Liturgia Diária 25/Mar/15

LITURGIA DIÁRIA DA PALAVRA
25/Mar/2015 (quarta-feira)

Não tenhas medo, Maria

LEITURA: Isaías (Is) 7, 10-14 — 8, 10: Segunda intervenção
Leitura do Livro do Profeta Isaías:
Naqueles dias, 10 o Senhor falou com Acaz, dizendo: 11 “Pede ao Senhor teu Deus que te faça ver um sinal, quer provenha da profundeza da terra, quer venha das alturas do céu”. 12 Mas Acaz respondeu: “Não pedirei nem tentarei o Senhor”. 13 Disse o profeta: “Ouvi então, vós, casa de Davi; será que achais pouco incomodar os homens e passais a incomodar até o meu Deus? 14 Pois bem, o próprio Senhor vos dará um sinal. Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel, 8,10 porque Deus está conosco. – Palavra do Senhor. – Graças a Deus.

SALMO: Salmos (Sl) 40 (39), 7-8a. 8b-9. 10. 11: Ação de graças. Pedido de socorro
8a.9a Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor!
7 Sacrifício e oblação não quisestes, mas abristes, Senhor, meus ouvidos; não pedistes ofertas nem vítimas, holocaustos por nossos pecados, 8a E então eu vos disse: “Eis que venho!”
8b Sobre mim está escrito no livro: 9 “Com prazer faço a vossa vontade, guardo em meu coração vossa lei!”
10 Boas-novas de vossa justiça anunciei numa grande assembléia; vós sabeis: não fechei os meus lábios!
11 Proclamei toda a vossa justiça, sem retê-la no meu coração; vosso auxílio e lealdade narrei. Não calei vossa graça e verdade na presença da grande assembléia.

LEITURA: Hebreus (Hb) 10, 4-10: Ineficácia dos sacrifícios antigos
Leitura da Carta aos Hebreus:
Irmãos: 4 É impossível eliminar os pecados com o sangue de touros e bodes. 5 Por isso, ao entrar no mundo, Cristo afirma: “Tu não quiseste vítima nem oferenda, mas formaste-me um corpo. 6 Não foram do teu agrado holocaustos nem sacrifícios pelo pecado. 7 Por isso eu disse: Eis que eu venho. No livro está escrito a meu respeito: Eu vim, ó Deus, para fazer a tua vontade”. 8 Depois de dizer: “Tu não quiseste nem te agradaram vítimas, oferendas, holocaustos, sacrifícios pelo pecado” coisas oferecidas segundo a Lei – 9 ele acrescenta: “Eu vim para fazer a tua vontade”. Com isso, suprime o primeiro sacrifício, para estabelecer o segundo. 10 É graças a esta vontade que somos santificados pela oferenda do corpo de Jesus Cristo, realizada uma vez por todas. – Palavra do Senhor. – Graças a Deus.

EVANGELHO: Lucas (Lc) 1, 26-38: A anunciação
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo: 26 O anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, 27 a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi e o nome da virgem era Maria. 28 O anjo entrou onde ela estava e disse: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!” 29 Maria ficou perturbada com estas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. 30 O anjo, então, disse-lhe: “Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. 31 Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. 32 Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi. 33 Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim”. 34 Maria perguntou ao anjo: “Como acontecerá isso, se eu não conheço homem algum?” 35 O anjo respondeu: “O Espírito virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado Santo, Filho de Deus. 36 Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, 37 porque para Deus nada é impossível”. 38 Maria, então, disse: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!” E o anjo retirou-se. — Palavra da Salvação. — Glória a vós, Senhor.

LEITURA ORANTE

Oração Inicial (Querer)
Preparo-me para a Leitura Orante, rezando ao Espírito Santo:
Espírito Santo, Amor do Pai e do Filho, inspirai-me sempre o que devo pensar, o que devo dizer, o que hei de calar, o que hei de escrever, o que hei de fazer, como o hei de fazer, para a vossa glória, para o bem das pessoas e a minha própria santificação. Amém!

Eu sou o CAMINHO (Ler)
O que a Palavra diz?
Leio com toda atenção o texto do Evangelho: Lc 1, 26-38.
O lugar onde acontece este fato é uma pequena aldeia da Galiléia: Nazaré. A pessoa a quem Deus envia seu mensageiro é uma jovem como as outras de seu tempo. Fica preocupada e pede explicações. Por isso, fica sabendo que o que lhe acontecerá é obra do Espírito Santo e que o Menino do qual será Mãe é o próprio Filho de Deus. Sabendo que a Deus nada é impossível, com fé, faz seu ato de disponibilidade ao Projeto de Deus: “Eu sou uma serva de Deus; que aconteça comigo o que o senhor acabou de me dizer!

A VERDADE (Refletir)
O que a Palavra diz para mim?
Como acolho os “anúncios” de Deus na minha vida?
Muitas vezes o anúncio é para uma mudança de vida, outras é o imprevisto que me faz trocar meus projetos, outras vezes um problema de saúde, no trabalho, em família.
Respondo com fé e disponibilidade?
O anúncio de Nazaré continua hoje, de muitas formas e através de muitas pessoas. Entre elas, as “Anunciatinas”, leigas consagradas a Deus com a profissão dos conselhos evangélicos de castidade, pobreza e obediência. Vivem e cumprem a missão no ambiente familiar, estudo e trabalho. Procuram moldar a vida no exemplo de Maria de Nazaré, a Virgem da Anunciação. Na simplicidade da vida quotidiana, Maria acolheu Jesus para doá-lo ao mundo. A exemplo de Maria, as Anunciatinas colocam a própria vida ao serviço do Evangelho. Sua missão consiste em “representar Maria hoje diante de todos”. Conheça estas jovens ou envie-lhes hoje uma mensagem de apoio. Conheça-as e passe-lhes uma mensagem em http://anunciatinas.zip.net/
– Temos consciência de que os dons que Deus nos dá são para serem colocados a serviço?
– Será que não corremos o risco de, às vezes, querer tirar vantagem em proveito próprio dos dons que Deus nos dá?
– O que faz quando percebe um certo desânimo no servir?
– Será que temos consciência de que nossa vida tem que ser portadora de paz?
– Você tem coração agradecido para com aqueles que servem em sua comunidade?
– Colabora com eles segundo suas possibilidades?

E a VIDA (Orar)
O que a Palavra me leva a dizer a Deus?
Agora, canto com o Padre Zezinho aquela canção que é uma oração a Maria: Maria de Nazaré
( https://www.youtube.com/watch?v=BHBUTwlUo-M )

Maria de Nazaré, Maria me cativou
Fez mais forte a minha fé
E por filho me adotou
Às vezes eu paro e fico a pensar
E sem perceber, me vejo a rezar
E meu coração se põe a cantar
Pra Virgem de Nazaré
Menina que Deus amou e escolheu
Pra mãe de Jesus, o Filho de Deus
Maria que o povo inteiro elegeu
Senhora e Mãe do Céu

Ave Maria, Ave Maria, Ave Maria, Mãe de Jesus!

Maria que eu quero bem, Maria do puro amor
Igual a você, ninguém
Mãe pura do meu Senhor
Em cada mulher que a terra criou
Um traço de Deus Maria deixou
Um sonho de Mãe Maria plantou
Pro mundo encontrar a paz
Maria que fez o Cristo falar
Maria que fez Jesus caminhar
Maria que só viveu pra seu Deus
Maria do povo meu

Qual deve ser a MISSÃO em minha VIDA hoje? (Agir)
Qual o meu novo olhar a partir da Palavra?
Quero hoje perceber melhor os anúncios de Deus e com fé e disponibilidade vou dar minha resposta.

REFLEXÕES

(1.4) – REFLEXÃO
Maria recebe do anjo a notícia de que seria a mãe do Messias.
Como poderia acontecer isso se ela não conhece homem?
Fazendo uma relação com o Evangelho de ontem, percebemos que mulheres estéreis geraram filhos por obra divina, e filhos que atuaram decisivamente na história da salvação. Maria não podia ter filhos, mas isso era fruto de sua vontade, de sua consagração virginal. E nesta “esterilidade”, Deus age. E sem a atuação de um homem, mas do próprio Espírito Santo, Maria gera no seu ventre virginal aquele que é o Senhor da história e que vai mudar radicalmente a vida das pessoas.

(6) – MARIA É MODELO DO DISCÍPULO E DA IGREJA
Mesmo figurando entre as primeiras páginas do evangelho de Lucas e Mateus, os relatos da infância foram os últimos escritos dos evangelhos. Eles são fruto da reflexão da Igreja sobre o mistério de Jesus Cristo. O anúncio do anjo a Maria e o diálogo provocado pela “visita celeste” visam enfatizar a iniciativa de Deus na encarnação do Verbo e a resposta livre de Maria. A iniciativa de Deus, fruto do seu amor por toda a humanidade, quis contar com o consentimento livre da jovem Maria, que é apresentada como “a que recebeu o favor de Deus” (v. 28). O favor, ou a graça de Deus a Maria, consiste no fato da eleição dela para ser, segundo a carne, a mãe do Filho único de Deus. Nem a esterilidade de Isabel nem a pouca idade de Maria, ou a sua virgindade, são obstáculos para que Deus realize o seu plano de amor em favor de toda a humanidade. A fé não se faz de certezas, mas em meio a dúvidas e, apesar delas, na confiança inabalável na Palavra de Deus. Maria é apresentada como aquela que escuta, confia e se engaja plenamente na realização da vontade de Deus. Nisso ela é modelo do discípulo e da Igreja.
Oração:
Jesus, divino Mestre, eu vos louvo e agradeço porque nos destes Maria Santíssima como Mãe, Mestra e Rainha.
Padre Carlos Alberto Contieri

(8) – MARIA, CHEIA DE GRAÇA
A Igreja, refletindo sobre a mãe de Jesus, foi entendendo, pouco a pouco, toda a verdade desta figura singular. Neste processo, a Igreja chegou a professar que o pecado original, tendo marcado para sempre a história da humanidade, mas não lançou raízes no ser de Maria. Vivendo num mundo de egoísmo, ela não foi contaminada pelo pecado.
Esta graça e privilégio, conferidos por Deus à mãe do Salvador, aconteceram por causa de Jesus Cristo. Deus preparou para receber seu Filho, que seria imune da culpa original, um ventre não corrompido pelo pecado. Maria, de certo modo, experimentou, por antecipação, o fruto da ação de seu filho Jesus, que viria ao mundo para salvar a humanidade do pecado. A mãe foi a primeira a tirar partido da missão do Filho. A santidade do Filho Jesus santificou todo o ser da mãe Maria, desde que fora concebida.
A proclamação do anjo “Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo” fundamenta a total santidade de Maria. Sendo cheia de graça, nela não podia haver espaço para o pecado e para a infidelidade a Deus. E sua existência, desde o início, só podia ser total comunhão com Deus. Por outro lado, toda a vida de Maria foi marcada pela pessoa de Jesus, a quem estaria ligada desde o momento do anúncio da encarnação. A concepção imaculada é, pois, mais uma maravilha da graça de Deus na vida de Maria.
Oração:
Senhor Jesus, que a contemplação da concepção imaculada de tua mãe desperte em mim o desejo de romper, definitivamente, com o pecado que maculou a humanidade.
Padre Jaldemir Vitório

(9) – BOA NOVA PARA CADA DIA
EM SUA DIVINDADE, O SANTO, FILHO DE DEUS INAUGUROU A NOVA ALIANÇA DA SALVAÇÃO PARA TODA A HUMANIDADE.
Na solenidade da Anunciação do Senhor, a Liturgia da Palavra nos faz entender muito mais do que apenas a concepção virginal de Maria e a vinda ao mundo do Filho de Deus.
Esta solenidade nos faz entender um Plano Divino que vai além de toda nossa imaginação.
Este Plano Divino já executado a partir da Anunciação do Anjo a Maria, inaugura no mundo da humanidade uma realidade nova: Deus estará para sempre no coração de cada pessoa que acolher Seu Filho Jesus.
Começamos a entender este Plano na profecia de Deus pela boca do profeta Isaías, feita oito séculos antes, no passado do Povo Eleito. Anunciado pela primeira vez na história humana, este Plano Divino já fora feito na eternidade de Deus para se realizar no tempo dos homens.
Este Plano Divino consistiu numa mudança radical da vivência religiosa do Povo Eleito em seu relacionamento com Deus. No tempo de Moisés Deus tinha guiado seu Povo em direção à Salvação definitiva apenas pela Antiga Aliança selada na Lei dada no Monte Sinai.
Depois que o Povo Eleito viveu na Terra Prometida e depois que voltou do cativeiro da Babilônia a promessa de um Messias Salvador lhe fora feita por meio dos profetas. E a profecia que lemos hoje, a de Isaías, foi uma das principais. Isaías diz, nesta Primeira Leitura:
“Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel, porque Deus está conosco” (Is 7, 14cde).
Sabemos que a Virgem é Maria, em cuja pessoa esta profecia se realizou.
Sabemos que o nome anunciado por Isaías é simbólico: ‘Emanuel’ significa a permanência, na pessoa de Jesus, de Deus no meio da humanidade, nos corações de todas as pessoas que aceitaram Jesus e seu anúncio do Reino de Deus. Jesus dirá um dia: “O Reino de Deus está dentro de vós” (Lc 17, 21). Isto é, assim que Jesus anunciou o Reino de Deus, este Reino acolhido nos corações das pessoas que O ouviram passou a fazer parte da existência humana. E é dado a todos os que creem em Jesus Cristo.
Encarnado, o Filho de Deus nasce de Maria Santíssima, que é para Deus a pessoa escolhida entre todas as mulheres do gênero humano.
Entremos no Coração do Filho de Deus, perguntando-nos o que terá dito a Deus Pai quando aceitou, desde toda a eternidade, encarnar-se para a Salvação da humanidade.
Ele disse a Deus Pai:
“Sacrifício e oblação não quisestes, mas abristes, Senhor, meus ouvidos; não pedistes ofertas nem vítimas, holocaustos por nossos pecados. E então eu vos disse: “Eis que venho!” [Sl 39(40), 7-8].
Estas palavras que o Salmo Responsorial nos faz meditar nesta solenidade, contém o que o Filho de Deus terá dito a Deus Pai no momento em que a Santíssima Trindade decide que o Filho assuma a forma humana para, como homem e Deus, salvar toda a humanidade.
A Igreja primitiva entendeu estas palavras deste Salmo Responsorial como ditas por Cristo, uma vez que o autor da Epístola aos Hebreus a atribui a Ele. Diz, de fato, a Epístola aos Hebreus, nesta Segunda Leitura:
“Eu vim para fazer a tua vontade” (Hb 10, 9a).
Estas palavras correspondem ao que disse o Salmo Responsorial:
E então eu vos disse: “Eis que venho!” [Sl 39(40), 8].
Ora, se em Jesus Cristo se cumpre o que profetizou o Salmo Responsorial por meio destas palavras, cumpre-se Nele também o que se segue no mesmo Salmo:
“Com isto, suprime o Primeiro Sacrifício, para estabelecer o Segundo” (Hb 10, 9).
Ora, a compreensão destas palavras para nós é mais difícil.
Mas é precisamente sobre elas que devemos meditar mais nesta Solenidade da Anunciação do Senhor.
Qual era o Primeiro Sacrifício?
Era o sacrifício de animais para o perdão do Povo Eleito. Isto fora mandado por Deus na Antiga Aliança através de Moisés. Toda a liturgia do Povo Eleito estava concentrada nos ritos de animais oferecidos a Deus em holocausto, isto é, queimados completamente no altar dos sacrifícios. A vida dos animais, seu sangue derramado, eram oferecidos a Deus para obtenção dos pecados. Assim era a Antiga Aliança.
Mas quando Jesus chega, homem como nós, Deus pedirá o Segundo Sacrifício, o de seu próprio Filho. Ele, obediente ao Pai, oferecerá não sangue de animais, e sim Seu Próprio Sangue para a redenção da humanidade toda, o perdão definitivo dos pecados de todos os homens, e a Salvação eterna a todos os que se alimentarem de Seu Corpo e de Seu Sangue.
Assim é a Nova Aliança de Deus com toda a humanidade, incluindo o Povo Eleito antigo e o novo, que inclui todos os homens de todos os tempos e lugares.
É deste modo que chegamos a entender a razão desta solenidade da Anunciação do nascimento do Senhor Jesus.
A certeza de que Jesus realiza este grandioso Plano Divino está no que o Evangelho de hoje nos diz:
“O menino que vai nascer será chamado Santo, Filho de Deus” (Lc 1, 35d).
Isto é, porque Jesus é o Filho de Deus, e Deus como o Pai, tem o poder de inaugurar a Nova Aliança que será eterna para a Salvação de todos os que Nele crerem.
Nós cremos em Jesus.
Nós somos Sua Igreja, onde Deus reina em Seu Reino eterno.
“Deus conosco”, conosco estará sempre, eternamente.
O nascimento de Jesus, anunciado hoje pelo Anjo, somente foi o início, na história dos homens, da realização deste grande Plano Divino.
Este Plano foi todo pensado por Deus por amor a nós.
E por este motivo, nesta Eucaristia Lhe damos graças com o coração cheio de alegria e gratidão.
Padre Valdir Marques

(10) – MINHA MÃE E MEUS IRMÃOS SÃO AQUELES QUE OUVEM A PALAVRA DE DEUS E A PÕEM EM PRÁTICA
Deus quer servir-Se de instrumentos para fazer as suas obras. […] Deus, que nos deu uma vontade livre, quer que O sirvamos livremente como instrumentos, ajustando a nossa vontade à sua, do mesmo modo que sua Santíssima Mãe, quando diz: «Eis a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a sua palavra.» A expressão «faça-se em mim» deve ressoar constantemente nos nossos lábios, pois entre a vontade da Imaculada e a nossa deve existir uma harmonia completa.
Então que devemos fazer?
Deixemo-nos conduzir por Maria e nada teremos a temer.
São Maximiliano Kolbe (1894-1941)

(11.1) – UMA CONEXÃO COM O PASSADO, MAS ALGO TOTALMENTE NOVO
Hoje é Festa da Anunciação do Senhor! O Anjo do Senhor não joga todo o passado e a tradição de Israel por água abaixo, para começar algo inédito. Há na mensagem Angelical uma continuidade e uma descontinuidade em relação a História de Israel.
O mesmo Deus que agiu outrora no passado, ungindo o grande Rei Davi e a toda Casa de Jacó, vai agora agir na menina de Nazaré. Maria, muito bem catequizada pelos seus pais Joaquim e Ana, conhece as profecias, sabe da História do seu povo, e sabe muito bem da grande esperança presente no coração deste povo do qual ela faz parte, sobre a vinda do Messias. Maria não caiu de repente de pára-quedista na História das Salvação para dizer cheia de orgulho “Agora é que a verdadeira Salvação vai acontecer…” A Humildade de Maria é de uma pessoa que sabe muito sobre o Deus da Aliança, e que em sua Fé inabalável, quer lhe dar o melhor e tudo de si. Não há ruptura com todas as ações Divinas realizadas até agora para o bem do Povo de Deus. O que há de novo é que, na anunciação a Maria, começa o tempo novo, quando as promessas Divinas serão realizadas e tal realização é do próprio Deus. No passado Deus serviu-se dos Santos Homens para serem seus anunciadores, através dos quais Deus fez acontecer maravilhas, agora é ele próprio que vai agir, sem intermediário…Porém, com a especial e importantíssima colaboração de Maria. A mensagem pode ser assim traduzida “Posso fazer o meu filho ser gerado no seu ventre?”. Que coisa grandiosa e inenarrável, Deus Todo Poderoso e Onipotente, pede licença a Maria, está precisando fazer algo grandioso em benefício de toda Humanidade, e precisa muito da colaboração daquela Menina… Deus poderia fazer Maria entrar em transe, adormecê-la com o seu poder e durante o transe colocar o germe Divino em seu ventre, as explicações poderia dar depois…Mas não! Maria participa, questiona, interroga, expõe suas dúvidas. Deus joga limpo!
Deus explica, através do anjo, qual é o seu plano, mostra a Maria que tudo aquilo que ela e seu povo esperaram e creram, vai agora se cumprir. A menina de Nazaré demonstra uma confiança inabalável e aceita mudar todos os seus planos, esvaziar-se de si mesma, dos seus sonhos e anseios de uma adolescente judia, que estava às vésperas do seu casamento com o noivo José. “Eis aqui a Escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a vossa Palavra”. Guardadas as devidas proporções, e tendo-se a consciência de que Maria está acima de todos os Santos e apenas abaixo de Deus, essa proposta de colaborar com a obra da Salvação continua hoje sendo feita a homens e mulheres de Fé, que conhecedores da Sagrada Escritura e iluminados pela Luz do Espirito Santo, são convidados a tantas tarefas que contribuem com a Salvação, na Comunidade, na Família e na Sociedade. Há também os famosos “cargos” nos trabalhos pastorais, cansativos e desgastantes, mas que podem nos tentar a aplicar nossos míseros planos de ambição, fama, prestígio e poder. Quanto mais importante o cargo que ocupamos na Comunidade, Pastoral ou Movimento, deixemos de lado tantos sonhos de grandiosidade e ambição, digamos como a menina de Nazaré, “Eis aqui a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a tua Palavra”. E sejamos como Maria, toda de Deus e toda dos irmãos e irmãs, colocando-nos em humilde serviço. Salve Maria!
Diácono José da Cruz

(11.2) – EIS QUE CONCEBERÁS E DARÁS À LUZ UM FILHO
Este evangelho nos coloca frente a frente com o mistério da Encarnação do próprio Deus, que escolhe uma mulher simples de Nazaré para albergar a seus Filho em seu ventre. Maria vincula-se, assim, de maneira especial, à história da salvação. Essa manifestação de Deus surpreende a Maria, que em princípio não entende o pedido de Deus, porém procurar cumprir sem reservas a vontade divina.
Maria é uma mulher crente que assume a responsabilidade de ser a mãe do Salvador e de contribuir como plano da salvação de Deus para toda a humanidade. Ao celebrar a festa da Anunciação é importante ter em conta dois aspectos vitais na experiência de fé cristã: primeiro, a manifestação de Deus à humanidade através de pessoas muito simples, porém com uma fé profunda, segundo, o conteúdo do anúncio, que a própria salvação. Hoje, quando o mundo em que vivemos se desmorona por causa do homem e a tragédia da guerra; quando as diferenças sociais e econômicas geram tanta injustiça e exclusão, precisamos do anúncio da salvação e de testemunhos como o de Maria, para o resgate da dignidade da dignidade dos pobres da terra.
Claretianos

(11.3) – O PODER DO ALTÍSSIMO NOS COBRE COM A SUA SOMBRA
Isaias 7, 10-14 – “o sinal do céu”
Podemos nos colocar no contexto da profecia de Isaias, conscientes de que Jesus Cristo é o Emanuel, Deus conosco que age na nossa vida e na nossa história pelo poder do Espírito Santo. Ele é o sinal do céu! As promessas do Senhor se cumprem no tempo certo. O que foi concebido no coração do homem pelo poder do Espírito Santo, será revelado e, um dia, acontecerá. A Palavra de Deus é viva e eficaz e acontece na vida de todos nós na medida das nossas necessidades e dentro da nossa realidade. Assim sendo, nós podemos perceber por meio dos nossos desejos e sonhos o plano de Deus que aflora aos poucos nos anseios do nosso coração. Assim como no seio de uma virgem foi concebido o Emanuel, Deus conosco, dentro de nós a Palavra de Deus é concebida para fazer nascer de nós os projetos do Senhor para o mundo. Dar à luz a um projeto do Pai é revelar ao mundo a Sua manifestação através da missão que nos é confiada. Todos nós fomos escolhidos (as) e dentro de nós o Senhor idealizou um plano para ser concretizado. Nesse tempo que antecede a mais um Natal precisamos refletir e pensar para compreender qual o projeto que Deus idealizou para nós e precisamos realizar. Jesus é o Verbo de Deus, a Palavra que direciona a nossa caminhada. Ele vem para nos desinstalar, nos tirar da acomodação e nos motivar a assumir o nosso posto na construção do mundo idealizado por Deus.
– Você ainda continua sem saber qual é a sua missão aqui na terra?
– Qual é o maior desejo do seu coração?
– A Palavra de Deus tem poder na sua vida?
– Você é orientado por Ela?
– Como você se coloca nessa profecia de Isaias?

Evangelho – Lucas 1, 26-38 – “o poder do Altíssimo nos cobre com a Sua sombra”
Refletindo mais uma vez sobre o Evangelho da Anunciação do Anjo e da encarnação de Nosso Senhor Jesus Cristo no seio de Maria pelo poder do Espírito Santo, todos nós somos chamados a tomar consciência de que o mesmo Espírito também mora em nós, age dentro do nosso ser e a sua força concebe em nós o próprio Jesus com todos os seus atributos nos dando vida nova e capacidade para ter uma vida plena. Portanto, necessitamos nos apossar de todos os elementos que fazem parte de Jesus e que foram concebidos dentro do nosso coração no nosso Batismo: “A Sua natureza divina, a Sua natureza humana perfeita, a Sua vivência humana, a eficácia da Sua morte, o poder da Sua ressurreição, o poder transcendente da Sua ascensão e a Sua entronização”. Maria, a escolhida para ser a Mãe do Salvador, era virgem de corpo, de alma e de espírito. Tinha um coração completamente desocupado e abandonou-se ao Pai para que o próprio Deus viesse a estar conosco. O poder do Altíssimo também já nos cobriu com a Sua sombra e o Cristo que mora em nós nos dá a Sua capacidade, divina, humana, espiritual, para que tenhamos em nós, como Maria, a coragem de dizer sim a Deus, confiando, não nas nossas forças naturais, mas na capacidade infinita do Pai. “Porque para Deus nada é impossível”, é que cada um (a) de nós pode proclamar: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!”
– Você se sente na presença de Deus?
– Como você o vê?
– Como Jesus está dentro do seu coração?
– Você sabia que dentro de você que foi batizado (a), existe a capacidade de Jesus, como um brilhante?
– Você vive e age usando esses predicados de Jesus?
Pense nisso!
Helena Serpa

(11.4) – JESUS É ANUNCIADO
O evangelho de hoje dá continuidade ao evangelho lido no dia do Natal. Aos pastores que guardavam os rebanhos de seu patrão, é anunciado o nascimento de Jesus. Eles vão às pressas ao encontro do recém-nascido. Lucas, com suas narrativas de infância de João Batista e de Jesus, no início de seu evangelho, já apresenta um de seus temas fundamentais. Em Jesus, Deus se revela como o Deus dos pobres, fracos e excluídos.
A escolha de Maria, uma jovem da periferia da Galiléia, para ser a mãe de Jesus, Filho de Deus, nos revela que o projeto de Deus difere dos projetos dos homens neste mundo.
O poder e o prestígio tão ansiosamente buscados, nada significam para Deus. Maria viveu a humildade e o serviço e nisto identifica-se com seu filho Jesus. O título de “rainha” aplicado a Maria não indica poder e superioridade, mas sim amor que se doa cativa, e se comunica. Maria está presente em nossos lares, nas alegrias e nos sofrimentos, nos confortando, como mãe e companheira de caminhada no seguimento de Jesus.
Seu amor misericordioso é universal e a fonte da paz a ser consolidada pelos laços de fraternidade e justiça entre todos, homens e mulheres.
Unindo o Filho que se encarna e a Mãe que o acolhe, aparece misteriosamente a obediência, o “Sim” de total disponibilidade ao Pai: o sim eterno do Filho, que ecoa no tempo através do sim da Virgem Maria. Assim, aparece o quanto a salvação do mundo e da humanidade manifesta-se na atitude de obediência, o contrário da atitude do pecado original: a humanidade voltará pela obediência Àquele de quem se afastou pela covardia da desobediência. O Criador e a criatura, de modo admirável e incompreensível, comungam nessa obediência ao plano amoroso de salvação.
Somos convidados a contemplar a atitude de fé, madura e disponível de Nossa Senhora: crente porque se confia totalmente ao Senhor, como Abraão, que partiu sem saber para onde ia (Hb 12, 8): casamento, futuro, filhos, tudo isso a Virgem Mãe deixou nas mãos de Deus, sem pedir explicações, sem pedir provas, sem pedir garantias… Atitude madura porque humildemente procurou compreender o quanto possível o plano de Deus a seu respeito para melhor aderir a ele; atitude disponível, pela sua insuperável resposta ao convite do Senhor: “Eis a Serva!” – Não se pertence a si própria, não considera sua vida e seu destino a partir de seus interesses e projetos; ela se confia total e absolutamente ao seu Senhor e Deus.
Concluindo diremos que a anunciação do anjo mostra a dinâmica da fé e de Maria: sendo virgem, descobre-se grávida; perturba-se e tem medo; descobre a mão de Deus ao Espírito Santo; toma consciência que o que cresce em seus seios é o Divino; não duvida desta iluminação interior; apenas pergunta como se fará isso. Aceita realidades que não se vêem. Ela creu, pois para Deus nada é impossível. A fé consiste exatamente nisso: na antecipação das coisas que se esperam, na prova das realidades que não se vêem. (Hb 11, 1). Com Maria digamos sim, à voz de Deus, e Jesus continuará nascendo em mim e em ti todos os dias.
Vem Senhor Jesus, o coração já bate forte ao te ver, é esta canção que quer preparar o nosso coração para adorar e bendizer o nome do Senhor. Vem Senhor Jesus andar, curar e restaurar a vida, a vida que tem se perdido no mundo sem Ti, vem Senhor Jesus, transformar a nossa vida! AMÉM!
Canção Nova

(11.5) – ALEGRA-TE, CHEIA DE GRAÇA, O SENHOR ESTÁ CONTIGO!
Hoje é com muita alegria que nós celebramos a solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora. O Evangelho narra a cena da Anunciação, em que o anjo Gabriel lhe fala: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!”
Deus quis que uma mulher contribuísse bem de perto na redenção da humanidade, já que uma mulher, Eva, havia contribuído no pecado. E a mulher que Deus escolheu não podia ser vítima de pecado, pois seria um sinal de fraqueza de Deus, diante das forças do mal. Como Davi venceu o gigante Golias (1 Sm 17, 49), Jesus derrotou o tentador. Não só derrotou, mas arrasou com ele completamente. Nem junto à sua mãe ele teve vez. Após o dilúvio, uma pomba trouxe em seu bico um raminho verde para Noé (Gn 8, 11). Aquela pomba não estava suja de barro, ela não fora atingida pelo dilúvio.
Nós também somos chamados a colaborar na redenção. Deus não gosta de gente manchada, suja. Como podemos anunciar a vitória de Cristo, se até nós, os anunciadores, somos vítima do tentador? Pecadores todos nascemos. Mas temos condições de nos purificar, usando os meios que Jesus nos deixou, entre os quais se destaca a Igreja, da qual Maria é Mãe. Assim, tirando a trave do nosso olho, temos condições de tirar o cisco que está no olho do nosso irmão.
A concepção imaculada de Maria nos mostra que Deus não quer conviver com pecado. Ele quer o pecado longe dele. Ele nos suporta, quando pecamos, mas não queria isso, como qualquer pai que não quer ver o filho ou filha no caminho errado. Como podemos dizer a Deus: “Senhor, eu vos amo sobre todas as coisas”, e depois viramos as costas e já começamos a colocar outras coisas acima dele? Por isso que Deus fala na Bíblia: “Estou para vomitar-te da minha boca” (Ap 3, 16).
A Imaculada Conceição foi um fruto antecipado da redenção realizada por Jesus, o seu Filho. E o fato de ela ter sido isenta do pecado, já na sua concepção, mostra que a força da graça redentora supera infinitamente a força do pecado. “Onde abundou o pecado, superabundou a graça” (Rm 5, 20).
“Quando éreis escravos do pecado, praticáveis ações das quais hoje vos envergonhais. Agora, porém, libertados do pecado e como servos de Deus, produzis frutos para a vossa santificação, tendo como meta a vida eterna. Com efeito, a paga do pecado é a morte, mas o dom de Deus é a vida eterna no Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm 6, 20-23). Antes, quando reinava o pecado, o carro estava na frente dos bois, e dava tudo errado. Cristo veio, colocou os bois na frente do carro, e na direção certa, que é a nossa felicidade.
Deus realizou plenamente a redenção na Mãe do seu Filho, para nos mostrar o que ele quer de todos nós. Ela se tornou assim a estrela da esperança, que nos anima a sempre nos levantar a caminhar.
Santo Agostinho, quando estava mergulhado no pecado, leu, por sugestão de sua mãe, muitas biografias de santos. Um dia ele disse para si mesmo, em latim, que era a sua língua: “Potuerunt ii, potuerunt ee; cur non tu, Agostiné?” Em português é: “Puderam estes, puderam aquelas, por que não tu, Agostinho?” Impulsionado por este lema, venceu.
Daqui a exatamente nove meses, celebraremos o nascimento de Maria. Rezemos, neste tempo, pelos nascituros, a fim de que sejam protegidos por suas mães.
Havia, certa vez, um rapaz que trabalhava no centro de uma cidade grande e morava na periferia.
Numa tarde, ao voltar para casa, enquanto atravessava um bairro de classe alta, viu numa lixeira uma caixa preta, parecida com caixa de sanfona. Ficou curioso, abriu a caixa, era mesmo uma sanfona! E estava boa de tudo. Tocava direitinho.
Ele se lembrou de um vizinho, que sabia tocar sanfona e não possuía o instrumento, e levou-a para ele. O vizinho se alegrou com o presente, e começou a tocar belas canções. A casa toda se alegrou. Até algumas crianças apareceram na porta.
À noite, algumas pessoas se reuniram na casa, e foi aquela festa. Daí para frente, de vez em quando o tocador de sanfona era chamado, seja para tocar em festinha de aniversário, em reza, até na Santa Missa. A sanfona tornou aquele bairro mais alegre.
A sanfona representa a graça de Deus, que une as pessoas e alegra o ambiente. O rapaz que a achou somos nós que recebemos a graça no batismo, e a levamos a outros.
Muitos jogam no lixo a graça batismal, e vivem tristes por aí, procurando a felicidade na riqueza, no prazer, no poder etc. Nós não queremos ser assim.
Uma pergunta: com qual desses personagens você mais se identifica?
Com o rapaz?
Com o homem que ganhou a sanfona?
Com os vizinhos que acorreram, ao som da sanfona?
Ou com aquele ou aquela que a jogou no lixo?
Nossa Senhora da Conceição, rogai por nós!
Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!
Padre Antônio Queiroz

(11.6) – ALEGRA-TE CHEIA DE GRAÇA, O SENHOR ESTÁ CONTIGO
No final desta nossa caminhada Quaresmal, somos convidados a mergulhar no mistério da encarnação, deixando Jesus entrar na nossa vida e nos transformar por inteiros!
O evangelho que a liturgia de hoje coloca diante de nós, narra o início da história que mudou o rumo da nossa vida! A iniciativa foi do Pai, o “sim” foi de Maria, foi o “sim” que marcou o início da nossa redenção!
O projeto de Deus começa a se desenvolver com a saudação do anjo à uma humilde jovenzinha de Nazaré, um povoado entre as montanhas da Galileia! Na sua simplicidade, Maria estava longe de compreender o projeto de Deus a se realizar através dela, tudo que lhe fora comunicado pelo Anjo era grande demais para o seu entendimento, mas mesmo sem entender, ela não hesitou em dar o seu “sim” à Deus.
As incertezas de Maria, deram lugar à certeza, quando o Anjo lhe revela a promessa de Deus, de que o Espírito Santo lhe daria total assistência no mistério da encarnação. Maria sentiu-se segura sabendo que o Espírito Santo lhe daria a força necessária para que ela pudesse levar em frente a missão que o Pai lhe confiara: ser a mãe de Jesus, mãe, daquele que viria nos libertar do cativeiro!
Com o “sim” de Maria, abriram-se as cortinas de um novo tempo, o sonho de Deus tornou possível, iniciou-se a construção de um novo Reino, de um Reino de amor, de justiça e de paz!
A mais bela forma de agradecermos a Deus por tamanho amor, é responder ao seu chamado, com o “sim” de Maria! Um sim que não fique somente na palavra, mas que a exemplo de Maria, nos coloque à serviço do Reino: “Eis aqui o (a) servo (a) do Senhor… Faça-se em mim segundo a tua vontade!”
Da trindade Santa, surgiu uma nova era, o sol de um novo dia resplandeceu no coração da humanidade: O Pai enviou o Filho, o Espírito Santo gerou o Filho no ventre sagrado de uma Mulher! E este Filho, assumiu a missão designada pelo Pai: Libertar a humanidade da escravidão do pecado!
Com Maria, descobrimos um jeito simples de sermos felizes: sendo inteiros no amor! Só assim, realizaremos a vontade de Deus!
Maria foi inteira no amor, ela realizou a vontade de Deus, abrindo mão de todos os seus projetos pessoais, para viver o projeto de Deus!
A oração proferida pelo Anjo, no encontro com aquela que geraria o Filho de Deus, ainda hoje está na boca e no coração de todos aqueles que veem em Maria a ternura materna do Pai!
Ave Maria, cheia de graça…
FIQUE NA PAZ DE JESUS!
Olívia Coutinho

(16.1) – ALEGRA-TE, CHEIA DE GRAÇA!
Hoje, no «Alegra-te, cheia de graça!» (Lc 1, 28) escutamos pela primeira vez o nome da Mãe de Deus: Maria (segunda frase do arcanjo Gabriel). Ela tem a plenitude da graça e dos dons. Chama-se assim: «kecharitoméne», «cheia de graça» (saudação do Anjo).
Possivelmente com 15 anos e só, Maria tem que dar uma resposta que mudará a história inteira da humanidade. São Bernardo suplicava: «Oferece-se te o preço de nossa Redenção. Seremos libertos imediatamente, se dizei que sim. O orbe todo está a seus pés esperando sua resposta. Ó minha senhora, dizei uma palavra e recebei a Palavra proferi uma palavra e recebei a palavra divina, dizei uma palavra transitória e recebei a eterna, Deus espera uma resposta livre e cheia de graça, representando a todos os necessitados da Redenção, responde: «Génoitó moi» Faça-se em mim! A partir de hoje Maria fica livremente unida à Obra do seu Filho, hoje começa sua Mediação. A partir de hoje é Mãe dos que são um só, em Cristo Jesus (Gal 3, 28).
Bento XVI disse em uma entrevista; «Ousai decisões definitivas, porque na verdade são as únicas que não destroem a liberdade, mas lhe criam a justa direção, possibilitando seguir em frente e alcançar algo de grande na vida. Sem dúvida, a vida só pode valer se tiverdes a coragem da aventura, a confiança de que o Senhor nunca vos deixará sozinhos. Eu digo-vos: Coragem! Tomar o risco – o salto ao decisivo – e com isso aceitar a vida por inteira, isso desejo transmitir». Maria: Eis aqui um exemplo!
São José também não fica à margem dos planos de Deus: ele deve receber sua esposa e pôr o nome ao filho (cfr. Mt 1, 20s): Jesua, «o Senhor salva». E o faz. Outro exemplo!
A Anunciação revela também à Trindade: O Pai envia o Filho, encarnado por obra do Espírito Santo. E a Igreja canta: E a Palavra se fez carne e veio morar entre nós. Sua obra redentora – Natal, Sexta Santa, Páscoa – está presente nesta semente. Ele é Emanuel, «Deus convosco» (Is 7, 15). Alegra-te humanidade!
As festas São José e a Anunciação preparam-nos admiravelmente para comemorar os Mistérios Pascais.
Dr. Johannes VILAR

(16.2) – NÃO TENHAS MEDO, MARIA! ENCONTRASTE GRAÇA JUNTO A DEUS.
Hoje, celebramos a festa da Anunciação do Senhor. Com o anúncio do anjo Gabriel e a aceitação de Maria da vontade divina expressa de encarnar nas suas entranhas, Deus assume a natureza humana – «assumiu em tudo a nossa condição humana, salvo no pecado» – para nos elevar à condição de filhos de Deus e fazer-nos assim participantes da Sua natureza divina. O mistério da fé é tão grande que Maria, perante este anúncio, fica como que assustada. Gabriel diz-lhe: «Não tenhas medo, Maria!» (Lc 1, 30): o Todo-Poderoso olhou-te com predileção, escolheu-te para Mãe do Salvador do mundo. As iniciativas divinas destroem os débeis argumentos humanos.
«Não tenhas medo!», palavras que lemos frequentemente no Evangelho; o próprio Senhor as terá de repetir aos Apóstolos quando estes sintam de perto a força sobrenatural e também o medo ou susto perante as obras prodigiosas de Deus. Podemos perguntar-nos qual a razão deste medo. Será um medo mau, um temor irracional? Não!; é um temor lógico naqueles que se vêem pequenos e pobres face a Deus, que sentem distintamente a sua fraqueza, a debilidade perante a grandeza divina e experimentam a sua penúria frente à riqueza do Onipotente. O Papa São Leão pergunta: «Quem não verá em Cristo a sua própria debilidade?». Maria, a humilde jovem da aldeia, acha-se tão pouca coisa…, mas em Cristo sente-se forte e o medo desaparece!
Então compreendemos bem que Cristo «tenha escolhido o que para o mundo é fraqueza, para envergonhar o que é forte (1 Cor 1, 26). O Senhor olha-a, vendo a pequenez da sua escrava e realizando nela a maior maravilha da história: a Encarnação do Verbo Eterno como Cabeça de uma Humanidade renovada. Que bem se aplicam a Maria aquelas palavras que Bernanos disse à protagonista de “La alegria”: «Reconfortava-a e consolava-a maravilhosamente um sentido raro da sua própria fraqueza, porque era como se fosse o sinal inefável da presença de Deus nela; o próprio Deus resplandecia no seu coração».
Rev. D. Josep VALL i Mundó

COMEMORA-SE NO DIA 25/Mar

(5) – SÃO TARÁSIO
Santo Tarásio nasceu em 730 e recebeu uma ótima educação cristã e literária; tinha como pai o prefeito de Constantinopla. São Tarásio era de caráter zeloso de tal forma que foi nomeado pelo imperador a um alto cargo imperial. São Tarásio enfrentou em Deus todas as tentações próprias da sociedade cheia de luxo e tentação.
No século VIII a heresia iconoclasta, promovida da pelo imperador Leão, acusa o culto às imagens como uma prática de idolatria. Ao assumir o patriarcado, São Tarásio em comunhão com o Papa combateu e conseguiu condenar esta heresia num Concílio.
São Tarásio foi um grande defensor das imagens na igreja, envolvendo-se na chamada luta iconoclasta. Estavam contra as imagens os imperadores bizantinos e os defensores das imagens eram os monges, opositores do imperial e de suas regalias absurdas. Briga era mais política que religiosa. Usando sua influência, Tarásio conseguiu a convocação de um Concílio para resolver esta questão.
Tarásio, homem de profundo conhecimento teológico e chefe da chancelaria imperial, não temeu defender a posição dos monges. Cuidadoso com suas ovelhas tinha como um grande espírito de serviço, ao ponto de dizer ao ser questionado pelo seu especial cuidado para com os pobres: “Minha única ambição é imitar Nosso Senhor Jesus Cristo que viveu para servir e não para ser servido”.
Tarásio foi um forte defensor da moral cristã e da indissolubilidade do matrimônio, opondo-se radicalmente ao Imperador Constantino VI, que pretendia estabelecer a possibilidade de divórcio e segundas núpcias.
Nosso santo foi grande devoto de Maria, a quem saudava dizendo: “Salve, ó mediadora de tudo o que há embaixo do céu, salve reparadora do universo, salve cheia de graça, o Senhor está sempre contigo, Ele que existia antes que viesses ao mundo, mas que quis nascer de ti para viver conosco”.
São Tarásio morreu na idade de setenta e seis anos e foi sepultado no santuário de Bósforo.
Reflexão:
O testemunho da nossa fé não acontece simplesmente com palavras. É preciso agir em favor do Reino de Deus. São Tarásio foi um homem de ações justas e defensor da fé cristã. Esteve do lado dos mais fracos e usou sua influência para garantir a justiça e paz na sua comunidade. Que saibamos conciliar nossa fé com obras de misericórdia e fraternidade. Assim, unindo fé e vida, seremos fiéis testemunhas de Jesus Cristo.
Padre Evaldo César de Souza

(6.1) – SÃO DIMAS
O Evangelho fala pouco deste Santo. Nem mesmo o nome, os evangelistas fixaram. O que sabemos foi trazido pela tradição que são os nomes: Dimas, o Bom Ladrão e Simas, o mau ladrão.
Sem dúvida alguma, se trata de um santo original, único, privilegiado, que mereceu a honra de ser canonizado em vida por Jesus Cristo, na hora solene de nossa Redenção. Os outros santos só foram solenemente reconhecidos, no outro milênio, a partir do ano 999. A Igreja comemorava os mártires e confessores, mas sem uma declaração oficial e formal. Enquanto que, a de São Dimas quem proclamou foi o próprio Fundador da Igreja.
Dimas foi o operário da última hora, o que nos fez ver o mistério da graça derradeira. O mau ladrão resistiu, explodiu em blasfêmias. Rejeitou a graça, visivelmente dada pelo Redentor. O Bom Ladrão, depois de vacilar (Mt 27, 44 – Mc 15, 32), confessou a própria culpa, reclamou da injustiça contra Aquele que só fez o bem, reconheceu-O como Rei e lhe pediu que se lembrasse dele, quando estivesse no seu Reino.
Segundo a tradição, Dimas não era judeu, mas sim egípcio de nascimento. Dimas e Simas praticavam o banditismo nos desertos de passagem para o Egito. Lá a Sagrada Família, que fugia da perseguição do rei Herodes, foi assaltada por dois ladrões e um deles a protegeu. Era Dimas. Naquela época, entre os bandidos havia o costume de nunca roubar, nem matar, crianças, velhos e mulheres. Assim, Dimas deu abrigo ao Menino Jesus protegendo a Virgem Maria e São José.
Dimas foi um bandido muito perigoso da Palestina. E isso, realmente pode ser afirmado pelo suplício da cruz que mereceu. Essa condenação horrível era reservada somente aos grandes criminosos e aos escravos.
O Martirológio Romano diz apenas no dia 25 de Março: “Em Jerusalém comemoração do Bom Ladrão que na cruz professou a fé de Jesus Cristo”. E no mundo todo São Dimas passou a ser festejado neste dia.
O Bom Ladrão ou São Dimas foi o primeiro que entrou no céu: “Ainda hoje estarás comigo no Paraíso”. (Lc 23, 43). Ele passou a ser popularmente considerado o “Padroeiro dos pecadores arrependidos da hora derradeira, dos agonizantes, da boa morte”. Morreu sacramentado pela absolvição do próprio Cristo, e por Ele conduzido ao Paraíso.

(6.2) – SANTO IRÊNEO DE SÍRMIUM
Irêneo foi martirizado no século IV, sob a perseguição sangrenta e implacável do imperador Diocleciano. Era bispo de Sírmium, na Panônia. Atualmente Mitrovica, na Hungria. Não há muitos dados sobre sua vida, até ser condenado por ser cristão e levado à presença do governador da Hungria, Probo. Fora casado, mas ao assumir o sacerdócio se tornou celibatário, como era necessário naqueles tempos.
Além destas informações, temos sobre ele o relato do processo e do seu julgamento. Probo, o próprio governador que o interrogou, não se conformava com o fato de o bispo não exprimir vontade alguma de salvar sua vida, sacrificando aos deuses pagãos, como dizia o decreto do imperador romano. Assim, fez de tudo para que ele mudasse de idéia. Depois que Irêneo se recusou ao sacrifício ordenado, foi amarrado a um cavalete e torturado. Como nem ao menos reclamasse, Probo mandou buscar todos os membros de sua família. Vieram mãe, esposa e filhos e todos passaram a chorar por ele, ao redor do instrumento de tortura, pedindo que ele abrisse mão de sua condição de cristão. Igualmente, de nada adiantou. Não renegou a fé em Cristo.
Irêneo foi levado então de volta ao cárcere, onde durante dias permaneceu sendo espancado continuamente. Mais uma vez levado à presença do governador, o bispo novamente se negou a obedecer às ordens do imperador. Probo mandou então que ele fosse jogado no rio. Só então o bispo Irêneo reclamou: não admitia que tivessem dó dele por ser cristão, já que não tiveram do Cristo. Exigia ser passado a fio de espada. Irado com a insolência do religioso, Probo mandou então que fosse decapitado. Era o dia 25 de março de 304.
A Igreja celebra a festa litúrgica de Irêneo de Sírmium, no dia de sua morte.

(6.3) – ANUNCIAÇÃO DO ANJO À VIRGEM MARIA
A visita do Arcanjo Gabriel à Virgem Maria, quando esta se encontrava em Nazaré, cidade da Galiléia, marca o início de toda uma trajetória que cumpriria as profecias do Velho Testamento e daria ao mundo um novo caminho, trazendo à luz a Boa Nova. Ali nasceu também a oração que a partir daquele instante estaria para sempre na boca e no coração de todos os católicos: a Ave Maria.
Maria era uma jovem simples, noiva de José, um carpinteiro descendente direto da linhagem da casa de Davi. A cerimônia do matrimônio daquele tempo, entretanto, estabelecia que os noivos só teriam o contato carnal da consumação depois de um ano das núpcias. Maria, portanto, era virgem.
Maria perturbou-se ao receber do anjo o aviso que fora escolhida para dar à luz ao Filho de Deus, a quem deveria dar o nome de Jesus, e que Ele era enviado para salvar a Humanidade e cujo Reino seria eterno. Sim porque Deus, que na origem do Mundo Criou todas as coisas com sua Palavra, desta vez escolheu depender da palavra de um frágil ser humana, a Virgem Maria, para poder realizar a Encarnação do Redentor da Humanidade.
Ela aceitou sua parte na missão que lhe fora solicitada, demonstrando toda confiança em Deus e em Seus desígnios, para o cumprimento dessa profecia e mostrou porque foi ela a escolhida para ser Instrumento Divino nos acontecimentos que iriam mudar o destino da Humanidade.
Ao perguntar como poderia ficar grávida, se não conhecia homem algum e receber de Gabriel a explicação de que seria fecundada pelo Espírito Santo, por graças do Criador, sua resposta foi tão simples como sua vida e sua fé: “Sou a serva do Senhor. Faça-se segundo a Sua vontade”.
Com esta resposta, pelo seu consentimento, Maria aceitou a dignidade e a honra da maternidade divina, mas ao mesmo tempo também os sofrimentos, os sacrifícios que a ela estavam ligados. Declarou-se pronta a cumprir a vontade de Deus em tudo como sua serva. Era como um voto de vítima e de abandono. Esta disposição é a mais perfeita, é a fonte dos maiores méritos e das melhores graças. O momento da Anunciação, onde se dá a criação, na pessoa de Maria como a Mãe de Deus, que acolhe a divindade em si mesma, contém em si toda a eternidade e, nesta, toda a plenitude dos tempos.
Por isso a data de hoje marca e festeja este evento que se trata de um dos mistérios mais sublimes e importantes da História do homem na Terra: a chegada do Messias, profetizada séculos antes no Antigo Testamento. Episódio que está narrado em várias passagens importantes do Novo Testamento.
A festa da Anunciação do Anjo à Virgem Maria, Lc 1, 26-38, é comemorada desde o Século V, no Oriente e a partir do Século VI, no Ocidente, nove meses antes do Natal, só é transferida quando coincide com a Semana Santa.

NINGUÉM AMA O QUE NÃO CONHECE

CELEBRAÇÃO DE HOJE

ANUNCIAÇÃO DO SENHOR
(BRANCO, GLÓRIA, CREIO, PREFÁCIO PRÓPRIO – OFÍCIO DA SOLENIDADE)

RITOS INICIAIS

Monição Ambiental ou Comentário Inicial
Com seu “faça-se”, Maria inaugura novo tempo para a humanidade: acolhe em seu seio o Filho de Deus, para que estabeleça morada entre nós. Nela o povo da promessa se torna o novo Israel, Igreja de Cristo. O Senhor está com ela e conosco também, para todo o sempre.

Antífona da entrada
Ao entrar no mundo, Cristo disse: Eis-me aqui, ó Pai, para fazer a tua vontade (Hb 10, 5.7).

Oração do Dia ou Oração da Coleta
Ó Deus, quisestes que vosso Verbo se fizesse homem no seio da virgem Maria; dai-nos participar da divindade do nosso redentor, que proclamamos verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

LITURGIA DA PALAVRA

Monição para a(s) Leitura(s)
O Senhor nos deu grande sinal: a virgem concebeu e deu à luz um filho. Jesus é o Deus conosco, aquele que cumpre a vontade do Pai. Maria teve participação decisiva na história da salvação.

Monição ou Antífona do Evangelho
Glória a Cristo, palavra eterna do Pai, que é amor!
A palavra se fez carne e habitou entre nós. E nós vimos sua glória que recebe de Deus Pai (Jo 1, 14).

Oração Universal ou Oração dos Fiéis

AS: Dai-nos, Senhor, a vossa graça.
1. Senhor, escolhestes a Virgem Maria para mãe do vosso Filho; olhai por todos os que esperam a plenitude do vosso reino.
2. Pelo anjo Gabriel, anunciastes a Maria a alegria e a paz; dai ao mundo inteiro a alegria da salvação e a paz verdadeira.
3. Vós elevais os humildes e saciais os que têm fome; continuai realizando em nossos dias, as vossas maravilhas.
4. Maria recebeu com alegria a mensagem do anjo; fazei que acolhamos com gratidão nosso salvador na pessoa dos pobres.
5. Olhastes para a humanidade de vossa serva; lembrai-vos e tende compaixão de todos nós, vossos filhos e filhas.

LITURGIA EUCARÍSTICA

Oração sobre as Oferendas
Recebei, ó Deus onipotente, as oferendas de vossa Igreja, que comemora a sua origem na encarnação do vosso Filho, celebrando com alegria este grande mistério. Por Cristo, nosso Senhor.

Antífona da Comunhão
A virgem conceberá e dará à luz um filho. Ele será chamado: “Deus-conosco” (Is 7, 14).

Oração depois da Comunhão
Ó Deus, confirmai em nossos corações os mistérios da verdadeira fé, para que, proclamando verdadeiro Deus e verdadeiro homem aquele que nasceu da Virgem, cheguemos à felicidade eterna pelo poder da sua ressurreição. Por Cristo, nosso Senhor.

RITOS FINAIS OU RITOS DE ENCERRAMENTO

Ide em Paz!

FONTES DE CONSULTAS E PESQUISAS

Vamos expor a seguir de onde pertencem os textos que nos preenchem todos os dias, nos dando um caminho com mais sabedoria, simplicidade e amor.

FONTE PRINCIPAL DE PESQUISA E INSPIRAÇÃO
cfeb0-bblia_257e2

FONTE DE CONSULTA LITÚRGICA
IGMR (INSTRUÇÃO GERAL DO MISSAL ROMANO – 1ª EDIÇÃO / 2008)
IGMR

REFLITA

O importante não é a pessoa que escreve, mas quem foi que inspirou essa pessoa a escrever.
O importante não é como se lê o que está escrito, mas como se age.
O importante não é sentar-se à direita ou a esquerda do Pai, mas sim, realizar o trabalho que Ele nos pede.
Ter conhecimento não é ter sabedoria, sabedoria é ter discernimento e saber compartilhar o conhecimento.

FONTES DE ORIENTAÇÕES E PESQUISAS DAS REFLEXÕES, ORAÇÕES E COMEMORAÇÕES

(1.1) – Blog Liturgia Diária da Palavra de Deus (Reflexões e Comentários);
(1.2) – Periódico Mensal: Liturgia Diária (Editoras Paulinas e Paulus);
(1.3) – Periódico Mensal: Deus Conosco (Editora Santuário);
(1.4) – Portal CNBB (A Palavra de Deus na Vida);
(5) – Portal Editora Santuário;
(6) – Portal Editora Paulinas;
(7) – Portal e Blog Canção Nova;
(8) – Portal Dom Total;
(9) – Portal Edições Loyola Jesuítas;
(10) – Portal Evangelho Quotidiano;
(11) – Blog Liturgia Diária Comentada;
(13) – Portal Catequisar: Catequese Católica;
(14) – Portal Comunidade Católica Nova Aliança;
(15) – Portal Fraternidade O Caminho;
(16) – Portal Evangeli.net;
(17) – Portal Padre Marcelo Rossi;
(18) – Um Novo Caminho;
(19) – Portal Dom Total: Roteiro Homilético;
(20) – Portal de Catequese Católica;
(21) – Blog Homilia Dominical;
(22) – Portal NPD Brasil;
(23) – Portal Canção Nova: Música;
(24) – Portal Editora Paulus;
(25) – Portal Católica Net;
(26) – Portal Católico Orante;
(27) – Rádio Catedral FM 106,7: Liturgia Diária;
(28) – Portal Comunidade Resgate;
(29) – Portal Católico na Net.

MENSAGEM PARA VOCÊ E PARA MIM MESMO

Mais vale o desconforto da VERDADE, do que a comodidade da MENTIRA.

E usando a essência da Oração da Serenidade, devo orar:

Ó meu Deus e Senhor, Pai de misericórdia e Salvação,
que em seu Filho Jesus perdoou os nossos pecados,
e com o seu Santo Espírito, paráclito nesse nosso mundo que caminha conosco,
apenas em Ti posso almejar a vida eterna, socorre-me e ouvi-me:
Se o ERRO está em mim, que DEUS possa me dar a HUMILDADE de aceitar que estou errado.
Que Jesus me dê a SERENIDADE, para aceitar que tem coisas que não posso mudar.
E que o Espírito Santo me dê a CORAGEM, suficiente para mudar aquelas coisas que dependem de mim, mesmo que sejam difíceis.

E para complementar os alicerces de orações da minha vida, faço como o santo Tomás de Aquino:

“Concede-me, Deus misericordioso, que deseje com ardor o que tu aprovas, que o procure com prudência, que o reconheça em verdade, que o cumpra na perfeição, para louvor e glória do teu nome.
Põe ordem na minha vida, ó meu Deus, e permite-me que conheça o que tu queres que eu faça, concede-me que o cumpra como é necessário e como é útil para a minha alma.
Concede-me, Senhor meu Deus, que não me perca no meio da prosperidade nem da adversidade; não deixes que a adversidade me deprima, nem que a prosperidade me exalte.
Que nada me alegre ou me entristeça para além do que conduz a ti.”

Viver CORRETO e falar a VERDADE hoje são tão difíceis quanto na época de Jesus, pois é muito mais fácil aceitar a MENTIRA e fazer o ERRADO.
Viver no CAMINHO, VERDADE E VIDA, que é o próprio Cristo Jesus, tem que ser uma caminhada diária.
O futuro é desejo e pensamento.
O passado é aprendizado e lembrança.
O hoje é realidade, isso quer dizer: CRISTO.

Meus amigos(as) de coração, meus irmãos(ãs) na fé em Cristo Jesus, lembrem-se:
“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”
“Não julgues para não seres julgados.”
“A quem é muito dado, muito será cobrado.”

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s