Liturgia Diária 12/03/17

Liturgia Diária 12/03/17 (Domingo) – Mateus 17, 1-9.

REFLEXÃO DE MARIA DE LOURDES CURY MACEDO.

Jesus estava preparando seus discípulos para a sua paixão, morte e ressurreição. Para eles era difícil entender e aceitar essa condição, pois haviam deixado tudo para segui-lo. Deixaram casa, família, trabalho porque viram nele uma grande esperança de dias melhores. Jesus exercia em todos uma enorme atração, cativava todos que se aproximavam dele. Agora Jesus falava em morte, sofrimento, dor, partida… Jesus ensinou-lhes o caminho do sacrifício que deveriam seguir para alcançar o céu. Jesus conhecia a dificuldade deles em assimilar essas ideias, que poderiam ser loucas aos olhos dos discípulos e de qualquer ser humano.

Passados uns dias depois de ter falado de sua paixão e morte, Jesus chamou Pedro, Tiago e seu irmão João, foi com eles para um lugar afastado, a um monte bem alto. E diante deles transfigurou-se, manifestando assim a sua glória, para que eles tivessem certeza de que ele era realmente o Messias e para terem esperança que depois da morte viria o céu, o encontro com o Pai, a vida eterna.

Lá na montanha, que é símbolo do encontro com Deus Jesus revelou para eles a sua verdadeira identidade: que além de homem, ele também é Deus.

Jesus se transfigurou, se transformou, deixou transparecer a sua divindade, possibilitando aos discípulos enxergar além da cruz, além da morte, isto é, o que aconteceria depois da morte, existe uma outra vida. Que a morte não seria o fim, mas o começo de uma nova vida. De uma vida gloriosa, bela, feliz, sem sofrimento, sem tristeza, sem angústia. Seu corpo mortal, sujeito ao sofrimento, semelhante em tudo a nós e por nós sofrer, se revestiu do corpo glorioso e que nós também poderemos ter um dia.

Nisso apareceram dois homens e começaram a conversar com Ele sobre sua morte. Eram Moisés e Elias, representantes do Antigo Testamento.

Moisés, o grande legislador, o libertador e guia do povo escolhido por Deus, que se curva na presença de Cristo, dando testemunho da missão divina do Messias, que veio completar e aperfeiçoar a Lei.

Elias representa os profetas, Jesus é o motivo das profecias. Elias foi o restaurador da fé em Javé, no Reino do Norte, no tempo do rei Acab. Elias libertou o povo da opressão e da idolatria. Sua presença na transfiguração de Jesus vem dar testemunho que Jesus é o libertador definitivo, prometido e prefigurado nos líderes do passado.

O Antigo Testamento, nas pessoas de Moisés e Elias, testemunha que Jesus veio para libertar a humanidade por meio da entrega total de sua vida.

No momento sublime da transfiguração, em que Jesus se revela divino, que Ele deixa transparecer sua divindade, momento de muita intimidade com o Pai, suas vestes ficaram resplandecentes, brancas, iluminadas, e de uma nuvem que se formou ouviu-se a voz do Pai: “Este é o meu Filho muito amado, escutai-o”.

Era uma situação tão boa, tão bela, tão feliz, que Pedro sugeriu fazer três tendas para ficarem lá. Estes três discípulos tiveram a felicidade de experimentar antecipadamente o céu, a glória, o esplendor de Jesus e por isso queriam ficar lá. Queriam permanecer para sempre no alto do monte com o Filho de Deus transfigurado. Não queriam voltar ao cotidiano, ao dia-a-dia, à luta, ao trabalho…

Eles contemplaram e experimentaram a glória de Jesus, o seu esplendor. Para Pedro, João e Tiago foi uma experiência fascinante. Era desse jeito que eles queriam Jesus! Jesus glorioso, divino, sem sofrimento, sem tristezas, sem dor, sem cruz! Entretanto, era necessário descer o monte. Era necessário continuar a vida, passar pela cruz, para chegar à ressurreição, à glória eterna.

Pedro sugeriu para Jesus ficar no monte. Mas, por quê?

É muito bom estar na glória, no céu, na paz, na felicidade. Naquele momento, Pedro representava todo o ser humano, isto é, todos nós, que queremos viver a alegria da ressurreição, da páscoa, sem passar pela entrega e pela morte, sem passar pela dor, pelo sofrimento, pela cruz. Nós temos medo do sofrimento, da dor, da cruz, da morte, da tristeza, da contrariedade.

Também nossa natureza humana nos puxa para o comodismo, não queremos ter trabalhos ou dificuldades, queremos tudo que é fácil e prazeroso. Fugimos das situações difíceis e das que requerem esforço, sacrifício, doação. Nós não queremos cruz, sofrimentos, tristezas, compromissos, responsabilidades, morte.

Jesus nos ensina que não podemos ficar no monte, isto é, só na contemplação, no bem bom, desfrutando da glória de Deus. Mas é preciso descer do monte. É aqui embaixo, na planície, que temos de brilhar como Jesus, de ser luz para os irmãos, ser resplandecente para os nossos irmãos na nossa comunidade, através dos nossos gestos concretos de amor, de justiça, fraternidade, sinceridade.

Brilhar, apesar das tribulações da vida, das dores, dos sofrimentos, das decepções. Quem transforma o seu coração pela presença de Jesus apaga todo o ódio, todo o pecado e todo o rancor. É missão do discípulo de Jesus transfigurar o mundo, ser luz para o mundo.

A transfiguração de Jesus é sinal da sua vitória sobre a morte e a vitória do seu projeto. Jesus quis mostrar para os discípulos, que ele está além da cruz, do sofrimento, além da morte. Ele quis mostrar o grande amor de Deus pela humanidade e o que Deus preparou para esperar o homem depois da morte, todavia, para aqueles que ouviram Jesus, para aqueles que seguem a pessoa de Jesus, que atendem o Pai, ouvindo Jesus. E ouvir Jesus é viver de acordo com sua Palavra, com o Evangelho, dando credibilidade aos seus ensinamentos. Sendo perseverante, firme, tendo uma vida exemplar.

A transfiguração de Jesus nos mostra que todo aquele que se esforça para ser outro Cristo, também irá ressuscitar para a vida eterna e vai viver glorioso com Jesus e como Jesus. Isto é uma grande esperança para todos nós, é uma imensa alegria, é motivo de perseverança é a grande recompensa que Deus nos dará.

Vamos ser outro Cristo glorioso para nossos irmãos, transfigurado, através dos nossos gestos de amor, de paz, de compreensão, de solidariedade. Vamos brilhar, vamos ser luz, ser transparentes, vamos ter roupas alvas, claras, limpas, resplandecentes como as de Jesus.

Com a ajuda do Espírito Santo que Jesus já nos enviou, podemos nos transfigurar, nos transformar e conseguir inverter a situação atual do mundo em que vivemos, mundo de crimes, de violência, de ganância, de exploração, opressão, injustiça, de falsidade, de egoísmo, de inveja, corrupção, enfim, um mundo afastado de Jesus e que O despreza.

Com muita fé e confiança peçamos a Jesus ressuscitado: Jesus, transfigura o nosso coração. Ajuda-nos, Senhor, descer do monte, para brilharmos aqui embaixo, ser luz na planície, no meio dos nossos irmãos e da nossa comunidade. Ajuda-nos, Senhor, porque nós sabemos e cremos que o Senhor está vivo e presente no meio de nós.

Deus abençoe você! FIQUE NA PAZ DE JESUS!

Um abraço fraterno, e que tenhamos um abençoado dia na graça do Senhor. Confie em Deus!

Humildemente, seu irmão na Fé, Flávio Eduardo.

Anúncios
Esse post foi publicado em Religião. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s