Liturgia Diária 15/02/17

Liturgia Diária 15/02/17 (Quarta) – Marcos 8, 22-26.

Bom dia. Meus queridos amigos e amigas, o Evangelho de hoje nos faz refletir se verdadeiramente estamos nos deixando ser curados, nos convertendo, se estamos caminhando na Boa Nova de Jesus, nos entregando por completo à esta nova vida, ou se estamos nos entregando àquilo que o mundo nos apresenta. E por isso, não vou entrar no contexto físico daquele cego, pois, Jesus usou dos gestos e de suas falas para nos orientar em nossa vida hoje, agora.

Jesus pode sim, nos curar de nossas enfermidades físicas, mas o mais importante para Cristo, não é apenas a cura física, mas sim cura espiritual, a cura do coração. Até poderíamos nos perguntar: Onde estarei sendo um exemplo edificador e de uma verdadeira conversão, na minha doença ou na minha cura? Na minha luta ou na minha entrega? Será que já paramos para pensar onde que primeiro eu deva ser curado, no meu físico ou no meu espírito?

E o texto de hoje, nos faz refletir sobre este aspecto da dinâmica de Cristo em nossa vida.

Neste episódio, o cego foi levado diante de Cristo para que fosse curado.

E nós, quando é que fomos apresentados à Cristo com o desejo de sermos curados, ou, de pelo menos, desejarmos a nossa conversão? Vocês se lembram, quando foram convidados para conhecerem um pouco mais à Cristo?

Vejamos: “Jesus pegou o cego pela mão”…

Jesus nos pega pela mão, quando acolhemos o seu 1º chamado. E por isso, pergunto, quando é ou foi que aconteceu este chamado na sua vida? No seu batismo? Na sua 1ª Eucaristia? Na Crisma? No Matrimônio? No ECC, EJC, Pastoral? Na Santa Missa? Quando foi o seu 1º chamado que você realmente aceitou a estar um pouco mais próximo de Cristo?

Pensou? Então podemos continuar: “Jesus, levou-o cego para fora do povoado”…

Já notamos que todos os nossos encontros, nossas formações são realizadas longe do mundo, por um determinado tempo, dias, horas? Já notamos que Jesus precisa deste tempo para que acolhamos o seu chamado? E aí, já havia notado sobre isso? Será que você alguma vez conseguiu se desapegar do mundo e ir de coração aberto a estes “encontros” com Cristo? Uma noite, um dia, um final de semana, todo sábado…

Reflitamos mais um pouco: “Jesus, cuspiu nos olhos dele, pôs as mãos sobre ele…”

É neste momento que conseguimos diante das leituras, das orações, dos cantos, dos testemunhos, das reflexões e homilias, que vemos e ouvimos em nossos chamados, em nossos encontros, que a Palavra de Deus começa a entrar em nossos corações, em nossas vidas, nos chamando a nos converter, a ser uma nova pessoa. São nestes momentos, que ficamos alegres, ficamos transbordando desejos e vontades, onde choramos e sorrimos, onde vislumbramos que a nossa vida pode ser melhor mais parte de Deus. Não é assim que nos sentimos?

Só que aí, neste momento, Cristo nos faz uma pergunta: “Estás vendo alguma coisa?”

Cristo tem o cuidado de saber de nós aquilo que conseguimos aprender, refletir e discernir diante de sua Palavra, pois, Ele sabe o quão difícil é, para nós, acolhermos verdadeiramente a sua Boa Nova, por isso, Ele tem a paciência em saber o momento correto e sempre se preocupa conosco. Ele conhecendo o nosso coração, tem o cuidado de saber se aquele momento não é apenas “fogo de palha” ou a semente que caiu à beira do caminho.

É neste momento que refletindo sobre tudo o que havia acontecido, “o cego, disse: “Estou vendo os homens. Eles parecem árvores que andam”.”

É agora, que nos mostramos fracos diante de nossa conversão, por isso o cuidado e a paciência de Cristo com o cego e conosco hoje. Quando aceitamos ouvir a Palavra de Deus, o mundo, refletido nos “homens que o cego conseguia ver”, significam as tentações que o mundo continua a nos oferecer. São diante das mudanças de nossas atitudes, que o inimigo irá tentar nos tirar desta nova vida. Observem, se algo assim não aconteceu conosco:

— Aceitamos a Cristo, e por isso, não iremos mais trair ao nosso cônjuge… mas sempre aparece alguém para te chamar a dar uma saidinha com aqueles “amigos” ou “amigas”…

— Aceitamos a Cristo, e por isso, não iremos mais nos embriagar com bebidas, nos tornando apenas apreciadores responsáveis… mas sempre aparece alguém onde irá te chamar para dar um gole a mais, uma saideira a mais, que será apenas hoje para lembrarmos dos velhos tempos…

— Aceitamos a Cristo, e por isso, não iremos julgar mais as pessoas, mas em vez disso estaremos as acolhendo com o nosso carinho, amor e nossa ajuda… mas sempre aparece alguém querendo nos fofocar com alguma injúria ou difamação…

— Aceitamos a Cristo, e por isso, não iremos mais faltar à Santa Missa ou às nossas formações, espiritualidades e orações… mas sempre aparece alguém te convidando para algo justo naquele dia ou naquela hora e nos deixamos ser pegos pela preguiça, pela irresponsabilidade…

Por isso, que “Jesus voltou a pôr as mãos sobre os olhos dele e ele passou a enxergar claramente. Ficou curado, e enxergava todas as coisas com nitidez.”

Como Jesus é santo e misericordioso, e sempre está pronto a nos perdoar e caminhar junto conosco, é que Ele voltou a pôr as mãos sobre o cego, e curou-o por definitivo. É neste momento, que diante de nossa queda, que precisamos sermos humildes em nossas atitudes e nos reconhecer pecadores, e realmente, aceitarmos que Jesus faça parte de nossas vidas, para que Ele nos cure o físico, sim, mas nos cure o espírito, nos cure por inteiro. Que sejamos restaurados pelo seu amor na sua Palavra, e que sejamos perseverantes ao caminhar na sua Boa Nova. Nós, precisamos verdadeiramente, nos transformar em novas criaturas, escolhendo de livre e espontânea vontade, a opção de viver no seu amor, na sua paz, de sermos para nós e para aqueles que nos cercam, o sal que dá o sabor do amor e a luz que ilumina o caminho, amparados pelo Espírito Santo, o paráclito do Senhor.

Mas não devemos parar por aqui, pois “Jesus mandou o homem ir para casa, e lhe disse: “Não entres no povoado”!”

Eis a grande questão de nossa conversão, o grande desafio que devemos combater diante do chamado de Cristo: não olhar para traz, pois, se desejarmos ainda às coisas do mundo, estaremos nós, mais uma vez, em pecado e longe de Cristo.

Será que, aquele que se diz seu “verdadeiro amigo”, sabendo que você está querendo uma nova vida em Cristo, ele irá te respeitar ou ele irá te oferecer as mesmas coisas que irão te fazer cair novamente?

Pense bem! Reflita! Não sou eu que vou te dizer o que é melhor para você, é você que têm de fazer esta escolha. É você que tem que escolher o que é mais importante em sua vida: a conversão em Cristo ou os prazeres do mundo!

Posso te dizer, e digo a mim mesmo, o Espírito Santo é que nos retira do meio do problema, e nos faz ver as coisas e os acontecimentos com os olhos da fé iluminando a nossa inteligência e nos dando o discernimento para que possamos voltar ao nosso lugar e agir conforme a vontade de Deus.

A cada dia o Senhor quer fazer em nós uma obra nova e é por isso, que necessitamos de cura. E isso, cabe apenas a nós, porque Cristo não nos obriga, Ele apenas nos ama.

Deus abençoe você! FIQUE NA PAZ DE JESUS!

Um abraço fraterno, e que tenhamos um abençoado dia na graça do Senhor.

Humildemente, seu irmão na Fé, Flávio Eduardo.

slide1 slide2 slide3 slide4 slide5 slide6 slide7 slide8 slide9

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s