nosso bem estar é desejo do Seu coração. Portanto, devemos dar graças ao Senhor e proclamar os Seus benefícios a cada dia.

Evangelho – Mateus 7, 21-29 – “quem entrará no reino dos céus?”

Para entrar no reino dos céus não nos basta “orar” com palavras bonitas ou suplicar e louvar, mas viver segundo a vontade do Pai, diz o Senhor Jesus. A vontade do Pai para nós se revela por meio da Sua Palavra e, somente, a vivência concreta dos conselhos evangélicos far-nos-á cidadãos, (ãs) do reino dos céus. Nem sempre o que desejamos e o que estamos fazendo é da vontade do Pai. Sabemos que vivemos a vontade do Pai quando muitas vezes, nós contrariamos a nossa própria vontade, porque descobrimos que a Palavra de Deus nos manda agir diferentemente daquilo que nós sonhamos. Agindo assim nós estamos construindo uma casa sobre a rocha e ela nunca desmoronará. A casa construída sobre a rocha é a vida do homem que caminha à luz da Palavra de Deus. Deus é a Rocha, Deus é o Amor e aquele que se ajusta à Sua vontade, terá uma vida firme, confiante e as tempestades, os terremotos, os ventos não o abalarão. A Rocha é a Palavra de Jesus Cristo. A areia é a ilusão dos ensinamentos do mundo. Se não permanecermos firmes na vivência da Palavra de Jesus, se não concretizarmos com as nossas ações o que proferimos com os nossos lábios estaremos construindo a nossa história sobre falsos fundamentos e na hora da tempestade a nossa vida ruirá e experimentaremos o fracasso. O alicerce é interior, dentro do nosso coração. Estamos mais fortes interiormente quando quebramos as nossas estruturas próprias para seguir o projeto de Deus. Através da oração, o Senhor vai nos plasmando e nos transformando. As dificuldades da nossa vida são momentos preciosos para percebermos se estamos firmes sobre a R0CHA.

– Em que alicerce você está construindo a sua vida?

– Quem lhe tem ensinado a viver?

– A sua vida já tem sido provada pelas chuvas e ventos fortes?

– Você sente firmeza nos seus pés nas horas das dificuldades?

– Você acha que a sua vida está firmada sobre a Rocha ou você é um “homem sem juízo”?

– Em que a Palavra de Deus tem o (a) instruído?

(Helena Serpa).

(14) – NEM TODO AQUELE QUE ME DIZ: ‘SENHOR, SENHOR’, ENTRARÁ NO REINO DOS CÉUS

Jesus nos adverte: para que possamos entrar no reino dos céus precisamos estar firmes no seguimento da vontade de Deus que se nos apresenta por meio da sua Palavra. A nossa entrada no reino dos céus não acontece em vista de “palavras pronunciadas, orações recitadas e pregações bem elaboradas. Não nos adiantará nada clamar e chamar Senhor, Senhor, e não pôr em prática a Sua vontade para a nossa vida. As nossas ações têm mais eficácia do que as nossas palavras, portanto, se não praticarmos o que dissermos tudo será igual a nada. Praticar o mal é não fazer conforme nos direciona a Palavra de Deus e agir conforme os nossos próprios pensamentos humanos seguindo a nossa vontade. Por isso, Jesus nos mostra no Evangelho que ouvir a Palavra e praticá-la é como construir a casa na rocha. A casa construída sobre a rocha é a vida do homem que caminha à luz da Palavra de Deus seguindo os Seus ensinamentos para enfrentar os desafios do dia a dia. A Rocha é Deus! A Rocha é o Seu Amor! A Rocha é a vontade de Deus! Assim sendo, todos aqueles que se ajustam à Sua vontade, terão uma vida firme, confiante e as tempestades, os terremotos, os ventos não os abalarão. As dificuldades da nossa vida são momentos preciosos para percebermos se estamos ou não firmes sobre a ROCHA. Quando passamos pelas dificuldades, mas não perdemos o rumo, é sinal de que estamos fundados e protegidos sob a guarda de Deus.

– Como você está construindo a casa da sua vida: na rocha ou na areia?

– Você já experimentou alguma tempestade na sua vida?

– Como ficou a sua casa?

– Você sente firmeza nos seus pés nas horas das dificuldades?

– Você acha que a sua vida está firmada sobre a Rocha ou você é um “homem sem juízo”?

– Em que a Palavra de Deus tem o (a) instruído?

(Helena Serpa).

(14) – A CASA CONSTRUÍDA SOBRE A ROCHA E A CASA CONSTRUÍDA SOBRE A AREIA

A casa construída sobre a rocha e a casa construída sobre a areia.

Os primeiros versículos do evangelho fazem referência ao dia do juízo, quando nossas obras forem julgadas. Não é suficiente orar, falar bonito, conhecer as Escrituras para alcançar o Reino; deve-se mostrar com obras o que edificamos solidamente sob o mandamento do amor. Na comunidade de Mateus havia pessoas com diferentes dons: uns tinham o poder de fazer exorcismos, outros o dom da profecia, outros da cura, mas usavam esses dons para benefícios próprios.

A advertência de Jesus é radical: “Nunca os conheci, afastem-se de mim, vós que fazeis o mal”. O mal se opõe à justiça. De nada serve ser bons profetas, se não se reparte com os pobres o que se possui. A parábola da casa sobre a rocha e sobre a areia nos ensina que a base sobre a qual se constrói uma verdadeira vida cristã é a Palavra de Deus traduzida em obras de amor.

Um amor que vem de Deus, porque Ele nos amou primeiro; e um amor que se concretiza no próximo, porque é com o outro como se constrói a casa segura da família e da comunidade.

(Claretianos).

(14) – NEM TODO AQUELE QUE DIZ “SENHOR, SENHOR, ENTRARÁ NO REINO DOS CÉUS”

“Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus.”

E qual é a vontade do Pai?

Que amemos uns aos outros.

E como faremos isso?

Tratando os outros exatamente como gostaríamos que eles nos tratassem. É desejando para os outros tudo aquilo que desejamos para nós. Coisa Linda! Maravilhoso! Mais na prática não é bem assim que acontece. O nosso egoísmo estraga tudo. Por que lá no nosso íntimo do nosso ser, queremos mesmo é o melhor para nós, e nos mínimos detalhes, deixamos de amar o próximo como a nós mesmo. E isso começa dentro da nossa casa. Será que não pegamos o melhor pedaço do frango? Ou será que não reservamos para nós o melhor prato, o melhor garfo, e o copo mais bonito? O chefe do departamento recebe novas mesas, cadeiras e armários de arquivos para serem distribuídos pelas demais sessões. Só que para a sua sala, serão as melhores e mais conservadas peças. Aquelas com alguns defeitos, irão para os funcionários dos andares de baixo… Fazer a vontade do Pai não é apenas rezar dizendo Senhor, Senhor. É matar a fome daquele que está na calçada. E isso Ele vai nos cobrar. Tive fome e não me deste de comer! Fazer a vontade do Pai, é ajudar a Igreja na hora da coleta, por amor a Deus. Mais quanto foi mesmo que eu dei na última missa? Será que eu pensei na sobrevivência do sacerdote? Ou pensei no meu conforto apenas? Uma moedinha não basta para as despesas da paróquia e a sobrevivência do padre. Mas eu sou pobre! Ninguém é tão pobre que não pode ajudar. Aliás, os pobres são aqueles que ajudam com mais boa vontade. Nas paróquias de bairros pobres, acontece isso. É o pedreiro que vem doar ser serviço, o eletricista faz o mesmo e todos unidos num mutirão, vem montar as barracas para a festa junina. Na festa vão comparecer em massa, pois as opções de laser são muito poucas. Na paróquia de bairro rico, poucos vêm para doar seu esforço na montagem da quermesse. Preferem terceirizar ou coisa parecida. No dia da festa junina, alguns passam por lá só por uma obrigação religiosa. Pois jantar no restaurante é bem melhor que comer aqueles sanduíches caseiros. Ou ficar no conforto do seu lar assistindo um filme ou jogando videogame ou mexendo nos seus computadores e depois pedir uma pizza é a sua rotina preferida. Enfrentar o frio para ir até a quermesse? Não! Depois eu dou um pouco de dinheiro para o padre. Não é difícil saber qual a vontade do Pai, pois de tudo que Jesus falou, Ele mesmo resumiu em: Amara a Deus e ao Próximo.

(José Salviano)

(14) – TEM GENTE GANHANDO DINHEIRO EM NOME DA FÉ!

Bom dia!

O que difere uma boa intenção de uma má intenção?

A índole!

Qual a diferença de uma boa obra de uma ruim?

O propósito.

O que diferencia as pessoas?

A índole e os propósitos?

Vemos a cada dia pessoas investindo num campo muito perigoso e delicado – o da fé. Pessoas de má índole têm visto na fé ou no desespero das pessoas uma forma atrativa de ganhar dinheiro e “fazer” sua vida. Igrejas podem ser compradas, com “público fiel” em anúncios de classificados de grandes jornais. Paga-se até produtividade para o “profeta” atingir a meta! Nossa! Isso é deprimente!

É difícil entender alguém deitar sua cabeça no travesseiro que conscientemente engana as pessoas usando da fragilidade do fiel, que o procura, para se enriquecer. Fazendas, TVs, rádios, novas sedes (ou seriam franquias) de uma empresa que envergonha até mesmo os evangélicos mais sérios.

Diz o dito popular que “nem tudo que reluz é ouro” e tão pouco nem tudo é que é feio é sujo ou desonesto. Em meio a tanta rapinagem e engodos, oriundos de charlatões disfarçados de profetas de Deus, existe uma gama grande de gente séria, que longe das luzes, da TV e holofotes faz um trabalho sério e honesto que acabam sofrendo reflexos negativos desses contadores de história.

Não temos direito a condená-los por completo, pois não vi ninguém ainda ir ou assistir suas pregações amarrados. As pessoas também são bem culpadas, pois o que muitas vezes buscam é a prosperidade financeira, o pagamento de dívidas, aquisição de veículos, casas… Alguém já viu na TV, alguém pagar mil reais de “dízimo” com o propósito de salvar sua família?

Nem todo aquele que diz ser um enviado ou mensageiro de Deus está com Ele no coração ou por Ele que realiza esse trabalho.

“(…) Como recebestes o Senhor Jesus Cristo, vivei nele, enraizados e edificados nele, inabaláveis na fé em que fostes instruídos, com o coração a transbordar de gratidão! Estai de sobreaviso, para que ninguém vos engane com filosofias e vãos sofismas baseados nas tradições humanas, nos rudimentos do mundo, em vez de se apoiar em Cristo. Pois nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade”. (Colossenses 2, 6-9).

O compromisso de quem leva a Palavra de Deus é muito grande. João Batista foi grande sendo simples e uma coisa que sempre coloco para reflexão:

A missão de Jesus estava nos milagres ou no anúncio do Reino?

Aonde foi que nos perdemos do verdadeiro sentido?

Engana-se quem pensa que estou falando apenas daqueles pastores da TV ou dessa ou daquela religião, falo também da nossa própria carne quando vejo pessoas, que sentadas num direito que não lhes foi concedido, passam a ditar o que é moral ou imoral na vida das pessoas ao ponto de julgá-las e sentencia-las ao inferno. Toda comunidade tem um ou uma dessa! Os santos vivos!

Pessoas que veem pecado em tudo, que tem um talento imenso em procurar defeitos nas pessoas ao seu redor para torna-las, sei lá, impuras, talvez assim se sentindo melhor que elas. Parece loucura, mas é dessas pessoas que as novelas falam quando apresentam um personagem fanático religioso.

O mais importante na vida de um servo cristão é ver e colaborar para que um irmão que caiu se levante mais um dia acreditando que Deus o ama. Isso é o sentido autêntico do serviço e é a esses que Deus ouve quando dizem SENHOR! SENHOR!

(…) O Senhor exige de quem prega, de quem ora, de quem deseja vencer o mal, viver autenticamente a Palavra de Deus, colocando-se sincera e humildemente em submissão à vontade do Pai. Do contrário, tudo o que fazemos, até mesmo afirmando fazê-lo em nome de Deus, não terá nenhuma consistência e poderá ser causa de nossa condenação. O esforço diário de colocar a Palavra de Deus em nossa vida é o fundamento sólido de nossa obra e de nossa salvação. (Dom Gil Antônio Moreira – Bispo Diocesano de Jundiaí).

Um imenso abraço fraterno!

(Alexandre Soledade).

(14) – QUANDO VÊM OS TEMPORAIS E ENCHENTES…

A Palavra provação não significa que Deus desconfia de nós e quer nos provar, se fosse assim, Ele já teria desistido de nos amar, pois nenhum ser humano, nem os mais Santos, passariam nessa prova.

O evangelho de hoje é o texto que vem na sequência do Sermão da Montanha, parece que Jesus fez um belo resumo de tudo o que já havia ensinado aos discípulos e agora os exorta a colocarem em prática as “Bem Aventuranças” e a primeira coisa a fazer é ouvir a Palavra.

Claro que esse ouvir a palavra requer uma abertura de coração para aceitá-la, durante o dia ouvimos muitas coisas mas nem sempre estamos focados naquilo que ouvimos, a Palavra de Deus, para ser eficaz em nós precisa ser buscada, desejada, e deve despertar em nós um encanto naquilo que transmite, a ponto de nela descobrirmos a razão e o sentido de nossa Vida, não é uma palavra qualquer, dita por acaso, jogada no ar a esmo, ela tem a direção certa do nosso coração e do nosso existir, podemos até dizer que, nos momentos e circunstâncias em que Deus nos comunica de alguma forma a sua Santa Palavra ele têm um propósito a nosso respeito e espera de nós uma resposta.

Pela sua Palavra a nós anunciada, Deus não quer aplausos, elogios ou arrebatamentos, mas quer abertura e disponibilidade para colocá-la em prática, pois esta é a única forma de darmos a ele uma resposta positiva e aqui evocamos Maria, ao ser anunciada “Faça-se em mim…”, isso é, que a Vontade Divina, manifesta na Palavra, se torne em minha vida uma ação concreta.

Se a nossa decisão a favor da Palavra, e a nossa adesão a Jesus Cristo é sincera e autentica, vamos prova-la nas tempestades, ventanias e enchentes que enfrentamos nesta vida. Quando a nossa Fé é infantil e nossa relação com Deus baseada no medo, qualquer ventinho das contrariedades, nos faz cair. Quando a nossa Fé é baseada em um rito mágico, onde tudo depende só de Deus, na primeira oportunidade que Ele não nos atender, também caímos por terra e tudo se desmorona.

Mas quando temos uma Fé firme e inabalável, vivida no encanto do anúncio de Jesus, mas também na realidade dessa vida, onde vamos colaborando concretamente para o Reino aconteça, as revezes da vida, longe de nos fazer cair, mais nos fortalecem, porque, entendendo os nossos limites e fraquezas, nos atiramos confiantes nos Braços do Pai. Essa Fé madura, marcada pelo equilíbrio das nossas ações, fortalecida pela Eucaristia e a Palavra de Deus, mantida pela oração, é base sólida que jamais cairá. E um dia, quando estivermos diante do juízo de Deus, seremos por ele confirmados, como bons construtores e empreendedores, porque fomos capazes de olhar para o Transcendente, sem tirar os pés do chão da nossa história.

(Diác. José da Cruz).

(24) – A CASA SOBRE A ROCHA…

Ouvir e praticar: uma receita de solidez. Quem se recusa a ouvir a Palavra de Deus, escolhe sua própria ruína. Mas quem ouve a Palavra e não a põe em prática, terá idêntico destino.

Quando decidiram construir a usina nuclear de Angra dos Reis, RJ, foi escolhido o local que os indígenas haviam batizado de Itaorna. E os técnicos (sempre eles!) não levaram em conta que, etimologicamente, esse nome significava “pedra podre”. Quando a edificação subiu, o terreno começou a ceder, exigindo um custo muito elevado na injeção de toneladas de concreto para sustentar os alicerces.

Jesus fala de duas casas: uma construída sobre a areia, outra sobre a rocha firme. Com os ventos e as chuvas da estação, a primeira desmoronou, enquanto a segunda ficava de pé. Com essas imagens, o Mestre quer mostrar que nossa vida não terá solidez sem os fundamentos de sua Palavra.

Nestes tempos, as famílias sofrem pesado ataque do demônio, que se vale especialmente da televisão para injetar nas artérias familiares as toxinas do consumismo, do hedonismo (busca do prazer sem freios), da mentira, da violência, do egoísmo e – por que não falar? – da futilidade. Especialmente nas novelas, todos os valores familiares são objeto de zombaria e de desprezo. Valores como fidelidade, virgindade, dedicação ao trabalho, sacrifício pelos outros etc., são sistematicamente contestados.

Ao mesmo tempo, estimula-se o homossexualismo, a esperteza dos ladrões de casaca, a rebeldia dos filhos e o direito ilimitado de seguir as próprias paixões. A coisa é tão clara e explícita, tão demoníaca, que deveríamos perguntar por que motivo os pais ainda ligam a TV para seus próprios filhos…

É claro que a “palavra” do paganismo semeada pelos meios de comunicação está ocupando o lugar da Palavra de Deus em tantas famílias. Dinheiro, sucesso, lazer e prazer, vida fácil – eis os valores ali divulgados. Os responsáveis estão construindo sobre a areia movediça. A catástrofe é questão de tempo.

Quando o Edifício Palace 2 ruiu, no Rio de Janeiro, o responsável foi devidamente crucificado. Mas os pais que expõem seus filhos a esse cruel bombardeio de paganismo cometem um crime muito mais grave, comprometendo a salvação eterna daqueles que Deus lhes confiou.

Até quando ficarão inconscientes?

Orai sem cessar: “Se o Senhor não edificar a casa, m vão trabalham os construtores.” (Sl 127,1a)

(Antônio Carlos Santini).

(24) – NEM TODO AQUELE QUE ME DIZ: ‘SENHOR! SENHOR!’, ENTRARÁ NO REINO DOS CÉUS

Hoje ficamos impressionados com a rotunda afirmação de Jesus: «Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor! Senhor!’, entrará no Reino dos Céus, mas só aquele que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus» (Mt 7,21). Pelo menos esta afirmação pede-nos responsabilidade perante a nossa condição de cristãos, ao mesmo tempo que sentimos a urgência de dar bom testemunho da fé.

Edificar a casa sobre rocha é uma imagem clara, que nos convida a valorizar o nosso compromisso de fé, que não se pode limitar apenas a belas palavras, mas que se deve fundamentar na autoridade das obras, impregnadas pela caridade. Um destes dias de Junho, a Igreja recorda a vida de S. Pelágio, mártir da castidade, no umbral da sua juventude. S. Bernardo ao recordar a vida de Pelágio, diz-nos no seu tratado sobre os costumes e mistérios dos bispos: “A castidade, por muito bela que seja, não tem valor nem mérito sem a caridade. Pureza sem amor é como lâmpada sem azeite; mas diz a sabedoria: Que formosa é a sabedoria com amor! Com aquele amor de que nos fala o Apostolo: o que procede de um coração limpo, de uma consciência reta e de uma fé sincera”.

A palavra clara, com a firmeza da caridade, manifesta a autoridade de Jesus que desperta o assombro dos seus concidadãos: “As multidões ficaram admiradas com o seu ensinamento. De fato, ele ensinava como quem tem autoridade, não como os escribas” (Mt 7,28-29).

A nossa prece e contemplação de hoje, deve ir acompanhada por uma séria reflexão: como falo e atuo na minha vida de cristão?

Como concretizo o meu testemunho?

Como concretizo o mandamento do amor na minha vida pessoal, familiar, laboral, etc.?

Não são as palavras nem as orações sem compromisso que contam, mas, o trabalho por viver segundo o Projeto de Deus. A nossa oração deveria expressar sempre o nosso desejo de obrar o bem e o nosso pedido de ajuda, uma vez que reconhecemos a nossa debilidade.

— Senhor, que a nossa oração esteja sempre acompanhada pela força da caridade.

(Rev. D. Joan Pere PULIDO i Gutiérrez (Sant Feliu de Llobregat, Espanha)).

NINGUÉM AMA O QUE NÃO CONHECE

CELEBRAÇÃO DE HOJE

12ª SEMANA DO TEMPO COMUM (VERDE – OFÍCIO DO DIA)

RITOS INICIAIS:

– Monição Ambiental ou Comentário Inicial

O Evangelho mostra-nos duas atitudes diferentes: a da prudência e a da imprudência. Aquele que é prudente constrói sua vida sobre a rocha firme e toma suas decisões conforme o ensinamento do Evangelho. Quem é imprudente faz teorias, mas não pratica, não traz para a vida real o que ensina. A vida cristã é vida de justiça, e nossas ações demonstram a verdade em que afirmamos acreditar. A escolha é nossa: a prudência ou a imprudência, a justiça ou a injustiça…

– Canto e Procissão de Entrada

– Antífona da entrada

O Senhor é a força de seu povo, fortaleza e salvação do seu ungido. Salvai, Senhor, vosso povo, abençoai vossa herança e governai para sempre os vossos servos (Sl 27,8s).

– Saudação ao Altar e ao Povo Reunido

– Ato Penitencial

– Senhor, Tende Piedade

– Glória a Deus nas Alturas

– Oração do Dia ou Oração da Coleta

Senhor, nosso Deus, dai-nos por toda a vida a graça de vos amar e temer, pois nunca cessais de conduzir os que firmais no vosso amor. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

LITURGIA DA PALAVRA:

– Monição para a(s) Leitura(s)

Deus realiza a história da salvação por meio de fatos e acontecimentos da vida humana, e Ele não abandona a ninguém, como não abandonou a Agar, escrava de Abrão. E Jesus nos pede para construirmos a vida sobre a justiça do Reino, a rocha firme que nada pode abalar. Escutemos o Senhor.

– Silêncio

– Proclamação da 1ª Leitura

– Silêncio

– Proclamação do Salmo

– Silêncio

– Proclamação da 2ª Leitura

– Monição para o Evangelho

— Aleluia, aleluia, aleluia.

— Aleluia, aleluia, aleluia.

— Quem ama, realmente, guardará minha palavra e meu Pai o amará e a ele nós viremos. (Jo 14,23).

– Canto de Aclamação

– Proclamação do Evangelho

– Homilia ou Pregação

– Profissão de Fé

– Oração Universal ou Oração dos Fiéis

Conforme nos orienta a IGMR, no Cap. II, LETRA B, números 69, 70 e 71, vamos deixar que cada Comunidade possa realizar a sua Oração Universal colocando nela, a sua realidade comunitária, não devendo esquecer que, normalmente serão estas as séries de intenções, além das pessoais de cada um, caso seja dada a oportunidade pelo celebrante ao povo de se expressar:

a) Intenções pelas necessidades da Igreja;

b) Intenções pelos poderes públicos e pela salvação de todo o mundo;

c) Intenções pelos que sofrem qualquer dificuldade;

d) Intenções pela comunidade local;

e) Intenções pessoais da comunidade.

LITURGIA EUCARÍSTICA / PREPARAÇÃO DAS OFERENDAS:

– Canto e Procissão das Oferendas

– Apresentação do Pão e do Vinho

– Presidente Lava as Mãos

– Orai, Irmãos!

– Oração sobre as Oferendas

Acolhei, ó Deus, este sacrifício de reconciliação e louvor e fazei que, purificados por ele, possamos oferecer-vos um coração que vos agrade. Por Cristo, nosso Senhor.

LITURGIA EUCARÍSTICA / ORAÇÃO EUCARÍSTICA OU ANÁFORA:

– Prefácio e “Santo”

– Invocação do Espírito Santo

– Narrativa da Ceia

– Consagração do Pão e do Vinho

– “Eis o Mistério da Fé!”

– Lembra Morte e Ressurreição de Jesus

– Orações pela Igreja

– Louvor Final (Por Cristo…)

LITURGIA EUCARÍSTICA / RITO DA COMUNHÃO:

– Pai-Nosso (Oração do Senhor) e Oração seguinte

– Rito da Paz ou Saudação da Paz

– Fração do Pão

– Cordeiro de Deus

– Felizes os Convidados!

– Distribuição da Comunhão aos fiéis e Canto da Comunhão

– Silêncio Eucarístico ou Canto de Ação de Graças

– Antífona da Comunhão

Todos os olhos, ó Senhor, em vós esperam e vós lhes dais no tempo certo o alimento (Sl 144,15).

– Oração depois da Comunhão

Renovados pelo Corpo e Sangue do vosso filho, nós vos pedimos, ó Deus, que possamos receber um dia, resgatados para sempre, a salvação que devotamente estamos celebrando. Por Cristo, nosso Senhor.

RITOS FINAIS OU RITOS DE ENCERRAMENTO:

– Comunicados e Convites

– Saudação e Bênção Final

– Despedida (Ide em Paz!)

FONTES DE CONSULTAS E PESQUISAS:

Vamos expor a seguir de onde pertencem os textos que nos preenchem todos os dias, nos dando um caminho com mais sabedoria, simplicidade e amor.

FONTE PRINCIPAL DE PESQUISA E INSPIRAÇÃO

bc3adblia1

FONTE DE CONSULTA – IGMR (INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANO – 1ª EDIÇÃO / 2008)

IGMR

REFLITA:

O importante não é a pessoa que escreve, mas quem foi que inspirou essa pessoa a escrever.

O importante não é como se lê o que está escrito, mas como se age.

O importante não é sentar-se à direita ou a esquerda do Pai, mas sim, realizar o trabalho que Ele nos pede.

Ter conhecimento não é ter sabedoria, sabedoria é saber compartilhar o conhecimento.

(0) – Blog Liturgia Diária da Palavra de Deus (Reflexões e Comentários);

(1) – Periódico Mensal: Liturgia Diária (Editoras Paulinas e Paulus);

(2) – Periódico Mensal: Deus Conosco (Editora Santuário);

(3) – Portal Editora Santuário;

(4) – Portal Editora Paulinas;

(5) – Portal Editora Paulus;

(6) – Portal e Blog Canção Nova;

(7) – Portal Dom Total;

(8) – Portal Católica Net;

(9) – Portal Católico Orante;

(10) – Portal Edições Loyola Jesuítas;

(11) – Portal de Catequese Católica;

(12) – Portal Evangelho Quotidiano;

(13) – Blog Homilia Dominical;

(14) – Blog Liturgia Diária Comentada;

(15) – Portal CNBB (A Palavra de Deus na Vida);

(16) – Portal Catequisar: Catequese Católica;

(17) – Portal Universo Católico;

(18) – Portal Paróquia São Jorge Mártir;

(19) – Portal Catedral FM 106,7;

(20) – Portal Comunidade Católica Nova Aliança;

(21) – Portal Comunidade Resgate;

(22) – Portal Fraternidade O Caminho;

(23) – Portal Católico na Net;

(24) – Portal Evangeli.net;

(25) – Portal Padre Marcelo Rossi;

(26) – Portal Grupo de Oração Sopro de Vida;

(27) – Portal NPD Brasil.

MINHA MENSAGEM PESSOAL PARA MIM MESMO.

Mais vale o desconforto da VERDADE, do que a comodidade da MENTIRA.

E usando a essência da Oração da Serenidade, devo orar:

Ó meu Deus e Senhor, Pai de misericórdia e Salvação,

que em seu Filho Jesus perdoou os nossos pecados,

e com o seu Santo Espírito, paráclito nesse nosso mundo que caminha conosco,

apenas em Ti posso almejar a vida eterna, socorre-me e ouvi-me:

Se o ERRO está em mim, que DEUS possa me dar a HUMILDADE de aceitar que estou errado.

Que Jesus me dê a SERENIDADE, para aceitar que tem coisas que não posso mudar.

E que o Espírito Santo me dê a CORAGEM, suficiente para mudar aquelas coisas que dependem de mim, mesmo que sejam difíceis.

E para complementar os alicerces de orações da minha vida, faço como o santo Tomás de Aquino:

“Concede-me, Deus misericordioso, que deseje com ardor o que tu aprovas, que o procure com prudência, que o reconheça em verdade, que o cumpra na perfeição, para louvor e glória do teu nome.

Põe ordem na minha vida, ó meu Deus, e permite-me que conheça o que tu queres que eu faça, concede-me que o cumpra como é necessário e como é útil para a minha alma.

Concede-me, Senhor meu Deus, que não me perca no meio da prosperidade nem da adversidade; não deixes que a adversidade me deprima, nem que a prosperidade me exalte.

Que nada me alegre ou me entristeça para além do que conduz a ti.”

Viver CORRETO e falar a VERDADE hoje são tão difíceis quanto na época de Jesus, pois é muito mais fácil aceitar a MENTIRA e fazer o ERRADO.

Viver no CAMINHO, VERDADE E VIDA, que é o próprio Cristo Jesus, tem que ser uma caminhada diária.

O futuro é desejo e pensamento.

O passado é aprendizado e lembrança.

O hoje é realidade, isso quer dizer: CRISTO.

Meus amigos(as) de coração, meus irmãos(ãs) em Cristo Jesus, lembrem-se:

“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”

“Não julgues para não seres julgados.”

“A quem é muito dado, muito será cobrado.”

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s