Liturgia Diária 23/Jan/14

LEITURA DIÁRIA DA PALAVRA – 23/Jan/2014 (quinta-feira)
– AS MULTIDÕES SEGUEM JESUS E CURAS JUNTO AO LAGO
Mc 3,7-12 (Jesus cura no lago)
– 1ª Leitura: 1Sm 18, 6-9. 19, 1-7
– Salmo: Sl 55, 2-3. 9-10ab. 10c-11. 12-13 (R. 5bc)
– Evangelho: Mc 3, 7-12

LEITURAS:

Leitura retirada do Primeiro Livro de Samuel (1Sm 18, 6-9. 19, 1-7): Origem da inveja de Samuel (18, 6-9) / Jônatas intercede à Saul por Davi (19, 1-7)

Leitura do Primeiro Livro de Samuel.

Naqueles dias, 18,6 quando Davi voltou, depois de ter matado o filisteu, as mulheres de todas as cidades de Israel saíram ao encontro do rei Saul, dançando e cantando alegremente ao som de tamborins e címbalos. E, enquanto dançavam, dizem em coro: “Saul matou mil, mas Davi matou dez mil”. 8 Saul ficou muito encolerizado com isto e não gostou nada da canção, dizendo: “A David deram dez mil, e a mim somente mil. Que lhe falta ainda, senão a realiza?” 9 E, a partir daquele dia, não olhou mais para Davi com bons olhos. 19,1 Saul falou a Jônatas, seu filho, e a todos os seus servos sobre sua intenção de matar Davi. Mas Jônatas, filho de Saul, amava profundamente Davi, 2 e preveniu-o a respeito disso, dizendo: “Saul, meu pai, procura matar-te. Portanto, toma cuidado amanhã de manhã, e fica oculto em um esconderijo. Eu mesmo sairei em companhia de meu pai, no campo, onde estiveres, e lhe falarei de ti, para ver o que ele diz, e depois te avisarei de tudo o que eu souber”. 4 Então Jônatas falou bem de Davi a Saul, seu pai, e acrescentou: “Não faças mal algum ao teu servo Davi, porque ele nunca te ofendeu. Ao contrário, o que ele tem feito foi muito proveitoso para ti. Arriscou a sua vida, matando o filisteu, e o Senhor deu uma grande vitória a todo o Israel. Tu mesmo foste testemunha e te alegraste. Por que, então, pecarias, derramando sangue inocente e mandando matar Davi sem motivo” Saul, ouvindo isto, e aplacado com as razões de Jônatas, jurou: “Pela vida do Senhor, ele não será morto” 7 Então Jônatas chamou Davi e contou-lhe tudo isto. Levou-o em seguida a Saul, para que ele retomasse o seu lugar, como antes.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.

Salmo retirado do Livro dos Salmos (Sl 55, 2-3. 9-10ab. 10c-11. 12-13 (R. 5bc)): O fiel não sucumbirá

— 5bc É no Senhor que eu confio e nada temo.

— 5bc É no Senhor que eu confio e nada temo.

— Tende pena e compaixão de mim, ó Deus, / pois há tantos que me calcam sob os pés, / e agressores me oprimem todo dia! / 3 Meus inimigos de contínuo me espezinham, / são numerosos os que lutam contra mim!

— Do meu exílio registrastes cada passo, / em vosso odre recolhestes cada lágrima, / e anotastes tudo isso em vosso livro. / 10a Meus inimigos haverão de recuar † / 10b em qualquer dia em que eu vos invocar;

— 10c tenho certeza: o Senhor está comigo! / 11 Confio em Deus e louvarei sua promessa.

— 12 É no Senhor que eu confio e nada temo: / que poderia contra mim um ser mortal? / 13 Devo cumprir, ó Deus, os votos que vos fiz, / e vos oferto um sacrifício de louvor.

Leitura retirada do Livro do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos (Mc 3, 7-12): As multidões seguem Jesus e Curas junto ao lago

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 7 Jesus se retirou para a beira do mar, junto com seus discípulos. Muita gente da Galileia o seguia. 8 E também muita gente da Judeia, de Jerusalém, da Idumeia, do outro lado do Jordão, dos territórios de Tiro e Sidônia, foi até Jesus, porque tinham ouvido falar de tudo o que ele fazia. 9 Então Jesus pediu aos discípulos que lhe providenciassem uma barca, por causa da multidão, para que não o comprimisse. 10 Com efeito, Jesus tinha curado muitas pessoas, e todos os que sofriam de algum mal jogavam-se sobre ele para tocá-lo. 11 Vendo Jesus, os espíritos maus caíam a seus pés, gritando: “Tu és o Filho de Deus!” 12 Mas Jesus ordenava severamente para não dizerem quem ele era.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

LEITURA ORANTE:

… Oração Inicial… (querer)

Preparo-me para a Leitura Orante, fazendo uma rede de comunicação e comunhão em torno da Palavra com todas as pessoas que se encontram neste ambiente virtual.

Rezamos em sintonia com a Santíssima Trindade.

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

Senhor, nós te agradecemos por este dia.

Abrimos, com este acesso à internet, nossas portas e janelas para que tu possas entrar com tua luz.

Queremos que tu Senhor, definas os contornos de nossos caminhos, as cores de nossas palavras e gestos, a dimensão de nossos projetos, o calor de nossos relacionamentos e o rumo de nossa vida.

Ó Jesus Mestre, Verdade-Caminho-Vida, tem piedade de nós.

… Eu sou o CAMINHO… (ler…)

O que o texto diz para mim, hoje?

Os bispos na Conferência de Aparecida lembraram: “Quem aceita a Cristo: Caminho, Verdade e Vida, em sua totalidade, tem garantida a paz e a felicidade, nesta e na outra vida!” (DAp, 246).

Como é minha aceitação de Jesus Cristo?

… a VERDADE… (refletir e meditar…)

O que diz o texto do dia?

Leio atentamente o texto Mc 3, 7-12.

Jesus se manifesta como Filho de Deus que liberta e cura. É aquele que veio para “que todos tenham vida”. Manifesta-se como Filho de Deus feito homem, ao pedir aos discípulos que arranjassem um barco para ele a fim de não ser esmagado pela multidão. Vê-se aqui Jesus Cristo com atitudes muito humanas.

… e a VIDA… (orar…)

O que o texto me leva a dizer a Deus?

Rezo, espontaneamente, com salmos e concluo com a oração:

“Jesus, Mestre: que eu pense com a tua inteligência, com a tua sabedoria.

Que eu ame com o teu coração.

Que eu veja com os teus olhos.

Que eu fale com a tua língua.

Que eu ouça com os teus ouvidos.

Que as minhas mãos sejam as tuas.

Que os meus pés estejam sobre as tuas pegadas.

Que eu reze com as tuas orações.

Que eu celebre como tu te imolaste.

Que eu esteja em ti e tu em mim. Amém”.

Qual deve ser a MISSÃO em minha VIDA hoje? (contemplar e agir…)

Qual meu novo olhar a partir da Palavra?

Sinto-me discípulo/a de Jesus.

Meu olhar deste dia será iluminado pela presença de Jesus Cristo, acolhido no meu coração e no coração das demais pessoas.

BÊNÇÃO

Rezo com o bem-aventurado Alberione:

Jesus e Maria, dai-me a vossa bênção: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

Ó Jesus Mestre, Verdade-Caminho-Vida, tem piedade de nós.

REFLEXÕES:

(6) – PERSPECTIVA UNIVERSAL DA MISSÃO DE JESUS

Trata-se de um sumário que, ao mesmo tempo, sintetiza e amplia a atividade de Jesus. Jerusalém não é o centro das atenções, mas a Galileia e, mais especificamente, a região do Lago de Genesaré. De todas as partes as pessoas acorrem a Jesus: da Judeia e de Jerusalém, da Idumeia e de além do Jordão, e até de Tiro e Sidônia (v. 8), além de uma grande multidão da Galileia (v. 7). Há, aqui, uma perspectiva universal da missão de Jesus: não somente os judeus, mas também os pagãos são atraídos pela fama de Jesus.

Mas o que atraía essa numerosa multidão?

O nosso texto genericamente responde: “quanta coisa ele fazia” (v. 8).

Nessa expressão deve-se compreender o conjunto dos gestos e do ensinamento de Jesus. O sumário é, ainda, a ocasião de apresentar a agitação dos “espíritos imundos” que reconhecem o poder divino de Jesus pelo qual são e serão vencidos: “ele os repreendeu” (v. 12). Aparece ainda o tema marçano do segredo messiânico (v. 12: “proibindo que manifestassem quem ele era”), que já comentamos antes.

(8) – O FILHO DE DEUS

Causa estranheza o fato de os endemoninhados terem gritado que Jesus era o Filho de Deus, fórmula própria de uma confissão de fé. Jesus reconheceu a verdade da declaração deles e os proibiu severamente de ficarem dizendo quem ele era.

É notável que a exclamação não tenha sido feita pelas multidões, vindas de tantos lugares diferentes, atraídas pela fama dos milagres realizados por Jesus. Era de se esperar que elas proclamassem sua fé em Jesus. Antes, são os possessos os proclamadores da condição divina de Jesus.

A teologia evangélica quer mostrar que Jesus, ao implantar o Reino na história humana, desbancou as forças do mal. Evidentemente, elas não se contentavam de ver seu poder reduzido sem protestar. E quando eram vencidas, sabiam muito bem quem as estava vencendo. A proclamação pública da filiação divina de Jesus, posta na boca dos possessos, indica o nível profundo em que Jesus estava atuando. Sua ação a serviço do Reino deu origem a um autêntico combate onde as forças ocultas do mal foram desmascaradas e confrontadas com um poder muito superior a elas. Não lhes restava senão submeter-se e deixar o senhorio de Jesus acontecer na vida de quem era cativo. A presença libertadora do Filho de Deus expulsava toda sorte de espírito imundo instalado no coração humano.

ORAÇÃO

Senhor Jesus, Filho de Deus, que a tua presença purifique meu coração de todo espírito mal, que me mantem cativo do egoísmo.

(9) – BOA NOVA PARA CADA DIA

“Vendo Jesus, os espíritos maus caíam a seus pés, gritando: “Tu és o filho de Deus”. (Mc 3,11).

A finalidade do Evangelho de hoje é dupla:

– Primeiro mostra Jesus cumprindo uma longa agenda de pregações em diferentes lugares e para diferentes pessoas.

– A segunda finalidade deste Evangelho aparece no momento em que Jesus está discursando numa barca, porque a multidão o comprimia nas margens do lago: é afirmar que Jesus é Filho de Deus.

Mas notemos como esta afirmação se apresenta:

a) Muitas vezes Jesus fez exorcismos. Com a expulsão dos demônios as pessoas ficavam curadas de suas doenças e o poder de Jesus sobre os demônios ficava evidente.

b) Em muitos destes exorcismos as pessoas possessas eram instrumento do demônio para adorarem Jesus. Até o demônio é obrigado a adorar Jesus. Não nos espantemos se até cristãos adoradores de Jesus nas igrejas cometam crimes que podem ser até considerados diabólicos.

c) Nestes exorcismos não são as pessoas presentes que reconhecem em Jesus o Filho de Deus. É o demônio que reconhece em Jesus o Filho de Deus, e o declara a todos. Não nos espantemos se até cristãos que reconhecem a filiação divina de Jesus o reneguem quando são chamados a testemunhar sua fé Nele.

Meditemos sobre estes pontos e comparemos nossa vida cristã com a dos personagens que ouviam Jesus nestas viagens, viam seus milagres e ouviam o demônio, em adoração, afirmar que Jesus era o Filho de Deus.

(10) – TODOS OS QUE SOFRIAM DE ENFERMIDADES CAÍAM SOBRE ELE PARA LHE TOCAREM

Durante toda a nossa vida, quando, na nossa loucura, voltamos o olhar para o que é reprovável, Nosso Senhor toca-nos com ternura e chama-nos com grande alegria, dizendo na nossa alma: “Deixa o que amas, minha querida criança. Volta-te para mim, Eu sou tudo o que tu queres. Rejubila no teu salvador e na tua salvação.” Tenho a certeza de que a alma, tornada perspicaz pela ação da graça, verá e sentirá que Nosso Senhor opera assim em nós. Porque se esta obra diz respeito à humanidade em geral, nenhum homem em particular está dela excluído. […]

Além disso, Deus iluminou a minha inteligência e mostrou-me como realiza os milagres: “É sabido que realizei aqui em baixo muitos milagres impressionantes e maravilhosos, gloriosos e magníficos. O que fiz então, faço-o ainda continuamente, e fá-lo-ei nos tempos vindouros”. Sabemos que qualquer milagre é precedido de sofrimentos, angústias e tribulações. Isso acontece para que tomemos consciência da nossa fraqueza e dos erros que cometemos por causa do nosso pecado e, através disso, nos tornemos humildes e nos voltemos para Deus, implorando o seu auxílio e a sua graça. Os milagres surgem em seguida: provêm do poder, da sabedoria e da bondade de Deus, e revelam a sua força e as alegrias do céu, tanto quanto é possível conhecê-las nesta vida passageira. Assim, a nossa fé torna-se mais forte e a nossa esperança cresce no amor. Eis porque agrada a Deus ser conhecido e glorificado através dos milagres. Ele quer que não fiquemos acabrunhados pela tristeza e pelas tempestades que se abatem sobre nós; isto acontece sempre antes dos milagres!

(11) – TODOS OS QUE TOCAVAM JESUS FICAVAM CURADOS

Jesus está no auge de sua popularidade. Ele está andando por toda parte fazendo o bem e curando a todos. Mas ao mesmo tempo, as forças hostis se levantam contra Ele para matá-Lo. Jesus, então, retira-se, porque ainda tinha muitas lições a ensinar aos discípulos e ao povo. E também porque ainda não era o Seu tempo de morrer.

Jesus não se retirou das multidões necessitadas que o seguiam por toda parte, mas dos inimigos. Esse episódio da perseguição leva Jesus a romper completamente com a sinagoga judaica. Após o confronto em Marcos 3, 1-6, Jesus retira-se do judaísmo oficial, simbolizado pela sinagoga. Ele volta-se para as pessoas até chegar ao templo em Jerusalém e conduz seu ministério em lares e ao ar livre.

Embora rejeitado pelos líderes religiosos e políticos, as multidões vinham de toda a Palestina e também da Fenícia para serem curadas por Jesus. Algumas pessoas vieram do Sul: Judéia e Jerusalém. Outras vieram do Norte: Tiro e Sidom.

Outras vieram do Leste: Dalém do Jordão ou do Oeste: Galileia. Estradas empoeiradas, desertos e rios profundos não mantiveram aquelas pessoas longe de Cristo. Nenhuma dificuldade, nenhum obstáculo impediu aquelas multidões de virem a Cristo.

As pessoas do tempo de Jesus eram carentes e necessitadas e nós pertencemos a essa família. Elas se lançavam aos pés de Cristo, queriam tocá-Lo. Eles queriam ser pessoas curadas, inteiras, salvas. Imagine se elas pensassem: “Não, nós só iremos a Cristo quando nossa vida estiver certa. Vamos dar mais um tempo.” Se assim fosse, elas não precisariam de Cristo e Cristo não seria necessário para elas.

Deixe o cego vir enquanto é cego, deixe o paralítico vir mesmo se arrastando, o leproso vir coberto de sua lepra, pois as pessoas devem vir como estão. Assim como os médicos vieram para os doentes, Cristo veio para os pecadores. Venha como você está: endividado, desonesto, bêbado, drogado, impuro. É Jesus quem vai curá-lo, perdoá-lo e salvá-lo. Você não pode fazer nada para a sua salvação. Jesus o recebe como você está. “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Cante: “Eu venho como estou, eu venho como estou, porque Jesus por mim morreu. Eu venho como estou”.

De todos os que vieram a Cristo nenhum foi mandado embora. Aliás, desde que o mundo começou, nenhum pecador chegou a Deus, nenhuma alma foi a Cristo sem ser recebida. Jesus disse: “O que vem a mim, jamais lançarei fora”. Jesus Cristo jamais quebrou sua promessa. Desafiamos o céu, a terra e o inferno para levantar uma prova sequer de uma pessoa que tenha vindo a Cristo com seu coração quebrantado e que tenha sido rejeitada por Ele. É Ele mesmo quem convida: “Vinde a mim, todos vós que estais cansados e sobrecarregados”. “Se alguém tem sede, venha a mim e beba.”

Todas as pessoas que vieram a Cristo foram atendidas por Cristo. Os enfermos foram curados, os possessos foram libertos, os perdidos foram encontrados, os que estavam em trevas viram a luz, os que estavam aflitos foram consolados e os que estavam sem esperança receberam uma nova razão para viver.

As pessoas vieram a Cristo não apenas para ouvir os seus ensinos, serem curadas e libertas. Elas se lançaram aos pés de Jesus, tocaram n’Ele e se derramaram diante d’Ele. Hoje, eu convido você e vir a Jesus. Só Ele pode curar, libertar, perdoar e salvar você.

Mateus 12, 15-21, o texto paralelo, afirma que Jesus não esmaga a cana quebrada nem apaga a torcida que fumega. Jesus alivia as pessoas do fardo que as oprime. Ele não esmaga aquele que já está caído. Foi assim que Jesus fez com a mulher apanhada em flagrante adultério. Ele não a apedrejou, antes, perdoou-a, restaurando lhe a dignidade da vida.

Cada pessoa tocada, curada e salva por Jesus era mais uma testemunha d’Ele.

Imagine que duzentas pessoas que foram curadas estavam no meio daquela multidão. Eram mais duzentas testemunhas de Jesus a falar sobre Seu poder. O círculo daqueles que eram salvos aumentava, o número daqueles que testemunhavam crescia. Cada nova pessoa curada e salva era uma voz a mais a chamar as outras a virem a Jesus.

Hoje, depois de dois mil anos, milhões e milhões de vidas já foram tocadas, curadas e transformadas por Jesus. Você não pode desculpar-se. Cada nova vida salva por Jesus é um forte argumento para você de que Ele é suficiente para ser o seu salvador. Oh! amigo, há uma nuvem de testemunhas ao seu redor proclamando para você que Jesus é o único salvador, a única esperança para a sua alma. Venha a Ele agora mesmo.

Jesus não apenas cura os enfermos, mas prioriza o ensino. Este anseio descontrolado por cura (3, 8-10), principalmente ou exclusivamente por cura, Jesus corrige com sua atitude (1, 37s, Jo 6, 26). Ele não quer ser apenas um curandeiro, por isso cria espaço para o ensino da verdade (4, 1). Esse barco usado por Jesus tinha duas finalidades: proteção e maior alcance. Jesus tem para você palavras de vida eterna que satisfazem a sua mente, aquietam o seu coração e lhe dão segurança eterna, porque:

a) O próprio nome de Jesus convida você. Seu nome é Jesus Cristo, que significa Salvador. Você é pecador, mas Ele é o Salvador. Você tem sede, mas Ele é a água da vida. Você tem fome, mas Ele é o pão da vida. Você está perdido, mas Ele é o caminho. Você está morto, mas Ele é a ressurreição e a vida.

b) O poder de Jesus encoraja você a vir a Ele. Jesus tem todo o poder no céu e na terra. Os astros O obedecem, o vento escuta a Sua voz, as ondas do mar se acalmam diante da Sua palavra, a doença atende a Sua ordem, os demônios se rendem à Sua autoridade, os inimigos prostram-se diante dos Seus pés. Ele tem poder para libertar e salvar você. Portanto, venha a Ele agora mesmo.

c) O amor de Jesus encoraja você a vir a Ele. Cristo ama você e importa-se com você. Ele foi à cruz por você. Suas mãos foram rasgadas, seus pés foram pregados na cruz e Ele foi transpassado no madeiro por amor a você. Ele o ama com amor eterno. Por isso, venha a Ele.

d) O banquete da salvação já está preparado para receber você. Deus já fez tudo. A mesa já está preparada. Os céus estão prontos para festejar sua volta para Deus. Os anjos se alegram com a sua salvação. A noiva de Cristo, a igreja: convida você: Venha! O Espírito do Deus eterno, diz a você: “Se você tem sede, venha e beba, de graça, da água da vida”.

O Evangelho é uma mensagem urgente: amanhã pode ser tarde. Hoje é o tempo de Deus. A Palavra que você está ouvindo é a voz de Jesus. Venha a Ele. Aquelas pessoas não ficaram esperando até Jesus ir às suas cidades, elas foram até Ele, pois tinham pressa. Elas se arrojavam aos Seus pés para o tocá-Lo.

Não deixe que alguma dificuldade impeça você de vir a Cristo: família, amigos, prazeres, dinheiro, preconceito.

Venha a Cristo sem demora. Somente Ele pode perdoar os seus pecados, preencher o vazio da sua alma e satisfazer os anseios do seu coração. Ele pode tirar o seu coração endurecido e dar-lhe um coração sensível. Ele pode abrir os seus olhos para que você veja a glória de Deus. Ele pode tirar você do poço profundo em que você se encontra. Ele pode dar a você um novo nome, um novo coração, uma nova mente, uma nova esperança, uma nova vida, basta tocá-lo. Pois todos os que o fizeram ficaram curados.

Jesus já tem transformado vidas que estavam na sua mesma condição. Ele é o mesmo sempre. Seus braços não estão encolhidos para que não possam salvar nem seus ouvidos surdos que não possam ouvir o seu clamor. Portanto, venha a Jesus. Toque-O pela fé e serás tu também curado, curada.

(11) – BUSCAMOS A DEUS OU OS SEUS MILAGRES?

1 Samuel 18, 6-9; 19, 1-7 – “a inveja mina a amizade”

Saul não gostou do sucesso de David, pois a vitória sobre o Golias atraiu para ele a atenção das mulheres de todas as cidades de Israel que saíram ao encontro do rei Saul dançando e cantando alegremente para apregoar o grande feito de Davi. Desde então a inveja entrou no seu coração e começou a sua perseguição contra aquele que pôs em risco a sua vida para defendê-lo da mão do filisteu. Diante de Deus e sob a Luz do Espírito Santo precisamos, também, examinar a nossa consciência para pedir perdão pelas vezes em que nos sentimos ameaçados pelo sucesso das outras pessoas. Muitas vezes a vitória de alguém nos leva também a invejá-lo e até a tramar contra ele no nosso coração. A verdade é que nós também, muitas vezes, nos sentimos incapacitados para realizar alguma proeza e olhamos para as pessoas que são mais preparadas que nós, com olhos de crítica. Não sabemos nem elogiá-las e o sucesso delas nos incomoda porque é um atestado da nossa incapacidade. Porém, pelo contrário, o que precisaríamos fazer era sermos gratos a Deus pelo sucesso dos nossos irmãos e irmãs e pedir a Ele que também nos capacite para algumas coisas que nós ainda não conseguimos conquistar. Só Deus poderá nos ajudar a vencer as nossas limitações e quanto mais nos congratularmos com a prosperidade do nosso irmão, mais abertura nós daremos ao Senhor para trabalhar nas nossas áreas improdutivas.

– Você costuma se alegrar com o sucesso das outras pessoas?

– Você olha para elas com olhos de aprovação ou de crítica?

– Você reconhece que a inveja tem feito festa no seu coração?

– Você tem inveja de alguém que conseguiu alguma coisa que não chegou para você?

– Você já pediu ao Senhor que o capacite?

– Faça isso hoje e peça perdão pelo tempo perdido.

Salmo 55 – “É no Senhor que eu confio e nada temo.”

O salmo é a prece do homem que tem consciência de que recebe a proteção do Senhor, embora que os seus inimigos por isso, o invejem. Mesmo perseguido, oprimido e humilhado ele sabe que Deus está sempre perto e atento à sua oração. “É no Senhor que eu confio e nada temo”, “por isso, louvarei sua promessa e vos oferto um sacrifício de louvor”. Que esta seja a oração que os nossos lábios pronunciem em todos os momentos em que nos sentirmos acossados.

Evangelho – Marcos 3, 7-12 – “Buscamos a Deus ou os Seus milagres?”

Algumas vezes Jesus fugiu da multidão que O perseguia e se sentiu sufocado pelo povo que o comprimia. O povo O buscava apenas para receber as coisas boas que Ele lhe podia oferecer. Buscavam os Seus prodígios e queriam experimentar a Sua força e poder. Por isso, Jesus também, procurava se afastar para um lugar mais reservado. Ele sabia o que fazia e tinha consciência da necessidade real daquela multidão que andava atrás de “benesses”. Jesus também conhece os nossos corações e sabe das nossas intenções e de que espírito nós estamos imbuído quando nos aproximamos Dele. Muitas vezes nós também perseguimos os milagres e prodígios de Deus e nos esquecemos de buscar o Deus que tem poder para nos transformar e nos libertar dos espíritos maus que nos induzem a sermos egoístas, interesseiros, corruptos e ambiciosos. O espírito do mal está sempre a nos rondar, por isso, precisamos permanecer perto do Jesus Salvador não somente para receber benesses, mas para desfrutar da Sua presença libertadora que modifica a nossa mentalidade individualista e cobiçosa e dá um novo sentido para os nossos anseios, desejos e ideais. Dessa forma, Jesus poderá também nos pedir que Lhe providenciemos uma barca, no entanto, nos deixará ficar perto Dele para que aprendamos a nova maneira de ser um filho de Deus comprometido com o Seu Reino. Nós também temos autoridade para em Nome de Jesus e sob o Seu olhar colocar por terra todos os espíritos maus que nos perseguem. Jesus é o Senhor e tem poder sobre o mal!

– Com que intuito você tem se aproximado de Jesus?

– Você tem buscado a Deus por Ele ou pelos milagres que Ele realiza?

– Os espíritos maus têm tido influência nas suas ações?

– Quem poderá ajudá-lo (a)?

(11) – TU ÉS O FILHO DE DEUS

Os espíritos maus gritavam: “Tu és o Filho de Deus!” Mas Jesus ordenava severamente para não dizerem quem ele era.

Este Evangelho narra que grandes multidões, vinda de toda a Palestina, se reuniam em torno de Jesus. Isto é um prelúdio da fundação de Igreja, o novo Povo de Deus, que Jesus iniciará logo a seguir, com a instituição dos doze Apóstolos. A presença de pagãos, gente de Tiro e Sidônia, indica a universalidade da Igreja.

O assédio da multidão, comprimindo Jesus, indica que o que o povo queria não era tanto ouvir a Boa Nova para se converter, mas receber milagres. Este não é o ambiente propício para se revelar que Jesus é o Messias, pois haveria o perigo de um mal-entendido, identificando o Messias com um simples curandeiro, tão distante do Messias sofredor. O próprio significado dos milagres corria o perigo de ser distorcido, pois estes eram feitos em função do Reino de Deus, não simplesmente cura por cura.

Por isso Cristo não se entusiasma com o fervor popular, e até “pediu aos discípulos que lhe providenciassem uma barca, por causa da multidão, para que não o comprimisse…, pois as pessoas jogavam-se sobre ele para tocá-lo”, atitudes que cheiram fanatismo e delírio.

Marcos cita frequentemente a presença de demônios, porque eles são os únicos que descobrem que Jesus é o Messias, pois percebem que Jesus não se dobra às suas armadilhas e está acima deles, podendo assim destruir a influência deles sobre o povo.

O Reino de Deus é mais eficácia que triunfalismo. O nosso desafio, nas Comunidades cristãs, é passar de uma multidão gregária para um Povo de Deus consciente, que confia, não tanto em seus líderes, mas na força da própria união e organização, com Cristo no meio.

Certa vez, um pai de família bem idoso, que estava às portas da morte, chamou seus filhos e disse-lhes: “Vão e tragam-me cada um, uma vara”.

Quando os filhos trouxeram as varas, o pai as ajuntou-as num só feixe, e disse aos filhos: “Quero ver qual de você quebra este molho, sem desatar as varas”.

O mais velho tentou fazê-lo, mas não conseguiu. O mais novo, de pulso forte, colocou o feixe no joelho, mas nem assim conseguiu. Assim, todos tentaram, mas não conseguiram quebrar o feixe de varas.

Então o pai desatou o molho e, tomando as varas uma por uma, quebrou todas, apesar da sua fraqueza.

Depois explicou a lição aos filhos: “Se vocês forem unidos como essas varas, ninguém os vencerá. Se viverem separados, serão facilmente vencidos”.

A Comunidade é povo unido; a multidão são pessoas separadas, apesar de estarem uma ao lado da outra. Que formemos Comunidades unidas, conscientes, organizadas e de muita fé.

Que Maria Santíssima, a Mãe da família de Nazaré e da Igreja, nos faça cada vez mais membros conscientes de nossa Comunidade.

Os espíritos maus gritavam: “Tu és o Filho de Deus!” Mas Jesus ordenava severamente para não dizerem quem ele era.

(11) – TU ÉS O FILHO DE DEUS

As multidões seguem Jesus e as pessoas se entusiasmam quase que doentiamente. Jesus, sabiamente, não se deixa embriagar pela exaltação da população. Ele sabe qual é seu lugar na História da Salvação. A salvação que Deus oferece, e da qual Jesus é portado, aponta em outra direção. Sua ação deve tocar não as multidões, mas o coração das pessoas, para tirar o orgulho e para que se inicie na pessoa um processo de conversão que faça nascer de novo.

Hoje, assim como antes, há uma grande multidão que deseja a salvação. Mas temos que ter cuidado. O processo de conversão deve ocorrer no interior da pessoa e, posteriormente, na experiência comunitária concreta na qual desenvolve sua vida.

Temos que responder ao chamado de Deus com uma fé responsável, para logo começar o seguimento de sua causa. Essa é a maneira concreta de aceitar Jesus como o Salvador e o Senhor.

Como estamos vivendo o seguimento de Jesus?

De que maneira experimentamos Deus em nossa vida?

(12) – REFLEXÃO

O evangelho de hoje é uma continuação dos evangelhos anteriores e nos mostra que, se por um lado, as autoridades religiosas da época de Jesus não concordavam com o seu modo de agir e com os seus ensinamentos, por outro lado, a multidão cada vez mais aderia aos seus ensinamentos e procurava em Jesus a solução para os seus problemas, naturais ou espirituais. A visão institucionalizada da fé é importante porque nos ajuda a viver comunitariamente o nosso relacionamento com Deus, mas pode ser perigosa enquanto pode submeter o próprio Deus aos critérios da razão humana ou legitimar, em nome de Deus, relacionamentos e costumes meramente humanos que podem até ser opressores e excludentes.

(16) – UMA GRANDE MULTIDÃO DA GALILEIA O SEGUIA. TAMBÉM VEIO A ELE MUITA GENTE DA JUDÉIA E DE JERUSALÉM, DA IDUMÉIA E DE ALÉM DO JORDÃO, E ATÉ DA REGIÃO DE TIRO E SIDÔNIA

Hoje, ainda temos recente o batismo de João nas águas do rio Jordão, deveríamos recordar a relevância do nosso próprio batismo. Todos fomos batizados num só Senhor, numa só fé, “num só Espirito para formar um só corpo” (1Cor 12, 13). Eis aqui o ideal de unidade: formar um só corpo, ser em Cristo uma só coisa, para que o mundo acredite.

No Evangelho de hoje vemos como “uma grande multidão da Galileia” e também muita gente procedente de outros lugares (cf. Mc 3, 7-8) se aproximam do Senhor. E Ele acolhe e procura o bem para todos, sem exceção. Devemos ter isso muito presente durante o otavário de oração pela unidade dos cristãos.

Apercebamo-nos como, no decorrer dos séculos, os cristãos nos dividimos em católicos, ortodoxos, anglicanos, luteranos, e um largo etc. de confissões cristãs. Pecado histórico contra uma das notas essenciais da Igreja: a unidade.

Mas aterremos na nossa realidade eclesial de hoje. A da nossa diocese, a da nossa paroquia. A do nosso grupo cristão. Somos realmente uma só coisa? Realmente a nossa relação de unidade é motivo de conversão para os afastados da Igreja? “Que todos sejam um, para que o mundo acredite” (Jo 17, 21), pede Jesus ao Pai. Este é o reto. Que os pagãos vejam como se relaciona um grupo de crentes que, congregados pelo Espirito Santo na Igreja de Cristo, têm um só coração e uma só alma (cf. Hch 4, 32-34).

Recordemos que, como fruto da Eucaristia — em simultâneo com a união de cada um com Jesus — deve manifestar-se a unidade da Assembleia pois, alimentamo-nos do mesmo Pão para sermos um só corpo. Portanto, o que significam os sacramentos, e a graça que contêm, exige de nós gestos de comunhão para com os outros. A nossa conversão é à unidade trinitária (o qual é um dom que vem do alto) e a nossa tarefa santificadora não pode obviar os gestos de comunhão, de compreensão, de acolhimento e de perdão para com os demais.

NINGUÉM AMA O QUE NÃO CONHECE

CELEBRAÇÃO DE HOJE

II SEMANA DO TEMPO COMUM — (VERDE – OFÍCIO DO DIA)

RITOS INICIAIS:

– Monição Ambiental ou Comentário Inicial

Quando celebramos a Eucaristia, entramos em clima de fraternidade, de gratuidade, de generosidade e não num jogo social de interesses egoístas. Com o sentimento eucarístico, agimos na sociedade como pessoas do bem, sem atitude de competição que tenta eliminar o espaço dos outros. Especialmente quando agimos nos projetos sociais para a erradicação da pobreza e suas consequências, geradas pelas pessoas do mal, não nos deixamos levar por sentimentos de vanglória ou de intriga, com o objetivo de levar vantagem e tirar o espaço dos outros.

– Canto e Procissão de Entrada

– Antífona da entrada

Que toda a terra se prostre diante de vós, ó Deus, e cante louvores ao vosso nome, Deus altíssimo! (Sl 65, 4).

– Saudação ao Altar e ao Povo Reunido

– Ato Penitencial

– Senhor, Tende Piedade

– Glória a Deus nas Alturas

– Oração do Dia ou Oração da Coleta

Deus eterno e todo-poderoso, que governais o céu e a terra, escutai com bondade as preces do vosso povo e dai ao nosso tempo a vossa paz. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

LITURGIA DA PALAVRA:

– Monição para a(s) Leitura(s)

Deus nos fala. A ação libertadora de Jesus não se limita a atender apenas ao indivíduo. Ela mexe com os poderes malignos e sistemas que tentam reagir para anular esta ação. Às vezes, dentro da própria comunidade há atitudes, como a de Saul, visando, por ciúmes e intrigas, desqualificar o trabalho do outro. Ouçamos a mensagem.

– Silêncio

– Proclamação da 1ª Leitura

– Silêncio

– Proclamação do Salmo

– Silêncio

– Proclamação da 2ª Leitura

– Monição ou Antífona do Evangelho

— Aleluia, aleluia, aleluia.

— Aleluia, aleluia, aleluia.

— Jesus Cristo Salvador destruiu o mal e a morte; fez brilhar pelo Evangelho a luz e a vida imperecíveis. (2Tm 1, 10).

– Canto de Aclamação

– Proclamação do Evangelho

– Homilia ou Pregação

– Profissão de Fé

– Oração Universal ou Oração dos Fiéis

Conforme nos orienta a IGMR, no Cap. II, LETRA B, números 69, 70 e 71, vamos deixar que cada Comunidade possa realizar a sua Oração Universal colocando nela, a sua realidade comunitária, não devendo esquecer que, normalmente serão estas as séries de intenções, além das pessoais de cada um, caso seja dada a oportunidade pelo celebrante ao povo de se expressar:

a) Intenções pelas necessidades da Igreja;

b) Intenções pelos poderes públicos e pela salvação de todo o mundo;

c) Intenções pelos que sofrem qualquer dificuldade;

d) Intenções pela comunidade local;

e) Intenções pessoais da comunidade.

LITURGIA EUCARÍSTICA / PREPARAÇÃO DAS OFERENDAS:

– Canto e Procissão das Oferendas

– Apresentação do Pão e do Vinho

– Presidente Lava as Mãos

– Orai, Irmãos!

– Oração sobre as Oferendas

Concedei-nos, ó Deus, a graça de participar constantemente da eucaristia, pois, todas as vezes que celebramos este sacrifício, torna-se presente a nossa redenção. Por Cristo, nosso Senhor.

LITURGIA EUCARÍSTICA / ORAÇÃO EUCARÍSTICA OU ANÁFORA:

– Prefácio e “Santo”

– Invocação do Espírito Santo

– Narrativa da Ceia

– Consagração do Pão e do Vinho

– “Eis o Mistério da Fé!”

– Lembra Morte e Ressurreição de Jesus

– Orações pela Igreja

– Louvor Final (Por Cristo…)

LITURGIA EUCARÍSTICA / RITO DA COMUNHÃO:

– Pai-Nosso (Oração do Senhor) e Oração seguinte

– Rito da Paz ou Saudação da Paz

– Fração do Pão

– Cordeiro de Deus

– Felizes os Convidados!

– Distribuição da Comunhão aos fiéis e Canto da Comunhão

– Silêncio Eucarístico ou Canto de Ação de Graças

– Antífona da Comunhão

Sabemos que Deus nos ama e cremos no seu amor (1Jo 4,16).

– Oração depois da Comunhão

Penetrai-nos, ó Deus, com o vosso Espírito de caridade, para que vivam unidos no vosso amor os que alimentais com o mesmo pão. Por Cristo, nosso Senhor.

RITOS FINAIS OU RITOS DE ENCERRAMENTO:

– Comunicados e Convites

– Saudação e Bênção Final

– Despedida (Ide em Paz!)

FONTES DE CONSULTAS E PESQUISAS:

Vamos expor a seguir de onde pertencem os textos que nos preenchem todos os dias, nos dando um caminho com mais sabedoria, simplicidade e amor.

FONTE PRINCIPAL DE PESQUISA E INSPIRAÇÃO

bc3adblia1

FONTE DE CONSULTA – IGMR (INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANO – 1ª EDIÇÃO / 2008)

IGMR

REFLITA:

O importante não é a pessoa que escreve, mas quem foi que inspirou essa pessoa a escrever.

O importante não é como se lê o que está escrito, mas como se age.

O importante não é sentar-se à direita ou a esquerda do Pai, mas sim, realizar o trabalho que Ele nos pede.

Ter conhecimento não é ter sabedoria, sabedoria é ter discernimento e saber compartilhar o conhecimento.

 

Fontes de Orientações e Pesquisas:

(1.1) – Blog Liturgia Diária da Palavra de Deus (Reflexões e Comentários);

(1.2) – Periódico Mensal: Liturgia Diária (Editoras Paulinas e Paulus);

(1.3) – Periódico Mensal: Deus Conosco (Editora Santuário);

(5) – Portal Editora Santuário;

(6) – Portal Editora Paulinas;

(7) – Portal e Blog Canção Nova;

(8) – Portal Dom Total;

(9) – Portal Edições Loyola Jesuítas;

(10) – Portal Evangelho Quotidiano;

(11) – Blog Liturgia Diária Comentada;

(12) – Portal CNBB (A Palavra de Deus na Vida);

(13) – Portal Catequisar: Catequese Católica;

(14) – Portal Comunidade Católica Nova Aliança;

(15) – Portal Fraternidade O Caminho;

(16) – Portal Evangeli.net;

(17) – Portal Padre Marcelo Rossi;

(18) – Um Novo Caminho;

(19) – Portal Dom Total: Roteiro Homilético;

(20) – Portal de Catequese Católica;

(21) – Blog Homilia Dominical;

(22) – Portal NPD Brasil;

(23) – Portal Canção Nova: Música;

(24) – Portal Editora Paulus;

(25) – Portal Católica Net;

(26) – Portal Católico Orante;

(27) – Rádio Catedral FM 106,7: Liturgia Diária;

(28) – Portal Comunidade Resgate;

(29) – Portal Católico na Net.

MINHA MENSAGEM PESSOAL PARA MIM MESMO.

Mais vale o desconforto da VERDADE, do que a comodidade da MENTIRA.

E usando a essência da Oração da Serenidade, devo orar:

Ó meu Deus e Senhor, Pai de misericórdia e Salvação,

que em seu Filho Jesus perdoou os nossos pecados,

e com o seu Santo Espírito, paráclito nesse nosso mundo que caminha conosco,

apenas em Ti posso almejar a vida eterna, socorre-me e ouvi-me:

Se o ERRO está em mim, que DEUS possa me dar a HUMILDADE de aceitar que estou errado.

Que Jesus me dê a SERENIDADE, para aceitar que tem coisas que não posso mudar.

E que o Espírito Santo me dê a CORAGEM, suficiente para mudar aquelas coisas que dependem de mim, mesmo que sejam difíceis.

E para complementar os alicerces de orações da minha vida, faço como o santo Tomás de Aquino:

“Concede-me, Deus misericordioso, que deseje com ardor o que tu aprovas, que o procure com prudência, que o reconheça em verdade, que o cumpra na perfeição, para louvor e glória do teu nome.

Põe ordem na minha vida, ó meu Deus, e permite-me que conheça o que tu queres que eu faça, concede-me que o cumpra como é necessário e como é útil para a minha alma.

Concede-me, Senhor meu Deus, que não me perca no meio da prosperidade nem da adversidade; não deixes que a adversidade me deprima, nem que a prosperidade me exalte.

Que nada me alegre ou me entristeça para além do que conduz a ti.”

Viver CORRETO e falar a VERDADE hoje são tão difíceis quanto na época de Jesus, pois é muito mais fácil aceitar a MENTIRA e fazer o ERRADO.

Viver no CAMINHO, VERDADE E VIDA, que é o próprio Cristo Jesus, tem que ser uma caminhada diária.

O futuro é desejo e pensamento.

O passado é aprendizado e lembrança.

O hoje é realidade, isso quer dizer: CRISTO.

Meus amigos(as) de coração, meus irmãos(ãs) em Cristo Jesus, lembrem-se:

“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”

“Não julgues para não seres julgados.”

“A quem é muito dado, muito será cobrado.”

–>

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s