Liturgia Diária 26/12/16

Liturgia Diária 26/12/16 (Segunda) – Mateus 10, 17-22.

Bom dia. REFLEXÃO DE ALEXANDRE SOLEDADE.

“Bom dia! Reafirmo: Ninguém disse que seria fácil manter a fé!

A sociedade e o tempo em que Jesus manifestou essas palavras eram cercados de medos. Um tempo onde primos, sobrinhos, netos, (…) eram chamados de filhos e irmãos. Um tempo onde já se vivia em cidades, mas que nos módulos básicos de convivência ainda carregavam a ideia de clãs, tribos, próximos…

Muitos filhos não tinham respeito por seus pais ao ponto de entregá-los, roubá-los, matá-los por causa de heranças, pastos, ovelhas, cargos de influência, ou seja, por nada. Uma época onde os adeptos de Jesus eram chamados de seguidores do “caminho”, pois ainda não havia a expressão “cristãos” ou tão pouco cristianismo.

“(…) Depois de ir e vos preparar um lugar, voltarei e tomar-vos-ei comigo, para que, onde eu estou, também vós estejais. E vós conheceis o caminho para ir aonde vou”. Disse-lhe Tomé: “Senhor, não sabemos para onde vais. Como podemos conhecer o caminho?” Jesus lhe respondeu: “EU SOU O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA; ninguém vem ao Pai senão por mim. Se me conhecêsseis, também certamente conheceríeis meu Pai; desde agora já o conheceis, pois o tendes visto”. (João 14, 3-6)

Esse “caminho” que Jesus ensinava trilhar ia de encontro, ou melhor, em atrito, com os valores da época. O “caminho” pregava que a vida não era centrada na busca do poder e sim da simplicidade; que não criava ou valorizava reis ou seres de influência, o caminho pregava o serviço ao próximo. Dizia “não” ao orgulho, a arrogância e a prepotência.

Não dizia nada de errado aos nossos olhos, mas então, por que Ele era, e é, tão perseguido?

Será que algum de nós hoje poderia dizer que o que pregavam era errado?

O intrigante é hoje também somos perseguidos por buscar o caminho.

Recentemente uma professora foi demitida por expor que papai Noel é uma simbologia e não algo real de fato. Por acaso mentiu?

Mas esse mundo consumista precisa de um rei que venda e não que ensine às pessoas a verdade, valores morais, opiniões…

Nesse momento não falo de religião e sim de um caminho…

Será que ela precisa mesmo mentir para se manter no trabalho?

Esse simples fato, sem entrar em detalhes, expõe uma dura realidade que precisamos expor dentro de cada um de nós:

— Será que estamos mentindo para podermos ser aceitos ou nos aceitar?

— Quantas vezes precisamos omitir nossos valores e o que cremos para podermos viver?

— Será que exagero?

Não creio!

Quando mentimos um balanço ou compramos notas fiscais para abater o que não consumimos em imposto de renda; quando pagamos ao policial que pede “caixinha” mesmo sabendo que não há nada de errado com o carro; quando nos aliamos ou votamos no corrupto a espera de um favor; quando alimentamos a indústria dos CDs e DVDs piratas; quando sabemos um erro da vida do outro e os julgamos e sentenciamos para ocultar minhas próprias mazelas, erros…

Nossa! Como é fácil apontar erros dos outros para esconder os meus!

E não paramos por aí…

Perseguimos o irmão da outra igreja, pastoral ou movimento; tecemos críticas que talvez não fizéssemos nem aos nossos inimigos; usamos da fofoca, da calúnia, do fuxico para tentar descredenciar esse(a) filho(a) de Deus que trabalha tão bem e por inveja não consigo perceber.

Antes mesmo que abra a boca já fechamos os ouvidos e o pior falamos isso como fossemos defensores da moral…

Por que será que pessoas que erraram temem voltar à comunidade?

Por que será que o casal que se separou precisa muitas vezes mudar de bairro para voltar à missa?

O que será que Jesus nos confiou:

Buscar quem se perdeu ou julgá-las?

“(…) O irmão entregará à morte o próprio irmão; o pai entregará o filho; os filhos se levantarão contra seus pais e os matarão”.

Creio que se pelo menos os “nossos” pararem de nos perseguir, e quando digo “nossos” digo todos que seguem o caminho (cristãos, sejam eles católicos, evangélicos, …), acredito que poderemos cumprir de fato o último desejo de Cristo antes de subir aos céus: “Ide ao mundo e pregai o evangelho a toda criatura”.

E aí? Eu junto ou espalho?

Um imenso abraço fraterno.”

slide1 slide2 slide3 slide4 slide5 slide6 slide7 slide8 slide9

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s