Liturgia Diária 16/Mar/15

LITURGIA DIÁRIA DA PALAVRA
16/Mar/2015 (segunda-feira)

Podes ir, teu filho vive!

LEITURA: Isaías (Is) 65, 17-21: O julgamento futuro
Leitura do Livro do Profeta Isaías:
Assim fala o Senhor: 17 Eis que eu criarei novos céus e nova terra, coisas passadas serão esquecidas, não voltarão mais à memória. 18 Ao contrário, haverá alegria e exultação sem fim em razão das coisas que eu vou criar; farei de Jerusalém a cidade da exultação e um povo cheio de alegria. 19 Eu também exulto com Jerusalém e alegro-me com o meu povo; ali nunca mais se ouvirá a voz do pranto e o grito de dor. 20 Ali não haverá crianças condenadas a poucos dias de vida nem anciãos que não completem seus dias. Será considerado jovem quem morrer aos cem anos; e quem não alcançar cem anos, passará por maldito. 21 Construirão casas para nelas morar, plantarão vinhas para comer seus frutos. – Palavra do Senhor. – Graças a Deus.

SALMO: Salmos (Sl) 30 (29), 2.4. 5-6. 11.12a.13b: Ação de graças após um perigo mortal
2a Eu vos exalto, ó Senhor, pois me livrastes!
2 Eu vos exalto, ó Senhor, pois me livrastes, e não deixastes rir de mim meus inimigos! 4 Vós tirastes minha alma dos abismos e me salvastes, quando estava já morrendo!
5 Cantai salmos ao Senhor, povo fiel, dai-lhe graças e invocai seu santo nome! 6 Pois sua ira dura apenas um momento, mas sua bondade permanece a vida inteira; se à tarde vem o pranto visitar-nos, de manhã vem saudar-nos a alegria.
11 Escutai-me, Senhor Deus, tende piedade! Sede, Senhor, o meu abrigo protetor! 12a Transformastes o meu pranto em uma festa, 13b Senhor meu Deus, eternamente hei de louvar-vos!

EVANGELHO: João (Jo) 4, 43-54:
(4, 43-45: Jesus na Galiléia)
(4, 46-54: Segundo sinal em Caná: cura do filho de funcionário real)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo segundo João.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo: 43 Jesus partiu da Samaria para a Galiléia. 44 O próprio Jesus tinha declarado, que um profeta não é honrado na sua própria terra. 45 Quando então chegou à Galiléia, os galileus receberam-no bem, porque tinham visto tudo o que Jesus havia feito em Jerusalém, durante a festa. Pois também eles tinham ido à festa. 46 Assim, Jesus voltou para Caná da Galiléia, onde havia transformado a água em vinho. Havia em Cafarnaum um funcionário do rei que tinha um filho doente. 47 Ouviu dizer que Jesus tinha vindo da Judéia para a Galiléia. Ele saiu ao seu encontro e pediu-lhe que fosse a Cafarnaum curar seu filho, que estava morrendo. 48 Jesus disse-lhe: “Se não virdes sinais e prodígios, não acreditais.” 49 O funcionário do rei disse: “Senhor, desce, antes que meu filho morra!” 50 Jesus lhe disse: “Podes ir, teu filho está vivo.” O homem acreditou na palavra de Jesus e foi embora. 51 Enquanto descia para Cafarnaum, seus empregados foram ao seu encontro, dizendo que o seu filho estava vivo. 52 O funcionário perguntou a que horas o menino tinha melhorado. Eles responderam: “A febre desapareceu, ontem, pela uma da tarde”. 53 O pai verificou que tinha sido exatamente na mesma hora em que Jesus lhe havia dito: “Teu filho está vivo”. Então, ele abraçou a fé, juntamente com toda a sua família. 54 Esse foi o segundo sinal de Jesus. Realizou-o quando voltou da Judeía para a Galiléia. — Palavra da Salvação. — Glória a vós, Senhor.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial (Querer)
Os evangelhos nos apresentam diversos relatos de curas realizadas por Jesus: curou a sogra de Pedro, o filho único da viúva de Naim, leprosos, possessos, cegos, aleijados… Jesus é a fonte da vida. O evangelista João hoje nos apresenta a cura do filho de um funcionário do rei e que este passou então a crer em Jesus juntamente com toda a sua família.
No início da nossa Leitura Orante, peçamos ao Espírito Santo as luzes para bem compreendermos a Palavra que vamos meditar: Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor. Enviai, Senhor o vosso Espírito e tudo será criado. E renovareis a face da terra. Oremos: Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre da sua consolação. Por Cristo, Senhor nosso. Amém.

Eu sou o CAMINHO (Ler)
O que o texto diz em si?
Leia o texto e procure perceber o contexto do relato evangélico: lugares, pessoas e acontecimentos.
Quais são as palavras ou gestos de Jesus?
Qual é o tema que perpassa a discussão dos personagens?
O texto destaca a atitude de um homem de Cafarnaum com um filho doente. O funcionário pede insistentemente para que Jesus vá até seu filho. Jesus o faz perceber que seu pedido é válido, mas que ele precisa antes crer em suas palavras: “Teu filho vive!”. Jesus o convida a tomar consciência da relação entre ver sinais e acreditar. Jesus cura para além de sua presença física, basta ter fé. Por fim, o funcionário acreditou em Jesus, juntamente com sua família.

A VERDADE (Refletir)
O que o texto diz para mim, hoje?
Qual palavra do texto encontrou profunda sintonia com a minha vida, com as minhas atitudes?
Quais sentimentos o texto provocou em mim?
Preciso de sinais para crer em Jesus?
Assim como o funcionário, também peço o dom da cura?
Como acolho a doença e os limites em minha vida?
O que significa para mim ter saúde?
O que as curas de Jesus significam para minha fé?
Adriana Arydes, na canção Teu milagre, lembra a ação de Deus em sua vida e a necessidade de termos fé para compreendermos os sinais de Deus. Ouça esta canção e depois, em alguns instantes de silêncio, procure compreender os ensinamentos de Jesus no concreto da sua vida.
( YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=oFRXHEFTAvw )
Precisamos que aconteçam milagres dentro de nossas casas! Mas a maioria deles deve partir do íntimo de nosso coração. Crer! Colocar tudo nas mãos de Deus, olhando a partir de sua cruz! A vida plena não se limita à vida deste mundo! Rezemos, de coração sincero, com Santo Agostinho: “Nosso coração está inquieto, Senhor, até que descanse em vós!”
A vida é dura? Mas é tão breve! Coragem!

E a VIDA (Orar)
Na oração de hoje, apresente ao Senhor as pessoas doentes. Doentes de sua família, amigos, pessoas conhecidas. Peça também o dom da fé.
Conclua rezando: Deus, Pai de misericórdia, confiantes na amizade e no carinho de teu Filho que veio habitar entre nós, pedimos que sua presença e bondade sejam para todos nós um princípio de vida, abrindo-nos o coração ao seu Espírito e curando nosso corpo de nossas enfermidades. Pelo mesmo Jesus Cristo, teu Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

Qual deve ser a MISSÃO em minha VIDA hoje? (Agir)
Qual é a aplicação da Palavra de Deus em minha vida?
O que me proponho a viver?
Como vou atingir este propósito?

REFLEXÕES

(1.4) – REFLEXÃO
Jesus declarou que um profeta não é honrado na sua própria terra. Como ele foi criado na cidade de Nazaré, que fica na Galiléia, fazia referência aos galileus, que precisavam de sinais e prodígios para crer e ficavam exigindo que Jesus operasse milagres que testemunhariam que ele de fato era o Filho de Deus. Jesus nos mostra que o processo é justamente o contrário: não são os sinais que devem nos levar a crer, mas é a nossa fé que deve produzir sinais de Reino de Deus, sinais de fraternidade, de justiça, de amor, de vida em abundância. Porque ter fé significa ter a presença amorosa e solidária de Deus em todos os momentos da vida.

(6) – A PALAVRA DE JESUS FAZ VIVER
Depois da boa acolhida dos samaritanos, Jesus vai para a Galileia. Também lá Jesus é bem acolhido, pois os galileus viram o que ele fez em Jerusalém, a saber, a purificação do Templo (Jo 2, 13-24). O evangelho de hoje é o relato do segundo sinal realizado por Jesus. O sinal é manifestação do Espírito Santo do qual Jesus é revestido e que remete à pessoa a Deus. É essa manifestação pneumática que permite reconhecer que estar diante de Jesus é estar diante de Deus. Jesus é apresentado como Aquele cuja palavra faz viver. Sua palavra é eficaz; realiza o que diz, assim como a Palavra de Deus no primeiro relato da criação, em que todo o universo conhece a existência pela Palavra criadora e eficaz de Deus (Gn 1, 1–2,4a). Não há nenhum gesto feito por Jesus; há somente uma palavra dita, palavra de Jesus em que o funcionário do rei acreditou. Por essa palavra, o funcionário e todos os de sua casa puderam ver irromper um tempo novo em que a vida é transfigurada. A confiança na palavra do Senhor permite viver e constatar que para Deus nada é impossível. Para o leitor deste relato há um convite à confiança na palavra eficaz de Jesus. Essa confiança é um caminho que permite experimentar e conhecer a vida como dom de Deus.
Oração:
Manifestai, Senhor da Vida, a vossa misericórdia e concedei-nos a cura das enfermidades que nos afligem.
Padre Carlos Alberto Contieri

(7) – QUE SUA FÉ CONTAGIE SUA FAMÍLIA E O MUNDO!
Que sua fé contagie sua família e o mundo para que a graça e o amor de Deus cheguem a todos os corações!
“Então, ele abraçou a fé, juntamente com toda a sua família” (João 4, 53).
Jesus está de volta, de Jerusalém para a Galiléia, mesmo passando pela Samaria, quando chega à Galiléia, Ele é bem recebido, porque o povo sabia o que Ele havia feito em Jerusalém. Contudo, quando Ele passa perto de Cafarnaum, um funcionário do rei vai atrás d’Ele para Lhe dizer que o filho estava enfermo, doente, por isso precisava que o Senhor tocasse nele e fizesse algo por ele.
Jesus sabia que estava sendo procurado por causa dos sinais e dos milagres feitos por Ele, mas o funcionário real implora: “Senhor, desce, antes que meu filho morra!” (Jo 4, 49). Como se dissesse ao Senhor: “Por favor, meu filho está enfermo, ele precisa te Ti!”. E esse clamor desse homem chega muito forte ao coração de Jesus; não é um clamor de desespero. Veja que há diferença, é um clamor de fé, é um pedido feito com confiança. Mesmo não estando na roda com Jesus, a todo tempo, ele sabe que o Senhor tem poder para curar seu filho, por isso ele pede de forma insistente, como que afirmando: “Não há mais médicos, não há mais ninguém, Senhor, que possa fazer algo pelo meu filho, a não ser o Senhor!”
Tamanha foi a fé e tamanhos foram a graça e o milagre que ele também alcançou. Jesus lhe disse: “Seja feito conforme a sua fé”. Imediatamente a febre do filho desse homem desaparece e ele vive. Quando ele volta para casa vê o filho curado e acredita piedosamente que Jesus realizou um sinal em sua casa. Daquela hora em diante, ele, juntamente com toda a sua família, abraçou a fé e passou também a seguir Jesus e a crer em tudo o que Ele fazia e realizava.
Deixe-me dizer uma coisa a você: é por intermédio de você que a fé, a graça e o amor de Deus chegam à sua casa e à sua família; mesmo que nem todos nela creiam, mesmo que, na sua casa, nem todos abram o coração para o Senhor. Por intermédio de você a fé contagia toda a sua casa e toda a sua família!
Você pode ser o canal da graça para que os da sua casa creiam no poder de Jesus e O sigam. Basta olharem para você e enxergarem na sua vida a transformação, o milagre, a cura e a bênção que Deus operou em sua vida. Nós precisamos e devemos ser o milagre vivo, o testemunho vivo, o sinal vivo daquilo que Deus faz a quem n’Ele crê.
Que nossa vida, nosso sorriso, que nosso ânimo em crer em Jesus sejam um testemunho para os da nossa casa! Nós não vamos levar os nossos para o Senhor pela força, mas sim pelo testemunho e pelo milagre que os outros podem olhar e contemplar na vida de cada um de nós.
Sejamos sinais vivos de que Jesus age em nós!
Deus abençoe você!
Padre Roger Araújo

(8) – O SEGUNDO SINAL
O evangelista João chama de sinais os fatos portentosos realizados por Jesus no exercício do seu ministério messiânico. Eles não pretendem ser uma prova da identidade de Jesus, nem tampouco visam forçar as pessoas a abraçarem a fé.
Os sinais são manifestações da glória de Jesus para quem está disposto a lançar-se na dinâmica da fé. Indicam que nele existe algo que pode conduzir à fé, desde que bem entendido. Sem ela, será impossível identificar os feitos de Jesus como sinais.
Eles possibilitam, a quem se aproxima de Jesus, penetrar no mistério divino, presente na história humana; permitem contemplar Deus atuando em favor da humanidade. Por outro lado, dão a entender que, em Jesus, a salvação torna-se realidade. O Deus invisível faz-se visível na ação de Jesus.
Todos estes elementos estão presentes no sinal relatado pelo Evangelho. O funcionário real acredita que Jesus pode salvar-lhe o filho, que está à beira da morte. Como resposta, recebeu a ordem de ir para casa, pois seu filho já estava curado. Ao receber a notícia da cura, informou-se sobre a hora exata em que acontecera. E constatou ter sido na mesma hora em que Jesus lhe garantira a cura do filho. Por isso, “ele acreditou, e toda a sua casa”.
O sinal levou o funcionário real à fé, porque estava predisposto a acolher Jesus. Neste caso, fez surtir o efeito desejado: foi gerador de fé.
Oração:
Pai, dá-me sensibilidade para descobrir, nos sinais realizados por Jesus, a presença de tua mão amiga atuando em favor da humanidade.
Padre Jaldemir Vitório

(9) – BOA NOVA PARA CADA DIA
“Podes ir, teu filho está vivo” (Jo 4, 50b).
O tempo da Quaresma é também ocasião para meditarmos sobre os efeitos poderosos de Deus ao cancelar nossos pecados.
Jesus, neste Evangelho, atende ao pedido de um homem importante: seu filho estava morrendo. Devia ser jovem, e a causa de sua agonia seria alguma doença. Ora, naquele tempo a doença era sinal de impureza ritual. Somente os sacerdotes podiam dizer quando a pessoa estava curada, isto é, não em estado de impureza.
A preocupação daquele pai não era, portanto, o risco de morte de seu filho, mas de morte em estado de impureza. Ele, em primeiro lugar, sabe que Jesus tem poder de curar, portanto, de purificar as pessoas. O pedido daquele funcionário do rei inclui também este, o de tornar puro o seu filho agonizante.
Ora, Jesus entendeu que aquele homem acreditava nele.
Portanto, estava diante de um caso ideal de salvação, para a qual Ele fora enviado ao mundo por vontade de Deus Pai. Assim, pois, Jesus realiza sua missão dizendo ao funcionário real: “Podes ir, teu filho está vivo” (Jo 4, 50b).
Antes que o funcionário real chegasse a sua casa, seus empregados confirmaram que seu filho vivia e estava livre da doença. O poder de Jesus se confirmara.
Apliquemos esta estória a nossa vida.
Somos pessoas que por causa de nossos pecados corremos o risco de morrer impuros, isto é, sem o perdão de Deus.
Mas Deus quer nos perdoar antes de nossa morte.
E Ele nos perdoa quando lhe pedimos esta cura espiritual.
O perdão de Deus é a manifestação de seu poder. Ele pode cancelar nossa culpa, a dívida que no pecado contraímos com Ele, e tornar-nos espiritualmente vivos e sem pecado.
Na Quaresma precisamos ter esta experiência.
Se nossa consciência nos acusa de pecado, peçamos a Jesus Cristo que interceda por nós junto ao Pai. Ele nos dirá: “Teus pecados estão perdoados”. Não foi isto o que Ele disse à mulher que lavou com lágrimas seus pés, arrependida por imenso amor a Deus, na casa do fariseu onde Jesus almoçava? (Lc 7, 48).
Do mesmo modo Deus e Seu Filho nos tratam, se com grande amor e arrependimento pedimos o perdão de nossos pecados.
O funcionário real não voltou a Jesus para lhe agradecer a salvação de seu filho. Mas nós podemos voltar a Jesus depois de nossa confissão e perdão de todos os nossos pecados, porque nosso amor a Deus nos leva a este gesto de gratidão.
Padre Valdir Marques

(10) – SE NÃO VIRDES SINAIS EXTRAORDINÁRIOS E PRODÍGIOS, NÃO ACREDITAREIS!
«Se não virdes sinais extraordinários e prodígios, não acreditareis!» O funcionário real parece não acreditar que Jesus tem o poder de ressuscitar os mortos: «Senhor, vem, antes que o meu filho morra!» Parece julgar que Jesus ignora a gravidade da doença do seu filho. Por isso Jesus o censura, para lhe mostrar que os milagres se fazem sobretudo para ganhar e curar as almas. Assim Jesus curou o pai, que estava tão doente no espírito quanto o filho estava doente no corpo, para nos ensinar que não devemos ligar-nos a Ele por causa dos milagres, mas pelos ensinamentos que os milagres confirmam. Pois Ele não opera milagres para os crentes, mas para os não crentes. […]
No regresso «acreditou, ele e todos os da sua casa». Pessoas que não viram nem escutaram Jesus […] acreditam nele.
Que ensinamento devemos retirar disto?
Que é preciso acreditar nele sem exigir milagres; que não devemos exigir a Deus provas do seu poder. Hoje em dia muitas pessoas mostram maior amor a Deus quando os filhos ou a mulher recebem algum alívio da doença; ora, mesmo que os nossos votos não sejam satisfeitos, é preciso perseverar na ação de graças e no louvor. Permaneçamos ligados a Deus, tanto na adversidade quanto na prosperidade.
São João Crisóstomo (c. 345-407)

(16) – JESUS FOI PARA A GALILÉIA
Hoje voltamos a encontrar Jesus nos cinco pórticos da piscina de Betsaida, onde tinha realizado o conhecido milagre da conversão da água em vinho. Agora, nesta ocasião, faz um novo milagre: a cura do filho de um funcionário real. Mesmo que o primeiro foi espetacular, este é – sem dúvida – mais valioso, porque não é algo material o que se soluciona com o milagre, e sim que se trata da vida de uma pessoa.
O que chama atenção deste novo milagre é que Jesus atua à distância, não acode a Cafarnaúm para curar diretamente ao enfermo, e sem mover-se de Canaã faz possível o restabelecimento: «O funcionário do rei disse: ‘Senhor, desce, antes que meu filho morra!’» Jesus disse-lhe: «Pode ir, seu filho está vivo» O homem acreditou na palavra de Jesus e foi embora» (Jo 4, 49.50).
Isto nos lembra a todos nós que podemos fazer muito bem à distância, quer dizer, sem ter que estar presentes no lugar onde é solicitada nossa generosidade. Assim, por exemplo, ajudamos ao Terceiro Mundo colaborando economicamente com nossos missioneiros ou com entidades católicas que estão ali trabalhando. Ajudamos aos pobres de bairros marginais das grandes cidades com nossas contribuições a instituições como Cáritas, sem que devamos pôr os pés em suas ruas. Ou, inclusive, podemos dar uma alegria a muita gente que está muito distante de nós com uma chamada de telefone, uma carta ou um correio eletrônico.
Muitas vezes nos escusamos de fazer o bem porque não temos possibilidades de estar fisicamente presentes nos lugares onde há necessidades urgentes. Jesus não se escusa porque não estava em Cafarnaúm, senão que fez o milagre.
A distância não é nenhum problema na hora de ser generoso, porque a generosidade sai do coração e traspassa todas as fronteiras. Como diria Santo Agostinho: «Quem tem caridade em seu coração, sempre encontra alguma coisa para dar».
Rev. D. Ramon Octavi SÁNCHEZ i Valero

COMEMORA-SE NO DIA 16/Mar

(5) – SÃO JOÃO DE BRÉBEUF E COMPANHEIROS
São João de Brébeuf nasceu em 1593, na França. Entrou para a Companhia de Jesus, tornando-se Jesuíta no dia em que completava 29 anos. Em 1625, junto com um grupo de missionários, partiu para o Canadá, com a missão era evangelizar os índios algonquinos.
A região dos grandes lagos, nos confins entre os Estados Unidos e o Canadá, era habitada no século XVII por tribos, peles vermelhas, que não conheciam as vantagens do Evangelho. Nossos irmãos enfrentaram as dificuldades próprias da adaptação nas terras diferentes, climas, línguas e principalmente tribos indígenas guerreiras, que faziam da missão um perigo, mas assim mesmo, os santos missionários preferiram arriscar a vida por Jesus.
João Brebéuf era admirado e respeitado pelos indígenas. Batizou cerca de sete mil índios. Vivia em extrema pobreza, dividindo comida e casa com os índios. Apesar disso, dava testemunho de alegria, de esperança e de paciência cristã, a ponto de os índios dizerem a seu respeito: “Jesus voltou”! Aprenderam rapidamente a língua indígena a ponto de escrever para eles uma gramática e livros de catequese.
No dia 16 de março de 1649, uma tribo adversária, os iroqueses, invadiu a missão. João foi amarrado num pau e tremendamente torturado, tendo inclusive suas unhas arrancadas. Impressionados com a coragem do missionário, os índios arrancaram-lhe o coração a fim de comê-lo e herdar sua força.
Com João de Brébeuf foram martirizados seus sete companheiros: Isac Jogues, Antonio Daniel, Carlos Garnier, Gabriel Lalemant, João de la Lande, Natal Chabanel e Renato Goupil.
Reflexão:
São João Brebéuf e seus companheiros podiam ter tido uma vida sem doenças ou atrocidades, mas preferiram doar-se por inteiro à causa da evangelização. Deixaram as comodidades de suas casas e enfrentaram terras desconhecidas, em nome da evangelização. Poderíamos até questionar os métodos missionários destes homens, mas sem dúvida a fé que os moveu é inquestionável. Sejamos também nós missionários da verdade e da justiça e coloquemos Jesus Cristo em primeiro lugar na nossa vida.
Padre Evaldo César de Souza

(6) – SANTO HERIBERTO
Heriberto foi arcebispo de Colônia, na Alemanha, ainda muito moço, pois sua religiosidade brotara ainda na infância. Conta a história que, no dia em que nasceu, em 970, filho de descendentes dos condes de Worms, notou-se uma extraordinária luz pairando sobre a casa de seus pais. O fenômeno teria durado várias horas e marcado para sempre a vida de Heriberto, que caminhou reto para o caminho da santidade.
Como desde pequeno mostrava vocação para a religião e os estudos, seus pais o entregaram ao convento de Gorze. Ali, Heriberto descobriu para si e para o mundo que era extremamente talentoso, mas decidiu-se pela ordenação sacerdotal, que ocorreu em 995. Com o decorrer do tempo cursou diversas escolas, chegando a ser considerado o homem mais sábio de seu tempo. E foi nesta condição que o imperador Oton III o nomeou chanceler, seu assessor de maior confiança. Sua fama e popularidade cresceram, não só devido à sabedoria, mas também pela humildade e a caridade que praticava com todos. Assim, foi eleito bispo de Colônia, em 999.
Quando Oton III morreu, o imperador que o sucedeu, Henrique II, também acabou tornando-se admirador de Heriberto, apesar da oposição que lhe fez no início. Uma vez que o bispo Heriberto o consagrou rei sem nenhuma contestação. E por fim o novo rei Henrique II o chamou para ser seu conselheiro.
Então, a obra caridosa do bispo pôde então continuar. Os registros mostraram que, depois de fundar um hospital para os pobres, Heriberto visitava os doentes todos os dias, cuidando deles pessoalmente. Diz a tradição que, certa vez, houve na cidade uma grande seca, ficando sem chover por meses. O bispo comandou um jejum de três dias e, finalmente, uma procissão de penitência pedindo chuva aos céus. Como nem assim choveu, Heriberto comovido começou a chorar na frente do povo, culpando-se pela seca. Dizia que seus pecados é que impediam Deus de fazer misericórdia. Mas, um fato prodigioso aconteceu nesse momento, imediatamente o céu escureceu e uma forte chuva caiu sobre a cidade, durando alguns dias e pondo fim à estiagem.
Com fama de santidade ainda em vida, o bispo Heriberto morreu no dia 16 de março de 1021, numa viagem de visita pastoral à cidade de Deutz, onde contraiu uma febre maligna que assolava a população. Suas relíquias estão na catedral dessa cidade, na Colônia, Alemanha. Na igreja que ele mesmo fundou junto com o mosteiro ao lado, que foi entregue aos beneditinos.
Amado pelos fiéis a peregrinação à sua sepultura difundiu seu culto que se tornou vigoroso em toda a Europa, especialmente na Itália e na Alemanha, país de sua origem. Foi canonizado em 1227, pelo Papa Gregório IX que autorizou o culto à Santo Heriberto, já tradicionalmente festejado pelos devotos no dia 16 de março.

NINGUÉM AMA O QUE NÃO CONHECE

CELEBRAÇÃO DE HOJE

IV SEMANA DA QUARESMA
(ROXO – OFÍCIO DO DIA)

RITOS INICIAIS

Monição Ambiental ou Comentário Inicial
A fé em Jesus não depende de sinais, pois se afirma mesmo sem provas evidentes. Consiste na adesão a ele e à sua palavra, por meio da qual são criados novos céus e nova terra.

Antífona da entrada
Confio em vós, ó Deus! Alegro-me e exulto em vosso amor, pois olhastes, Senhor, minha miséria (Sl 30, 7s).

Oração do Dia ou Oração da Coleta
Ó Deus, que renovais o mundo com admiráveis sacramentos, fazei a vossa Igreja caminhar segundo vossa vontade, sem que jamais lhe faltem, neste mundo, os auxílios de que necessita. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

LITURGIA DA PALAVRA

Monição para a(s) Leitura(s)
A palavra de Deus anuncia um tempo de esperança e alegria pelo despontar de uma nova realidade. A fé nessa palavra torna-nos colaboradores das promessas divinas.

Monição ou Antífona do Evangelho
Honra, glória, poder e louvor a Jesus, nosso Deus e Senhor!
Buscai o bem, não o mal, pois assim vivereis; então o Senhor, nosso Deus, convosco estará! (Am 5, 14)

Oração Universal ou Oração dos Fiéis
AS: Iluminai, Senhor, a vida do vosso povo.
1. Fortalecei, Senhor, a Igreja, que procura ser fiel à missão confiada por Jesus.
2. Dai coragem e discernimento a todos os que se empenham em construir novo céu e nova terra.
3. Tornai fecunda a medicina que, com ética, busca proporcionar vida digna às pessoas.
4. Abençoai os profissionais da saúde que não medem esforços em favor da vida.
5. Olhai pelos casais em dificuldades, pelas crianças desamparadas e pelos idosos.

LITURGIA EUCARÍSTICA

Oração sobre as Oferendas
Possamos, ó Deus, colher os frutos do sacrifício que vamos oferecer, para que, despojando-nos da velha criatura, cresçamos numa vida nova. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão
Eu colocarei em vós o meu espírito e vos farei andar nos meus preceitos, obedecer à minha palavra e pô-la em prática (Ez 36, 27).

Oração depois da Comunhão
Ó Deus, nós vos pedimos que vosso sacramento nos santifique, dando-nos uma vida nova e levando-nos à eterna salvação. Por Cristo, nosso Senhor.

RITOS FINAIS OU RITOS DE ENCERRAMENTO

Ide em Paz!

FONTES DE CONSULTAS E PESQUISAS

Vamos expor a seguir de onde pertencem os textos que nos preenchem todos os dias, nos dando um caminho com mais sabedoria, simplicidade e amor.

FONTE PRINCIPAL DE PESQUISA E INSPIRAÇÃO
cfeb0-bblia_257e2

FONTE DE CONSULTA LITÚRGICA
IGMR (INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANO – 1ª EDIÇÃO / 2008)
IGMR

REFLITA

O importante não é a pessoa que escreve, mas quem foi que inspirou essa pessoa a escrever.
O importante não é como se lê o que está escrito, mas como se age.
O importante não é sentar-se à direita ou a esquerda do Pai, mas sim, realizar o trabalho que Ele nos pede.
Ter conhecimento não é ter sabedoria, sabedoria é ter discernimento e saber compartilhar o conhecimento.

FONTES DE ORIENTAÇÕES E PESQUISAS DAS REFLEXÕES, ORAÇÕES E COMEMORAÇÕES

(1.1) – Blog Liturgia Diária da Palavra de Deus (Reflexões e Comentários);
(1.2) – Periódico Mensal: Liturgia Diária (Editoras Paulinas e Paulus);
(1.3) – Periódico Mensal: Deus Conosco (Editora Santuário);
(1.4) – Portal CNBB (A Palavra de Deus na Vida);
(5) – Portal Editora Santuário;
(6) – Portal Editora Paulinas;
(7) – Portal e Blog Canção Nova;
(8) – Portal Dom Total;
(9) – Portal Edições Loyola Jesuítas;
(10) – Portal Evangelho Quotidiano;
(11) – Blog Liturgia Diária Comentada;
(13) – Portal Catequisar: Catequese Católica;
(14) – Portal Comunidade Católica Nova Aliança;
(15) – Portal Fraternidade O Caminho;
(16) – Portal Evangeli.net;
(17) – Portal Padre Marcelo Rossi;
(18) – Um Novo Caminho;
(19) – Portal Dom Total: Roteiro Homilético;
(20) – Portal de Catequese Católica;
(21) – Blog Homilia Dominical;
(22) – Portal NPD Brasil;
(23) – Portal Canção Nova: Música;
(24) – Portal Editora Paulus;
(25) – Portal Católica Net;
(26) – Portal Católico Orante;
(27) – Rádio Catedral FM 106,7: Liturgia Diária;
(28) – Portal Comunidade Resgate;
(29) – Portal Católico na Net.

MENSAGEM PARA VOCÊ E PARA MIM MESMO

Mais vale o desconforto da VERDADE, do que a comodidade da MENTIRA.
E usando a essência da Oração da Serenidade, devo orar:

Ó meu Deus e Senhor, Pai de misericórdia e Salvação,
que em seu Filho Jesus perdoou os nossos pecados,
e com o seu Santo Espírito, paráclito nesse nosso mundo que caminha conosco,
apenas em Ti posso almejar a vida eterna, socorre-me e ouvi-me:
Se o ERRO está em mim, que DEUS possa me dar a HUMILDADE de aceitar que estou errado.
Que Jesus me dê a SERENIDADE, para aceitar que tem coisas que não posso mudar.
E que o Espírito Santo me dê a CORAGEM, suficiente para mudar aquelas coisas que dependem de mim, mesmo que sejam difíceis.

E para complementar os alicerces de orações da minha vida, faço como o santo Tomás de Aquino:

“Concede-me, Deus misericordioso, que deseje com ardor o que tu aprovas, que o procure com prudência, que o reconheça em verdade, que o cumpra na perfeição, para louvor e glória do teu nome.
Põe ordem na minha vida, ó meu Deus, e permite-me que conheça o que tu queres que eu faça, concede-me que o cumpra como é necessário e como é útil para a minha alma.
Concede-me, Senhor meu Deus, que não me perca no meio da prosperidade nem da adversidade; não deixes que a adversidade me deprima, nem que a prosperidade me exalte.
Que nada me alegre ou me entristeça para além do que conduz a ti.”

Viver CORRETO e falar a VERDADE hoje são tão difíceis quanto na época de Jesus, pois é muito mais fácil aceitar a MENTIRA e fazer o ERRADO.
Viver no CAMINHO, VERDADE E VIDA, que é o próprio Cristo Jesus, tem que ser uma caminhada diária.
O futuro é desejo e pensamento.
O passado é aprendizado e lembrança.
O hoje é realidade, isso quer dizer: CRISTO.

Meus amigos(as) de coração, meus irmãos(ãs) na fé em Cristo Jesus, lembrem-se:
“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”
“Não julgues para não seres julgados.”
“A quem é muito dado, muito será cobrado.”

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s